Você está na página 1de 73

INTERVENÇÃO EM ABA

Fonoaudióloga Andréa Lúcia de Lima Siqueira


O que é ABA?
*Conceito: Análise do Comportamento Aplicada
(Applied Behavior Analysis: ABA).
- Behaviorismo, que observa, analisa e explica a
associação entre o ambiente, o comportamento humano e
a aprendizagem.
- Análise objetiva do comportamento observável e
mensurável em oposição.
ABA

* É uma ciência, que como qualquer outra,


continua a evoluir.
* Muitas técnicas têm sido descobertas e tornado
o ensino de ABA, mais eficientes efetivo ainda.
* A ciência que apoia a intervenção a Análise
do Comportamento Aplicada é a mesma,
somente a maneira de aplicá-la varia.
POR QUE ABA PARA O TRATAMENTO DO TEA?

*Porque são décadas de estudos.


*Porque é consenso na comunidade científica.
* Porque possui os melhores resultados cientificamente comprovados.
* Porque é a recomendação da OMS.

* Porque é a recomendação daa Sociedade Brasileira de Pediatria.

Não arrisque tratamentos sem comprovação científica!


GENERALIZAÇÃO

Um bom programa de ABA, sempre inclui a


generalização do aprendizado. Á medida que a criança
progride pode tornar-se mais capaz de
“aprender incidentalmente”, o que significa
simplesmente assimilar linguagem, conceitos ou
habilidades que não ensinadas em terapias.
Um bom currículo de ABA deve ter algum equilíbrio
entre as atividades estruturadas, brincar, coordenação
motora ampla e fina; uma variedade de ambientes- sala
de terapia, casa da família, escola, etc; e uma
variedade de professores ou terapeutas. Tudo isso
ajudará que a generalização das habilidades fique mais
fácil.
Visão geral de um programa de ABA

CURRÍCULO- é dividido em uma série de categorias,

ou “programas”, tais como habilidades de cuidados


pessoais, habilidades sociais, habilidades de
linguagem, habilidades acadêmicas etc, organizadas
em níveis de dificuldade, de maneira que você
comece com habilidades básicas até chegar as
habilidades complexas.
PROGRAMAS
Programa de Linguagem Receptiva
* Aponta para objetos quando solicitado
* Segue instruções de um passo
* Aponta para partes do corpo
Programa Habilidades de Imitação
* Imita ações motoras amplas e finas
* Imita ações com objetos
Programa Habilidades de Cuidados Pessoais
* Faz uso do banheiro c/ ajuda, s/ ajuda
* Alimenta-se sozinho
* Veste-se c/ ajuda, s/ ajuda
Uma vez selecionados, os programas serão
estabelecidos de maneira que todos saibam quais
instruções dar, como apresentar os materiais que
podem ser usados e qual resposta é aceitável. Há uma
terminologia que geralmente é usada para ajudar:
Estímulo/ SD ou Estímulo
Discriminativo:

A instrução inicial ou comando a ser dado. Também


conhecido como o antecedente.
Tentativa: A sequência completa de apresentar um
SD, obter uma resposta (usando quantas dicas/
ajudas forem necessárias) e o reforçar da resposta.
Unidade básica de um programa individual, que é
praticada durante as terapias.
Resposta: A(s) respostas(s) esperada(s) e
aceitável(is).
Reforçador: “Estímulo reforçador” abreviado para
SR+ -, também como reforçamento ou
consequência. A consequência que segue
imediatamente a reposta da criança.
Ajudas/ Dicas: Estímulos ou dicas suplementares dadas pelo terapeuta. Usadas antes ou durante a execução do comportamento nas intervenções
terapêuticas.

Estímulos: Uma lista de palavras ou ações, materiais, ítens, que são usados para determinado programa (por exemplo: figuras de animais, lista de
palavras, cartões de pistas, etc.)
Sessões: O tempo de atividade trabalhando com a criança
no seu programa

Domínio: Os critérios que determinam quando a criança


aprendeu a habilidade e está pronta a para seguir em frente.
Dados: Registrar simplesmente como a criança age em
cada tentativa. A resposta de uma criança a cada SD pode
ser:
- correta (indicada por um “+” ou um “v”)
- incorreta (indicada por “-” ou um “x”)
- sem resposta (indicada por um NR/SR)
- Aproximação muito próxima (indicada por um “A” ou
poderá encontrar “S”, para Aproximação Sucessiva.
Anotar dados e monitorar o progresso é uma parte vital da ABA.
Se você não tiver uma visão clara de como a criança está, você
não saberá qual será o momento de mudar para um novo
programa, com o objetivo de ampliar o seu repertório.

