Você está na página 1de 26

Plantão História

2019
Professor: Paulo Asalin
Colégio OBJETIVO
Igreja de São Francisco de
Salvador (primeira metade
do século XVIII).
A exploração aurífera
 A Coroa organizou rapidamente um sistema de exploração
das minas:
• Distribuição das datas → privilégio aos grupos mais ricos.
• Criação da Intendência de Minas (1702) → responsável pela
cobrança dos tributos, policiamento e justiça local.

 As formas de arrecadação variaram com o tempo,


destacando-se:
• O quinto → 20% do metal extraído cabia à Coroa.
• A capitação → cobrança de um imposto por cabeça de escravo
maior de 12 anos.
• A derrama → cobrança de impostos atrasados ou
extraordinários.

 Em 1725, a Coroa instalou a primeira Casa de Fundição –


onde o ouro seria fundido, tributado e transformado em barras.
A Guerra dos Emboabas
 Guerra dos Emboabas (1708-1709) → conflito entre
paulistas e outros colonos, principalmente portugueses, pelo
controle da região das minas.

 Os paulistas exigiam o direito exclusivo sobre as lavras


concedidas pela Coroa.

 Resultado do confronto:

• Derrota dos paulistas.


• Criação da Capitania de São Paulo e das Minas de Ouro.
• Os paulistas avançam mais para o interior em busca de
novas minas de ouro → descoberta de novas jazidas em
Mato Grosso e Goiás → ampliação da América portuguesa.
A extração de diamantes
 Os diamantes foram descobertos na região da Comarca de
Serro Frio, no norte das Minas Gerais. Para garantir um controle
eficiente da região, a Coroa criou o Distrito Diamantino.

 As regras para a exploração de diamantes tiveram três


momentos:

• Intendência dos Diamantes (a partir de 1734) → semelhante


ao do ouro nas minas → concessão de datas e cobrança do
quisto.
• Contratos de Monopólio (1740-1771) → um contratador tinha
o monopólio da exploração.
• Real Extração (depois de 1771) → quando a Coroa assumiu
o controle direto da atividade no Distrito.
Cálculo aproximado da produção de
ouro em Minas Gerais, Goiás e Mato
Grosso no século XVIII (kg)
Anos Minas Gerais Goiás Mato Grosso
1730-1734 7.500 1.000 500
1735-1739 10.637 2.000 1.500
1740-1744 10.047 3.000 1.100
1745-1749 9.712 4.000 1.100
1750-1754 8.780 5.880 1.100
1755-1759 8.016 3.500 1.100
1760-1764 7.399 2.500 600
1765-1769 6.659 2.500 600
1770-1774 6.179 2.000 600
1775-1779 5.518 2.000 600
1780-1784 4.884 1.000 400
1785-1789 3.511 1.000 400
Fonte: PINTO, Virgílio Noya. O ouro brasileiro e o comércio anglo-português. São Paulo: Nacional, 1979.
1790-1794 3.360 750 400
1795-1799 3.249 750 400
Período Pombalino
Período Pombalino
Marquês de Pombal
Sebastião José de
Carvalho e Melo
◦ Primeiro ministro de
Portugal (1750 – 77)
◦ Despotismo esclarecido
◦ Racionalização da máquina
burocrática

Espanha: despotismo
esclarecido
◦ Aranda
◦ Manuel de Godoy
A situação de Portugal
• O terremoto de Lisboa – 1755
– A reconstrução da cidade e o crescente déficit
público
• A dependência em relação à Inglaterra
– O Tratado de Methuen (Panos e Vinhos) - 1703
– Você se lembra:
“O ouro deixou buracos no Brasil, templos em
Portugal e fábricas na Inglaterra”
Eduardo Galeano. As veias abertas da América
Latina
Realizações de Pombal
• Alvará de 1759 • Diversificação das
– Expulsão dos jesuítas atividades agrícolas
– Secularização do ensino – Algodão
• Transferência da capital – Fumo
colonial de Salvador – Café
para o Rio. • Extinção do sistema de
• Instalação de capitanias hereditárias
manufaturas no Brasil • Extinguiu a escravidão
– Setor têxtil indígena
• Criação Companhias de – o indígena como colono
Comércio no Brasil – súdito do rei
– Grão-Pará e Maranhão
– Pernambuco e Paraíba
Fim do Período Pombalino
• Dona Maria I – A louca
– Alvará de 1785
– Fim dos monopólios das
companhias de comércio

