Você está na página 1de 41

CASO CLÍNICO

ESTÁGIO FISIOTERAPIA EM
TRAUMATO ORTOPEDIA
Anamnese
◦ Identificação: C.F.B. , 37 anos

◦ Profissão: Professora

◦ Estado Civil: Casada

◦ Data da avaliação: 05 de Outubro de 2020.


História
◦ Diagnóstico Clínico: Osteonecrose nas cabeças femorais.

◦ Hipótese Diagnóstica: Fibromialgia?

◦ Queixa Principal: “SIC”- Qualidade de vida, dificuldades para dormir e se levantar.

◦ História da Moléstia Pregressa (HMP): Hipertensão, Lúpus, TVP Femoral recanalizada no


MID.
História da Moléstia Atual (HMA):

Dor (Joelho e Tornozelo)


Jogava Handball Na Faculdade:
Raspagem no Joelho
na época da escola Marcha diferente
Hidroterapia

2012 Consulta médica


Osteonecrose nas
Artroplastia Total
cabeças femorais
no Quadril Direito Raio-X do Quadril
◦ Cirurgias: Artroplastia Total do Quadril Direito (2012), Cesária(2015).

◦ Hábitos de Vida: Sedentária, não realiza atividade física, nega consumo de


álcool e não é tabagista.

◦ Órteses/ Dispositivos auxiliares: Não faz uso.


Medicamentos
MEDICAÇÃO INDICAÇÃO
Corticoide É indicado para grande parte das reações inflamatórias e em alguns
casos de imunossupressão.
Cálcio É indicado tanto para a prevenção quanto para o tratamento da
osteoporose.
Anlodipino É indicado para hipertensão e angina.
Varfarina É indicada para a prevenção primária e secundária do
tromboembolismo venoso.
Reuquinol É indicado para o tratamento de afecções reumáticas e
dermatológica, artrite reumatoide, lúpus e condições dermatológicas
provocadas ou agravadas pela luz solar.
Cloroquina
É indicada para profilaxia e tratamento de ataque agudo de malária,
tratamento de amebíase hepática, artrite reumatoide, lúpus,
sarcaidose e nas doenças de fotossensibilidade.
Clonazepam É indicado no tratamento de transtornos de ansiedade,
transtornos de humor, tratamento da acatisia, vertigem e
sintomas relacionados à perturbação do equilíbrio.
Fluoxetina É indicado para o tratamento da depressão, bulimia nervosa,
TOC e transtorno disfórico pré-menstrual, incluindo tensão pré-
menstrual, irritabilidade e disforia.
Belimumabe É indicado como terapia adjuvante em pacientes adultos com
lúpus eritematoso sistêmico ativo, que apresentam alto grau de
atividade da doença e que estejam em uso de tratamento padrão
para LES, incluindo corticosteroides, antimaláricos, AINEs ou
outros imunossupressores.
Losartana É indicada para tratar pressão alta e insuficiência cardíaca. Pode
ser usado também na prevenção do AVC e problemas de rins em
resultado de diabetes tipo 2 ou para ajudar na recuperação após
ataque cardíaco.
Exames Complementares
Antes da Cirurgia

◦ Radiografias do Quadril Direito(2009-2011), evidenciando sinais de coxo-artrose.

◦ Ressonância Magnética dos Quadris, evidenciando osteonecrose nas cabeças


femorais, mais avançada à direita, onde se observa colapso parcial e alterações
degenerativas secundárias (grau IV à direita e grau II à esquerda de Ficat). Exame
realizado no dia 29/05/2012.
Após a Cirurgia

◦ Radiografias digitais da Bacia AP, controle de prótese total do quadril direito, bem
articulada sem sinais de soltura. Articulações sacro-ilíacas e sínfise pubiana sem
alterações detectáveis ao método. Articulação coxo-femoral esquerda congruente, com
espaço articular preservado. Exame realizado no dia 09/10/2012.

◦ Doppler Colorido Venoso Avaliação de TVP no MID (2012-2014)- evidenciando


trombose venosa femoral recanalizada.
Osteonecrose da Cabeça Femoral
◦ O fenômeno de osteonecrose da cabeça femoral define-se
como a interrupção do suprimento sanguíneo ao osso.

AGUIAR, Thiago. et al. 2013.


