Você está na página 1de 17

UNIDADE TEMÁTICA 3

TEORIAS DE DESENVOLVIMENTO
O Behaviorismo de Watson

O Behaviorismo surgiu, como uma proposta para a Psicologia tomar como seu objetivo
de estudo o comportamento, e não como indicador de alguma outra coisa, ou seja,
como indício da existência de um fenômeno que se expressaria através do
comportamento. Surgiu como reação às posições, então dominantes, de que a
Psicologia deveria estudar a mente ou a consciência dos homens.

O Behaviorismo surgiu em oposição ao Mentalismo e ao Introspeccionismo, mas, de


fato, isso só é verdade na obra de behavioristas clássicos como Watson e Guthrie.
Watson propôs, que podemos fazer daquilo que observamos, o corpo de estudo da Psicologia?
A proposta de Watson incluía:

- estudar o comportamento por si mesmo;

opor-se ao Mentalismo, e ignorar fenômenos como consciência, sentimentos e estados mentais;

- aderir ao evolucionismo biológico e estudar tanto o comportamento humano quanto o

animal, considerando este último mais fundamental;

- adoptar o determinismo materialístico;


- usar procedimentos objetivos na coleta de dados, rejeitando a introspecção;

- realizar experimentação controlada;


- realizar testes de hipótese de preferência com grupo controle;

- observar consensualmente.
- evitar a tentação de recorrer ao sistema nervoso para explicar o comportamento, mas

estudar atentamente a ação dos órgãos periféricos, dos órgãos sensoriais, dos músculos e
das glândulas.
Watson propôs uma Psicologia S R, ele estava se apoiando no modelo do arco
reflexo de Lashley e Pavlov para explicar a relação observada S-R. Ele estava
manifestando sua adesão a um modelo de causação antecedente exclusiva (R
causada ou desencadeada por S) mediada pelo SNC (Sistema Nervoso
Central, ou, como alguns críticos preferiam, dado o modo laxo com que o
termo era empregado, Sistema Nervoso Conceitual)

Para Watson, todo o comportamento de interesse é comportamento aprendido


e as causas do comportamento devem ser buscadas em seus antecedentes
imediatos (exigindo, portanto uma contigüidade espaço-temporal entre esses
antecedentes e o comportamento).
Teoria do Condicionamento Operante de Skinner

Principais Conceitos
Estímulo qualquer acontecimento, externo ou interno a um organismo, susceptível de ser captado
pelos seus receptores e de levar a uma reacção.
Resposta unidade de comportamento sob controlo de um ou mais estímulos.
Reforço qualquer acontecimento (estímulo) que segue uma resposta e aumenta a probabilidade
dessa resposta ocorrer, na mesma situação
— reforço positivo - quando esse acontecimento comporta uma ocorrência agradável para o sujeito
— reforço negativo - quando esse acontecimento envolve a remoção ou o afastamento de algo
desagradável para o sujeito
Punição - ocorrência de um estímulo nocivo ou aversivo, após uma resposta

Extinção - processo de diminuição da frequência de ocorrência de uma

resposta, por supressão do reforço que a mantinha.


Teoria Sócio Cognitiva de Bandura

A teoria social cognitiva de Bandura é uma forma de behaviorismo menos radical que a
de Skinner e reflete o espírito dos tempos, o impacto do renovado interesse da
psicologia nos fatores cognitivos.

Sua pesquisa tinha como meta observar o comportamento dos indivíduos durante a
interação. Não usava a introspecção nem enfatizava a importância da recompensa
ou do reforço na aquisição ou modificação do comportamento.

Além de ser uma teoria behaviorista, o sistema de Bandura era cognitivo. Ele
enfatizava a influência dos esquemas de reforço externo dos processos de
pensamento, tais como crenças, expectativas e instrução.
Para Bandura, respostas comportamentais não são disparadas automaticamente
por um estímulo externo, como em uma máquina ou em um robô. Ao
contrário, as reações aos estímulos são auto-ativadas, iniciadas pela própria
pessoa.

Quando um reforço externo altera o comportamento, é porque a pessoa tem


consciência da resposta da resposta que está sendo reforçada e antecipa a
recepção do mesmo reforço ao repetir o comportamento da próxima vez em
que a situação ocorrer.

Embora Bandura concordasse com Skinner a respeito da possibilidade de


mudar o comportamento humano por meio do reforço, também sugeriu e
demostrou, na prática, a capacidade de as pessoas aprenderem quase todos os
tipos de comportamento sem receberem diretamente qualquer reforço.
A aprendizagem ocorre não pelo reforço direto, mas por meio de
"modelos", observando o comportamento de outras pessoas e nele
fundamentando os próprios padrões. Para Skinner, o controlador do
reforço regula o comportamento. Para Bandura, o controlador do modelo
social regula o comportamento.

