Você está na página 1de 28

Procedimentos e

estratégias de leitura

Ciências Humanas
ACOLHIMENTO... MOMENTO
TROCA DE
IDEIAS:
Quais os aspectos e as
leituras que te
cativaram para a
vida?
PERCURSO FORMATIVO

▶ ACOLHIMENTO
▶ LEITURA EM GEOGRAFIA
▶ LEITURA EM HISTÓRIA
▶ LEITURA EM FILOSOFIA E SOCIOLOGIA
▶ ENCERRAMENTO
Estratégias de Leitura
Três grandes momentos – Isabel Solé
Leitura em situações de ensino:

• Ativação de conhecimentos prévios


Previsões
para o texto verbal para
Antes da Leitura:
o texto não verbal
Objetivos

• Modalidades de leitura
Durante a Leitura:

• As atividades que procedem da leitura devem primordialmente abranger os


objetivos elencados para a proposta.

• Avaliação
Pós Leitura:
Material de apoio: Habilidades essenciais do E.M 2021
Leituras em História
O ler, o leitor, a leitura e o
texto
▶ Ler uma fonte histórica:
▶ Pesquisador dotado de uma teoria e metodologia: faz a
pergunta
ao documento (Le Goff “Memória e História”);
▶ Documento: o contexto de produção e armazenamento.
▶ Espécie da Fonte: textual, iconográfica, oral, vídeo...

▶ A Leitura documental em sala de aula: Como o estudante


tem a atitude historiadora? Qual documento que o professor
planejou em disponibilizar.

▶ É levado em contatos conhecimentos prévios sobre a


habilidade antes, durante e após a leitura?
▶ Mas e o leitor? Todos leem da mesma maneira o
mesmo
texto? Temos, realmente, um mesmo texto?
“A história das andanças do homem através
de seus próprio textos está ainda em boa
parte por descobrir”.
▶ “A Invenção do Cotidiano” Michel de Certau
▶ O livro é um efeito do leitor:

▶ “A atividade leitora em seus percursos através da página,


metamorfose e anamorfose do texto pelo olho que viaja,
voos imaginários ou mediativos a partir de algumas
palavras, transposições de espaços sobre as superfícies
militarmente dispostas do escrito, danças efêmeras,
depreende-se ao menos em um primeiro enfoque que não
se poderia conservar rígida separação da leitura e do texto
legível (livro, imagem, etc). O texto só tem sentido graças
aos seus leitores; muda com eles, ordena-
s e c onforme códigos de percepção que lhe escapam”.
0 1/06/2 021
A aventura do livro: do leitor ao
navegador (1998), Roger Chartier
▶ A mudança da plataforma da escrita postula transformações sociais e culturais
no sujeito.
▶ As revoluções da escrita: “no suporte material do escrito, também é uma
revolução nas maneiras de ler”.
▶ As 5 revoluções históricas da escrita:
▶ Argila
▶ Papiro
▶ Papel
▶ Computador
▶ Digital (smartphone)
Diante dessas informações: como podemos
proceder a leitura na seguinte questão?

▶ Análise Contextual:
▶ Como podemos relacionar a atitude
historiadora, a ação do leitor, os três
momentos da leitura (antes, durante e
pós) e o suporte da escrita da fonte, na
situação da questão.
Leitura em Sociologia

Vida e obra de Antonio Cândido


O TREM DA CULTURA – Lévi-
Strauss
Claude Lévi-Strauss (* Bruxelas, Bélgica – 28 de novembro 1908 d.C + Paris, França – 31 de outubro de 2009
d.C - Antropólogo francês, considerado um dos grandes intelectuais do século XX.

Citações: “O antropólogo é o astrônomo das ciências sociais: ele está encarregado de descobrir um sentido
para as configurações muito diferentes, por sua ordem de grandeza e seu afastamento, das que estão
imediatamente próximas do observador”. Antropologia Estrutural, 1967.

Em 1952, a pedido da Unesco, ele escreveu um artigo chamado Raça e história, em que criticava a ideia de
raça e o etnocentrismo entre os povos, além de outros pontos.
Para falar sobre a ideia de que existiram culturas que não se moveriam ou se transformariam [...] ele deu o
exemplo do viajante do trem:

[...] imaginem que cada cultura é um trem e nós somos os passageiros. Nós olhamos o mundo a partir do
nosso trem. Mas os trens caminham em direções opostas, em diferentes velocidades. Um viajante verá de
modo diverso um trem que vai em sentido contrário, um trem que ultrapassa o seu ou outro que caminha em
uma outra direção.

