Você está na página 1de 11

Arte Contemporâne

a
3º ano
Prof.ª Sandy Soares
Estagiário Wallace
Santos
Aula 02
Capítulo 8
Páginas 287 à 289
Arte do Nosso Tempo
O que é arte contemporânea?
A vida em sua totalidade ocupou os espaços expositivos,
ativando reflexões estéticas sobre os mais diversos temas
: o corpo, a cidade, as questões ambientais, a voracidade
do capitalismo, a memória, etc. Mas podemos chamar toda e
ssa produção de arte contemporânea? Se não há linguagem n
em tema predominante, nem opções estéticas definidas, tal
vez possamos dizer que a arte contemporânea é aquela que
se debruça sobre questões que nos afetam nos dias atuais.
Alguns processos da arte contemporânea são as apropriaç
ões e os diálogos com o passado, a participação do públic
o no processo criativo, a hibridização das linguagens e o
s deslocamentos que estimulam a estesia.
Para se opor a um ambiente saturado pelo excesso de infor
mação, alguns artistas consideram não haver mais sentido em
produzir novidades e se dedicam à reciclagem e ao remix. Ma
nipulam e reaproveitam imagens, filmes, textos, objetos e s
ons presentes no cotidiano. O desafio está em operar os arq
uivos históricos, transformando as proposições do passado.
Experimentando novas formas de cooperação viabilizadas pe
la cultura digital, os artistas são estimulados pela veloci
dade das trocas coletivas. Em um mundo em que todos desejam
se expressar, o artista pode estabelecer uma relação com se
u público, oferecendo-lhe espaço de participação, reconhece
ndo-lhe a contribuição. Para esses artistas a esfera das re
lações humanas é o verdadeiro lugar da obra de arte.
Trabalhos interdisciplinares revelam o interesse dos artistas em o
perar conceitos simultaneamente por meio de sons, imagens, movimentos
, construções, atos e palavras. Os limites entre as linguagens tornar
am-se fluidos. Percebemos também que para pesquisar, trocar ou apenas
vivenciar diferentes ambientes e contextos sociais, os artistas busca
m em expedições, viagens e residências expandir sua percepção estétic
a. A arte, hoje, extrapola qualquer definição, mas sua potência trans
formadora é reconhecida. Afirma-se cada vez mais como forma de ativis
mo, ocupando diversos espaços de articulação social. Expressar emoçõe
s, pensamentos e crenças por meio de gestos, palavras, imagens e sons
tornou-se uma vivência cotidiana. Desenvolver a dimensão sensível é u
m direito de todos os cidadãos: a arte é de todos e para todos.