Você está na página 1de 38

INFORME O NÚMERO DO BLOCO/VÍDEO DÊ UM TÍTULO PARA O ASSUNTO QUE SERÁ TRATADO NESTE BLOCO/VÍDEO

AULA 4 ATM

SELECIONE A POSIÇÃO DESTE BLOCO/VÍDEO COPIE E COLE O TRECHO OU TÍTULO DO CONTEÚDO ONLINE ONDE SERÁ INSERIDO ESTE BLOCO/VÍDEO

X ACIMA DO TRECHO
ABAIXO DO TRECHO
ACIMA DO TÍTULO
INSERIR COMO VIDEO DA AULA 5
ABAIXO DO TÍTULO

Trecho do vídeo
(vídeo máximo 4min)
SE DESEJAR EXIBIR UM VÍDEO INÍCIO FIM
DURANTE A GRAVAÇÃO INSIRA AQUI O LINK DO YOUTUBE
(SOMENTE VÍDEOS DO YOUTUBE) 00:00 00:00

NÃO PREENCHER - PARA USO DO ESTÚDIO


ATM X Frame-Relay

• ATM e Frame-Relay
– Comunicação Orientada a Conexão
• Connecion-Oriented
• Ambas as tecnologias permitem dividir a banda de um
enlace físico através de circuitos virtuais.
• ATM:
– VPI e VCI
• FRAME RELAY
– DLCI
Fatores para o Desenvolvimento

• A emergente demanda por serviços faixa larga


• A disponibilidade de tecnologias de alta velocidade de
transmissão, chaveamento e processamento de sinais
• A capacidade de melhor processamento de imagens e dados
Necessidades de Mercado

• Assinantes Residenciais
– Vídeo telefonia, CATV, TV on-demand, HDTV, Vídeo
Shoping, Educação à distância, etc.

• Assinantes Comerciais
– Vídeo telefonia, Interconexão de LANs, Telemedicina,
Controle visual de processos, etc.
Largura de Banda
Frame Relay – 2Mbits/s

67 min.
1GB
52 seg.

ATM – 155 Mbits/s


ATM (Asynchronous Transfer Mode ou Modo de Transferência
Assíncrono).
– Modo de Transferência é o termo usado pelo ITU-T para
descrever a tecnologia que cobre os aspectos de transmissão,
multiplexação e comutação.
– O Modo de Transferência Assíncrono é uma tecnologia que
utiliza pequenos pacotes de tamanho fixo, chamados de
células, para transmitir, multiplexar e comutar tráfegos de voz,
vídeo, imagens e dados sobre uma mesma rede de alta
velocidade.
– O ATM é uma tecnologia de comutação de pacotes baseada
em circuitos virtuais.
Principais Características
• Utiliza pequenos pacotes de tamanho fixo (53 bytes), chamados de
células, para transportar voz, dados e vídeo sobre uma mesma
rede de alta velocidade.
• A funcionalidade do cabeçalho (5 bytes) das células ATM é mínimo.
• O campo de informações das células ATM é relativamente pequeno
(48 bytes).
– Este valor otimiza os fatores conflitantes:
• Atraso na rede.
• Eficiência de transmissão.
• Complexidade de implementação.
ATM - Definições básicas
• Um canal não é identificado pela posição fixa de seus slots em uma
estrutura recorrente no tempo.
– Tira proveito da ATDM (Asynchronous Time Division Multiplexer)
alocando, dinamicamente, partes da banda passante de acordo
com a demanda dos serviços.
– Um canal ATM passa a ser identificado por um rótulo que
representa a conexão lógica estabelecida para o transporte de
segmentos de informação de um mesmo serviço.
– A taxa de transmissão de um serviço passa a ser determinada
pelo número de células no tempo.
Multiplexação Assíncrona X Síncrona
STM
STM TimeSlot
Time Slot88bits
bits
voz
voz

dados
dados MUX
MUX
(125s)s)
Frame(125
vídeo
vídeo Frame

CÉLULA(53
(53bytes)
bytes)
ATM
ATM CÉLULA

voz
voz

dados
dados MUX
MUX
(125s)s)
Frame(125
vídeo
vídeo Frame
Efeitos do Tráfego - ATM x STM
• STM (Synchronous Transfer Mode).
– Banda disponível ao usuário FIXA.
– Excesso de tráfego oferecido causa BLOQUEIO.
– Depois da conexão estabelecida a QoS permanece
constante.
• ATM (Asynchronous Transfer Mode).
– Banda disponível sob demanda.
– Sensibilidade da QoS em relação ao perfil de tráfego.
– Ganho estatístico no dimensionamento da rede.
Segmentação e Montagem das Células
Diferentes serviços convergem para conexões virtuais distintas em um mesmo meio físico

