Você está na página 1de 56

Utilização de Reator de Bloqueio Série em

Compensadores Estáticos de Potência Reativa


Uma nova Abordagem para Redução de perdas e Requisitos de
Filtragem
2° EE - Eletrônica de Potência - Prof. Manfredo Lima
2020.1 (2021) - Turma EO

Equipe:
Alexsandro Andrade da Silva
Dallyla Silva Oliveira
João Paulo de Figueiredo Lage
Jose Benicio Figueiredo de Brito Junior
Kassio Henrique Sabino Cruz
Leonice Valéria da Silva
Marcus Vinícius de Brito Silva
Mateus Augusto Mendes Morais
Mateus Freire Grangeiro
Matheus Albuquerque Gameiro de Moura
Rafaela Torres Duarte
Walkiria Pereira da Silva 1
Introdução

2
Introdução - Análise Subestação de Tauá - CE
● Compensador estático (-45 a 90Mvar / 230kV)
● Operando desde Dez 2016
● Planejamento EPE (Empresa de Pesquisa
Energéticas)
● Autorizado pela ANEEL

3
Introdução - Análise Subestação de Tauá - CE
Evolução da rede próxima:

● Ressonâncias (Harmônicas superiores à 11ª)


● Valores reduzidos de SCR

Inclusão de Reator de Bloqueio Série

● Modelagem em ATP/TACS
● Simulador digital RTDS - Hardware in the loop

4
Introdução - Divisão de Tópicos
● COMPENSADOR ESTÁTICO DE TAUÁ

● SIMULAÇÕES EM ATP

● TESTES REALIZADOS EM RTDS

● CONCLUSÃO

5
COMPENSADOR ESTÁTICO DE TAUÁ

6
COMPONENTES DO CIRCUITO
PRINCIPAL

7
2. O compensador estático de Tauá
FACTS - Flexible AC Transmission Systems

● Controle do fluxo de potência


● Aumento da capacidade das linhas de transmissão
● Amortecimento de oscilações transitórias

Sistema elétrico

8
2. O compensador estático de Tauá
SVC - Static Var Compensator

É usado para suprir demanda de


potência reativa
Eliminar perdas de potência ativa
Regular tensão
Eliminar harmônicos e para aumentar o
fator de potência

Atrativos

● Rápida resposta
● Alta confiabilidade
● Flexibilidade
● Baixo custo de operação

9
2. O compensador estático de Tauá
Diagrama de blocos de um SVC

Sistema
Medição Regulador Atuador Tiristores
Elétrico

Tensão de Referência

10
2. O compensador estático de Tauá
TSC - Thyristor-switched compensator

11
2. O compensador estático de Tauá

TCR - Thyristor Controlled Reactor


12
2. O compensador estático de Tauá
Amplitude das correntes harmônicas
em função do ângulo de disparo α

α > 90: geração substancial de


harmônicos

13
2. O compensador estático de Tauá
PAC - Ponto de Acoplamento

O CE Injeta de -45 Mvar a 90 Mvar


Para Vpac = 230kV ± 5%

Harmônicas de ordem 11, 13 e


superiores.

Vpac = 0,95pu

14
2. O compensador estático de Tauá

15
2. O compensador estático de Tauá
Filtro RL série

Atrativos

● Reduzido nível de curto-circuito no PAC;


● Ressonância entre o CE e a rede por harmônica de
ordem elevada;
● Reduzido valor de perda máxima nos pontos de
operação.

Eliminação de harmônicos de ordem


11, 13 e superiores

16
2. O compensador estático de Tauá
Reator de bloqueio

Consequências

● Redução do número de tiristores conectados em série nos


TRCs
● Redução dos tiristores em série nos TRCs;
● Redução dos requisitos de curto-circuito no setor de MT

17
Sistema de controle em malha fechada

18
2.2 Sinal de entrada do controlador principal
● Sinais de entrada: Vsystem e Isvc, tensão em
sequência positiva e componente reativa da
corrente em 230 kV
● Filtro Infinite Impulse Response (IIR) na 3°, 5°
e 7° harmonicas
● Conversão dos sinais em componentes de
Alfa e Beta
● Obtenção dos valores de sequência positiva
e negativa da tensão
● Obtenção dos componentes D e Q da
corrente

19
2.2 Sinal de entrada do controlador principal

● Retificação do sinal
● Filtro IIR de 2° harmonica
● Sinal da corrente multiplicado pelo slope
● Sinal de tensão em 230 kV subtraído pelo
valor de referência
● V(error) dado a partir do sinal de tensão
adquirido subtraído pelo sinal da corrente

20
2.2 Controlador Principal

● Sinal V(error) obtido é corrigido pelo SLC e


com base no nível de curto circuito dinâmico
● Adequação dos parâmetros de performance
de degrau estabelecidos pela IEEE
a) PO máx 30%
b) Tempo de subida máx 33ms
c) Tempo de estabilização máx 100ms
● Supervisor de ganho KGC mantém a
estabilidade do CE quando submetido a
desvios