Método: Descreve o material, lugar, intervenções


comportamentais terapêuticas naturalistas ou estruturadas- PRT,
Jasper, Denver.
COMPORTAMENTO
O que é um comportamento?
Um comportamento é o que uma pessoa faz e diz. É uma
ação.

Exemplos de comportamento:
Chorar Cantar música
Piscar Brincar de estátua
Vestir-se Correr
Um comportamento seguido de um estímulo reforçador,
resulta em um aumento da probabilidade daquele
comportamento se repetir no futuro.
As consequências positivas ou negativas de seu
comportamento determinam se você vai repeti-lo ou não.
Como alteramos ou manejamos o
comportamento?
O processo que usamos para ajudar a modificar ou
trocar um comportamento que é indesejável, ou para
reforçar um comportamento desejável.
Os ABC’s: Antecedente, Comportamento e
ABC-Antecedent, Behavior & Consequence

A= Antecedente ( ou SD- Estímulo Discriminativo)


B= Comportamento (Behavior) ou resposta
C= Consequência (ou Reforçador)
RESPONDENTE

S R
Salivar com cheiro de limão
OPERANTE

S C
Ganhou um pirulito, porque chorou!
EXEMPLOS:

Antecedente: Você assiste a um filme triste.


Comportamento: Você chora.
Consequência: Você se sente triste e para de
assistir filmes tristes.
Antecedente: Você assiste a um filme engraçado.
Comportamento: Você ri.
Consequência: Você fica feliz e assiste outros
filmes engraçados.
Antecedente: O sinal ficou amarelo.
Comportamento: Você acelera.
Consequência: Você é multado. Você ficará menos
propenso a furar o amarelo no futuro.
Antecedente: O sinal ficou amarelo.
Comportamento: Você acelera.
Consequência: Você não é multado. Você continua a
furar o sinal amarelo.
A ciência do comportamento visa trocar as
condições sob as quais o comportamento ocorre, ou
trocar as consequências de um comportamento para
conseguir efetuar mudança no comportamento.
Aprendizagem por consequência
As consequências que obtemos irão influenciar no
nosso comportamento futuro, tornando maior ou
menor a probabilidade de repetirmos um mesmo
comportamento.

Importante: As consequências obtidas reforçam


comportamentos..
Identificando o antecedente, o
comportamento e a consequência
1- Costumes ou defeitos de alguém- Antecedente
2- Cuspir em alguém- Comportamento
3- Amarrar os sapatos- Comportamento
4- Confirmar um encontro, depois de preparar o almoço-
Consequência
5- Vestir-se- Comportamento
6- Marcar um “x” na resposta certa- Consequência
-7- Tom de voz e/ou comando- Comportamento
8- Um lugar- Antecedente
9- Piscar- Comportamento
10- Não ser permitido brincar antes de lanchar-
Consequência
11- Ter uma promoção depois de realizar todas as
tarefas que foram solicitadas- Consequência
Observando e medindo
comportamentos
Uma característica chave do comportamento é que
ele é observável mensurável.

*Duração:quanto tempo leva a fazer uma coisa. Por


exemplo, levou três minutos e meio para o João
amarrar seus sapatos, ou levou 15 minutos para
Maria arrumar o seu quarto.
* Frequência: quão frequente ocorre. Por exemplo,
“João bateu palmas 16 vezes em um período de 5
minutos”, ou “Caio fez 5 pedidos em um período de
45 minutos.”
* Intensidade: quanta energia, intensidade ou força
física em realizar o comportamento. Por exemplo,
“João carregou uma caixa de sapato”, ou “Maria falou
muito alto.”
Geralmente, quando você quer substituir um
comportamento, é porque considera que há excessos
ou déficits nele. A primeira coisa que você precisa
fazer é coletar alguns dados para determinar a linha-
de-base ou ponto de partida ao qual vai medir
mudanças.
Métodos diferentes de coletar
dados
1) Observação direta- observar e registrar o
comportamento identificando como ele ocorre.
2) Métodos de contagem- você pode simplesmente
colocar marcas de verificação ou usar um cronômetro.
3) Avaliação indireta- entrevistar pais, professores,
cuidadores, ou deixar com eles listas de verificação
(checklists), questionários.
CONTROLE DE ESTÍMULOS

