Você está na página 1de 49

TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO


DE ACIDENTES DO TRABALHO

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

CONCEITO

• COMISSÃO: Grupo de pessoas conjuntamente encarregadas


de tratar de um determinado assunto;
• INTERNA: Seu campo de atuação esta restrito a própria
empresa;
• PREVENÇÃO: É o que define claramente o papel da CIPA.
É sua meta principal. Prevenção significa caminhar antes do
acidente;
• ACIDENTE: Qualquer ocorrência imprevista e sem intenção
que possa causar danos ou prejuízos à propriedade ou à
pessoa.

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

OBJETIVO
Prevenir acidentes e doenças decorrentes do trabalho,
de modo a tornar compatível permanentemente o
trabalho com a presença da vida e a promoção da
saúde do trabalhador .

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
 A Segurança e a Saúde do Trabalhador.
 Acidentes e Doenças do Trabalho.
 Higiene do Trabalho e Medidas de Controle dos Riscos.
 Estudo do Ambiente e das Condições de Trabalho.
 Metodologia de Investigação e Análise de Acidentes.
 Organização da CIPA - NR-5.
 Legislação Trabalhista e Previdenciária relativas à Segurança e Saúde no
Trabalho.
 Combate a incêndio
 Noções sobre a AIDS (SIDA).

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

NOÇÕES SOBRE ACIDENTE DO TRABALHO


ACIDENTE DO TRABALHO (Conceito legal)
“Acidente do Trabalho é aquele que ocorre pelo exercício do trabalho a
serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional
que cause a morte, a perda ou redução permanente ou temporária, da
capacidade para o trabalho”. (Lei no 8.213, de 24/07/91).

Conceito Prevencionista
Caracteriza-se como toda ocorrência não programada e não desejada,
estranha ao andamento normal do trabalho, da qual possa resultar danos
físicos e/ou funcionais ou a morte do trabalhador e/ou danos materiais e
econômicos à empresa.

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

NOÇÕES SOBRE ACIDENTE DO TRABALHO


TIPOS DE ACIDENTES

Acidente Pessoal ou Típico: É aquele sofrido pelo


empregado no horário e local de trabalho, na função
específica.

Acidente de Trajeto: É aquele sofrido pelo trabalhador, no


percurso da residência para o trabalho ou deste para aquela,
qualquer que seja o meio de locomoção, inclusive veículo
próprio, no percurso normal (caminho ordinariamente
seguido).

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

NOÇÕES SOBRE ACIDENTE DO TRABALHO


Doença profissional - desencadeada pelo exercício do
trabalho peculiar a determinada atividade. Ex: silicose.

Doença do trabalho - desencadeada em função das


condições especiais que o trabalho é realizado. Ex: surdez.

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

NOÇÕES SOBRE ACIDENTE DO TRABALHO


EXEMPLO DE ACIDENTES DO TRABALHO

Fotos de um dedo que foi decepado trabalhando, com uma furadeira de


aproximadamente 80Kg que fica em uma base firme na diagonal.

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

NOÇÕES SOBRE ACIDENTE DO TRABALHO


EXEMPLO DE ACIDENTES DO TRABALHO COM ELETRICIDADE

Acidente ocorrido durante a manutenção em ponte rolante

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

NOÇÕES SOBRE ACIDENTE DO TRABALHO


Causas dos Acidentes de Trabalho
As causas dos acidentes podem decorrer de fatores
ambientais, humanos e materiais, exemplos:
Fatores ambientais de riscos desencadeados em períodos diversos,
gerando condições perigosas, insalubres e penosas;
Critérios de saúde e segurança adotados pelas pessoas e pela empresa;
Os maus hábitos com relação à proteção pessoal diante dos riscos;
O desconhecimento de determinadas operações;
O valor dado à própria vida;
O excesso de autoconfiança ou irresponsabilidade;
A organização e a pressão para produzir;
O imediatismo e a ausência de treinamento.

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

NOÇÕES SOBRE ACIDENTE DO TRABALHO


Causas Imediatas
Condições Inseguras
Falhas físicas que estão presentes no ambiente de trabalho, e comprometem
a segurança do trabalhador, instalações e dos equipamentos etc.

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

NOÇÕES SOBRE ACIDENTE DO TRABALHO


Causas Imediatas
Atos Inseguros
Têm sua origem em erros conscientes do trabalhador, ou seja, ele
sabe que está errado mas, FAZ.

