Você está na página 1de 46

PSICOPATOLOGIAS

Prof. Esp. Lorrayne A. de Aquino Ferreira


TRANSTORNO MENTAL
“Um transtorno mental é uma síndrome caracterizada por
perturbação clinicamente significativa na cognição, na regulação
emocional ou no comportamento de um indivíduo que reflete uma
disfunção nos processos psicológicos, biológicos ou de
desenvolvimento subjacentes ao funcionamento mental... associados
a sofrimento ou incapacidade significativos que afeta atividades
sociais, profissionais ou outras atividades importantes.”
(DSM-5: Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, p. 20)
PSICOPATOLOGIAS NA INFÂNCIA
• Ambiente escolar: influencia no desenvolvimento e bem estar
da criança;
• Educação: deve destinar-se a promover o desenvolvimento no
âmbito das aptidões mentais e físicas na medida das suas
potencialidades;
• Psicopatologias nesta etapa podem interferir no
aproveitamento e desenvolvimento escolar.
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
TRANSTORNO X DIFICULDADE

INTERNO EXTERNO

PATOLOGIA MEIO SOCIAL

Dificuldade de aprendizagem > Sintoma


Problemas emocionais, fome, baixa visão, prática pedagógica
ruim, transtornos psiquiátricos, transtornos de aprendizagem,
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
• APRENDIZAGEM ESCOLAR: processo complexo
dinâmico, constante. Depende de vários aspectos, exige que
várias áreas cognitivas estejam sendo organizadas e
estimuladas para acontecer de modo efetivo por meio de uma
interação biológica-ambiental.
• No ambiente escolar o processo de aprendizagem depende de
pré requisitos do desenvolvimento infantil.
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
• Fatores que podem influenciar a aprendizagem:
Psicoemocionais
Abandono, maus tratos.
FATORES
Socioculturais EXTERNOS
Baixa renda, baixo nível escolar familiar.
Fatores neurobiológicos.
FATORES
Genética, complicações pré e neonatais.
INTERNOS
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
• CÉREBRO: divide-se em regiões que se interconectam.
• Coordenaram, juntamente com outras áreas, o processamento
de diversas informações no cérebro como ler, escrever, pensar,
receber estímulos auditivos e visuais.

Sensibilidade geral, coordenação


Funções executivas (planejamento, espacial, integração senso-
organização, decisão, coordenação perceptiva, orientação atencional.
de estratégias, etc.

Percepção auditiva, diferentes


Habilidade visual, centro das
estruturações de linguagem, centro
percepções visuais.
da linguagem

Responsável pelos processos de sono-vigília, Essencial papel na automatização de sequencias


atenção automática, nível de vigilância nas aprendidas e agilidade na programação motora e
atividades. nos processos que envolvem linguagem e
atenção
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
• Para ler, escrever e calcular depende-se de todas as redes
neuronais e suas conexões.
• Cerebelo e tronco encefálico possuem participação importante.
• A aprendizagem depende do nível de maturidade e da integração
dessas áreas e este processo, por sua vez, depende de inúmeros
fatores genéticos, maturacionais e ambientais.
• Transtorno de aprendizagem > Influencia de fatores genéticos e
da herdabilidade (história familiar).
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
• Atrasos no desenvolvimento motor, na linguagem/fala, na
capacidade social e habilidade adaptativa > maiores riscos de
ter dificuldades em formar pré requisitos necessários para a
alfabetização e aprendizagem > devido a problemas cognitivos
como déficits senso-perceptivos, atencionais, visuo-espaciais,
de função executiva, na estruturação de linguagem e na
integração destas funções cognitivas.

• Predisposições a ter prejuízos acadêmicos, sociais e afetivos:


crianças que apresentam dificuldades em lidar com frustrações,
mudança de ambiente, perceber tendências sociais.
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
• TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM: Dificuldades de
aquisição de matéria teórica, embora apresente inteligência
normal e não demostre desfavorecimento físico, emocional ou
social.
• Forma de imaturidade.
• Requer atenção e métodos de ensino apropriados.
• Transtorno de aprendizagem Deficiência mental.
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
• Pessoas com transtorno de aprendizagem são inteligentes e com
bom funcionamento cognitivo.

