Você está na página 1de 24

AS CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA E DA

ESCRITA PARA A RESOLUÇÃO DE


PROBLEMAS MATEMÁTICOS

Acadêmica: Aline de Fátima de Campos Borges


Orientador: Profº Anderson Köpp, Esp.
Introdução

• Matemática = popular;
• Dificuldade de aprendizagem;
• Bloqueios;
• Compreensão da situação-problema;
• Leitura e escrita como ferramentas;
Apresentação e Justificativa

• Dificuldades na resolução de problemas;


• Incompreensão da intenção do problema;
• Falta de prática de leitura e de escrita;
• Associação com a disciplina de Língua Portuguesa;
• Habilidades transdisciplinares;
• Possibilidade de maior compreensão e surgimento de novas aptidões;
• Leitura e escrita matemática.
Problema de Pesquisa

O desenvolvimento e aperfeiçoamento das práticas de leitura e escrita


podem contribuir para um melhor desempenho dos alunos na hora de
solucionar problemas matemáticos?
Hipóteses ou Pressupostos

• A Matemática há muito tempo vem sendo trabalhada de forma mecânica, de


modo que o processo de ensino aprendizagem, é visto como repetição. Acaba-
se não percebendo que os alunos precisam mais do que aprender a realizar
contas, mas sim, se apropriar da matemática e de tudo que ela envolve, de
modo que consiga dar significado a ela.
Objetivo Geral

Destacar a importância do desenvolvimento e aperfeiçoamento


das habilidades de leitura e escrita nas aulas de matemática,
sobretudo voltados à prática de resolução de situações
problemas.
Objetivos Específicos

• Identificar como a história da matemática se faz presente nos tempos atuais e quais foram
suas contribuições;

• Identificar quais são as dificuldades e desafios que a resolução de problemas matemáticos


causa aos alunos;

• Compreender como as habilidades de leitura e escrita podem contribuir no processo de


ensino aprendizagem da matemática, em especial na prática de resolução de situações
problemas;

• Destacar a importância da didática do professor no processo de ensino aprendizagem.


Fundamentação Teórica

Origem e evolução da Matemática

Zanardini (2017) conta que a Matemática é uma ciência antiga que teve seu início há uns 50 mil
anos, ainda na Idade da Pedra, quando ações como contar, por exemplo, passou a existir por questões
de necessidade. Tudo o que se sabe atualmente atrelado a contagem, operações e geometria, e é
ensinado nas escolas, tem sua base advinda das descobertas e estudos realizados desde a Idade das
Pedras até por volta do século IV a.C.

De acordo com Nacarato, Mengali & Passos (2019), nas últimas três décadas, o currículo voltado ao
ensino de Matemática passou por inúmeras mudanças. Nos anos 80, alguns aspectos considerados
até então novos apareceram, como: alfabetização matemática, aprendizagem com significado,
valorização da resolução de problemas, linguagem matemática, entre outros.
Fundamentação Teórica

Resolução de situações-problema

O aluno, enquanto resolve situações-problema, aprende matemática, desenvolve procedimentos e


modos de pensar, desenvolve habilidades básicas como verbalizar, ler, interpretar e produzir textos
em matemática e nas áreas do conhecimento envolvidas nas situações propostas. Simultaneamente,
adquire confiança em seu modo de pensar e autonomia para investigar e resolver problemas (DINIZ,
2001, p. 95) .
Fundamentação Teórica

Dificuldades na resolução de situações-problema

Entre alguns pontos de dificuldades relatados por professores de Matemática enfrentados pelos
alunos na prática de resolução de situações problemas, o mais comum é a incompreensão do
enunciado. Silva (2016, p. 9) diz que “[...] é comum encontrar alunos que não conseguem resolver
as operações propostas, pelo simples fato de não compreenderem aquilo que lhes é pedido”.