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

NOÇÕES SOBRE ACIDENTE DO TRABALHO


Lesão Pessoal

Dano sofrido pelo organismo humano. Divide-se em :


lesão sem afastamento e com afastamento
(incapacidade temporária total; incapacidade
permanente parcial; incapacidade permanente total
e morte)

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA

1. CONSTITUIÇÃO – cap. II, art. 7;


2. C.L.T. (Consolidação das Leis Trabalhistas) – Cap. V,
art. 156 a 158;
3. Portaria Nº 3214/78 (Normas Regulamentadoras – 34);

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

Estudo do ambiente e das condições de trabalho


Programa de Prevenção de Riscos Ambientais-PPRA
(NR-09)
programa que visa a preservação da saúde e a integridade física e
psíquica dos trabalhadores, através da antecipação, avaliação e controle
de riscos ambientais
Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional-
PCMSO(NR-07)
estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de
todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como
empregados.

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

Estudo do ambiente e das condições de trabalho


INSPEÇÃO DE SEGURANÇA

As inspeções de segurança têm como objetivo detectar possíveis causas


que propiciem a ocorrência de acidentes, visando tomar ou propor
medidas que eliminem ou neutralizem os riscos de acidentes do trabalho.

TIPOS DE INSPEÇÃO

Inspeção parcial;

Inspeção de rotina;

Inspeção periódica;

Inspeção eventuais;

Inspeção geral;

Inspeção oficial;

Inspeção especiais.
SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

Estudo do ambiente e das condições de trabalho


Como devemos proceder após uma inspeção de segurança?

Observação : Observar criteriosamente as condições de trabalho e de atuação das pessoas


Registro: deve ser feito em formulários que favoreçam a análise dos problemas apontados
Análise de riscos: deve decompor e separar as fases da operação para verificação cuidadosa dos riscos que estão presentes em
cada fase

Priorização: priorizar os problemas de forma a atender àqueles mais graves e/ou eminentes.

Implantação: Nesta fase os relatórios com as medidas corretivas definidas deverão ser encaminhados ao departamento responsável
para sua efetivação. Fixando prazo previsto para conclusão das prioridades e dos demais riscos.
Acompanhamento: Consiste na verificação e cobrança das medidas preventivas

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

RISCOS AMBIENTAIS
FATORES QUE INFLUENCIAM O RISCO AMBIENTAL

TEMPO CONCENTRAÇÃO
DE INTENSIDADE
NATUREZA DO RISCO
EXPOSIÇÃO

SENSIBILIDADE INDIVIDUAL
SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA
RISCOS AMBIENTAIS
Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 Grupo 4 Grupo 5

Verde Vermelho Marrom Amarelo Azul

Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonômicos Riscos de Acidentes

Ruído Poeiras Vírus Esforço físico intenso Arranjo físico inadequado

Levantamento e Máquinas e equipamentos sem


Vibrações Fumos Bactérias transporte manual de proteção
peso

Radiações Névoas Protozoários Exigência de postura Ferramentas inadequadas ou


Ionozantes inadequada defeituosas

Radiações não Neblinas Fungos Controle rígido de Iluminação inadequada


Ionizantes produtividade

Frio Gases Parasitas Imposição de ritmos Eletricidade


excessivos

Calor Vapores Bacilos Trabalho em turno e Probabilidade de incêndio ou


noturno explosão

Pressões Substâncias, compostos ou Jornada de trabalho Armazenamento inadequado


Anormais produtos químicos em geral prolongada

Umidade Monotonia e Animais peçonhentos


repetitividade

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

MAPA DE RISCOS
Setor: Oficina de Metalurgia
Nº de funcionários do setor analisado: 06
Data:__/__/__
Intensidade
Riscos Cor Conclusão
P M G
Ruídos Verde 06 1 5 Grande
Vibrações Verde 02 2 Médio
Poeiras Vermelho 06 1 1 4 Grande
Gases Vermelho 06 0 1 5 Grande
Amarelo 03 3 Pequeno
Incêndio Azul 06 4 1 1 Pequeno

Assinatura:

SESMT/PE
MAPA DE RISCOS
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

MAPA DE RISCOS

6 3 6
OFICINA DE
Repetitividade
METALURGIA
Ruídos
Poeiras e
Gases

6
2 Incêndio
Vibrações

RISCO FÍSICO

RISCO QUÍMICO
Grande

RISCO BIOLÓGICO
Médio
RISCO ERGONÔMICO

RISCO DE ACIDENTE Pequeno


SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

MAPA DE RISCOS
OBJETIVOS

a) reunir as informações necessárias para estabelecer


o diagnóstico da situação de segurança e saúde no
trabalho na empresa;

b) possibilitar, durante a sua elaboração, a troca e di-


vulgação de informações entre os trabalhadores, bem
como estimular a sua participação nas atividades de
prevenção.