O que acontece então?


• Falha para desempenhar suas funções acadêmicas, isso porque as
áreas cerebrais que deveriam funcionar apresentam problemas de
conectividade.
• As sinapse (transmissão de estímulos feitas por neurônios no
cérebro) das áreas recrutadas para determinada função não
conseguem realizar de maneira otimizada e de forma adequada.
• Maior esforço, recrutando outras áreas do cérebro para realização
da tarefa.
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
• É fundamental que o profissional da educação esteja atento para
identificar situações que requerem investigação e encaminhamentos para
só então compreender possíveis transtornos que interferem na
aprendizagem.
• Diagnóstico: equipe multiprofissional > Neuropediatra, Psicólogo,
Fonoaudiólogo, Psicopedagogo, Terapeutas Ocupacionais.
• Testes e avaliações.
• Relato de professores e familiar.
• IMPORTANTE: o diagnóstico clínico, ou seja, exames como
ressonância magnética, eletrocefalograma e tomografia podem apresentar
resultado NORMAL e ainda existir o transtorno de aprendizagem.

• Filme: Como estrelas na terra


(VÍDEO)
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
DISLEXIA
• Dificuldade de aprendizagem de origem neurológica.
• Influencia genética.
• Padrão de dificuldades de aprendizagem caracterizado por
problemas no reconhecimento preciso ou fluente de palavras,
problemas de decodificação e dificuldades de ortografia (DSM-5).
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
DISLEXIA
• Características:
Dificuldade com a fluência correta na leitura
Dificuldade na habilidade de decodificação e soletração.

• Alguns Sinais:
Leitura silábica lenta, com troca;
Alfabetização difícil;
Escrita com trocas e omissões de letras;
Dificuldade em escrever com linha e margem;
Pula linha, confunde palavras.
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
DISORTOGRAFIA
• Designação dos erros que os disléxicos fazem na escrita.
• Dificuldade na ortografia de palavras em crianças com
escolaridade normal e construção de narrativas.
• Sinais de alerta:
Adição de letras, sílabas ou palavras;
Omissão de letras, sílabas ou palavras;
Substituição de palavras;
Inversão na ordem das sílabas numa palavra;
Leitura e escrita em espelho;
Repetição de palavras.
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
DISGRAFIA
• Habilidade de escrita abaixo do nível esperado para a idade
cronológica;
• Inteligência e escolaridade com comprometimento da
caligrafia, da capacidade de realizar cópia e de realizar
sequencia de letras em palavras comuns.
• Em alguns casos é concomitante com a dislexia.

• Possíveis causas: hiper e hipotonia corporal, miopia, problema


de coordenação motora fina, alteração neurológica que incida
no desenvolvimento e coordenação psicomotora, problemas
relacionados com a lateralidade.
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
DISGRAFIA
• Alguns sinais:
Dificuldade para escrever;
Mistura de letras maiúsculas e minúsculas na palavra ou uso de
letras de forma e cursiva;
Tração de leitura ininteligível ou incompleta;
Dificuldade para cópia;
Falta de respeito a margem;
Preensão do lápis;
Traçados irregulares ou tremidos.
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
DISCALCULIA
• Capacidade abaixo da média para operações aritméticas;
• No relacionamento de habilidade matemáticas com o mundo;
• Na compreensão do enunciado do problema e na execução da
estratégia para sua solução.
• Padrão de dificuldades caracterizado por problemas no
processamento de informações numéricas, aprendizagem de fatos
aritméticos e realização de cálculos precisos ou fluentes (DSM-5).