Qual é o trem que nós podemos olhar melhor?


Aquele que caminha mesma direção que o nosso e na mesma velocidade, ou seja, de forma paralela.
Mas, se cada trem é uma cultura, sabemos que as culturas não caminham todas na mesma direção e nem na
mesma velocidade. Umas caminham mais rápido, outras caminham em direções quase opostas. As culturas
possuem formas diferentes de observar o mundo. Cada uma tem o seu caminho, a sua direção e a sua
velocidade. Se uma nos parece rara, isso ocorre porque não conseguimos compreender o sentido de seu
desenvolvimento.
O TREM DA CULTURA – Lévi-
Strauss
É aquela que caminha paralela à nossa que nos permite a melhor observação, e que
nos fornece a autoidentificação. Mas quem é que pode dizer qual é a melhor direção?
O caminho mais avançado? Será que o que parece parado para nós está realmente
parado? Como saber?
Na verdade, com isso ele quis dizer que é muito difícil para alguém de uma
determinada cultura querer avaliar alguém de outra cultura. Pois, já que a minha
cultura é como um trem, muitas vezes não consigo enxergar e compreender o que se
passa nos outros trens (nas outras culturas). Isso ocorre porque as culturas não têm
todas elas as mesmas preocupações e nem os mesmo objetivos.
É mais fácil entender a cultura que mais e parece com a nossa, ou seja, aquela que
anda de forma paralela à nossa, partilhando os mesmos interesses e a mesma direção.
Mas, como as culturas são diferentes, se muitas vezes não conseguimos compreender
uma delas, não é porque ela esteja parada, ou errada, e sim, porque a direção que
ela toma muitas vezes não faz sentido segundo a nossa lógica de raciocínio.

Fontes: (SÃO PAULO-SEE, Caderno do professor: sociologia, EM, 1ª S., V.3,


p.18; http://www.biografia.inf.br/claude-levi-strauss-antropologo.html)

Raça e História - Claude Levi-Strauss


Dialética Proposital
A beleza da música

▶Se fosse ensinar a uma criança a beleza da


música não começaria com partituras, notas e
pautas. Ouviríamos juntos as melodias mais
gostosas e lhe contaria sobre os instrumentos que
fazem a música. Aí, encantada com a beleza da
música, ela mesma me pediria que lhe ensinasse o
mistério daquelas bolinhas pretas escritas sobre
cinco linhas. Porque as bolinhas pretas e as cinco
linhas são apenas ferramentas para a produção da
beleza musical. A experiência da beleza tem de
vir antes.
Rubem Alves

Registrem suas impressões sobre o texto


de Rubem Alves
Leituras em Filosofia
ALBERT CAMUS

Mais conhecida e importante obra de


ficção de Albert Camus. Este livro
narra a história de um homem comum
que se depara com o absurdo da
condição humana depois que comete
um crime quase inconscientemente.
Meursault, que vivia sua liberdade de
ir e vir sem ter consciência dela,
subitamente perde-a envolvido pelas
circunstâncias e acaba descobrindo
uma liberdade maior e mais
assustadora na própria capacidade de
se autodeterminar. Uma reflexão
sobre liberdade e condição humana
que deixou marcas profundas no
pensamento ocidental. Uma das mais
belas narrativas deste século.
A Revolta Dos Dândis I

Entre um rosto e um retrato, o real e o abstrato


Entre a loucura e a lucidez
Entre o uniforme e a nudez
Entre o fim do mundo e o fim do mês
Entre a verdade e o rock inglês Entre os
outros e vocês
Eu me sinto um estrangeiro
Passageiro de algum trem
Que não passa por aqui Que
não passa de ilusão
Entre mortos e feridos, entre gritos e gemidos (A
mentira e a verdade, a solidão e a cidade) Entre
um copo e outro da mesma bebida Entre tantos
corpos com a mesma ferida
Eu me sinto um estrangeiro
Passageiro de algum trem
Que não passa por aqui Que
não passa de ilusão
Entre americanos e soviéticos, gregos e troianos
Entra ano e sai ano, sempre os mesmos planos
Entre a minha boca e a tua, há tanto tempo, há tantos planos Mas
eu nunca sei pra onde vamos
Eu me sinto um estrangeiro
Passageiro de algum trem
Que não passa por aqui Que
não passa de ilusão
Contexto da composição da música
Uma das leituras preferidas de Humberto Gessinger, [...] são as obras do escritor e filósofo Albert Camus.

