Você está na página 1de 22

DS

Diálogo de Segurança
OBJETIVOS

• Compreender a utilização do Diálogo de Segurança (DS) como parte


do processo da evolução da maturidade em Segurança.

• Conhecer como algumas características da Andragogia – Educação de


Adultos - auxiliam na realização do Diálogo de Segurança.

• Planejar e executar um Diálogo de Segurança de qualidade.


Introdução

O que é DS?
Diálogo de Segurança é uma aprendizagem utilizada para
conscientização dos riscos presentes nas atividades por meio da troca
de informações e experiências entre as pessoas que compõe as
equipes de trabalho.
Para que serve um DS?
- Elevar o nível de informações dos trabalhadores a respeito dos riscos da sua atividade;
- Formas de reduzir (e até eliminar) as possibilidades de doenças, incidentes e acidentes
acontecerem;
- Melhorar a percepção de risco no dia a dia.

Quanto tempo dura um DS?


- Uma reunião de curta duração, que pode ser realizada em diferentes momentos: no início do dia
ou de uma tarefa específica, ao finalizar alguma atividade ou a jornada de trabalho.
- A duração desta reunião dentro dos parâmetros da educação de adultos deve ser de no máximo
15 minutos.
Qual papel do facilitador do DS?

- Não é necessário que o facilitador conheça com profundidade o tema proposto;

- Estimular o grupo para trazer novas informações;

- É promover o encontro entre as pessoas;

- Coordenar a discussão e estimular o grupo a debater o assunto;

- Fazer os participantes se posicionarem de maneira ATIVA no aprendizado;

- Deve incentivar para que tragam suas experiências;


O ensino de adultos pretende ser uma troca de experiências, em que
não prevalece uma única direção de ensino onde o facilitador ensina
e o trabalhador aprende, mas ambos podem ensinar e aprender.

“A experiência, e não a verdade é o que dá sentido à educação.


Educamos para transformar o que sabemos, não para transmitir o que é sabido.”
Larrosa e Kohan
Por onde você inicia o planejamento
do seu Diálogo de Segurança?

Um bom resultado de um Diálogo de Segurança (ou de qualquer ação


educativa) inicia com um bom planejamento...
Etapas para um DS
Estruturado

Avaliação
Eficácia DS
Conclusão DS
Discussão DS
Introdução
DS
Revisão
último DS
Aquecimento
Planejamento
DS
Planejamento
• O gênero predominante.
• Idade média.
• Escolaridade e formação.
• Profissão.
• Tempo de convivência do grupo.

POR QUE ESSAS CARCTERÍSTICAS SÃO IMPORTANTES?


Mapear:
• O que o grupo está precisando aprender?
• O que eles precisam saber nesse momento?
• O que eles precisam fazer nesse momento?
• Quais os conhecimentos que os participantes possuem sobre o assunto que será
trabalhado?

”Para barco sem rumo, qualquer vento serve”

Quanto tempo terá a ação educativa?


Como escolher um tema?

Para muitos, o tema é a escolha mais


importante para o planejamento do DS.

Isso não é bem verdade!

Em termos didáticos, mais importantes do


que o tema são o OBJETIVO (PARA QUE?) e
o MÉTODO (COMO?).
• Em que local será realizada a ação?

Lembre-se da Andragogia!

• Qual será o método?


Diálogo, palestra, demonstração, descoberta ...
Que recursos estarão disponíveis?
Recursos Técnicos: estudos de caso, atividades, jogos, dinâmicas,
exercícios, simulados, tarefas práticas, debate.

Recursos Materiais: vídeos, música, textos, lego, EPI’s, varetas,


revistas, questionários, papel, caneta, canetinha, cola, tesoura,
jornal, informativo interno, boletins, comunicados, matérias da
internet, etc.

Recursos Humanos: pessoas especializadas em determinado


assunto, procedimento, equipamento ou máquina, que possa
contribuir com o aprendizado dos trabalhadores.

USE A CRIATIVIDADE !!!


Cuidados básicos e preparatório do
facilitador
Linguagem:
- Usar vocabulário acessível a todos;
- Manter um ritmo que facilite a compreensão (nem
rápido, nem vagaroso demais);
- Adequar a linguagem ao público, evitar gírias e
expressões de baixo calão;

Voz:
- Modular a voz, usando ora tons mais graves, ora mais agudos;
- Controlar o volume (nem alto demais, nem baixo demais);
- Usar tanto a modulação como o volume para enfatizar um ponto e
dar mais riqueza à exposição.