Além disso, Smole e Diniz (2001) contribuem dizendo que além da leitura, outro fator que contribui
para essa dificuldade compreensão é a ausência de um trabalho com o texto que compõe a situação-
problema.
Fundamentação Teórica

Contribuições das práticas de leitura e de escrita na resolução de problemas matemáticos

Sobre as contribuições da prática de leitura nas aulas de matemática, Fonseca & Cardoso (2009, p.
66) dizem que,

A leitura de textos que tenham como objeto conceitos e procedimentos matemáticos, história da Matemática ou reflexões
sobre a Matemática, seus problemas, seus métodos, seus desafios pode, porém, muito mais do que orientar a execução de
determinada técnica, agregar elementos que não só favoreçam a constituição de significados dos conteúdos matemáticos,
mas também colaborem para a produção de sentidos da própria Matemática e de sua aprendizagem pelo aluno.

Já Smole (2001, p.31) em relação a prática de escrita diz que,

[...] produzir textos em matemática, tal como ocorre em outras áreas do conhecimento, o aluno tem oportunidades de usar
habilidades de ler, ouvir, observar, questionar, interpretar e avaliar seus próprios caminhos, as ações que realizou, no que
poderia ser melhor. É como se pudesse refletir sobre o próprio pensamento e ter, nesse momento, uma consciência maior
sobre aquilo que realizou e aprendeu.
Procedimentos Metodológicos

• Procedimentos Qualiquantitativos;

• Pesquisa Exploratória;

• Pesquisa Descritiva.
Área de Abrangência

• História;

• Matemática;

• Língua Portuguesa;

• Didática.
População e Amostra

A pesquisa será realizada em instituições municipais localizadas na cidade de Joinville. A


quantidade de escolas será decidida após o contato as opções disponíveis, tendo em vista que
a pretensão da pesquisadora é contar com a participação de aproximadamente nove docentes,
que atuem em turmas de 3º a 5º ano.

• População: professores de turmas de 3º a 5º ano que trabalhem com a disciplina


de Matemática;
• Amostra: 9 professores;
Instrumento de Coleta de Dados

• Questionário;
Considerações Iniciais

Com base nos estudos iniciais, e acreditando no sucesso da pesquisa, espera-se que esse projeto possa contribuir
para uma mudança de estratégias e métodos de ensino por parte dos professores, deixando para trás o ensino
engessado, mecânico, que se apoia na memorização, codificação e decodificação, visando ainda uma melhor
compreensão das crianças diante das problemáticas matemáticas e uma formação integral que lhe permita ser um
indivíduo crítico, reflexivo e apto a interpretar não só conteúdos, mas também o mundo que o cerca.
Questionário

1) Qual seu sexo?


( ) Feminino ( ) Masculino
2) Qual a sua idade?
( ) Menos de 25 anos ( ) 25 a 29 anos ( ) 30 a 39 anos ( ) Acima de 40 anos
3) Qual é o seu tempo de experiência como professor (a)?
( ) Menos de 1 ano ( ) 1 a 3 anos ( ) 3 a 6 anos ( ) 6 a 10 anos ( ) Mais de 10 anos
4) Em que ano você se formou?
R:_____________________________________________________________
5) Em qual instituição realizou a graduação?
R:_____________________________________________________________
 
Questionário

6) Qual era o tipo de ensino?


( ) Presencial ( ) A distância (EAD)
7) Quantas vezes já assumiu turmas de 3º e 5º anos?
( ) Primeira vez ( ) De duas a cinco ( ) De cinco a dez
8) Você costumar utilizar situações-problema durante as aulas de matemática?
( ) Sim ( ) Não
9) De acordo com sua percepção, as crianças apresentam maior dificuldade para:
( ) Realizar as operações ( ) Compreender o que o enunciado “pede”
10) Sobre a utilização das situações-problema, você as considera importantes? Na sua visão, como elas
contribuem para a formação do aluno?
R:__________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
Questionário

11) De acordo com sua experiência, você acredita que a dificuldade com a leitura e também com a
escrita, podem ser considerados responsáveis pelo insucesso dos alunos ao se depararem com
situações-problema?
( ) SIM ( ) NÃO
12) Você cria ou utiliza estratégias que colaboram para um melhor desempenho dos alunos?
( ) SIM ( ) NÃO
13) Com base na última pergunta, caso a resposta tenha sido sim, descreva quais são as estratégias
adotadas?
R:_____________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_________________________________________________________________ 
Questionário

14) Você costuma trabalhar leitura e escrita durante as aulas de matemática?