21
2.2 Controlador Principal
● Com um ganho variável e atuando na
diminuição das oscilações de sinal (ação
proporcional) e correção de erros
estacionarios (ação integral)
● by-pass: ocorre quando a tensão do
compensador cai a níveis inferiores a de
projeto
● Controle de potência reativa injetada no
sistema, através da distribuição da
susceptância entre o TCR(thyristor-
controlled-reactor) e os dois TSC (Thyristor-
switched capacitor)

22
Cálculo das perdas do SVC

23
2.3 Cálculo das perdas do SVC

● Inviabilidade da tecnologia VSC (Voltage Source Coverter), devido aos


valores limites de perdas especificados;
● Utilizada tecnologia SVC com solução para minimização de harmônico
com introdução de reator de bloqueio;
● Além de viabilizar a aplicação da tecnologia convencional de
compensadores estáticos o reator de bloqueio em série acarreta a
redução das perdas totais no compensador.

24
2.3 Cálculo das perdas do SVC

● Especificação para compensadores estáticos, incluída no Anexo 6 dos leilões de


transmissão ANEEL.
● Valores requisitados nos editais não são normalizados;
● A tecnologia adotada impacta diretamente no custo de fabricação;
● Nos cálculos das perdas deve-se fornecer a tabela de perdas estimadas (kW)
para cada ponto de operação (-45Mvar à 90Mvar);
● Calcular as perdas em todos os componentes do compensador em
funcionamento;
● Total de perdas do conjunto deve ser menor que o limite especificado no edital.

25
Principais elementos do compensador responsáveis
pela geração de perdas:

● Válvulas de tiristores;
● Capacitores e reatores do TCR e dos TSCs;
● Filtros de harmônicos;
● Transformador de acoplamento;
● Sistema de resfriamento das válvulas de tiristores;
● Painéis de proteção e controle.

26
Perdas do CE – Tauá x Limites Especificados

27
Simulações realizadas em ATP

28
3.0 Simulações Realizadas em ATP

● Simulador ATP;
● Modelo do compensador, com o intuito
de se realizar simulações;
● Utilização da subrotina TACS, esta
desenvolvida para simular interações
dinâmicas entre a rede elétrica e o
sistema de controle;
● As etapas presentes neste modelo,
para realização das simulações estão
apresentadas a seguir:

29
3.0 Simulações realizadas em ATP

● Controlador principal, representado pelo


circuito de controle ao lado;
● Esquema de Bloqueio por subtensão;
● Sistemas de disparos dos TCR’s e TSC’s;
● Esquema de supervisão de Ganho;
● Além de todos os elementos de potência
presentes;

30
3.0 Simulações realizadas em ATP

●Esquema de cálculo automático de Ganho no modelo e o Ganho fixo (SCL);

●As simulações apresentadas, seguem a configuração de rede completa: máximo nível


de curto-circuito em Tauá 230kV, 725MVA;

●Neste projeto considerou-se simulações de faltas equilibradas (Trifásicas) e


desequilibradas (Bifásicas) na linha Milagres-Tauá 230kV. A eliminação desta falta se
deu com a abertura da linha em questão, em um tempo de 100mseg. A realização
deste evento, acarreta em uma variação do nível de curto-circuito 230kV, provocando a
entrada do supervisor de Ganho.

31
3.0 Simulações realizadas em ATP

Após este evento, notou-se que estavam presentes além das correntes no TSC1 e
no TCR :

● V__PCC: Valor eficaz da tensão de sequencia positiva medida no PCC (pu)


B__REG: Sinal de saída do controlador PI (pu);
● DV__SL: Erro na entrada do controle compensado pelo estatismo (pu);
● GAINRE: Sinal de atuação do estabilizador de ganho no sinal DVR__SL.

32
3.0 Simulações realizadas em ATP

São utilizados nas simulações os seguintes valores para os ganhos do


compensador:

● KP = 0,36 conforme definido no projeto do CE Tauá;


● SCL = 8,0 correspondente ao máximo nível de curto-circuito em Tauá 230kV;
● KGC = 1,0 correspondente ao estabilizador de ganho não atuado.

33
3.0 Simulações realizadas em ATP

34
Falta Trifásica na Linha Milagres-Tauá 230kV

35
3.1 Falta Trifásica na Linha Milagres-Tauá 230kV
● Durante a falta o CE
Tauá opera em 0 Mvar
● Oscilações de alta
frequência no sinal
B_REG
● GAINRE reduzido do
seu valor inicial
● TSC1 inserido após
atuação do
compensador de
ganho
36
● Sem oscilações de ganho
entre TSC1 e TCR
● Sinal V_PCC mostra que em
cerca de 200ms da
eliminação da falta, um
regime permanente estável
e satisfatório é obtido na SE
Tauá

37
● Durante falta trifásica observa-se a
presença de componentes de
corrente DC no TCR
● DC Trapped Currente
● Observa-se também a presença de
uma componente AC

38
Falta Bifásica na Linha Milagres-Tauá 230kV

39
•Conforme mostrado nas Figuras 6 e
de maneira análoga à falta trifásica, o
CE Tauá opera em 0Mvar durante a
falta devido à atuação do esquema de
bloqueio por subtensão.