Conceito do ATM Taxa Taxa Taxa Taxa

Te mpo Te mpo Te mpo Te mpo

CBR CBR VBR ABR


Canal virtual Canal virtual Canal Virtual com Canal virtual com
com taxa de bit com taxa de bit taxa de bit varável taxa de bit em rajada
constante constante (Avaiable Bit Rate)
(baixa) (alta)

Nível AAL
segmentação e
remontagem

MUX Nível ATM


multiplexação e
rede de
transporte

Nível Físico
STM
Célula ATM Sinchronous Transfer Mode
(SDH/SONET)
A VISÃO ATM

VÍDEO DADOS VOZ REDE DADOS


ATM

A Rede ATM transporta blocos de


informação (células) com baixo delay
e alta velocidade
Dispositivos terminais convertem tráfego
original para/de células
• Não existe proteção contra erros ou controle de tráfego na rede.
– A não proteção de erros é permitida uma vez que os enlaces
são de alta qualidade.
– A perda de pacotes devido à overflow dos buffers, problema
típico para a rede ATM, é minimizada à valores aceitáveis da
ordem de 10-8 a 10-12, através da adequada alocação de
recursos e dimensionamento dos buffers.
• ATM opera no modo orientado à conexão.
– Antes da transferência da informação de um terminal para o
destino, é realizada a fase de estabelecimento de conexão
virtual (lógica), verificando se a disponibilidade recursos da
rede é adequada para a necessidade, caso contrário, a
sessão é descartada e não se inicia.
– Este modo orientado à conexão permite à rede garantir em
todas as transmissões uma minimização da PLR.
– Com o encerramento da transmissão os recursos são
colocados em disponibilidade para outras conexões.
• A funcionalidade do cabeçalho é reduzida.
– Permite um rápido processamento na rede devido a um número
limitado de funções, causando um atraso de processamento e
atraso de filas pequeno.
– Principal função é identificar a conexão virtual, por um
identificador selecionado na fase de estabelecimento de conexão,
e garantir o correto roteamento do pacote.
– Permite a multiplexagem de diversas conexões virtuais em um
mesmo enlace: células com diferentes identificadores.
• A funcionalidade do cabeçalho é reduzida.
– Erros no cabeçalho causarão roteamento indevido e
conseqüentemente perda de pacotes. Desta forma, um bit errado
no cabeçalho ocasionará n bits errados ( n igual ao tamanho do
pacote): Duplicação do erro, onde pode encaminhar a célula para
um destino existente, porém errado.
– Técnicas de detecção e correção de erros, no cabeçalho, são
implementadas para reduzir o efeito de multiplicação de erros.
• O comprimento do payload é pequeno.
– Reduz o tamanho dos buffers e o atraso de filas no nós de
chaveamento, garantindo um atraso total e variação
estatística do atraso adequados à implementação de
serviços de tempo real.
A CÉLULA ATM
Cabeçalho Payload
5 bytes 48 bytes

• pacote pequeno
• tamanho fixo - comutação eficiente por hardware
• conexão virtual, permite a multiplexação assíncrona de
pacotes
• cabeçalho contém informação do circuito virtual
• payload pode ser voz, vídeo, dados
Nomenclatura das Interfaces
NNI UNI
UNI

UNI
UNI
NNI
O modelo de protocolos ATM na rede
O Modelo de Referência do ATM
Camada Física - Sub camadas
Camada AAL TC -Transmission Convergence
Camada ATM PMD -Physical Medium Dependent
Camada Física

PMD
• Transmissão e alinhamento de bits
• Codificação, conversão eletro-ótpca-eletro
TC
• Mapeamento da célula na estrutura de transmissão
• Delineamento de Células
• Fluxo de OAM de transmissão
• Geração e verificação de HEC
• Adaptação da taxa do usuário (inserção de células vazias (idle))
A camada ATM
• Responsável pelas funções
– Multiplexação e Demultiplexação de
Células. Camada AAL
– Adição e remoção do cabeçalho da Camada ATM
célula (header). Camada Física
– Chaveamento (comutação) e
encaminhamento de célula.
– Controle Genérico de Fluxo na IN OUT
Interface Usuário Rede - UNI
Cabeçalho das Células nas interfaces UNI e NNI

