Você está na página 1de 46

TRANSTORNO DEPRESSIVO E ANSIOSO

NA INFÂNCIA
INFÂNCIA FELIZ
Transtorno Mental
• Angústia
“O indivíduo for extremamente perturbado”
(Barlow, Durand, 2008, p. 3)

- Prejuízo
Funcionamento social prejudicado

Não se restringe a apenas um ambiente


Transtorno Mental
• Transtorno mental /
psicológico

- Disfunção psicológica
- Angústia ou incapacitação
- Resposta atípica

(Barlow, Durand, 2008)


Transtorno Mental
• Disfunção psicológica

Interrupção no funcionamento cognitivo, emocional e


comportamental

(Barlow, Durand, 2008)


Transtorno Mental
• Resposta atípica
“Atípica ou não esperada segundo o aspecto cultural”
(Barlow, Durand, 2008, p. 3)
Transtorno Mental
• DSM 5

Perturbação na cognição, na regulação emocional ou no


comportamento

Processos psicológicos, biológicos ou de desenvolvimento

(APA, 2014)
Avaliação infantil

Características do desenvolvimento (desenvolvimento infantil)

Alterações físicas (clínica, neurológica, doença)

Normal

Patológico

(Coêlho, Pereira, Assumpção, Santana Jr., 2014)


Avaliação infantil

• Aspectos do comportamento
• Inteligência
• Linguagem
• Alterações da consciência
• Percepção
• Julgamento
• Personalidade
• Socialização

(Coêlho, Pereira, Assumpção, Santana Jr., 2014)


Avaliação infantil
• Entrevista com pais, familiares, escola
- SNAP-IV (Swanson, Nolan, Pelham, Version IV, parenting and
teacher rating scale, mean of parent and teacher scores)

• Anamnese
- história de vida, saúde, doença, família

• Criatividade, difere do adulto


- lúdico

• Roteiro específico, escalas

(Coêlho, Pereira, Assumpção, Santana Jr., 2014)


Transtornos mentais – infância e adolescência

• Os transtornos mais frequentes, respectivamente:


- Depressão,
- Transtornos de ansiedade,
- Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH),
- Transtorno por uso de substâncias e
- Transtorno de conduta

(Thiengo, Cavalcante & Lovisi, 2014)


Transtornos mentais – infância e adolescência
• Ambulatório de psiquiatria infantil

- 109 pacientes, entre 4 e 20 anos


- Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade, retardo
mental e transtorno de conduta
- Comorbidades mais prevalentes: retardo mental, transtorno
de conduta, transtorno desafiador e de oposição, episódio
depressivo e transtorno da ansiedade
- Maioria: sexo masculino, com transtornos externalizantes e
comorbidades

(Machado, Luiz, Marques Filho, Miyazaki, Domingos, & Cabrera, 2014)


Transtornos externalizantes
expressam em relação às outras pessoas; comportamentos como
dificuldade em controlar impulsos, hiperatividade, agressividade e
presença de raiva e delinquência

Transtorno de conduta, Transtorno desafiador opositivo

Transtornos internalizantes
expressam em relação ao próprio indivíduo;
tristeza, retraimento, queixas somáticas e medo

Transtornos de humor (depressão)


Ansiedade

(Achenbach, Howell, 1993)


• Fatores de proteção
- melhoram ou alteram a resposta dos indivíduos a
ambientes hostis
- condições ou variáveis que diminuem a probabilidade
de o indivíduo desenvolver problemas de externalização:
agressão, uso de álcool ou drogas, raiva, desordem de
conduta, crueldade para com animais, entre outros

(Maia & Williams, 2005)


•Fatores de risco
- condições ou variáveis associadas à alta probabilidade de
ocorrência de resultados negativos ou indesejáveis
- compromete a saúde, o bem-estar ou o desempenho social
do indivíduos
- atributos biológicos e genéticos da criança e/ou da família,
bem como fatores da comunidade que influenciam, tanto o
ambiente da criança quanto de sua respectiva família.
- não constituem uma causa específica
- processo complexo que pode justificar a conseqüência de
uma psicopatologia

(Maia & Williams, 2005)


Transtornos mentais – infância e adolescência

Fatores de risco
Fatores Fatores Fatores Fatores
biológicos genéticos psicossociais ambientais

anormalidades história familiar disfunções na problemas na


do sistema de transtorno vida familiar e comunidade
nervoso central, mental situações (violência
causadas por indutoras de urbana) e tipos
lesões, estresse de abuso (físico,
infecções, psicológico e
desnutrição ou sexual)
exposição a Divórcio
toxinas

(Thiengo, Cavalcante & Lovisi, 2014)


Transtornos mentais – infância e adolescência
• Fatores de risco

Fatores ambientais
Eventos estressores: altera o ambiente e provoca uma tensão
que interfere nas respostas emitidas pelo indivíduo

Associados à etiologia dos transtornos mentais na infância

(Matos, Cruz, Dumith, Dias, Carret, Queved, 2015)


Depressão Infantil
- Estado de ânimo irritável - Perda de energia
ou deprimido
- Sentimento de inutilidade
- Diminuição do interesse ou ou culpa
prazer
- Diminuição da capacidade
- Perda ou ganho de peso de pensar, se concentrar

