Você está na página 1de 59

Teoria elementar do conjunto

Chamamos de conjunto toda e qualquer coleção de elementos. Estes elementos podem ser


números, objetos, figuras, pessoas, animais e tudo o que podemos ordenar, catalogar ou reunir
em grupos de seus elementos. Por exemplo: Se quisermos construir o conjunto de crianças de
uma escola que possuam exatos 10 anos de idade, podemos dizer que o conjunto é composto
pelos alunos Pedrinho, Joãozinho, Mariazinha, ..., e todos os alunos que tenham 10 anos de
idade na escola.
Matematicamente, quase sempre os conjuntos serão compostos por números e que dependam
de algumas condições. Por exemplo: O conjunto dos números Reais, o conjunto dos números
Inteiros, o conjunto dos números maiores do que 2 e menores do que 7, e muito mais.
Conjunto dos números
Conjunto dos números naturais: É representado por todos os números positivos. Seu símbolo é
o N maiúsculo.
N = {0, 1, 2, 3, 4, 5 , 6 , 7...}
Conjunto dos números inteiros: Esse conjunto é formado pelos elementos do conjunto dos
números naturais e os números inteiros negativos. Ele é representado pela letra maiúscula Z.
Z = {… -4, -3, -2, -1, 0, 1, 2, 3, 4...}
Conjunto dos números racionais: É representado pela letra maiúscula Q. Pertencem a esse
conjunto os números naturais, inteiros, decimais, fracionários e dízima periódica.

         
Conjunto dos números irracionais: Esse conjunto é formado pelos números que são dízimas não
periódicas, ou seja, decimais infinitos que não possuem uma repetição de números após a
vírgula. É representado pela letra maiúscula I.
I = {… - 1, 234537..., 3,34527..., 5,3456...}
O conjunto dos reais é representado pela letra maiúscula R e é formado pelos
números naturais, inteiros, racionais e irracionais.
Veja agora como podemos representar o conjunto dos reais por meio de diagramas. A relação
estabelecida na imagem a seguir é de inclusão, isto é, um conjunto está contido em outro
conjunto.
Observações:

• Todo o conjunto A é subconjunto dele próprio, ou seja ;


• O conjunto vazio, por convenção, é subconjunto de qualquer conjunto, ou seja
Intervalos de números reais
Você reparou em alguns sinais conhecidos que determinam esse subconjunto? Pois então, para
quem nunca viu, maior (>), menor (<), maior ou igual (≥) e menor ou igual (≤), são os
chamados sinais de desigualdade.
Aí é só pensar no seguinte: existe maneira melhor de definir um conjunto de valores do que
afirmando que esses valores são maiores, menores, maiores ou iguais ou menores ou iguais a
um ou dois valores de referência? Não, né? Por isso, diz-se que os intervalos são determinados
por desigualdades!
E falando nos valores de referência, vejam que no intervalo do exemplo, os números 0 e
5 realmente faziam parte do intervalo, ou eram incluídos no subconjunto. Só que a verdade é
que nem sempre isso acontece. Às vezes, os valores de referência servem apenas para delimitar
o intervalo ou o conjunto de valores que realmente pertence ao subconjunto. É essa a diferença
que define os conceitos de intervalo aberto e fechado que nós vamos estudar agora.
Exemplo
Quando tratamos de intervalos infinitos, seja à esquerda ou à direita, eles sempre
formaram intervalos abertos! Por isso, fiquem extremamente atentos a esse detalhe: sempre
que for representado um intervalo infinito, este deve ser aberto. Não importa se a
representação utilizar os colchetes virados para fora, ou os parênteses, isso fica a critério de
cada um. O importante mesmo é nunca representar um intervalo como esse sendo fechado!
Operações com Intervalos
Vamos considerar os 3 intervalos reais listados abaixo como base para exemplificar as operações
de união, intersecção e diferença entre os intervalos.
1º: Posicionar a representação geométrica dos dois ou mais intervalos
envolvidos uma embaixo da outra, e logo abaixo disso, traçar uma reta que
representará geometricamente o resultado da operação.
2º: Traçar um pontilhado vertical na região de cada bolinha que representa os
valores de referência dos intervalos.
3º: Compreender direitinho o conceito da operação que será realizada, seja ela
a união, a intersecção ou mesmo a diferença entre dois ou mais intervalos, e por
fim, representar o resultado.
Par ordenado
Um par ordenado é formado pelos valores de x e y agrupados, os quais determinam pontos no
plano cartesiano. A coordenada (x, y) indica que os valores de x estão atribuídos à abscissa (eixo
x) e os valores de y à ordenada (eixo y). Produto cartesiano é a multiplicação entre pares
ordenados envolvendo conjuntos distintos. Por exemplo, temos o conjunto “A” formado pelos
seguintes elementos {1, 2, 3, 4} e o conjunto “B” formado pelos elementos {2, 3}, o produto
entre eles será o resultado de A x B, considerando que nos pares ordenados, formados pelo
produto, a ordem seja a seguinte:
Plano Cartesiano
O plano cartesiano é um objeto matemático plano e composto por duas retas
numéricas perpendiculares, ou seja, retas que possuem apenas um ponto em comum, formando
um ângulo de 90°. Esse ponto comum é conhecido como origem e é nele que é marcado o
número zero de ambas as retas.
Retas numéricas: abcissa e ordenada
As duas retas que dão origem ao plano cartesiano precisam ser retas numéricas, pois essa é a
condição que tornará possível encontrar localizações de pontos quaisquer no plano. Essa
localização é a base fundamental de muitos conhecimentos comuns no cotidiano,
como distância entre pontos.

Você também pode gostar