•Imediatamente após a eliminação da


falta, verifica-se a presença de
oscilações de alta frequência no sinal
B__REG durante cerca de 25mseg,
devido à redução do nível de curto-
circuito em Tauá 230kV, provocado
pela abertura da linha Milagres-Tauá
230kV.

40
•O sinal GAINRE (KGC) é então
reduzido do seu valor inicial 1,0 até
0,4850 devido à atuação do supervisor
de ganho, amortecendo de forma
satisfatória tais oscilações.

•O TSC1 é inserido após a atuação do


estabilizador de ganho, decorridos
22,0mseg do amortecimento das
oscilações. Não existe oscilação entre o
TCR e o TSC1, que permanece inserido
até o final da simulação, caracterizando
uma operação coordenada entre este
elemento e o TCR.

41
• O TSC2 não é utilizado e permanece
bloqueado até o final da simulação. Não
se verifica neste caso a circulação de
componentes de corrente DC no TCR,
uma vez que devido à natureza
desequilibrada da falta bifásica, a tensão
aplicada ao TCR não se anula durante a
sua aplicação. Os resultados da
simulação mostram que o grau de
severidade da falta bifásica é inferior ao
da falta trifásica analisada na Seção

42
Falta Trifásica na Linha Milagres-Tauá 230kV com Elevação de
Ganho

43
3.3 Falta Trifásica na Linha Milagres-Tauá 230kV com Elevação de Ganho

● SITUAÇÃO MAIS SEVERA;


● CONDIÇÃO DE FALTA TRIFÁSICA NA SEÇÃO 3.1;
● KP elevado de 0,36 para para 0,72;

44
Durante a falta, o CE Tauá
opera em 0Mvar devido à
atuação do esquema de
bloqueio por subtensão;

Oscilações de alta frequência


no sinal B__REG durante
cerca de 68,8 mseg;

Após o amortecimento das


oscilações de alta frequência,
surge no sinal B__REG uma
oscilação subsíncrona da
ordem de 11Hz;

45
O TSC1 é inserido em cerca
de 22mseg após o surgimento
da oscilação de 11Hz,

O bloqueio do TSC1 coincide


com o pico positivo da
oscilação de 11Hz

O TSC2 é inserido durante o


primeiro semiciclo da oscilação
de 11Hz e é bloqueado no
segundo semiciclo

46
O supervisor de ganho atua
através do sinal GAINRE
durante cerca de 315
mseg, reduzindo o ganho
KGC do valor inicial 1,0 até
0,377 e amortecendo
satisfatoriamente as
oscilações de alta e baixa
frequência.

47
De forma similar ao caso
apresentado na Seção 3.1,
componentes DC e de
terceira harmônica de
corrente circulam no TCR
durante a falta.

48
Através dos resultados aqui apresentados, fica comprovado que o sistema
de controle do CE Tauá é projetado de forma robusta e segura, garantindo
um desempenho estável, mesmo nas severas condições de operação aqui
simuladas, não previstas no seu projeto original.

49
Testes realizados em RTDS

50
4.0 Testes realizados em RTDS
● Foram utilizados os painéis reais
do equipamento.

● Os testes contemplaram os
sistemas de proteção e controle
de malha aberta e fechada além
da análise da resposta em degrau
e do desempenho do CE Tauá
durante grandes perturbações na
rede.

Fonte: https://knowledge.rtds.com/hc/en-us/articles/360037124834-Power-Hardware-in-Loop-
Testing
51
4.0 Testes realizados em RTDS

Resultados da simulação de aplicação de falta trifásica na linha Milagres Tauá 230kV, terminal Tauá, eliminada em
100 mseg com abertura da LT, rede completa, nível de curto-circuito no PAC de 725MVA.

52
4.0 Testes realizados em RTDS

53
4.0 Testes realizados em RTDS

54
Conclusão

55
Considerações Finais
● O reator de bloqueio série configura-se como uma alternativa eficaz para viabilizar a aplicação da tecnologia
tradicional de compensadores estáticos em pontos da rede elétrica com reduzidos valores de SCL e onde os
valores de perdas máximas especificados não permite o emprego da solução baseada em conversores VSC.
● Os resultados aqui apresentados atestam a desejada correspondência entre as simulações em ATP e os testes
HIL realizados no RTDS, com a utilização dos painéis reais de controle do CE Tauá.
● Os resultados apresentados neste IT demonstram a eficácia e robustez dos esquemas de cálculo automático e
supervisão de ganho implementados no CE Tauá, que contribuem de forma significativa para o amortecimento de
oscilações e a obtenção de um regime permanente pós-falta estável mesmo em condições de operação não
previstas no projeto original do referido equipamento.
● Em prosseguimento aos trabalhos apresentados neste IT, pretende-se analisar, utilizando uma modelagem
detalhada em ATP, a operação conjunta dos CEs Tauá e Milagres (-70 a 100Mvar, 230kV), que operam
eletricamente próximos. O primeiro utiliza recursos de controle digital e adaptativo, enquanto o segundo utiliza
controle analógico e ganhos fixos.

56

Você também pode gostar