Você está na página 1de 5

SOCIOLOGIA: A

VIDA DE KARL
MARX
INTRODUÇÃO
Karl Marx (Tréveris, 5 de maio de 1818 — Londres, 14 de
março de 1883) foi
um filósofo, sociólogo, historiador, economista, jornalista
revolucionário socialista. Nascido na Prússia, mais tarde se
tornou apátrida e passou grande parte de sua vida
em Londres, no Reino Unido. A obra de Marx
em economia estabeleceu a base para muito do entendimento
atual sobre o trabalho e sua relação com o capital, além do
pensamento econômico posterior. Publicou vários livros
durante sua vida, sendo O Manifesto Comunista (1848) e O
Capital (1867-1894) os mais proeminentes.
VIDA
Marx nasceu numa família de classe média em Tréveris,
na Renânia prussiana, e estudou nas universidades
de Bonn e Berlim, onde se interessou pelas ideias filosóficas
dos jovens hegelianos. Depois dos estudos, escreveu para
o Rheinische Zeitung, um jornal radical publicado em Colônia, e
Karl Marx e Friedrich Engels
começou a trabalhar na teoria da concepção materialista da
Karl Marx e Jenny von Westphalen (Esposa) história. Em 1843, mudou-se para Paris, onde começou a
escrever para outros jornais radicais e conheceu Friedrich
Engels, que se tornaria seu amigo de longa data e colaborador.
Em 1849, foi exilado e se mudou para Londres juntamente a sua
esposa e filhos, onde continuou a escrever e formular suas
teorias sobre a atividade econômica e social. Também fez
campanha para o socialismo e tornou-se uma figura significativa
na Associação Internacional dos Trabalhadores.
OBRA
As teorias de Marx sobre a sociedade, a economia e a política — a compreensão coletiva do que é conhecido como o
marxismo — sustentam que as sociedades humanas progridem através da luta de classes (um conflito entre uma classe
social que controla os meios de produção e a classe trabalhadora, que fornece a mão de obra para a produção) e que
o Estado foi criado para proteger os interesses da classe dominante, embora seja apresentado como um instrumento que
representa o interesse comum de todos. Além disso, ele previu que, assim como os sistemas socioeconômicos anteriores,
o capitalismo produziria tensões internas que conduziriam à sua autodestruição e substituição por um novo sistema: o
socialismo. Ele argumentava que os antagonismos no sistema capitalista, entre a burguesia e o proletariado, seriam
consequência de uma guerra perpétua entre a primeira e as demais classes ao longo da história. Isto, associado à sociedade
industrial e ao acúmulo de capital, geraria a sua classe antagônica, que resultaria na "conquista do poder político pela classe
operária e, eventualmente, no estabelecimento de uma sociedade sem classes e apátrida — o comunismo — regida por
uma livre associação de produtores. Marx ativamente argumentava que a classe trabalhadora deveria realizar uma ação
revolucionária organizada para derrubar o capitalismo e provocar mudanças socioeconômicas.
LEGADO

As ideias de Marx tiveram um profundo impacto na política mundial e pensamento intelectual. Os


seguidores de Marx vêm debatendo entre si sobre como interpretar seus escritos e aplicar seus conceitos
para o mundo moderno. O legado do pensamento de Marx tornou-se objeto de contestação entre inúmeras
tendências, cada uma se vendo como a intérprete mais precisa de Marx. Na esfera política, estas tendências
incluem o leninismo, marxismo-leninismo, trotskismo, maoísmo, luxemburguismo e o marxismo libertário.
Várias correntes também se desenvolveram no marxismo acadêmico, muitas vezes sob influência de outros
pontos de vista, resultando no marxismo estruturalista, marxismo histórico, fenomenológica
marxista, marxismo analítico e marxismo hegeliano.

Você também pode gostar