- Alterações do sono - Pensamentos de morte

- Alterações psicomotoras

(APA, 2014; Wainer, Piccoloto, 2011)


Depressão na infância e adolescência
• Sintomas da depressão infantil

1. Estado de ânimo disfórico (melancolia)


- tristeza, solidão, pessimismo
- mudanças de estado de humor (mau humor)
- choro fácil
- negativismo

(Wainer, Piccoloto, 2011)


Depressão na infância e adolescência

2. Idealização autodepreciativa
- sentimentos de inutilidade, incapacidade, culpabilidade
- ideais de perseguição
- desejos de morte
- desejo de fugir
de casa
Depressão na infância e adolescência

3. Comportamento agressivo (agitação)


- dificuldades nas relações interpessoais
- facilidade para brigas e encrencas
- pouco respeito pela autoridade
- hostilidade, agitação
- discussão, brigas excessivas
Depressão na infância e adolescência

4. Alterações do sono
- insônia inicial
- sono agitado
- insônia tardia
- dificuldade de acordar pela manhã
Depressão na infância e adolescência

5. Mudanças no rendimento escolar


- queixas dos professores, falta de concentração e de
memória
- redução do empenho
- perda do interesse habitual por atividades extraescolares
Depressão na infância e adolescência

6. Socialização diminuída
- menor participação em grupo
- sociabilidade diminuída: menos simpático e agradável
- retraimento social
- perda dos interesses sociais habituais
Depressão na infância e adolescência
7. Mudança de atitude na escola
- perda de prazer em atividades escolares
- recusa em ir à escola

8. Queixas somáticas
- cefaleias
- dores abdominais
- mialgias (dores musculares
- outras preocupações ou queixas somáticas
Depressão na infância e adolescência

9. Perda da energia habitual


- Perda do interesse por atividades e treinamentos
extraescolares
- Diminuição da energia, fadiga física e/ou mental

10. Mudanças no apetite e/ou peso habituais


Quadros depressivos não devem ser explicados por
nenhuma condição médica ou uso de substância /
medicamento

Avaliação pediátrica ou de outras especialidades médicas


Depressão - etiologia

• Multifatorial

- Interação de fatores ambientais, físicos e sociais, fatores


pessoais, biológicos e psicológicos

(Caballo, Simón, 2007)


Depressão - Curso e Prognóstico

• Prejuízos no funcionamento psicossocial

• Tendência a cronicidade

• Longa duração e recorrência


Modelo cognitivo da depressão
• Tríade cognitiva

Negatividade interpretação das experiências


Acredita e age

Visão negativa de si mesmo

Visão negativa do futuro

(Beck, et al., 1997)


Ansiedade

Cognitivos fisiológico comportamental

1. Cognitivo: situações e eventos com risco


2. Fisiológico: luta ou fuga
3. Comportamental: antecipar ou evitar

(Stallard, 2010)
Ansiedade

• Resposta humana normal


• Presente em todas as pessoas

• Observar:
Intensidade, frequência e duração dos sintomas

Diagnóstico
Ansiedade
• Medos frequentes

Nascime 7 aos 12 2 aos 3 3 aos 6 6 aos 10 10 aos 12 13 anos


nto aos 6 meses anos anos anos anos
meses
Perda de Pessoas Medo de Medo de Preocupa Preocupa Preocupa
contato ou animais escuro ções a ções a ções com
físico com situações cerca do cerca das o sexo
a mãe estranhas Tormenta dano amizades oposto
físico
Ruídos Ansiedad Criaturas Independ
intensos e de imaginária Perigos ência
separação s
Escola Planos de
Perda de vida
entes
queridos
Ansiedade
• Componente cognitivo: preocupação

Conteúdo
Desempenho escolar, morrer, saúde, contatos sociais

Foco
Altera ao longo da infância

(Stallard, 2010)
Medo X Ansiedade X Fobia
• Medo: resposta emocional a ameaça iminente real ou
percebida

• Ansiedade: antecipação de ameaça futura

• Fobia: medo persiste por um período prolongado, mal-


adaptativo e não são específicos da idade ou estágio

(APA, 2014; Stallard, 2010)


Transtornos de ansiedade – infância e adolescência

• Ansiedade

Emoções, comportamento, pensamentos e corpo

• Conteúdo dos medos


críticas ou de falhar, desconhecido, machucado ou de
pequenos animais, perigos ou morte, doenças físicas

(Wainer, Piccoloto, 2011)


Transtornos de ansiedade

• Fobias específicas

• Transtorno de ansiedade de separação

• Fobia social

• Transtornos de ansiedade generalizada

(APA, 2014)
Transtornos de ansiedade – infância e adolescência

• Fobia específica

- Medo ou ansiedade acentuados


Acerca de um objeto ou situação
(p. ex. voar, alturas, animais, injeção, sangue)

