Você está na página 1de 54

BARROCO Letícia Coleone Pires

ORIGEM
O termo “barroco”, inicialmente, era usado para referir a uma pérola imperfeita,
feia e rugosa.

No século XVII passou a nomear as características de determinada obra de arte que
não seguia as regras clássicas de harmonia e equilíbrio, ou seja, princípios do
Renascimento. Logo, esse movimento fica conhecido também como seiscentismo.

Angústias do homem da época e sua divisão entre religião e sensualidade


CONTEXTO HISTÓRICO
Venda de indulgência pela igreja católica
Início do século XVI: oposição a esse tipo de prática
1517: Martinho Lutero protestou de forma mais veemente, o que determinou sua
excomunhão.
Lutero recebeu o apoio de importantes autoridades europeias ---- surgindo a Reforma
protestante
Entre 1545 e 1563 e houve uma assembleia de autoridades católicas, o Concílio de Trento,
que determinava algumas normas e mudanças, como a eliminação das indulgências, criação
de um index (lista de livros proibidos), o fortalecimento do Tribunal do Santo Ofício (a
Inquisição), além de medidas mais populares para o ritual católico. Esse movimento fica
conhecido como Contrarreforma.
Santa inquisição ---- acusa de perseguir os protestantes.
Companhia de Jesus, fundada em 1534, utilizada para difundir a fé católica.
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Emocional sobre o racional; seu propósito é impressionar os sentidos do
observador, baseando-se no princípio segundo o qual a fé deveria ser atingida através
dos sentidos e da emoção  e não apenas pelo raciocínio.
Busca de efeitos decorativos e visuais, através de curvas, contracurvas, colunas
retorcidas;
Entrelaçamento entre a arquitetura e escultura;
Violentos contrastes de luz e sombra.
O BARROCO NA ARTES
PINTURA
•Composição assimétrica, em diagonal – que se revela num estilo grandioso,
monumental, retorcido, substituindo a unidade geométrica e o equilíbrio da arte
renascentista;
•Acentuado contraste de claro-escuro (expressão dos sentimentos) – era um recurso
que visava a intensificar a sensação de profundidade;
•Realista, abrangendo todas as camadas sociais;
•Escolha de cenas no seu momento de maior intensidade dramática.
MICHELÂNGELO MERISI DA
CARAVAGGIO (1571 – 1610)
Teatralidade espacial gerada pelo jogo de luz e sombra ---
chiaroscuro (tons fortes mais escuros em contraste com marcantes
pontos de luz).
Retratar pessoas do povo, misturando, por vezes, com temáticas
religiosas.
JUDITE E HOLOFERNES, C. 1598-99,
CARAVAGGIO, PALÁCIO BARBERINI,
ROMA.
A DÚVIDA
DE SÃO
TOMÉ
A INSPIRAÇÃO
DE SÃO
MATEUS
A Crucificação de Pedro
Diego Velázquez (1599-1660) pintor espanhol, batizado de Diego Rodriguez da
Silva y Velázquez, além de retratar as pessoas da corte espanhola do século XVII,
procurou registrar em seus quadros também os tipos populares do seu país,
documentando o dia-a-dia do povo espanhol num dado momento da história. 

Efeitos luminosos são usados – não através de contrastes ásperos, mas sim com uma
continua e gradual mudança de intensidade nas várias zonas da tela 
A RENDIÇÃO
DE BREDA,
1634-35
VELHA
FRITANDO OS
OVOS, 1618
ESCULTURA
 Contornos sinuosos
 Imagens em movimento
 Exuberância de formas
Uso do dourado
 Os gestos e os rostos das personagens revelam emoções violentas e atingem uma
dramaticidade desconhecida no Renascimento.
Gianlorenzo Bernini (1598-1680) foi mais que um escultor do período barroco. Foi
também arquiteto, urbanista, decorador, teatrólogo, compositor e cenógrafo. 
Algumas de suas obras serviram de elementos decorativos das igrejas, como, por
exemplo, o baldaquino e a cadeira de São Pedro, ambos na Basílica de São Pedro, no
Vaticano.
O Êxtase de Santa Tereza,
Igreja Santa Maria della
Viitoria, Roma, Itália
Rapto da Sabrina, Gianlorenzo
Bernini, Galeria Borghese,
Roma.
BEATA LUDOVICA ALBERTONI
ARQUITETURA
O barroco não renega as formas clássicas – colunas, arcos – mas transforma-os
de uma maneira fantasiosa e subjetiva.
O barroco amava o movimento, a curvatura das fachadas tornou-se num dos motivos
característicos da arquitetura desse período.

