Você está na página 1de 21

m m

Õ OMS 11 g/dl - menores de seis


anos e gestantes
Õ 12 g/dl - 6 a 14 anos e mulheres
adultas não grávidas
Õ 13 g/dl - homens adultos
m m



 


       
mvalia a média do tamanho (volume) das hemácias
Õ normocíticas,diminuídas (microcíticas) ou aumentadas
(macrocíticas);
Õ O achado de microcitose é comum em anemias por deficiência
de ferro, nas doenças crônicas e nas talassemias;
Õ O aparecimento de macrocitose pode estar associado à
presença de um grande número de reticulócitos, ao tabagismo
e à deficiência de vitamina B12 e de ácido fólico.
m m
m m m
m  m
m 
m m
 m 
mm
 mm


D D D


     
 
  
 
 m   
 
m
 mm   
m 
  
m 
m
 mm   
m
   ! 
m  "m #  $

m m



 


     
     ! " #$ % # 
Àorresponde à média de hemoglobina por
eritrócito. Pode estar elevado na presença de
macrocitose e diminuído na presença de
hemácias microcíticas nas talassemias;
m m



 


&' 
  
  
  " () % # 
 a avaliação da hemoglobina encontrada
em 100 mL de hemácias. mvalia o grau de
saturação de hemoglobina no eritrócito.
Normocrômicas, hipocrômicas e, hipercrômicas.

 * +    

-
hipoplasia da medula óssea a
partir do fim da primeira
semana que persiste até os 3
meses no nascido a termo.
Na investigação de quadro febril agudo em lactente de 2 meses, que
apresentava boa aceitação alimentar e ganho de peso adequado, o
hemograma mostrou hematócrito
= 27% e hemoglobina = 9g/dl. A história pré-natal evidenciou gestação
sem anormalidades, parto normal a termo, boas condições de nascimento
e sucção adequada. É alimentado exclusivamente ao seio materno. A
melhor conduta a seguir é:
(A) iniciar ferro oral
(B) interpretar os valores encontrados como normais
(C) solicitar contagem de reticulócitos
(D)dosar ferritina sérica
(E) solicitar Coombs-direto
%&'(')**&)+,
A = 20,53%
B = 40,87%
C = 21,67%
D = 14,02%
E = 2,78%
. -&.)/*0'+O recém-nascido normal,a partir da 1ª semana de vida apresenta diminuição progressiva do nível de
hemoglobina, por aproximadamente seis a oito semanas, conhecidacomo ³anemia fisiológica´. Entre os fatores
responsáveis por essa anemia destacam-se:
1 ± parada abrupta da eritropoiese ao nascimento, relacionada com o início da respiração, e aumento da saturação de
oxigênio.
2 ± Níveis baixos de eritropoietina cuja produção é predominantemente hepática e a sua liberação mais lenta diante da
hipoxia tecidual.
3 ± Vida média dos glóbulos vermelhos diminuída.
Além disso, a expansão do volume sangüíneo (volemia) que acompanha o rápido ganho ponderal nos três primeiros
meses de vida é outro fator que leva à necessidade
aumentada de glóbulos vermelhos. A ³anemia fisiológica do lactente´ atinge valores de 9-11g/dl de hemoglobina entre
dois-três meses de vida em crianças nascidas a termo (ocasião em que a eritropoietina volta a ser ativada).
O prematuro também desenvolve ³anemia fisiológica´ decorrente dos mesmos fatores já mencionados, só que de
maneira mais exagerada. O declínio da hemoglobina é mais rápido e mais precoce, atingindo valores de 7 a 9g/dl entre a
3ª e 6ª semana de vida.

  


incapacidade de produzir
eritropoietina antes das 40
semanas de idade gestacional
corrigida.

  


ürematuro, nascido com 28 semanas de idade gestacional, apresenta, na quinta semana de vida, palidez, taquicardia e
ganho ponderal insuficiente. Exames laboratoriais: Hb: 7g/dl; reticulócitos: 1%; VCM: 90µ3. O mecanismo
responsável por estes achados clínicolaboratoriais é:

m1)&*.)02'+
deficiência de ferro
deficiência de vitamina E
deficiência de ácido fólico
presença de anticorpos circulantes
níveis inadequados de eritropoietina

m*&'(')3&*)4+.52&0'0.6&76'6&&*0)*(0&)0.
Õ -&.)/*0+m7&')86&'3*&2&-76*31/''036&.&-06(*&-)*066&-6&.96&3**&.)&
6.52&10.6&76-&.)&:0;6&&*0)*(0&)0.(*3(3066&6&)*.'(*)&6&;0<=.06(30&.)&%
m6&.9(*&3&&')**&130.6>)6&7&.(*&-)*-0*>.)&6&(*6986&&*0)*(0&)0.
4?&(/)03&'3411'?&(/)03''8-&.''&.'52&0'@?0(A;07&'3411'*&.0'%?&-<*-6
(30&.)&&-7&')8-')*.&-0B :+<C61D.*-35)03B# +ED3--3.)<&-6&
*&)031A30)':0;BFD3*3)&*0G.6-.&-0(*?0(>.98-&61*%m.&-0>&**(*0214-6&
.8'&*3--.&')066&B.8'&*7&&')&H'&.6)010G6&*0)*(0&)0.*&3-:0..)&D'&
3*3)&*0G*0(*-03*30)'&%m6&>030=.306&/306>A1031&2.&-0-&<1:1/')03&-3*30)'&%m
3.)<&-:0;6&*&)031A30)'>')(''0:01066&6&.&-0'?&-15)03'3-3'6(&1(*&'&.9
6&.)03*('30*31.)&'&(&16&>030=.306&20)-0.%