A análise funcional tem como objetivo compreender a


função do comportamento (A-B-C)
A- Antecedente
B- Comportamento
C- Consequência
- Analisar funcionalmente os comportamentos alvos

- Atuar em duas grandes frentes


LINHAS DE FRENTE

1- Ampliação e aquisição de comportamentos


deficitários ou inexistentes no repertório da
criança- comunicação, interação, atenção,
autonomia, entre outras.
2- Diminuição de comportamentos em excesso e
que são inadequados- restrição de interesses e
motivação, birras, comportamentos agressivos em
relação ao outro e a si mesmo.
REFORÇO DE
COMPORTAMENTO
O reforçamento é um processo no qual um
comportamento é fortalecido pela consequência
imediata que seguramente segue a sua ocorrência.
REFORÇO (SR+) Positivo - é a adição de alguma
coisa que resulta no fortalecimento do
comportamento.
REFORÇO (SR-) Negativo - é a remoção de alguma
coisa desagradável que resulta no fortalecimento do
comportamento.
REFORÇO - É a relação mais usada na terapia
comportamental.
Visa uma aprendizagem mais leve e agradável.
PUNIÇÃO - Diminui a ocorrência de um
comportamento. Pode ser positiva ou negativa.
EXTINÇÃO - Retirada do reforço que mantém a
resposta.
IDENTIFICANDO O TIPO DE
REFORÇADOR
1- Um bebê diz “mamã...mamã”. Os pais sorriem e
riem, o bebê gosta e repete “mamã” de novo - SR+

2- Maria não gosta de lugares fechados. Quando ela


se aproxima de um elevador, procura uma escada
para evitá-lo. No futuro, Maria procurará as escadas
e não o elevador - SR-
3- João faz a sua cama toda manhã por uma semana
e sua mãe o leva para o parque no sábado- SR+

4- Figurinhas- SR+

5- Uma criança leva um tapa na mão após beliscar a


irmã - SR-
6- Uma criança tem uma crise de birra em uma loja.
Os pais saem, levando a criança com eles. A criança
para a birra- SR-

7- Ana ganha elogios e sorrisos ao olhar nos olhos


de uma pessoa da equipe e então, ela passa a olhar
mais frequentemente- SR+
Ideias para reforçadores
Comestíveis

Social

Brinquedos e brindes (tangíveis)

Físicos
Escolhendo reforçadores que
funcionem com a criança
Pergunte

Observe

Teste

Force uma escolha


Force uma escolha

Tente coisas diferentes

Use muitos reforçadores e variados


Usando reforçamento positivo
para ensinar habilidades
Esquema de reforçamento contínuo- A recompensa
deve ser dada depois de cada tentativa bem-sucedida.

Esquema de reforçamento intermitente- Á medida


que a criança domina cada habilidade, gradualmente
reduzimos nosso reforçamento.
IDENTIFICANDO TIPO DE
ESQUEMAS DE REFORÇAMENTO

1- Um aluno é elogiado a cada vez que identifica


corretamente uma cor- Contínuo

2- Um aluno recebe uma estrela dourada depois de


aprender 5 palavras novas- Intermitente
3- Um pai ou cuidador cumprimenta entusiasticamente a
criança a cada vez que esta urina no vaso sanitário -
Contínuo

4- Um professor elogia um aluno na primeira vez em


que levanta a sua mão para responder uma questão.
Nada diz nas duas vezes seguintes, reforça na 4ª vez,
na 7ª, 10ª, etc - Intermitente
5- Paulo ganha sua mesada se limpar seu quarto 5
dias seguidos- Intermitente

6- As pessoas continuam a comprar bilhetes de


loteria, apesar de ganhar algo somente de vez em
quando- Contínuo
COMO USAR REFORÇADORES
1- Associe a si mesmo com reforçamento positivo.