• Possíveis causas: ausência de fundamentação matemática,


problema emocional, ensinos inapropriados, dificuldade de origem
neurológica.
TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
DISCALCULIA
• Alguns sinais:
Dificuldade com leitura e compreensão de organizações
numéricas e posicionamento de números;
Dificuldade em entender conceitos matemáticos e símbolos;
Dificuldade na sequencia de números e fatos numéricos;
Fraca orientação espacial, dificuldades em percepção visual.
BARREIRAS PARA A APRENDIZAGEM
PERTURBAÇÕES DO SONO
• Baixo rendimento escolar.
• Sono tem importância fundamental nesse processo.
• O sono interfere no humor, na memória, na atenção, no raciocínio.
• Um sono satisfatório é de fundamental importância para o
desenvolvimento, adaptação e aprendizagem do estudante.
Distúrbios do sono: Bruxismo, sonambulismo, terror noturno,
insônia, pesadelos, enurese noturna.
BARREIRAS PARA A APRENDIZAGEM
ENURESE E ENCOPRESE

Início da escolarização

Associação com a aprendizagem

Recusa escolar
BARREIRAS PARA A APRENDIZAGEM
ENURESE
• Esvaziamento desapropriado e involuntário da urina em criança com
idade que deveria ser suficiente para controlar os seus esfíncteres.
• Não se deve culpabilizar ou castigar a criança.

ENCOPRESE
• Falta de controlo do esfíncter anal, que é geralmente adquirido até à
idade de 2 anos e meio.
• Deve-se evitar ameaças, castigos, humilhações, geradores de climas de
medo e ansiedade para a criança.
• Proporcionar um clima de compreensão,
de ajuda e de apoio.
BARREIRAS PARA A APRENDIZAGEM
PERTURBAÇÕES ALIMENTARES

BULIMIA E ANOREXIA

BAIXO RENDIMENTO ESCOLAR


BARREIRAS PARA A
APRENDIZAGEM
PERTURBAÇÕES ALIMENTARES
• Ocorrem na infância e na adolescência
• Hábitos alimentares particulares: restrição ou excesso
alimentar, mau equilíbrio nutricional, caprichos alimentares.
ANOREXIA
• Restrição progressiva da ingestão, receio em ganhar peso.
• Dietas rígidas e excessivas, por vezes associadas a vómitos,
uso de laxantes e diuréticos.
• Alteração da imagem corporal.
BULIMIA
• Ingestão alimentar compulsiva associados a comportamentos
compensatórios para impedir o ganho de peso (vómitos, uso de
laxantes, diuréticos).
RECUSA ESCOLAR
• Mais frequente nas transições escolares
• Associa-se frequentemente a angústia intensa, receio de ficar só,
comportamento dependente, perturbação do sono, medos e queixas
somáticas.
• Ocorre habitualmente no início do ano escolar ou após as férias
escolares.
• Pode ser a manifestação inaugural de uma perturbação psiquiátrica
emergente, principalmente na adolescência.
• Consequência das perturbações de sono, de eliminação e
alimentares.
TRANSTORNO OPOSITOR
DESAFIADOR (TOD)
• Perturbações de oposição e perturbações do comportamento.
• Características:
Agressividade
Impaciência
Dificuldade em aceitar regras
Impulsividade
Intolerância à frustração.
TRANSTORNO OPOSITOR
DESAFIADOR (TOD)
• São mais frequentes no sexo masculino e estão presentes em cerca de
10% das crianças em idade escolar.
• Causas multifatoriais: neurobiológicas, psicológicas e instabilidade
no ambiente familiar.
• Sinais em sala de aula:
Recusa em trabalhar em grupo;
Pouca participação em atividades;
Conflito com professores e colegas;
Dificuldade de aprendizagem.
TRANSTORNO OPOSITOR
DESAFIADOR (TOD)
• Como trabalhar no ambiente escolar?
Estabelecer parcerias entre professores, setor de AEE, psicólogo e
família;
Estabelecer regras claras e objetivas;
Realizar atividades que potencialize as habilidades;
Realizar atividades que estimulem a curiosidade (pesquisa e
experimentos);
Realizar brincadeiras que auxiliem no processo de interação,
focadas no respeito e compreensão de regras;
Evitar gritos e desorganização emocional.
TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO/
HIPERATIVIDADE
TDA X TDAH
Transtorno de Déficit de Atenção e
Transtorno de Déficit de Atenção
Hiperatividade
TRANSTORNO DE DÉFICIT DE
ATENÇÃO (TDA)
• Características:
Comportamento letárgico;
Dificuldade em atividades de velocidade de processamento;
Baixo desempenho em leitura e compressão;
Dificuldade de aprendizagem;
Dificuldade de atenção focalizada.
TRANSTORNO DE DÉFICIT DE
ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH)
• Características:
Dificuldade de atenção;
Agitação;
Dificuldade no controle de coordenação motora;
Memória;
Dificuldade em planejamentos.