· UNI – Interface Usuário / Rede  NNI – Interface Rede / Rede


8 Bits 1 8 Bits 1

GFC VPI VPI 1º Byte

VPI VCI VPI VCI 2º Byte

VCI VCI 3º Byte

VCI PTI CLP VCI PTI CLP 4º Byte

HEC HEC 5º Byte

Payload Payload
48 Bytes 48 Bytes

Célula UNI Célula NNI


Definição dos elementos da célula
 GFC – Controle de Fluxo Genérico : controle o fluxo de células na rede.
 PT – Tipo de payload – indica se a célula transporta informação de
usuário ou de gerência.
 CLP – Prioridade de perda da célula: indica o nível de prioridade da
célula em caso de necessidade de descarte
 HEC – Verificação de Erro de Cabeçalho: utilizado para verificar erro no
cabeçalho
 Payload – a carga efetiva transportada, que pode ser voz (áudio) ,
dados ou imagem
 VPI/VCI – orientam os comutadores a como efetuar a comutação das
células.
Virtual Path Identifier - VPI
• Identifica o caminho virtual da célula, no meio de
transmissão
• 8 bits na interface Usuário-Rede (UNI) host-switch
– Possibilidade de identificar 256 caminhos simultâneos
• 12 bits na interface Rede-Rede (NNI) switch-switch
– Possibilita até 4096 caminhos simultâneos
GFC VPI

VPI VCI

VCI

VPI 42 VCI PTI CLP


Meio Físico de Transmissão
“Real” HEC
VPI 36
Payload
Virtual Channel Identifier - VCI
• Identifica o canal virtual da célula em um determinado caminho
virtual
• 16 bits tanto na UNI quanto na NNI
– Possibilita até 65536 (216)canais simultâneos por caminho
virtual

GFC VPI

VC VPI VCI
VP
VC VCI
Meio Físico VCI PTI CLP
VP VC HEC
Payload
Conexões e Comutação ATM
Com o objetivo de se ter rapidez no processo de comutação, a
rede ATM é orientada a conexão, ou seja, é estabelecido um
circuito virtual através da rede entre os pontos envolvidos.
Há dois tipos de conexões:
· PVC – Permant Virtual Circuit – Circuito Virtual Permanente.
Conexões estabelecidas de forma permanente, por
processos de gerência
· SVC – Switched Virtual Circuit – Circuito Virtual Comutado;
Conexões estabelecidas sob demanda, através de
sinalização.
Conexões e Comutação ATM

Comutador de VC

VC VC VC VC

VP VCI 4

VCI 1
VCI 2 VP VP VCI 3

VCI 1 VCI 1
VCI 2 VP VP VCI 2
Comutador de VP
Conexões ATM - SVC
• SVC - Switched Virtual Connection - Conexão Virtual
Comutada - Conexões estabelecidas sob demanda, através
de sinalização

Sin
ali
za
çã
o

Sin
aliz
a ção
Conexões ATM- PVC
• PVC - Permanent Virtual Connection - Conexão
Virtual Permanente

Gerência
de Rede
Conexões e Comutação ATM
• Para a transferência de informação na rede ATM é estabelecida
uma conexão lógica chamada Virtual Chanel Connection - VCC.
• Uma VCC é formada pela concatenação de conexões virtuais,
estabelecidas nos vários enlaces físicosVCC
da rede, denominadas de
Virtual Chanel Link - VCL.A

NÓ ATM
1 NÓ ATM
VCL
2 VCL
VCL

NÓ ATM NÓ ATM
3 4

C
D
Conexões e Comutação ATM
• Em cada enlace físico da rede podemos ter diversos VCL de
diversas VCC. VCLs de VCCs que serão roteadas por um mesmo
caminho formarão um Virtual Path Link - VPL e a concatenação
destes uma Virtual Path Connection - VPC.

VP VC
VC
Meio Físico

VP VC
Conexões ATM
VPC

VPL VPL VPL

Comutador ATM Comutador ATM

Usuário Final ATM Usuário Final ATM

VCL VCL VCL

VCC

VCL

VPL VCL

VCL

VCC - Virtual Channel Connection VCL - Virtual Channel Link

VPC - Virtual Path Connection VPL - Virtual Path Link


Comutador ATM

• Comutador de alta velocidade.


• Comutação por hardware.
• Utiliza VPI e VCI para tomar decisões de rotas.
• Várias arquiteturas possíveis.
Campo HEC - Header Erro Check

• O controle de erro na rede ATM é feito apenas no cabeçalho


da célula
– Suporta correção de erros em um único bit GFC VPI

– Suporta detecção de erros em múltiplos bits VPI VCI

VCI
• Neste caso a célula é descartada
VCI PTI CLP

• Na UNI HEC

– Detecção de erro é mandatório Payload

– Correção de erro é opcional


• O HEC é gerado/verificado na sub camada TC
A Camada de Adaptação - AAL

TC - Transmission Convergence
Camada AAL SAR -Segmentation And Reassembly
Camada ATM
Usuário Usuário
Camada Física AAL AAL
ATM ATM ATM ATM
PHY PHY PHY PHY
REDE ATM

• É a primeira camada fim-a-fim do protocolo ATM


• Responsável pela adaptação do tráfego do usuário em
formato de células, ou seja, mapear a aplicação do usuário
na campo payload de 48 bytes da célula
• É dividida em duas sub camadas: TC e SAR