Você está na página 1de 7

INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA JURÍDICA

BOCK, Ana Mercês Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria De Lourdes Trassi.
Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. 14.ed. São Paulo: Saraiva,
2008.

O que é psicologia? A que se dedica e para que serve?


O que faz parte e o que gravita em torno da
subjetividade?

Domínio da vida  cotidiano  tudo flui / coisas


acontecem  vivência / realidade  senso comum

Cotidiano cria suas próprias regras de sociabilidade e


de funcionamento (estrutura)
INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA JURÍDICA
Maneiras de “enfrentar” o cotidiano  soluções / decisões para as situações
e eventos

Tradições  uso simplificado e improvisado das teorias científicas 


tentativa e erro  observação

Saber quanto tempo o café vai ficar quente na garrafa térmica requer
cálculos na mente (experiência / empiria), ainda que automáticos  é
apenas outro tipo de cálculo ou de linguagem que não o/a da termodinâmica

Ciência  aspira “objetividade” (?)  verificabilidade e “isenta de emoções”


(?) - “abstrai a realidade” (ex da maçã na cabeça de Newton = lei da
gravidade) – “afasta-se da realidade” (?)  racionalismo clássico

“Objeto específico, linguagem rigorosa, métodos e técnicas específicas,


processo cumulativo do conhecimento e objetividade”  “supera senso
comum”
INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA JURÍDICA
Ciência  atividade reflexiva  compreender / explicar /
descrever / elucidar e alterar o cotidiano (distanciamento da
realidade para “refletir e conhecer além de suas aparências”
[?]) dá outra linguagem ao senso comum

Criar e desenvolver a ciência  questão de sobrevivência

Senso comum não integra de modo “precário” o conhecimento


humano  é ele quem estabelece as regras de sociabilidade e de
funcionamento (do cotidiano – real)  estrutura  a ciência é erigida
a partir da observação dele

O conhecimento humano é produzido por vários caminhos 


além da ciência e do senso comum: filosofia, religião, intuição, artes,
etc. (penicilina – A. Fleming / vacina polio – J. Salk)
INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA JURÍDICA
Psicologia como ciência  necessidade de se afirmar enquanto valor de
verdade

“Objeto de estudo” da psicologia  “ser humano em todas as suas


expressões, as visíveis (o comportamento) e as invisíveis (os sentimentos)
[?], as singulares (porque somos o que somos) e as genéricas (porque
somos todos assim) – é o ser humano-corpo, ser humano-pensamento,
ser humano-afeto, ser humano-ação”

Subjetividade  “síntese singular e individual que cada um de nós vai


constituindo conforme vamos nos desenvolvendo e vivenciando as
experiências da vida social e cultural”

“mundo de ideias, significados e emoções construído internamente pelo


sujeito a partir de suas relações sociais, de suas vivências e de sua
constituição biológica; é, também, fonte de suas manifestações afetivas e
comportamentais”
INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA JURÍDICA
Evolução da Psicologia  marco histórico  laboratório de psicofísica,
Leipzig, 1879, Wilhelm Wundt (como ciência)

Psicofísica  Lei de Fechner-Weber (1860)  relação entre estímulo e


sensação/resposta = medição dos fenômenos psicológicos

Wundt  paralelismo psicofísico  fenômenos mentais correspondem a


fenômenos orgânicos  introspeccionismo (o sujeito explica: auto-
observação)

Neutralidade científica?  as concepções humanas, sociais, etc., do


pesquisador “contaminam” inevitavelmente as pesquisas

“Conhecimento é poder” (frase atribuída a Sir Francis Bacon)  “A


burguesia, que disputava o poder e surgia como nova classe social e
econômica, defendia a emancipação do ser humano para emancipar-se
também.”
INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA JURÍDICA
Psicologia como ciência  “conhecimento sistematizado, objetivo (?),
fruto de pesquisas e com referência clara no mundo empírico”  ênfase
no “eu”

Neurofisiologia  “o pensamento, as percepções e os sentimentos


humanos eram produtos desse sistema” (SNC)

“Nem sempre e nem todos os grupos sociais sentem e pensam a sua


existência da mesma maneira”

William James  funcionalismo  compreender o funcionamento da


consciência (usada para adaptação ao meio)

Edward Titchener  estruturalismo  compreender “os estados


elementares da consciência como estruturas do SNC”
INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA JURÍDICA
Edward Thorndike  associacionismo  1ª teoria de aprendizagem na
Psicologia  “processo de associação de ideias”  “Lei do efeito”: “todo
comportamento de um organismo vivo tende a se repetir, se nós
recompensarmos (efeito) o organismo assim que ele emitir o
comportamento”  castigo (efeito) = não fazer mais

Subjetividade (“objeto da psicologia”) X objetividade (“conhecimento a


partir de método científico”)  dicotomia superada pelo materialismo
histórico e dialético: une subjetividade e objetividade num mesmo
processo

Realidade em permanente movimento – sujeito e mundo estão em


relação e são [mutuamente] transformados por essa relação

Você também pode gostar