- Crianças: choros, ataques de raiva, imobilidade,


comportamento de agarrar-se

- Geralmente com duração mínima de seis meses

(APA, 2014)
Transtornos de ansiedade – infância e adolescência

• Transtorno de ansiedade e separação

- Ansiedade e preocupação excessiva relativa à separação


da casa ou da pessoa amada
- Fator de risco transtorno de pânico e agorafobia
em adultos
- Persistência anormal além da faixa etária

(Stallard, 2010; Caballo, Simón, 2007)


Transtornos de ansiedade – infância e adolescência
• Transtorno de ansiedade e separação

- Preocupação irreal de possíveis


danos a pessoa amada

- Recusa em ir à escola, dormir


Sozinha

- Pelo menos quatro semanas em crianças e


adolescentes e geralmente seis meses em adultos

(Stallard, 2010; Caballo, Simón, 2007; APA, 2014)


Transtornos de ansiedade – infância e adolescência

• Fobia social

- Medo persistente relacionado a situações sociais


- Comportamento inibido fobia social em adultos e
crianças
- Em geral na adolescência
- Medo da avaliação dos outros em situações sociais
- Geralmente durando mais de seis meses
(APA, 2014)
Transtornos de ansiedade – infância e adolescência

• Transtorno de ansiedade generalizada

- Excessivas e múltiplas preocupações


- Em vários eventos
- Ocorre na maioria dos dias
- Pelo menos uma queixa somática (dores de cabeça)
- Vínculo genético com a depressão
- Ocorrendo na maioria dos dias por pelo menos seis
meses
(APA, 2014)
Transtornos de ansiedade – infância e adolescência
• Etiologia

- Biológicas e ambientais

- Apego inseguro
- Fatores de risco
- Temperamento da criança
- Transtorno de ansiedade
nos pais
- Estilos parentais, tais
como: superproteção e
comportamentos de
evitação
Transtornos de ansiedade – infância e adolescência

• Curso e prognóstico

- Quadros mistos (2 ou mais transtornos de ansiedade)


- Transtornos de ansiedade e depressão na vida adulto
Referências
• Achenbach, T. & Howell, C. (1993). Are American children's problems getting worse? A 13-year
comparison. Journal of American Academy on Child and Adolescent Psychiatry, 32,1145-1154

• Barlow, D. H.; Durand, V. M. (2008). Psicopatologia: Uma abordagem integrada. São Paulo:
Cengage Learning

• Borges, L. J., Trentini, M. C., Bandeira, R. D., & DellÁglio, D. D. (2008). Avaliação neuropsicológica
dos transtornos psicológicos na infância: um estudo de revisão. Psico-USF, 13(1), 125-133

• Brum, L. A., Zeni, C. P., & Tramontina, S. (2011). Aprendizagem e transtorno bipolar: reflexões
psicopedagógicas. Revista Psicopedagogia, 28(86), 194-200

• Coêlho, B. M., Pereira, J. G., Assumpção, T. M., Santana Jr., G. L. (2014). Psiquiatria da infância e
da adolescência. Novo Hamburgo: Sinopsys.

• Maia, J. M. D., & Williams, L. C.de A. (2005). Fatores de risco e fatores de proteção ao
desenvolvimento infantil: uma revisão da área. Temas em Psicologia, 13(2), 91-103

• Manual diagnóstico e estatístico de transtorno mental: DSM-5. / American Psychiatry Association;


tradução: Maria Inês Corrêa Nascimento. (2014). 5 ed. Porto Alegre: Artmed
Referências
• Bittencourt, A. L. P., França, L. G., & Goldim, J. R. (2015). Adolescência vulnerável: fatores biopsicossociais
relacionados ao uso de drogas. Revista Bioética, 23(2), 311-319

• Machado, C. M., Luiz, A. M. A. G., Marques Filho, A. B., Miyazaki, M. C. de O. S., Domingos, N. A. M., &
Cabrera, E. M. S. (2014). Ambulatório de psiquiatria infantil: prevalência de transtornos mentais em crianças e
adolescentes. Psicologia: teoria e prática, 16(2), 53-62

• Matos, M. B. de, Cruz, A. C. N., Dumith, S. de C., Dias, N. da C., Carret, R. B. P., & Quevedo, L. de A. (2015).
Eventos estressores na família e indicativos de problemas de saúde mental em crianças com idade escolar.
Ciência & Saúde Coletiva, 20(7), 2157-2163

• Petersen, C. S., Wainer, R. e colaboradores (2011). Terapias cognitivo-comportamentais para crianças e


adolescentes: ciência e arte. Porto Alegre: Artmed.

• Rocha, F. V., Oliveira, R. L. de, Brum, D. A. S., Cavalcante, R. B., Machado, R. M. (2015). Epidemiologia dos
transtornos do desenvolvimento psicológico em adolescentes: uso de álcool e outras drogas. Revistarene, 54.

• Stallard, P. (2010). Ansiedade: terapia cognitivo-comportamental para crianças e jovens. Porto Alegre:
Artmed.

• Thiengo, D. L., Cavalcante, M. T., & Lovisi, G. M.. (2014). Prevalência de transtornos mentais entre crianças e
adolescentes e fatores associados: uma revisão sistemática. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 63(4), 360-372

Você também pode gostar