Você está na página 1de 33

CONCEPÇÕES DE

CURRÍCULO

Ana Maria Iorio Dias


março/2012
Educação

 função social primordial a incorporação


ativa de conhecimentos e experiências
produzidas por gerações e sua socialização;
produção do nosso vir a ser, o lócus de
organização dos sentidos fundamentais para
nossa existência, como pessoas e
comunidade humana.
Trabalho docente e educação
Docente:
 Agente de transformação social
 Orientador do desenvolvimento sócio-cognitivo do
estudante
 Paradigma de conduta sócio-política

Necessidade de:
 Aperfeiçoamento contínuo e permanente
 Capacidade de observação e intervenção no
processo educativo
 Consciência da responsabilidade com uma
atuação equilibrada e comprometida com a justiça
À palavra currículo associam-se distintas
concepções:

(a)conteúdos a serem ensinados e


aprendidos;
(b)experiências de aprendizagem escolares que
devem ser vividas pelos alunos;
(c) planos pedagógicos elaborados por
professores, escolas e sistemas
educacionais;
(d)objetivos a serem alcançados por meio do
processo de ensino;
(e)processos de avaliação que terminam por
influir nos conteúdos e nos procedimentos
selecionados no processo de escolarização.
Currículo – são as experiências escolares que
se desdobram em torno do conhecimento,
em meio a relações sociais, e que contribuem
para a construção das identidades de
nossos/as estudantes.

 Currículo - conjunto de esforços


pedagógicos desenvolvidos com
intenções educativas.
 Currículo - pacto na construção de
significados nos processos de ensino e de
aprendizagem.
 Currículo – não na acepção tradicional (e
reduzida) de listagem de conteúdos e
disciplinas, mas um manifesto sinal de pacto
entre a instituição escolar e a sociedade em
torno de um projeto pedagógico; um contrato
social, plural, onde se pactuem idéias, valores,
perfis de educando, como pessoa, como cidadão
e profissional num mundo em permanente
mudança (única certeza) – atitudes, conteúdos,
processos.
 Currículo - organizador do processo
educacional na escola, encarnando
intencionalidades fundamentais do projeto
educativo da sociedade; incorpora atividades
planejadas para atingir objetivos e
acontecimentos inesperados, mas que se pode
extrair oportunidades para aprendizagem e as
demais experiências pessoais, coletivas e
sociais (“currículo oculto”), que permitem que
o sujeito aprenda.
 O ensino
i - conjunto de ações e
i
estratégias para desenvolver habilidades
propostas para a formação qualificada dos
alunos, mediante organização de um
ambiente educativo, de métodos, conteúdos
e avaliação previamente selecionados.

 Ao se associar aprendizagem e valores ao


ensino, tem-se a Educação.
Organização do conhecimento
no currículo:

1 Disciplina: inter, multi, pluri,


transdisciplinar.
2 Tema: gerador; Complexo
Temático;
Rede de Conhecimento; transversal;
projetos.
3 Competências e Habilidades.
DISCIPLINA
 é uma maneira de organizar e delimitar uma
área de trabalho, de concentrar pesquisas e
experiências com base em um determinado
ponto de vista..

 Cada disciplina pode oferecer uma imagem


particular da realidade, focada pelo
ângulo de seu objetivo.
 Multidisciplinaridade: justaposição de
matérias diferentes, oferecidas de
maneira simultânea;

 Pluridisciplinaridade: justaposição de
disciplinas mais ou menos próximas,
dentro de um mesmo setor de
conhecimentos;
 Interdisciplinaridade: procura integrar
conteúdos, técnica de ensino,
metodologia de diferentes áreas sem
ralações entre si, produzindo
relações.
 Transdisciplinaridade: diz respeito ao
que está, ao mesmo tempo, ENTRE,
ATRAVÉS e ALÉM de todas as
disciplinas.

 Seu objetivo é a COMPREENSÃO


DO MUNDO PRESENTE, e a unidade
do conhecimento..
 Tema Gerador: deve se apresentar
como um problema para o aluno
naquela idade e situação histórica em
que vive; o tema deve partir da
realidade em que vive o aluno e de
conhecimentos definidos como
universais.
 Temas Transversais: dizem respeito a
conteúdos de caráter social, que
devem ser incluídos no currículo do
ensino fundamental, não como uma
área de conhecimento específica, mas
como conteúdo a ser ministrado no
interior de várias áreas.