Fatores de Risco Comuns Associados
◦ Uso prolongado de corticoides;
◦ Uso de álcool;
◦ Lúpus Sistêmico;
◦ Doença de célula falciforme;
◦ Doença de Gaucher;
◦ Trauma;
◦ Câncer.

DUTTON, Mark. 2013


Anatomia
Causa
Artroplastia de Quadril
◦ É definida como uma plástica da articulação coxofemoral, que objetiva
restabelecer seus movimentos o mais próximo possível de sua biomecânica.
Consiste essencialmente na substituição dos componentes ósseos da
articulação por tecidos ou materiais que conseguem revestir as superfícies
articulares tanto nos processos de destruição ou degeneração como e quando
há fratura da cabeça, do colo femoral ou do acetábulo.

URSO, Gabriela Oliveira. et al. 2010.


Artroplastia Total de Quadril
◦ Este procedimento consiste na substituição da articulação degenerada pela
implantação de uma prótese com componente femoral e acetabular.

Artroplastia Total de Quadril Cimentada


o O uso do cimento acrílico denominado polimetilmetacrilato, em 1950, trouxe um
profundo efeito no subsequente desenvolvimento da artroplastia. Seu emprego
minimizou as frequentes solturas dos componentes em próteses metal-metal
observadas anteriormente.

URSO, Gabriela Oliveira. et al.


2010.
Abordagem Posterior
◦ A abordagem posterior é também conhecida como Kocher-Langenbeck. O paciente é
posicionado decúbito lateral (deitado sobre o lado oposto ao operado). A incisāo na pele
começa lateralmente na coxa e termina posteriormente na regiāo glútea. Esta
abordagem tem como vantagem a preservação da musculatura abdutora e menor taxa
de claudicaçāo pós-operatória. A desvantagem é que apresenta maiores taxas de
luxaçāo (deslocamento) da prótese.

HATEM, Munif
Abordagem Anterior
◦ Também conhecida como abordagem de Hueter ou Smith-Petersen, esta via acessa o
quadril sem a desinserçāo de músculos. O paciente é posicionado em decúbito dorsal.
As taxas de deslocamento são as menores nesta abordagem, com preservação da
musculatura abdutora. Esta abordagem é mais complexa tecnicamente que a posterior
ou lateral.

HATEM, Munif
Abordagem Lateral
◦ Para esta abordagem o paciente pode estar em decúbito lateral ou dorsal. Esta
abordagem também é conhecida como Hardinge e é realizada através da incisão na pele
da parte lateral do quadril. Ela apresenta maior chance de claudicação em relação a
abordagem póstero lateral. Porém a taxa de deslocamento da prótese é menor e existem
modificações técnicas permitindo menor agressāo aos músculos abdutores.

HATEM, Munif
Correlação
LÚPUS CORTICÓIDES

Obstrução dos pequenos


Vasculite vasos sanguíneos que
OSTEONECROSE irrigam a cabeça do fêmur
DA CABEÇA
FEMORAL

Alterações no
Interrupção do Colapso da remodelamento do formato
suprimento sanguíneo cabeça femoral da cabeça femoral com
destruição da articulação e
da cartilagem articular
Avaliação
INSPEÇÃO
Pés Cavo
Hálux Direito Valgo/ Esquerdo Varo
Joelhos Valgo
Pelve Assimétrica e rodada à direita

PERIMETRIA
Coxa Direita 56cm / Esquerda 50cm
Perna Direita 41cm / Esquerda 40cm
Testes
Thomas Não foi possível avaliar por conta de dor no
quadril
Ely Negativo
Trendelenburg Positivo em ambos lados
Gillet Negativo

GONIOMETRIA
Flexão de Quadril 120º ambos os membros
Extensão de Quadril 8º ambos os membros
Abdução de Quadril Direita 10º / Esquerda 14º
Adução de Quadril 10º ambos os membros
FORÇA MUSCULAR
Direito Esquerdo
Flexão de Quadril 3 3
Extensão do Quadril 1 1
Adução do Quadril 3 3
Abdução do Quadril em decúbito dorsal 2 2
Rotação Externa do Quadril 3 4
Rotação Interna do Quadril 3 4
Flexão de Joelho 2 3
Extensão de Joelho 4 4
Dorsiflexão e Inversão do Pé 4 4
Flexão Plantar e Eversão do Pé 4 4