 *
,

*oram identificados três estágios


na instalação da deficiência de
ferro:
- 

&' 
*
 .

Õ redução dos depósitos,


ferritina sérica abaixo de 12
µg/l, sem alterações
funcionais.
2.


*
 
* 

.

Õ diminuição do ferro sérico,


saturação da transferrina
abaixo de 16% e elevação da
protoporfirina eritrocitária
livre. Diminuição da
capacidade de trabalho.
(- 
  
* /  

*
 .

Õ a hemoglobina situa-se abaixo


dos padrões para a idade e o
sexo. Àaracteriza-se pelo
aparecimento de microcitose e
de hipocromia
01 . 

&'
*2  
*
3
Õ 1) Recém-nascidos de termo, de
peso adequado para a idade
gestacional: a partir do 6º mês,
ou a partir do início do desmame,
até o 24º mês de vida, receberão 1
mg de ferro elementar/kg de
peso/dia
01 . 

&'
*2  
*
3

Õ 2) Prematuros e recém-
nascidos de baixo peso: a
partir do 30º dia de vida, 2
mg/kg de peso/dia, durante 2
meses.

 *
, . 


Õ 3 a 5 mg de ferro elementar por


quilo de peso por dia, dividida em
2 a 3 doses.
Õ há elevação substancial da
hemoglobina em torno da terceira
semana.
Õ Àontinuar por 6 semanas após a
normalização da hemoglobina.
4
5

-! 1
6 

1.01 Tipagem sanguínea mãe e RN
1.02 Àoombs ± Hemograma ± Reticulócitos
1.03 Pesquisa de hemátias fetais no sangue
materno
1.04 Mielograma
1.05 Testes para detectar deficiência enzimática
1.06 Bilirrubina
4
5

-! 7 
2
1.01 Hemograma
1.02 Àoombs
1.03 Reticulócitos
1.04 *erritina (reservas de *e)
1.05 Transferrina (*e circulante)
1.06 Teste de mfoiçamento
1.07 Sangue oculto nas fezes
1.08 Bilirrubinas
1.09 *ragilidade osmótica
1.10 Eletroforese de hemoglobina
1.11 Dosagem de hemoglobina m2 e fetal
Pré-escolar de três anos de idade com anemia ferropriva é trazido à consulta 14 dias
após ter iniciado tratamento adequado para a sua condição clínica. m mãe refere que não
está conseguindo dar o sulfato ferroso receitado, pois o filho apresenta dor abdominal e,
às vezes, diarréia. m conduta mais adequada neste caso é:

a) suspender o ferro e rever em seis meses


b) prescrever ferro intramuscular e rever em 21 dias
c) manter a mesma dose diária e retornar em 14 dias
d) reduzir a dose de ferro pela metade e rever em 14 dias
e) prescrever a mesma dose a cada dois dias e rever em 21 dias

A tolerância às preparações farmacológicas de ferro oral é devida a massa de ferro solúvel no trato
intestinal superior e a sabores desagradáveis dos produtos disponíveis. Nos efeitos colaterais incluem-
se: náuseas, desconforto gástrico, pirose, constipação e diarréia. Uma boa maneira de se prevenir estes
sintomas é iniciar-se com doses baixas e aumenta-las gradativamente até a dose terapêutica máxima
sem sintomas. O tratamento por via parenteral tem trazido mais malefícios do que benefícios, pois o
ferro é o principal indutor de radicais livres de oxigênio conhecido, e se não estiver estruturado em uma
proteína carreadora ou armazenadora, poderá causar danos oxidativos sérios ao paciente.
A constipação e a diarréia são provavelmente causadas pela mudança da flora induzida pelo ferro, e
estas mudanças são independentes de dose. Outro efeito indesejável, o escurecimento dos dentes, pode
se evitado com a aplicação na forma de gotas na parte posterior da lingua, manobra difícil em crianças
muito pequenas.
Recentemente o conhecimento do chamado efeito de bloqueio de absorção, ocorrido por saturação
férrea dos enterócitos, mostrado em diversos trabalhos realizados na Ásia, indica que a redução da dose
ou o espaçamento destas, entre três e cinco dias, aumenta a absorção do ferro, evitando o efeito de
bloqueio e diminuindo os sintomas indesejáveis sobre o tubo digestivo.
Suplementação de *erro