Você está na página 1de 21

Modulo 5

Operacionalização da formação:
do plano à ação

Isabel Mota / 2021 1


Objetivos

No final deste módulo os(as)


formandos(as) deverão ser capazes de:
 Distinguir finalidades, metas,
competências, objetivos gerais e
objetivos específicos;
 Redigir objetivos pedagógicos em
termos operacionais;
 Hierarquizar objetivos segundo os
domínios do saber;
2
Objetivos
Planificar momentos de ensino-
aprendizagem;
identificar os princípios
orientadores para a conceção e
elaboração de planos de unidades de
formação;
Preencher fichas de planificação da
formação (plano de
ação/módulo/sessão).
3
Conceito de objetivo
pedagógico

4
Objetivo Pedagógico:

“Um objetivo já não designa um projeto de um


formador, mas a intervenção de um formando.
Ele fixa um produto esperado, isto é, uma
capacidade, uma atitude, um saber relativo a
objetos ou conteúdos determinados no termo
de uma ação de duração limitada”

5
Sintetizando:
Um objetivo pedagógico:

• Exprime uma intenção;

• Descreve uma mudança do formando que pode consistir:

- Na aquisição de uma nova capacidade;

- No aperfeiçoamento ou no desenvolvimento de uma


capacidade já existente, parcialmente dominada ou
prestes a sê-lo.

6
Objetivos de uma sessão devem:

- Ser redigidos de forma clara, tendo em vista não


só as capacidades que se espera ver adquiridas
pelos formandos aos níveis de saber e saber-fazer,
mas também ao nível de saber-estar, isto é,
atitudes/comportamentos.

7
Finalidades

Metas

Objetiv
os
Gerais

Objetivos
Específicos
8
Expressam intenções muito gerais
fornecendo uma linha directriz para a
globalidade da formação.

 Deverão ser formados monitores


especializados para trabalharem no
«sistema de aprendizagem»
ou
 Para satisfazer as actuais necessidades
da empresa, alguns dos seus
trabalhadores deverão ter formação em
informática.
9
Expressam de forma já mais precisa
os resultados procurados pela
formação.

 Os futuros monitores deverão ser capazes


de liderar grupos de jovens entre os 16 e os
25 anos.
ou
 Os trabalhadores, no final da formação,
deverão ser capazes de trabalhar com
bases de dados.
10
Designam as grandes orientações de uma
formação sob a forma de realizações
complexas.
 No final da formação o futuro monitor deverá
ser capaz de conduzir um jovem a auto-avaliar
um seu comportamento tido como incorrecto.
ou
 No final da formação os formandos deverão
ser capazes de operar com computadores do
tipo PC processando um texto de 3 páginas em
Word, deixando-o correctamente processado e
sem mais de 3 gralhas.

11
Expressam os comportamentos esperados
de uma sequência de formação.
 Dada uma lista de comportamentos, o
futuro monitor deverá indicar aqueles que
correspondem a comportamentos
característicos dos jovens, sem recorrer a
consultas e sem nenhum erro.
ou
 No final da formação e perante um computador
do tipo PC o formando deverá ser capaz de citar
as funções a utilizar para processar um texto
em Word, sem errar mais que uma função.

12
Definem o que os formandos deverão
ser capazes de fazer no fim da
sessão/formação.

No final da formação o formando deverá


ser capaz de construir uma cadeira
de
estilo D. José.
13
Definem comportamento que os
formandos deverão ter no final de
uma atividade.

O formando deverá identificar citando as


características do estilo D. José, de cor e
sem erros.

14
objectivos específicos
+
informações complementares

 comportamento esperado
 condições de realização
 critérios de êxito

15
No final da sessão, o formando deverá ser capaz de:
Dactilografar uma folha de
texto.......................................Comportamento num tipo de
máquina já seu conhecido........................................a
partir de uma minuta incorretamente
dactilografada........................Condições atingindo a
velocidade de 20 palavras por
minuto...................................e sem mais de 4
gralhas................................................................Critério de
êxito 27
Para que um objetivo seja operacional deve indicar de
forma clara (observável e mensurável) o que o formando
deverá ser capaz de fazer no final da formação, em que
condições o fará e por que critérios será avaliado.

17
 Nofinal da formação o formando
deverá ser capaz de calcular o
volume de um cone utilizando a
respetiva formula;

 Nofinal da formação o formando


deverá ser capaz de dactilografar um
texto corrido à velocidade de 20
palavras por minuto.

18
 No final da formação o formando deverá ser
capaz de demonstrar a fórmula de cálculo do
volume do cone.
ou
 No final da formação o formando deverá ser
capaz de dactilografar qualquer tipo de
documento à velocidade de 30 palavras por
minuto.

19
      Métodos e Técnicas Recursos Técnico    
Objetivos Específicos Fases Conteúdos Pedagógicas Tempo Avaliação
Pedagógicos

          Pontualidade Assiduidade
• Apresentar os conteúdos e verificar os Brainstorming sobre cuidados básicos de higiene  
conhecimentos iniciais dos formandos. Método Expositivo: Exposição; Manual 15m

Introdução
Método Ativo: Quadro e canetas
Estudo de Caso; Videoprojector
Computador
 
Método Interrogativo: Formulação de Apresentação em
 
perguntas PowerPoint
 
Método demonstrativo:

 
  Cuidados de higiene e conforto.: Realização das técnicas    
   higiene oral.   Assiduidade
   Higiene dos pés e mãos   Comportamento
    Empenho Motivação
 Higiene facial (ouvidos e nariz)
Participação Trabalho
 Higiene capilar e corporal   individual Trabalho em
• Atividade Profissional do Técnico/a de Ação
  3h:30m
Educativa equipa
 

 
Desenvolvimento
 

 
 

  Final de cada aula Esclarecimento de   Assiduidade


• Verificar os conhecimentos adquiridos pelos dúvidas e síntese conclusiva   Avaliação formativa e/ou
Esclarecimento de dúvidas; Observação direta
formandos. Síntese conclusiva; 15m
Conclusão