Obs: Paciente apresentava bastante dor no dia


Marcha
◦ Na avaliação geral, o paciente não realiza dissociação de cíngulos, mantendo o
tronco estático e inclinado para direita; o MSD apresenta-se durante toda
marcha afastado do corpo, enquanto o MSE fica bem junto ao corpo; o quadril
é assimétrico, o lado esquerdo mantém-se mais elevado; o joelho esquerdo
apresenta hiperextensão quando apoia o peso sobre esse lado; os pés
apresentam rotação interna.
Diagnóstico Fisioterapêutico
◦ Paciente com Dor em Joelho e Tornozelo no MID, devido a presença de
osteonecrose nas cabeças femorais com limitação para deambular, se levantar,
dormir e demais AVD’s.
Objetivos
◦ Redução do quadro álgico

◦ Ganho de Força Muscular de MMII

◦ Adequação da Marcha
Proposta Terapêutica
◦ Analgesia 

◦ Fortalecimento Muscular de MMII

◦ Treino de Marcha
CONDUTA REFERÊNCIA AUTOR
 Analgesia • A terapia manual é a área dentro da fisioterapia que utiliza Ziani MM et al. 2017.
o Terapia Manual várias técnicas com finalidades terapêuticas, que aplicadas
o Massagem sobre tecidos musculares, ósseos, conjuntivos e nervosos,
favorecem reações fisiológicas, promovendo a liberação de
pontos gatilhos, melhora na circulação sanguínea, e
relaxamento muscular. As técnicas de terapia manual são
compostas por vários procedimentos direcionadas às
estruturas músculo esqueléticas, visando principalmente o
tratamento da dor.

• A técnica é descrita como uma ação mecânica com diversos GONDIM, Sarah
ritmos aplicados inicialmente sobre a pele, atingindo assim Santos; ALMEIDA,
os músculos, os vasos sanguíneos e linfáticos aumentando o Maria Antonieta Pereira
metabolismo. A pressão e a velocidade empregadas fazem Tigre. 2017.
com que os vasos capilares se dilatem, ampliando o fluxo
sanguíneo na intraderme simultaneamente, proporcionando
vitalidade, flexibilidade dos tecidos cutâneos.
CONDUTA REFERÊNCIA AUTOR

 Fortalecimento de • O fortalecimento dos músculos do quadril mantém o BARBOSA, Gleiciele da


MMII bom alinhamento da pelve durante a marcha. Conceição; FERRARI,
Exercícios que aumentam a capacidade de produção de Poliane. 2017.
força do iliopsoas proporcionam reeducação gradual do
movimento de flexão, aumentando o desempenho e o
acoplamento do iliopsoas no momento da flexão.

• O fortalecimento do glúteo máximo melhora a marcha


e a capacidade de subir escadas, pois o músculo é
ativado na desaceleração do balanceio terminal, no
contato inicial e na fase de apoio, sendo que exercícios
de agachamento, subida de degraus e de transferência
da posição sentada para a posição ereta melhoram a
produção de força e o recrutamento do glúteo máximo.
CONDUTA REFERÊNCIA AUTOR

 Marcha • No pós-operatório ocorre a dificuldade de deambulação e a DIDOMENICO; Paes.


fisioterapia tem papel fundamental nesse momento por ter como 2010.
objeto de estudo o movimento humano. Para a marcha deve-se levar
em consideração o meio de fixação, para prótese sem fixação
cimentada a marcha deve ter sustentação de peso parcial com
muletas e andador e somente três meses depois poderá realizar
descarga de peso total.
CONDUTA REFERÊNCIA AUTOR

 Hidroterapia o Diversas são as condutas no pós-operatório de ATQ com relação ao NUNES, G. S.;
espaço de tempo, no qual o membro operado não deverá ser KOERICH, M. H.
submetido à carga corporal parcial ou total. A. L.;
MENEZES, F. S.
o Partindo dessa questão, a fisioterapia conta com a hidroterapia, 2010.
recurso que utiliza os efeitos físicos, fisiológicos e cinesiológicos
advindos da imersão do corpo em piscina aquecida como recurso de
reabilitação e prevenção de alterações funcionais. É um tratamento
em ambiente que permite o exercício livre dos efeitos negativos da
sustentação de peso sobre as articulações.
Evolução/ Prognóstico
◦ Já foi possível observar uma melhora no quadro clínico da paciente desde o
primeiro contato.