• Associa-se a dificuldade de aprendizagem, transtorno de


humor, de ansiedade e problemas comportamentais.
• Traz prejuízos ao desempenho escolar, alteração de
comportamento e problemas no ambiente escolar.
TRANSTORNO DE DÉFICIT DE
ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH)
• Como trabalhar no ambiente escolar?
Reflexão e orientação familiar;
Direcionamento de condutas que favoreçam a adequação e
integração;
Estimulação em tempo integral.

(VÍDEO2)
TRANSTORNO DE ANSIEDADE
• Características:
Preocupações / medos exagerados ao nível de desenvolvimento
da criança.
• Considerar-se patológica quando:
Muito intensa e prolongada;
Muito invasiva, interferindo no desenvolvimento e no cotidiano
da criança;
Surgem tardiamente sintomas considerados normais em estágios
mais precoces.
Sintomas mais frequentes: queixas somáticas, medo da separação,
comportamentos regressivos / imaturos, irritabilidade, grande
suscetibilidade às críticas, comportamentos obsessivos ou
fóbicos.
TRANSTORNO DE ANSIEDADE
Fatores de Risco:
• Fatores genéticos e constitucionais.
• Fatores familiares (ex: pais hiperprotetores e ansiosos,
patologia psiquiátrica nos pais).
• Fatores de stress / mudanças no meio familiar.
• Acontecimentos desencadeantes específicos.
• Situações de doença crónica na criança/adolescente.
TRANSTORNO DEPRESSIVO
• Características:
Desaceleração psicomotora;
Inibição motriz;
Perda da autoestima;
Culpabilidade;
Dificuldade de atenção e concentração;
Queda do rendimento escolar;
Medo;
Podem apresentar também transtornos alimentares,
perturbações no sono e ideias de morte ou suicídio.
TRANSTORNO DEPRESSIVO
• No ambiente escolar:
Tristeza persistente;
Diminuição de atividades psicocorporal;
Diminuição no rendimento escolar;
Isolamento social;
Agressividade;
Baixa autoestima;
Pensamentos negativos
Dificuldade de leitura e escrita;
Desinteresse.
TRANSTORNO DEPRESSIVO
• A perturbação do humor é o fator de risco mais importante
para o suicídio na adolescência.
• Suicídio: surgem com mais frequência na adolescência.
• São frequentemente desencadeadas por crises na relação com
familiares, namorados / amigos ou por conflitos no meio escolar.
TRANSTORNOS PSICÓTICOS
• Características:
Confusão entre fantasia e realidade.
Perturbação da comunicação com o mundo exterior;
Crises de angústia sem desencadeante aparente.
Intolerância à frustração.
Dificuldade nas interações sociais;
Desconfiança;
Ideias e comportamentos bizarros (com medos irracionais
intensos, comportamentos obsessivos invasivos).
Sintomas produtivos (alucinações, ideias delirantes).
TRANSTORNOS PSICÓTICOS
Transtornos psicóticos na infância e adolescência
Sintomas = características peculiares

Períodos do desenvolvimento

Universo infantil Grupo familiar e escola

• O profissional é um dos mais importantes elementos na


identificação e no encaminhamento precoce de um grande
numero de problemas de saúde mental.
(VÍDEO3)
TRANSTORNO DO ESPECTRO
AUTISTA (TEA)
TEA