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

Investigação e análise de acidentes e doenças ocupacionais


AS FASES DE UMA INVESTIGAÇÃO E ANÁLISE DOS ACIDENTES

 Coleta de informações
 Diagnóstico da ocorrência
 Proposta de medidas preventivas

Buscando causas que contribuíram para o acidente:

 Conversar com o acidentado;


 Conversar com os colegas do setor ou que presenciaram o acidente;
 Conversar com o chefe do setor;
 Observar cuidadosamente o local onde ocorreu o acidente;
 Conversar com o Serviço Médico que atendeu o acidentado;
 Saber quanto tempo o acidentado tinha de experiência na função;

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

Investigação e análise de acidentes e doenças ocupacionais

As investigações de acidente visam apurar:

O que aconteceu;
Como aconteceu;
Por que aconteceu;
Como poderia ter sido evitado;
Quais foram às conseqüências.

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

COMUNICAÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO - CAT


A empresa necessita fazer uma comunicação dos acidentes, ao INSS, no
prazo máximo de 24 horas e utilizar-se de impresso específico do órgão.
A CAT deverá ser emitida em quatro vias, conforme o artigo 228 da
IN INSS/PRES Nº 11 - DE 20 DE SETEMBRO DE 2006 - DOU DE
21/9/2006.

1º via: ao INSS;
2º via: ao segurado ou dependente;
3º via: ao sindicato dos trabalhadores;
4º via: à empresa;

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

HIGIENE OCUPACIONAL
É um conjunto de ciências e tecnologias que buscam a prevenção e o
controle da exposição ocupacional aos riscos ambientais
Objetivo: envolve a identificação, o estudo, as avaliações e o gerenciamento
dos riscos químicos, físicos e biológicos presentes nos locais de trabalho.  
Á avaliação ambiental é composta de duas fases distintas:
 1ª fase - Avaliação qualitativa : coleta de fontes de dados preliminares
sobre o ambiente de trabalho a ser avaliado.
 2ª fase - Avaliação quantitativa: medição instrumental ou laboratorial da
concentração do agente no ambiente de trabalho, cujo resultado obtido deve
ser comparado aos níveis de exposição estabelecidos pela legislação
brasileira

SESMT/PE
TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

MEDIDAS DE CONTROLE

EPC EPI

AMBIENTE HOMEM

elimina/neutraliza/sinaliza evita ou diminui


O RISCO A LESÃO
SESMT/PE
Combate a incêndio

- Fogo;
- Classes de Fogo;
- Como Evitar um Incêndio;
- Tipos de Extintores.
Fogo
Reação química de oxidação, onde há liberação
de luz e calor.
Para ocorrer o fogo é necessário que haja,
calor, oxigênio, e combustível, é o
que conhecemos por triângulo do fogo, e na
falta de algum desses elementos é impossível,
que haja fogo.
Classes de Fogo
* CLASSE “A”: São materiais de fácil
combustão, queimam tanto na superfície
como em profundidade, deixando
resíduos. Ex.: madeira, papel, etc.
* CLASSE “B”: São os produtos que
queimam somente na superfície.
Ex.: gasolina, óleos, graxas, etc.
* CLASSE “C”: Ocorre em
equipamentos elétricos energizados.
Ex: motores, quadros de distribuição,
etc.

•CLASSE “D”: Ocorre em materiais


pirofóricos como magnésio, zircônio,
titânio, etc.
Tipos de extintores:
Para  incêndios de classe A 
O eficiente é o extintor de água. 

Pode-se usar também o extintor de


pó químico e c0² porém não é eficiente para
esse tipo de incêndio
• Para classe B

• O indicado é o Pó químico.
Nesse caso nunca deve ser usado o
extintor de água, pois ele pode
aumentar o as chamas.
Nesse tipo de incêndio o c0² não é
eficiente.
•Para classe C

• (CO²) Gás carbono


Pode ser usado também o pó químico,
mas seu uso pode estragar os
equipamentos.
NOTA