Outro aspecto peculiar da arte barroca é a importância do uso da luz. Para a


arquitetura barroca, a luz é um elemento fundamental. Os fortes contrastes entre
partes vivamente iluminadas e partes quase na escuridão, são típicos dos edifícios da
época e contribuem para dar dramaticidade à atmosfera.
CÚPULA DA IGREJA
SÃO LOURENÇO,
TURIM, ITÁLIA.
Igreja de São Tiago de Compostela,
Espanha.
GALERIA DOS ESPELHOS,
VERSALHES, FRANÇA.
A ESCADA MONUMENTAL EM ESPIRAL DE
GIUSEPPE MOMO, MUSEU DO VATICANO,
ROMA, ITÁLIA.
ARQUITETURA NO BRASIL
 Extração dos metais preciosos ---- edificações cheias de esplendor.

 As igrejas costumam ser menores e mais intimistas, além de repletas de imagens e


pinturas do frontispício à nave do altar.

O teto, normalmente baixo, representa a força do poder de Deus.


Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho – seu projeto para a igreja de São
Francisco, em Ouro Preto, por exemplo, bem como a sua realização, expressam uma
obra de arte plena e perfeita. Desde a portada, com um belíssimo trabalho de
medalhões, anjos e fitas esculpidos em pedra-sabão, o visitante já tem certeza de que
está diante de um artista completo. Além de extraordinário arquiteto e decorador de
igrejas foi também incomparável escultor. O Santuário do Bom Jesus de Matosinhos,
em Congonhas do Campo, é constituído por uma igreja em cujo adro estão as
esculturas em pedra-sabão de doze profetas, cada um desses personagens numa
posição diferente e executa gestos que se coordenam.
DETALHE DO BUSTO
DO PROFETA DANIEL
FEITO EM PEDRA
SABÃO, ALEIJADINHO
ÚLTIMA CEIA,
ESCULTURA EM
MADEIRA
POLICROMADA,
ALEIJADINHO
INTERIOR DA
IGREJA DO PILAR,
OURO PRETO
INTERIOR DA MATRIZ DE
NOSSA SENHORA DA
CONCEIÇÃO
NTERIOR DA
IGREJA DE SANTO
ANTONIO DE
PÁDUA,
TIRADENTES
O BARROCO NA
LITERATURA
A origem está diretamente ligada aos traços maneiristas (1520 – começo da crise do
Renascimento).

Linguagem mais rebuscada e a expressão das contradições humanas por meio do uso
de figuras que arrebatam o leitor em um combinação ente apelo sensorial e
elaborada intelecção (cultismo e conceptismo)

Temática: a mais frequente é a religiosa, mas também é muitos textos sobre amor,
erotismo, reflexão filosófica.
DINAMISMO
O barroco pode ser concebido como a arte do movimento, da dramaticidade, quase uma cena teatral.

E na linguagem?

 Hipérbato: que é a inversão da ordem natural da frase.


Daquele formidável pois da terra
bocejo, o melancólico vazio
a Polifemo, horror daquela serra,
bárbara choça é, pouso sombrio (Luis de Góngora)

(O melancólico vazio daquele formidável bocejo da terra é uma bárbara choça [que serve de] pouso sombrio
a Polifemo horror daquela serra)
Quiasmo, cruzamento simétrico de palavras em forma de X

Anarda enferma flutua


E quando flutua enferma,
jaz doente a fermosura,
está fermosa a doença (Manuel Botelho de Oliveira)
INSTABILIDADE
Mundo efêmero

A consciência de que a vida é breve assume um caráter dramático --- pressentimento


da morte, de punição pelos pecados

O homem é fruto do pecado, e todo pecada seria punido --- gerando a angústia e a
busca por uma fé.
Ao Dia do Juízo – Gregório de Matos
O alegre do dia entristecido,
O silêncio da noite perturbado
O resplendor do sol todo eclipsado,
E o luzente da lua desmentido!
Rompa todo o criado em um gemido,
Que é de ti mundo? onde tens parado?
Se tudo neste instante está acabado,
Tanto importa o não ser, como haver sido.
Soa a trombeta da maior altura,
A que a vivos, e mortos traz o aviso
Da desventura de uns, d’outros ventura.
Acabe o mundo, porque é já preciso,
Erga-se o morto, deixe a sepultura,
Porque é chegado o dia do juízo
FIGURAS DE LINGUAGEM DO
BARROCO
Metáfora: é uma comparação implícita. Tem-se como exemplo o trecho a seguir,
escrito por Gregório de Matos:

Se és fogo, como passas brandamente?


Se és neve, como queimas com porfia?
Antítese: reflete a contradição do homem barroco, seu dualismo. Revela o contraste
que o escritor vê em quase tudo. Observe a seguir o trecho de Manuel Botelho de
Oliveira, no qual é descrita uma ilha, salientando-se seus elementos contrastantes:

Vista por fora é pouco apetecida


Porque aos olhos por feia é parecida;
Porém, dentro habitada
É muito bela, muito desejada,
É como a concha tosca e deslustrosa,
Que dentro cria a pérola formosa.
Paradoxo: corresponde à união de duas ideias contrárias num só pensamento. Opõe-
se ao racionalismo da arte renascentista. Veja a estrofe a seguir, de Gregório de
Matos:

Ardor em firme Coração nascido;


pranto por belos olhos derramado;
incêndio em mares de água disfarçado;
rio de neve em fogo convertido.
Hipérbole: traduz ideia de grandiosidade, pompa. Veja mais um exemplo de
Gregório de Matos:

É a vaidade, Fábio, nesta vida, 


Rosa, que da manhã lisonjeada,
Púrpuras mil, com ambição dourada, 
Airosa rompe, arrasta presumida.
CULTISMO
O cultismo significa “jogo de palavras”. Também é chamado de Gongorismo, pois foi inspirado
nos textos do poeta espanhol Luis de Góngora (1561-1627).