 PCN: ética; educação ambiental;


orientação sexual; pluralidade cultural;
saúde; trabalho, consumo e
cidadania.
 Projetos de Trabalho: resolução de
problema planejada, utilizando
conhecimento de diferentes campos
de saber.
 Complexos temáticos: levantamento
de temas, dimensões e possibilidades;
definição do foco, organização de
informações e ângulos significativos;
definição do princípio de cada área,
expressando a compreensão do papel da
área sobre o foco; seleção do conjunto
de idéias que serão trabalhadas em cada
área; definição coletiva das linhas de
ação; problematização, tendo em vista o
próximo complexo.
 Redes de Conhecimento: os
conhecimentos são tecidos cotidianamente,
dentro da diversidade de contextos
culturais vividos na articulação entre ação,
razão e emoção.

 Ex.: alimentação: visitar mercados, verificar


condições de embalagens, prazos de validade.
 Competências e habilidades:

• Supõe o domínio do conhecimento científico-


tecnológico e sócio-histórico em face da
complexificação dos processos de trabalho,
com impactos na vida social.

• Exige o desenvolvimento de formas de


comunicação, diferentes linguagens e
raciocínio lógico-formal, dentre
outros aspectos cognitivos
PRESSUPOSTOS PARA
CONSTRUÇÃO CURRICULAR
 ROMPER com a organização burocrática
dos saberes que promove a
fragmentação do que se aprende -
dimensão instrumentalizadora;
 ULTRAPASSAR a ordenação dos
saberes disciplinares – de uma relação
fechada com limites prescritos para uma
relação aberta entre temáticas/áreas –
dimensão integralizadora;
 Campos :

- função social da escola;


- processos de ensino e de aprendizagem;
- experiências pedagógicas;
- áreas de conhecimento;
- o que, para que, quando e como ensinar e
avaliar.
 Se o(a) educador(a) puder vivenciar e refletir
acerca de situações determinadas e puder
chegar a conceitualizar e sistematizar
conteúdos – amplamente discutidos e
apreendidos – poderá assegurar-se de que
tais processos sejam implantados no
cotidiano dos estudantes....
 Na sala de aula, deve haver espaços para
atividades comuns e para a diversidade;
 limitar a rotina e expandir a criatividade e a
brincadeira (que brincadeira?), cooperação e
aprendizagem mútua;
 espaço, extensão do contato com o mundo
circundante;
 seleção das informações que lhes chegam por
múltiplas vias;
 fortalecimento de vínculos saudáveis.
 Desde bebês, recebemos mensagens
vinculares muito além das palavras, que a
levam a configurar modelos posteriores de
aproximação e apropriação de objetos e
conhecimentos.

 Vínculo, comunicação e aprendizagem –


processos interdependentes.
Com relação à gestão pedagógica da sala de
aula:

 1 - Reflexão antecipada da ação: o pensar


possibilidades para o fazer. Inclui o
planejamento da prática pedagógica, e a
sistematização da ação docente, que pode ser em
forma de planos de aula e projetos de trabalho.
 2 - Plano da ação: o fazer a partir das
possibilidades pensadas (Prática
Pedagógica). Inclui procedimentos de ação
docente, tais como:

(a)a observação de eventos que ocorrem na


escola e na sala de aula;

(b) a elaboração do plano de ação.


 Éo momento de levantar dados para
elaborar um diagnóstico da realidade em
que está inserido, verificando as condições
econômicas, sociais e culturais da escola,
podendo assim ter elementos concretos para
a elaboração do plano da ação.
 3- A atuação docente do professor: é o
fazer na ação.

Compõe-se do exercício pleno da atividade


docente, contendo a aplicação do plano de
ação escolhido, a interatividade na relação
e a transposição didática do conteúdo a ser
trabalhado.
 4- Avaliação e registro do fazer na ação. É
o momento de registrar as ocorrências:

- onde e como ocorreu a aprendizagem


significativa;
- o que considerou como bom e o que não
faria novamente;
- as falhas que se manifestaram no momento da
elaboração do plano, na execução e na
avaliação.
 OBRIGADA!!!!
!

anaiorio@ufc.br