Todo combate a incêndio se baseia


na retirada de algum dos itens do
triângulo do fogo, retirando qualquer
um o fogo não
existirá.
HIV e AIDS - Síndrome da
Imunodeficiência Adquirida.
 HIV é a sigla em inglês do vírus da
imunodeficiência humana. Causador da AIDS ataca o sistema
imunológico, responsável por defender o organismo de doenças. As
células mais atingidas são os Linfócitos T CD4+. E é alterando o DNA
dessa célula que o HIV faz cópias de si mesmo. Depois de se
multiplicar, rompe os linfócitos em busca de outros para continuar a
infecção.
 O HIV usa a membrana da própria célula para se proteger enquanto
se locomove para outra célula
A manifestação
 A infecção manifesta-se em geral como um
quadro gripal (febre, mal estar e dores no
corpo) que pode estar acompanhada de
manchas vermelhas pelo corpo e adenopatia
(íngua) generalizada (em diferentes locais
do organismo).
A fase aguda dura, em geral, de 1 a 2
semanas e pode ser confundida com outras
viroses (gripe, etc) bem como pode também
passar despercebida.
Os sintomas da fase aguda são portanto
inespecíficos e comuns a várias doenças, não
permitindo por si só o diagnóstico de infecção
pelo HIV, o qual somente pode ser
confirmado pelo teste anti-HIV, o qual deve
ser feito após 90 dias (3 meses) da data da
exposição ou provável contaminação.
Biologia: HIV é um retrovírus, classificado
na subfamília dos Lentiviridae.
Esses vírus compartilham algumas
propriedades comuns: período de incubação
prolongado antes do surgimento dos
sintomas da doença, infecção das células do
sangue e do sistema nervoso e supressão
do sistema imune.
Qual o tempo de sobrevida de um
indivíduo portador do HIV?
Até o começo da década de 1990, a aids era
considerada uma doença que levava à morte
em um prazo relativamente curto. Porém,
com o surgimento do coquetel (combinação
de medicamentos responsáveis pelo atual
tratamento de pacientes HIV positivo) as
pessoas infectadas passaram a viver mais.
Esse coquetel é capaz de manter a
carga viral do sangue baixa, o que
diminui os danos causados pelo HIV no
organismo e aumenta o tempo de vida
da pessoa infectada.
O tempo de sobrevida (ou seja, os anos
de vida pós-infecção) é indefinido e varia
de indivíduo para indivíduo. Por
exemplo, algumas pessoas começaram
a usar o coquetel em meados dos anos
noventa e ainda hoje gozam de boa
saúde.
Outras apresentam complicações mais cedo
e têm reações adversas aos medicamentos.
Há, ainda, casos de pessoas que, mesmo
com os remédios, têm infecções
oportunistas (infecções que se instalam,
aproveitando-se de um momento de
fragilidade do sistema de defesa do corpo, o
sistema imunológico).
Quanto tempo o HIV sobrevive em ambiente
externo?
O vírus da aids é bastante sensível ao meio
externo. Estima-se que ele possa viver em
torno de uma hora fora do organismo
humano.
Graças a uma variedade de agentes físicos
(calor, por exemplo) e químicos (água
sanitária, glutaraldeído, álcool, água
oxigenada) pode tornar-se inativo
rapidamente.
Como se pega o HIV

- Sexo sem camisinha (vaginal, anal ou oral).


- De mãe infectada para filho durante a
gestação, o parto ou a amamentação.
- Uso da mesma seringa ou agulha contaminada
por mais de uma pessoa.
- Transfusão de sangue contaminado com o HIV.
- Instrumentos que furam ou cortam, não
esterilizados.
- Quanto tempo após me expor a uma
situação de risco deve fazer o exame?
- Resposta:
Os testes mais novos conseguem detectar a
presença de anticorpos até 6 semanas após
a exposição ao vírus. Para se ter total
certeza da infecção ou não, o teste deve ser
repetido com 12 e 24 semanas quando o
primeiro é negativo. Não adianta fazer o teste
antes desse período que é chamado de
janela imunológica.
- É sempre bom lembrar que um exame
negativo para HIV reflete o estado do
paciente há pelo menos 6 semanas. Se
o seu parceiro apresentar um exame
negativo para HIV, mas tiver tido
alguma relação não protegida nas
últimas 6 semanas, esse teste de nada
vale.
- A prevenção ainda é o melhor remédio
para qualquer DST, use camisinha em
qualquer relação sexual, a camisinha
evita o contato direto do pênis com a
vagina, ânus, boca, impedindo que a
doença seja transmitida ou adquirida.
Diminua a quantidade de parceiros e faça
exames quando perceber algum
corrimento, ardência ou qualquer outra
situação anormal em seu órgão sexual.
Obrigado por sua Atenção!

Ter um ambiente de trabalho seguro é


bom para todos.

Ninguém faz segurança do trabalho


sozinho, a empresa ACENDER conta com
todos nós!!!

Técnico de Segurança do Trabalho


TREINAMENTO PARA MEMBROS DA CIPA

REFLEXÃO
“Segurança é um direito de todos, mas
também é um dever.
O trabalho em equipe é a melhor ferramenta para
alcançarmos o nosso alvo:

A Prevenção
Esse trabalho não pode parar.
Deve continuar enquanto houver vida.
Pois, enquanto houver vida, precisaremos de
Segurança”.

SESMT