( ) SIM ( ) NÃO
15) Associando a pergunta anterior, caso a resposta tenha sido sim, descreva como costuma fazer?
R:_____________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_________________________________________________________________
16) Você acredita que um trabalho envolvendo o desenvolvimento e aperfeiçoamento das
habilidades de leitura e escrita podem contribuir para uma melhor atuação do alunos na hora de
resolver situações-problema?
( ) SIM ( ) NÃO
Referências
BRASIL. Ministério da Educação. Secretária da Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais:
matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997.
_______. Lei n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário
Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, DF, v.134, n. 248, 23 dez. 1996. Seção 1, p. 27834-27841.
DINIZ, Maria Ignez. Resolução de Problemas e Comunicação. In: SMOLE, Kátia Stocco; DINIZ, Maria Ignez
(Org.). Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre: Artmed,
2001. p. 87-97.
FONSECA, Maria da C. F. Reis; CARDOSO, Cleusa de Abreu. Educação Matemática e letramento: textos para
ensinar Matemática, Matemática para ler o texto. In: LOPES, Celi A. Espasandin; NACARATO, Adair Mendes
(Org). Escritas e leituras na educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2009, p. 63-76. Disponível em:
<https://plataforma.bvirtual.com.br/Leitor/Publicacao/36552/pdf/4?
code=+2oNY/ThiF2hq8CyJn3z/72G9ClRTv4s9Veqg6pjT3zi6tgmxyaqwT684wIf4Me3Z/Hzla0ZN7p77Nl0vLEQa
Q==>. Acesso em: 15 mai. 2021.
Referências
GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008. Disponível em: <
https://ayanrafael.files.wordpress.com/2011/08/gil-a-c-mc3a9todos-e-tc3a9cnicas-de-pesquisa-social.pdf>. Acesso
em: 22 mai. 2021.
NACARATO, Adair Mendes; MENGALI, Brenda L. da Silva; PASSOS, Cármen L. Brancaglion. A matemática nos
anos iniciais do ensino fundamental: tecendo fios do ensinar e do aprender. 3. ed. Belos Horizonte: Autêntica
Editora, 2019. Disponível em: < https://plataforma.bvirtual.com.br/Leitor/Publicacao/177831/pdf/0?
code=EclZ6x7ouvc73Rgw34R6+D5XrGuZk1nA7K3yoZxavV7cPGHV+gXhoguR78hnGE1U64BWcNGz4uFfgbnd
HUag7w==>. Acesso em: 8 mai. 2021.
SILVA, Maria. F. da. Resolução de problemas - uma proposta metodológica para o ensino e aprendizagem de
matemática no 6º ano do ensino fundamental. In: PARANÁ. Governo do estado. Secretaria da educação. Os desafios
da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE. Produções didático-pedagógicas. São José dos
Pinhais, 2016. Disponível em: <
http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2016/2016_pdp_mat_utfpr_mari
aaparecidafelipe.pdf
>. Acesso em: 08 mai. 2021.
Referências
SMOLE, Kátia Stocco. Textos em Matemática. In: SMOLE, Kátia Stocco; DINIZ, Maria Ignez (Org.). Ler,
escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 29-
68.
SMOLE, Kátia Stocco; DINIZ, Maria Ignez. Ler e Aprender Matemática. In: SMOLE, Kátia Stocco; DINIZ, Maria
Ignez (Org.). Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre:
Artmed, 2001. p. 69-86.
ZANARDINI, Ricardo Alexandre Deckmann. Um breve olhar sobre a história da matemática. Curitiba:
InterSaberes, 2017. Disponível em: < https://plataforma.bvirtual.com.br/Leitor/Publicacao/170583/pdf/0?
code=daaTCHYTZaJBfiOn3d9IhuAsx8kygjlizEswrnbgLWNC+zygocVIodAJKNAZuJPWtKCubfCjA+Vs/RDFvf
S5Lg==>. Acesso em: 01 mai. 2021.
Obrigada!

Você também pode gostar