• Morte de D. José I - 1777


– Demissão de Pombal
21.4 – As revoltas coloniais
Os rebeldes da colônia

– Revoltas coloniais
(séculos XVII e XVIII)

– Revoltas com caráter regional, – Revoltas com caráter separatista,


que contestavam aspectos da buscando o rompimento
política metropolitana com a metrópole

– Revolta de – Guerra dos – Revolta de – Conjuração – Conjuração


Beckman Mascates Vila Rica Mineira Baiana
(1684) (1710-1711) (1720) (1789) (1798)
A) MOVIMENTOS EMANCIPACIONISTAS
(XVIII)
As bases do colonialismo português passaram a ser
questionadas e contestadas.
- Fatores internos:
.crise da economia colonial
.tirania fiscal
.arrocho do exclusivo comercial
- Fatores externos:
.Iluminismo
.Crise do Absolutismo
.Revolução Francesa
.Revolução Industrial
A.1) A INCONFIDÊNCIA OU
CONJURAÇÃO MINEIRA(1789)

MOVIMENTO das elites econômicas e


intelectuais de MG

PROJETOS elitistas privilegiando MG:


- República com capital em São J. D. Rey
- Universidade em Vila Rica
- Liberdade comercial e industrial
obs.:quanto ao futuro da escravidão, não houve
consenso, demonstrando as limitações do
liberalismo no movimento.
INFLUÊNCIAS:
- iluminismo
- Independência dos EUA
- Liberalismo de Smith e Ricardo
RESULTADO: fracasso
- falta de estrutura militar /elitismo/ delação do
Coronel Silvério dos Reis
– Líderes: elite mineira (Cláudio Manuel
da Costa, Tomás Antônio Gonzaga,
Alvarenga Peixoto, Joaquim José da
Silva Xavier – o “Tiradentes”).
– Objetivos: proclamação da República,
fim do pacto colonial, estímulo ao
desenvolvimento de manufaturas,
criação de uma Universidade,
bandeira com a inscrição “Libertas
quae sera tamen” (Liberdade ainda
que tardia).
– Denunciada por Joaquim Silvério dos
Reis.
– Líderes presos e degredados para a
África.
– Tiradentes é enforcado e esquartejado
(exemplo).
• Conjuração Baiana ou Revolta dos Alfaiates
(1798):
– Causas: extrema pobreza e desigualdades sociais.
– Objetivos: independência, República, liberdade de comércio,
igualdade em todos os níveis, abolição da escravidão.
– Influência da Revolução Francesa (Liberdade – Igualdade –
Fraternidade).
 ALFERES JOAQUIM JOSÉ DA
SILVA XAVIER.
Obs.: Tiradentes foi condenado à forca e ao
esquartejamento em 21/04/1792. BODE
EXPIATÓRIO no processo.

B) A CONJURAÇÃO BAIANA OU A
REVOLTA DOS ALFAIATES( 1798)

Movimento mais popular e democrático: Negros


alforriados, mulatos, padres, soldados, alfaiates e
escravos.
Projetos
• Fim da escravidão
• Reforma agrária
• República democrática e independente
• Liberdade comercial e industrial
Influências:
– Guerra de independência do Haiti
– Revolução Francesa
– Maçonaria(“cavaleiros da luz”)
Resultado: fracasso
– Falta de estrutura militar
– Dura repressão
– Ingenuidade das lideranças

Você também pode gostar