2- Torne o ambiente de trabalho reforçador.

3- Vá de um esquema de Reforçamento Contínuo


para um Intermitente
4 - Dê a recompensa imediatamente após o
comportamento.

5- Mude seu grau de reforçamento de acordo


com o nível de realização.
6- Mantenha a sua entonação consistente com a sua
mensagem.

7- Seja consistente.
8- Quando começar um novo programa ou se você
for um novo terapeuta, reforce mais frequentemente.

9- Varie sua voz, tom e frases usadas.


10- Seja específico sobre o que você está reforçando.

11- Monitore a eficácia dos reforçadores e varie-os.


12- Amplie o repertório de reforçadores.

13- Associe recompensas com elogios.


14- Estimule a criança a fazer algo certo no seu
ambiente natural.

15- Tome cuidado com o poder dos reforçadores.


REGRA PRÁTICA

Se você não está preparado para ir até o fim sem


fraquejar, não apresente uma demanda.
MANEJO DO COMPORTAMENTO

Funções do Comportamento: Como fazer uma Avaliação Funcional.

Lidando com Comportamento: Extinção de Comportamento. Reforçamento Diferencial.


Modificar um comportamento significa mudar os eventos ambientais (antecedentes e consequências) sob os quais ele ocorre.
Relação Funcional entre essas condições e o comportamento.

FUNÇÕES DO COMPORTAMENTO:
1- Reforçamento Social Positivo: Proporcionado por outra pessoa.
Frequentemente chamado COMPORTAMENTO DE BUSCA DE ATENÇÃO.

2- Reforçamento Social Negativo: É mediado por outra pessoa.


Frequentemente chamado COMPORTAMENTO DE FUGA DE DEMANDA.
3- Reforçamento Positivo Automático: Consequência automática do próprio comportamento.
Comportamento muitas vezes chamado “stim”.

4- Reforçamento Negativo Automático: Remove ou reduz uma condição aversiva.


Frequentemente chamado de RAZÕES TANGÍVEIS
IDENTIFIQUE A FUNÇÃO DE CADA COMPORTAMENTO:

1- ANTECEDENTE: Sandra está assistindo TV. Sua mãe a chama para o jantar.
COMPORTAMENTO: Sandra começa a chorar e bater seus pés.
CONSEQUÊNCIA: A mãe diz: “Bom, não jante.” Sandra para de chorar, continua vendo TV.
FUNÇÃO DO COMPORTAMENTO: Reforçamento Social Negativo.
2- ANTECEDENTE: Miguel está sentado na mesa de trabalho.
COMPORTAMENTO: Miguel começa a balançar de um lado para o outro.
CONSEQUÊNCIA: O professor pede que pare, mas ele continua.

FUNÇÃO DO COMPORTAMENTO: Reforçamento Positivo Automático.


3- ANTECEDENTE: Elisa está no quarto com outras crianças.
COMPORTAMENTO: Elisa parte para uma criança e a belisca.
CONSEQUÊNCIA: A criança diz “pare com isto” e sai.

FUNÇÃO DO COMPORTAMENTO: Reforçamento Positivo Automático.


4- ANTECEDENTE: Rui está fazendo uma tarefa com a sua professora. Ela se vira para outro lado.

COMPORTAMENTO: Rui bate sua cabeça na mesa.

CONSEQUÊNCIA: A professora se volta e diz “não faça isto.”

FUNÇÃO DO COMPORTAMENTO: Reforçamento Social Negativo


5- ANTECEDENTE: Alex está brincando na areia com outras crianças.
COMPORTAMENTO: Alex começa a jogar areia nas crianças.
CONSEQUÊNCIA: O professor tira as outras crianças da caixa de areia.

FUNÇÃO DO COMPORTAMENTO: Reforçamento Positivo Automático


6- ANTECEDENTE: Carlos está fazendo lições na classe.
COMPORTAMENTO: Ele começa espirrar e fungar, incontrolavelmente.
CONSEQUÊNCIA: O professor o leva para a
enfermaria.

FUNÇÃO DO COMPORTAMENTO: Reforçamento Negativo Automático


Boa Tarde
à todos!

Você também pode gostar