Transtorno do Neurodesenvolvimento
Infantil

Síndrome de Transtorno Invasivo


Transtorno Global
Asperger do Desenvolvimento
TRANSTORNO DO ESPECTRO
AUTISTA (TEA)
• Características:
Déficit na interação social;
Comprometimento nas habilidades de comunicação (ex:
ausência ou atraso de linguagem, ecolalia ou outras bizarrias
da linguagem);
Presença de estereotipias de comportamento;
Evitamento do olhar;
Desorganização do comportamento perante a alteração mínima
das rotinas ou do meio, com crises de hétero ou auto
agressividade.
TRANSTORNO DO ESPECTRO
AUTISTA (TEA)
• Diferentes níveis de comprometimento:
Nível Leve: pode apresentar dificuldade de interação social e
verbal; pode desenvolver habilidades especiais ( QI elevado,
facilidade para aprender línguas, boa memória, habilidades
artísticas).
Nível Moderando: pode apresentar dificuldade de
aprendizagem; para compreende brincadeiras e se expressar
verbalmente.
Nível Grave: podem apresentar comportamentos agressivos.
Geralmente dependem de alguém para realizar suas atividades
cotidianas.
TRANSTORNO DO ESPECTRO
AUTISTA (TEA)
• Sintomas:
Problema na fala;
Sensibilidade a barulhos;
Falta de interação com o olhar;
Irritabilidade com contato físico;
Agressividade;
Ausência de resposta quando é chamado;
Interesse por parte de objetos;
Repetição de palavras ou gestos.

(VIDEO4)
PRÁTICA PROFISSIONAL
No processo de educação escolar é imprescindível, que o
professor, pedagogo, psicopedagogo tenha condições de
conhecer as especificidades dos alunos da classe, de
identificar suas necessidades e assisti-los da melhor forma
possível.

Tratar o aluno com base na sua singularidade,


proporcionando caminhos para o aprendizado de forma com
que este possa superar suas limitações.
AVALIAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE CRIANÇAS COM
DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM E OUTROS PROBLEMAS
ASSOCIADOS
REFERENCIAS
BIBLIOGRÁFICAS
• Misquiatti, Andréa Regina Nunes et al. Psicopatologia e educação infantil: elaboração de
manual de orientação sobre os transtornos do espectro do autismo. Psicopedagogia On
Line, v. 1, n. 1, p. 1, 2014. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/115133>.
• Brites, C. e Brites, L. Guia Prático: Dificuldades e Transtornos de Aprendizagem. Neurosaber.
• Asbahr, F. R. (2004) Transtornos ansiosos na infância e adolescência: aspectos clínicos e
neurobiológicos. Jornal de Pediatria - Vol. 80, Nº2(Supl),
• American Psychiatric Association (2014) Manual Diagnóstico de Transtornos Mentais DSM-V.
Artmed, 5 Edição. Porto Alegre.
• Barbosa, L. M. S. (2005) DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM: DISLEXIA E DISGRAFIA NA ERA
DA INFORMAÇÃO. Rev. Psicopedagogia; 22(69): 230-42
• Fonseca, M. F. B. C e Rizutti, M. M. S. (20099) Transtorno do déficit de atenção e
hiperatividade na escola: mediação psicopedagógica Rev. Psicopedagogia; 29(90): 330-9
• Jr., F. B. A. (2009) Aspectos psiquiátricos da criança escolar. Rev. Psicopedagogia; 26(81):
441-57
• MARREIRO, E. D. (2016). DEPRESSÃO INFANTIL: SUAS CONSEQUÊNCIAS NO PROCESSO DE
ENSINO – APRENDIZAGEM. Maringá
• Souza, A. V. e Capellini, S. A. (2011)Percepção visual de escolares com distúrbios de
aprendizagem. Rev. Psicopedagogia; 28(87): 256-61

Você também pode gostar