◦ Um prognóstico mais preciso sobre a recuperação plena da função dos MMII


depende de um acompanhamento com médico ortopedista para avaliar a
necessidade de uma nova cirurgia tanto no quadril já operado quanto no outro
quadril.
ARTIGO
“Efeito de um programa de
treinamento de habilidade de
caminhada em pacientes submetidos
à artroplastia total do quadril:
Acompanhamento um ano após a
cirurgia”
Introdução
◦ Os pacientes relatam que suas maiores prioridades após a ATQ são obter alívio da dor,
retornar ao funcionamento diário normal e manter um estilo de vida ativo. Caminhar
está relacionado a uma vida ativa e independente e, portanto, é importante para o
alcance desses objetivos. Pesquisas anteriores mostraram que, 3 meses após a ATQ, os
pacientes têm menos dor e melhoram ao andar do que antes da cirurgia. No entanto,
estudos mostram que vários meses e anos após a ATQ, a marcha dos pacientes é
prejudicada em comparação com pares saudáveis, e a flexibilidade do quadril e a força
muscular são mais fracas do que no quadril não afetado.
Pacientes e Métodos
◦ Um desenho de estudo randomizado controlado simples-cego foi usado. Os pacientes
foram randomizados para o grupo de treinamento ou o grupo de controle que não
recebeu fisioterapia, desenhando um envelope opaco contendo uma nota atribuindo-os
a um dos grupos. Foram preparados trinta e cinco envelopes para cada grupo. As
medidas foram administradas antes do início da intervenção, 3 meses após a cirurgia
(pré-teste), na conclusão do programa 5 meses após a cirurgia (pós-teste 1) e 12 meses
após a cirurgia (pós-teste 2). As avaliações foram realizadas por um único
fisioterapeuta, cego para a alocação dos grupos.
Cirurgia e fisioterapia durante a internação
◦ Foram utilizadas próteses de quadril Exeter ou Spectron e, para a operação, optou-se pela
abordagem póstero-lateral com incisão curva de aproximadamente 13 cm posterior ao músculo
glúteo médio e trocânter maior. Os rotadores externos curtos foram destacados e recolocados
durante o fechamento. Os componentes acetabular e femoral foram cimentados e a cápsula
posterior suturada. Durante a internação, todos os pacientes realizaram o mesmo procedimento
anestésico durante e após a cirurgia, que incluiu analgesia por injeção local intra-articular. Após
a cirurgia, não houve restrições ao suporte de peso. Para prevenir a luxação, os pacientes foram
instruídos a evitar flexão do quadril além de 90 °, adução do quadril e rotação interna do quadril
além da posição neutra no quadril operado durante os primeiros 3 meses. Todos os pacientes
receberam cuidados fisioterapêuticos de rotina diários por aproximadamente 30 minutos, que
consistiam em instruções de autocuidado, exercícios de mobilidade articular e fortalecimento
muscular na cama ou banco e aprendizado da deambulação com dispositivo de apoio.
Programa de treinamento de habilidades de caminhada

◦ O programa foi realizado em grupos de 2 a 8 pacientes, sendo o grupo liderado por um


fisioterapeuta. Cada paciente participou de 12 sessões, que eram realizadas duas vezes
por semana. 

◦ O programa foi baseado em 2 princípios principais: treinar o funcionamento


neuromuscular, fazendo várias repetições de diferentes tarefas e atividades ambulatoriais,
e reaprender padrões de movimento mais adequados a partir de orientação e feedback do
fisioterapeuta
Tarefas de sustentação de peso com supervisão, orientação e feedback Alvo Descrição

Aquecimento com música Dez minutos em pé com transferências de peso, passos de lado com balanço do braço,
caminhada em círculo em velocidades diferentes e comprimento do passo

Sente-se para ficar de pé Força e flexibilidade Cinco minutos levantando e abaixando em uma cadeira e agachamentos em
velocidades diferentes e com transferências de peso

Lunges Força, alongamento e equilíbrio Cinco minutos de investidas para a frente e para os lados com pernas alternativas

Postura unilateral Força e equilíbrio Cinco minutos de postura unilateral em pernas alternativas enquanto move a outra
perna

De pé sobre almofada de equilíbrio de espuma Equilíbrio e força Dez minutos de agachamento, para frente, para trás e de lado, com ângulos crescentes
nos quadris e joelhos