Bandura conduziu pesquisas completas sobre as características dos


modelos que influenciam o comportamento humano. A tendência do
indivíduo é modelar o próprio comportamento com base nas pessoas do
mesmo sexo e idade, ou seja, nos nossos semelhantes que conseguiram
resolver os problemas similares aos nossos.
A aquisição de conhecimento (aprendizagem) e desempenho observável é
baseada naquele conhecimento (comportamento), enfatizando a importância
da observação e da modelagem dos comportamentos, atitudes e respostas
emocionais dos outros.
Eventos ambientais (recursos, consequências de ações e ambiente físico),
pessoais (crenças, expectativas, atitudes e conhecimento) e comportamentos
(atos individuais, escolhas e declarações verbais) interagem no processo de
aprendizagem (Determinismo recíproco).
A abordagem de Bandura consiste em uma teoria de aprendizagem "social",
porque estuda a formação e a modificação do comportamento nas situações
sociais.

"O aprendizado seria excessivamente trabalhoso, para não mencionar


perigosos, se as pessoas dependessem somente dos efeitos de suas próprias
ações para informá-las sobre o que fazer. Por sorte, a maior parte do
comportamento humano é aprendida pela observação através da modelagem.
Pela observação dos outros, uma pessoa forma uma ideia de como novos
comportamentos são executados e, em ocasiões posteriores, esta informação
codificada serve como um guia para a ação." (Bandura, 1977, p22).
Aprendizagem ativa é aprender, fazendo (e experimentando as consequências da
ação).
• Aprendizagem indireta é aprender, observando os outros.

Aprendizagem por Observação


a) Por intermédio de reforço indireto: recompensa ou punição de outrem;
b) Pela expectativa de ser reforçado pelo domínio;
c) Pela identificação com o modelo admirado ou de status elevado.

Os processos componentes que estão por trás do aprendizado pela observação são:
1) Atenção, incluindo os eventos apresentados (clareza, valência afetiva, complexidade,
frequência, valor funcional) e as características do observador (capacidades sensoriais,
nível de atenção despertada, conjunto de percepção, reforço anterior);
2) Retenção, incluindo codificação simbólica, organização cognitiva, ensaio
simbólico, ensaio motor;
3) Reprodução motora, incluindo capacidades físicas, auto-observação da reprodução,
exatidão do retorno;
4) Motivação, incluindo reforço externo, indireto e próprio controle dos próprios
reforçadores.

Auto-regulação e modificação cognitiva do comportamento


Automanejo: programa de mudança de comportamento básico (estabelecimento de
objetivos, observação de seu próprio trabalho, manutenção de registros e avaliação do
próprio desempenho, seleção e liberação de reforço).
a) Estabelecimento de objetivos específicos, tornando-os públicos;
b) Registro e avaliação de progresso através de mapa, diário, listagem com a frequência
ou duração dos comportamentos em questão;
c) Auto-reforço.
Auto-Instrução e Modificação Cognitiva do Comportamento
a) Um modelo adulto realiza uma tarefa enquanto fala consigo mesmo em voz
alta (modelagem cognitiva);
b) A criança realiza a mesma tarefa sob direção das instruções do modelo
(orientação aberta, externa);
c) A criança realiza a tarefa enquanto instrui a si mesma em voz alta (alto-
orientação, aberta);
d) A criança murmura as instruções para si mesma enquanto realiza a tarefa
(auto-orientação, aberta, enfraquecida);
e) A criança realiza a tarefa enquanto orienta seu desempenho por meio de
fala privada (auto-instrução velada).
Princípios:
1. O nível mais alto de aprendizado de observação é alcançado, primeiro,
organizando e ensaiando o comportamento-modelo de modo simbólico e,
depois, representando-o publicamente. A codificação de um comportamento
modelado em palavras, rótulos ou imagens, resulta em retenção mais
eficiente do que aquela proporcionada pela observação.
2. É mais provável que os indivíduos adotem um comportamento como
modelo se ele produzir resultados que eles valorizam.
3. É mais provável que os indivíduos adotem um comportamento como
modelo, se o modelo for parecido com o observador.
Conceitos
Auto-eficácia: senso de uma pessoa de ser capaz de lidar efetivamente
com uma tarefa particular;
 Modelagem: mudança no comportamento, pensamento, ou emoções que
ocorrem por meio da observação de outra pessoa - um modelo;
Modificação cognitiva do comportamento: procedimentos baseados nos
princípios comportamentais e cognitivos de aprendizagem para mudar seu
próprio comportamento, usando fala privada e autoinstrução;
Auto-instrução: falar consigo mesmo, executando os passos de uma
tarefa.
Grato Pela Atenção Dispensada

Você também pode gostar