Movimentação:
- Movimentar-se natural e comedidamente pelo ambiente, aproximando-se
vez por outra dos trabalhadores;
- Não usar a mesa, ou qualquer outro móvel ou utensílio como obstáculo
entre o facilitador e os trabalhadores;
- Como as mãos “falam”, usá-las para reforçar as palavras sem exagerar na
gesticulação;
Cuidados básicos e preparatório do
facilitador

Olhar:
- Distribuir sua atenção, olhando para todos os
trabalhadores;
- Evitar o chão, para o teto, a paisagem externa como focos
permanentes do olhar;

Imagem:
- Zelar pela sua própria aparência pessoal, pois lembre-se que neste momento
você é o foco das atenções;
- Evitar chicletes, balas, etc.;
- Controlar o nervosismo, praticando, discretamente o relaxamento muscular
através da respiração profunda.
AQUECIMENT
REVISÃO INTRODUÇÃO DISCUSSÃO CONCLUSÃO
O
1. Aquecimento: Criar um ambiente receptivo, conversando sobre
assuntos amenos enquanto aguarda a chegada de todos os
trabalhadores. Quando o facilitador tem este cuidado, ele evita que
se forme um clima de suspense e não alimenta a fantasia dos
participantes sobre o que irá acontecer.

2. Revisão: Procurar recapitular aspectos que já foram abordados em


outros DS, que sejam relevantes para o assunto que será apresentado.

3. Introdução: Apresentar o assunto que será trabalhado e o objetivo


daquele DS. Nesta etapa é importante deixar claro para os participantes
“porquê” você escolheu determinado assunto para ser trabalhado no DS,
pois o adulto só irá aprender se ele entender o sentido dessa escolha.

4. Discussão: É o debate propriamente dito, em que será colocada em


prática toda a metodologia planejada pelo facilitador.

5. Conclusão: Etapa de fechamento do assunto, em que devem ser


sanadas eventuais dúvidas. A conclusão sempre será mais produtiva
quando realizada pelos próprios trabalhadores.
Check List de Avaliação da Qualidade do DS
Antes:

01) Verifiquei as características do grupo, seu nível de


conhecimento sobre o assunto e suas necessidades de
aprendizagem?

02) Defini o objetivo do diálogo a partir da pergunta: “O que os


trabalhadores precisam ser capazes de fazer depois de participar
Após: do DS”?
01) O diálogo proporcionou a troca de conhecimento entre
os participantes e entre eles e o facilitador? 03) O objetivo de ensino tem a ver com as necessidades da minha
equipe?
02) As discussões mantiveram o foco no tema e no objetivo?
04) Qual será a metodologia e os recursos que utilizarei?
03) As perguntas tinham relação com o objetivo proposto?
05) O método que escolhi está adequado ao objetivo que defini?
04) O objetivo foi atingido? Os recursos são os melhores para atingir o sucesso no DS?

05) O método escolhido foi eficaz? 06) De quanto tempo precisarei? Eu tenho este tempo?

06) O que é possível melhorar na minha atuação para o 07) Como farei a avaliação do aprendizado?
próximo DS?

07) O que é possível melhorar no planejamento?

08) Há algum tema que possa dar seguimento num próximo


diálogo àquilo que debatemos neste?
CRITÉRIOS DE QUALIDADE DOS
DIÁLOGOS DE SEGURANÇA
Itens de verificação na execução do Diálogo de Segurança
1 O método (aquecimento, revisão, introdução, discussão e conclusão) foi utilizado?
As técnicas utilizadas proporcionaram momentos para que os trabalhadores
2
participassem?
3 O facilitador assumiu uma postura de respeito pelos participantes?
4 Houve participação dos trabalhadores, trouxeram dúvidas, opiniões, sugestões?
O tema/assunto escolhido está de acordo com o que o grupo precisa aprender em
5
termos de segurança?
6 O facilitador manteve o foco do DS no objetivo estabelecido no planejamento?
7 O tempo utilizado para a realização do DS está dentro do esperado (15 minutos)?
O local em que está sendo realizado o DS é adequado, oferece condições mínimas
8
para aprendizagem das pessoas?
Importante...

• Considerar o Diálogo de Segurança como uma ferramenta


educativa, preventiva e estratégica;

• Planejar sua realização (padronização na realização) para


aumentar os resultados;

• Realizar o Diálogo de Segurança de forma a tornar


interessante para os participantes “agregue valor”
(Andragogia)

• Definir, formalizar e realizar o Diálogo de Segurança dentro


da frequência definida pela área.
(Scott Geller)
“Segurança é uma luta diária
contra a natureza humana”.
(nada melhor que um Diálogo de Segurança para ajudar nessa luta...)

Você também pode gostar