No livro “Infinita Highway: Uma carona com os Engenheiros do Hawaii” (2016), é dito num trecho sobre o
segundo álbum do grupo, A revolta dos Dândis:

“Gessinger já havia lido O Estrangeiro e A Peste na adolescência, em edições do Círculo do Livro, do qual
era sócio. A oportunidade de se adensar na obra de Camus veio com as primeiras idas com sua banda para
São Paulo”

O nome original da canção era Facel Vega, referência ao modelo do carro no qual estava o escritor Albert
Camus quando sofreu o acidente que lhe tiraria a vida, em uma viagem de Provence a Paris – no bolso do
escritor francês, restou o bilhete de trem que Camus já havia comprado para fazer o trajeto, mas
resolveu não usar, pois aceitou de última hora uma carona do seu editor. A canção tinha originalmente os
versos 'Eu me sinto um estrangeiro / personagem de Camus', uma óbvia alusão ao romance O Estrangeiro
(...)

(LUCCHESE, 2016, p. 186).Leia mais em: https://whiplash.net/materias/biografias/255687-


engenheirosdohawaii.html

Leia mais em: https://whiplash.net/materias/biografias/255687-engenheirosdohawaii.html


Leitura em Geografia
Leitura em Geografia
Leitura em Geografia
Leitura em Geografia
Antes da Leitura
Objetivos:
Leitura em Geografia

Momento Interação

Qual dos três objetivos sugeridos você considera mais adequado nesse
caso?
Leitura em Geografia
Antes da Leitura Antes da Leitura
Conhecimentos Prévios: Previsões para o texto verbal:

Levantar hipótese a partir dos títulos:

 Mexicanos continuam tentando imigrar


para os EUA1

 Imigração venezuelana para o Brasil


Sugestões:
Pode-se também aproveitar os enunciados das
questões...
Perguntas disparadoras:
14 - Nesse texto, a situação mencionada
O que vocês já ouviram falar sobre
causa que tipo de consequência para o país
imigração?
que recebe um imigrante?
E sobre os refugiados, tem alguma
informação?
25 - Com base nesse texto, a concentração de
Já ouviu o termo Xenofobia?
imigrantes venezuelan0o1/s06e/2m021 Roraima tem
como consequência
Leitura em Geografia
Durante a Leitura

Modalidades...

Alguns exemplos:

Leitura autônoma;
Leitura Compartilhada;
Leitura em voz alta pelo professor;
Leitura programada;
Leitura de escolha pessoal;
Leitura em Geografia
Durante a Leitura
 Leitura em voz alta pelo professor (a primeira);
Os estudantes (maiores) precisam de bons modelos de leitores
 Em seguida, a leitura é indicada para o estudante. (se o texto for extenso, é
recomendável dividi-lo em partes menores);
 Na sequência, se faz necessária a mediação do professor
Próximo passo, oferecer repertório para que o estudante se aproprie mais do assunto ou utilizar a
metodologia de aula invertida (pesquisa realizada pelos estudantes antes da aula)
14 -
https://www1.folha.uol.com.br/paywall/login.shtml?https://www1.folha.uol.com.br/folha/bbc/
ult272u16756.shtml
25 -
https://brasilescola.uol.com.br/brasil/imigracao-venezuelana-para-brasil.htm

Contextualização
Noticiais atuais
https://www.dw.com/pt-br/o-que-motivou-a-avalanche-de-migrantes-no-enclave-de-ceuta/a-
57601411
Leitura em Geografia
Pós Leitura

Sugestões:
Construção da síntese do texto (individual e coletivo) – esquemas, resumos, fichas
de leitura, história em quadrinhos.
Troca de impressões (coletivo) – um debate com troca de ideias, acolhendo
outras posições e fortalecendo a argumentação.
Consideração Final: (individual) – uma avaliação crítica do texto. O que ficou
da leitura para o aluno. Breve relato com suas palavras.

Avaliação:
A avaliação de atividades de leitura deve permear todo o processo. Os
alunos devem estar conscientes do que será observado e a
intencionalidade da avaliação.
Encerramento

Você também pode gostar