Subir / descer Equilíbrio, força e flexibilidade Cinco minutos de subida e descida de um degrau, para frente e para trás e em
diferentes velocidades e diferentes alturas de degrau

Subida de escada Equilíbrio, força e flexibilidade Cinco minutos subindo e descendo 5 degraus com alturas e velocidades diferentes

Pista de obstáculos Saldo Dez minutos pulando obstáculos; pisando, ao longo e para baixo de uma etapa aeróbica
e bola Bosu; andar sobre um tapete de espuma e progredir aumentando a velocidade, a
altura e o número de obstáculos

Jogando bola Equilíbrio e coordenação Cinco minutos jogando e pegando uma bola um para o outro em um círculo enquanto se
movem

Caminhando Resistência, equilíbrio e flexibilidade Cinco minutos de caminhada em um corredor lotado em diferentes velocidades e
comprimentos de passo, com curvas e progressão para a velocidade máxima de
caminhada

Alongamento Flexibilidade Cinco minutos de alongamento dos músculos da panturrilha, perna, coxa, pescoço e
ombros
Grupo de controle

◦ O grupo controle não participou de nenhum programa supervisionado de fisioterapia


durante o mesmo período, mas foi encorajado a continuar com os exercícios que
aprenderam no hospital ou durante a internação para reabilitação e a se manter ativo de
maneira geral.
◦ O programa de treinamento de habilidades de caminhada foi projetado para melhorar a
caminhada. Nossos resultados sugerem que o programa atendeu ao seu propósito, uma
vez que a distância percorrida e o tempo de subir escadas melhoraram mais no grupo de
treinamento do que no grupo controle imediatamente após a intervenção. Apesar do fato
de que ambos os grupos melhoraram ainda mais desde imediatamente após a intervenção
até 1 ano após a cirurgia, o grupo de treinamento manteve sua vantagem sobre o grupo
de controle em 1 ano. 
Referências
◦ AGUIAR, Thiago; et al.Tratamento da osteonecrose da cabeça femoral na adolescência pela técnica de "trapdoor“. Rev. Port. Ortop.
Traum. vol.21 no.3. 2013.
◦ URSO, Gabriela Oliveira; et al. Abordagem fisioterapêutica em diferentes tipos de artroplastia de quadril. Fisioterapia Brasil. Vol.11- No.1.
2010.
◦ HATEM, Munif. Passo a passo da prótese de quadril. Disponível em: https://www.quadrilcirurgia.com.br/cirurgia-passo-a-passo.html
◦ GONDIM, Sarah Santos; ALMEIDA, Maria Antonieta Pereira Tigre Os efeitos da massagem terapêutica manual em pacientes com a síndrome
da fibromialgia. Id on Line Rev. Mult. Psic. Vol.11, No. 39. 2017.
◦ Ziani MM et al. Efeitos da terapia manual sobre a dor em mulheres com fibromialgia. Ciências e Saúde Vol. 10,No1. 2017.
◦ BARBOSA, Gleiciele da Conceição; FERRARI, Poliane. Fisioterapia no pós-operatório de artroplastia total de quadril.Revista UNIABEU,
Vol.10, No.25.2017.
◦ DIDOMENICO; PAES. Fisioterapia na artroplastia de quadril: relato de caso. 2010. 85 f. Monografia (Graduação em fisioterapia) - Centro
Universitário Católico Salesiano Auxilium– UNISALESIANO. Lins – SP. 2010.
◦ DUTTON, Mark. Guia de sobrevivência do fisioterapeuta: manejando condições comuns. Capitulo 8: A articulação do quadril. 2013.
◦ HEIBERG, Kristi Elisabeth. Effect of a walking skill training program in patients who have undergone total hip arthroplasty: Followup one
year after surgery. Arthritis Care Res (Hoboken). 2012 Mar;64(3):415-23. doi: 10.1002/acr.20681. PMID: 22170790.
◦ NUNES, G. S.; KOERICH, M. H. A. L.; MENEZES, F. S. Abordagem hidroterapêutica em pacientes submetidos à artroplastia total de quadril - um
estudo multicaso. Arq. Ciênc. Saúde UNIPAR, Umuarama, v. 14, n. 2, p. 145-151 maio/ago. 2010.

Você também pode gostar