Don Luis de Góngora y Argote (1561-1627) notabilizou-se por uma obra marcada pela
sofisticação: ele afirmava escrever “não para muitos”, de forma que houvesse uma total ruptura
entre a linguagem poética e a linguagem cotidiana.
Essa posição elitista criava a poesia dita “culta”, cuja interpretação contava com a agudeza dos
leitores — a capacidade intelectual de decifrar, de maneira rápida, metáforas em que elementos
inusitados eram relacionados.
Era comum, por exemplo, os cabelos da dama serem associados a ouro, os lábios a rubis, os
dentes a pérolas, explorando o sensorialismo, com intensa evocação de imagens, cores, sons e
cheiros. No plano da sintaxe, opera-se com construções labirínticas, em que se sobressaem os
hipérbatos (inversões sintáticas radicais) e os quiasmos (disposição de elementos de forma
cruzada).
Características: descrição, termos cultos (preciosismo vocabular), linguagem
rebuscada e ornamental para expressar as ideias, valoriza os detalhes e a forma
textual, o uso de diversas figuras de linguagem (hipérbole, sinestesia, antítese,
paradoxo, metáfora, etc.). Entorpecimento
CONCEPTISMO
O conceptismo significa “jogo de ideias”. Também é chamado de Quevedismo, pois
foi inspirado na poesia do poeta espanhol Francisco de Quevedo (1580-1645).

Francisco de Quevedo (1580-1645) foi acérrimo inimigo de Góngora, a quem


vergastou em diversas sátiras (que eram rebatidas em poemas de mesmo vigor e
virulência). As obras de Quevedo buscavam o esplendor por um caminho diferente
do cultismo: em vez do acúmulo de referências sensoriais, o autor buscava empregar
o máximo de ideias e pensamentos com omínimo de palavras: assim, o
intelectualismo é a principal marca da obra quevediana . As transições bruscas e os
contrastes violentos são também expressão desse gosto, que se manifesta no
recorrente uso de antíteses e de paradoxos.
Uso de argumentos racionais, ou seja, do pensamento lógico, valorizando sempre o conteúdo
textual. Preferindo a concisão.

O objetivo principal era o de convencer o leitor além de instruí-lo por meio de diversos argumentos.

As obras conceptistas se valiam bastante de comparações explícitas, além de analogias e parábolas.

Silogismo: é uma forma de raciocínio dedutivo que, partindo de duas premissas básicas, delas
concluem uma terceira, logicamente implicada. Exemplo: Todo homem é mortal. Maurício é
homem. Maurício é mortal.
Sofisma: trata-se de um argumento que parte de premissas verdadeiras e chega a uma conclusão
inadmissível, mas irrefutável formalmente, ou seja, inquestionável de acordo com as regras formais
do raciocínio. Exemplo: Racismo é só uma palavra. Não há por que discutir sobre palavras. Não há
porque discutir racismo.
Por mais que apresentem diferenças pontuais, cultismo e conceptismo podem ser
entendidos como expressão de um mesmo desejo de se afastar do equilíbrio e da
simplicidade da literatura clássica renascentista, que para os autores seiscentistas
parecia excessivamente simples e, por vezes, abertamente vulgar. Tanto a arte de
Góngora como a de Quevedo prefiguravam um receptor discreto, isto é: uma pessoa
geralmente nobre, capaz de encontrar deleite estético na decifração daqueles
enigmáticos jogos de palavras e de ideias. Era uma distinção social compreender
rapidamente aqueles textos, verdadeira manifestação da agudeza, o que diferenciava,
de maneira elitista, os nobres da plebe rude, considerada incapaz de se interessar por
aqueles complicados mecanismos linguísticos.
O BARROCO NO
BRASIL
Relação ente o ciclo econômico e literário

Marco inicial do Barroco literário no Brasil foi a publicação, em 1601, do livro


Prosopopeia, de Bento Teixeira
OBS:  é um poema épico que narra aventuras de Jorge d’Albuquerque Coelho, então
governador da Capitania de Pernambuco.

Os livros eram somente publicados em Portugal, não havia modos de impressão aqui
ainda, inclusive era proibido.

Poemas tornavam-se conhecidos ou pela tradição oral ou por folhetos manuscritos.

Questão da Companhia de Jesus -- jesuítas


Padre Antônio Vieira Gregório de Matos