Você está na página 1de 23

Aula 16 de FTM.

Laser de rubi
Elaborado por Prof. Dr. Akil
Introdução

• Rubí é um cristal sólido cuja base é corindo (Al2O3).


Nesta base uma parte dos átomos de Al é substituída
pelos iões de crómio (Cr3+).
• O óxido de alumínio é um cristal dieléctrico com a
largura de banda proibida Eg situada entre a zona de
valência ( Ev ) e zona de condução ( Ec ), onde se
localizam os níveis enérgeticos do Cr.
O que é laser de rubi

• O laser de Rubi é um laser com comprimento de onda


de 694nm que pode ter pulso curto ou mais longo.
Recebe este nome, pois a matriz que gera o laser é
realmente um rubi. Esse laser tem alta afinidade com
os pigmentos da pele, e hoje é muito utilizado,
portanto, para remoção de tatuagens. O laser de rubi
produz uma luz vermelha com grande quantidade de
energia em um tempo extremamente curto, que é
absorvido somente pela melanina ou pelo pigmento
da tatuagem. Essa rapidez é importante para impedir
a formação de um calor destrutivo que queime a pele
ou danifique a sua estrutura.
O que é laser de rubi

• Um laser (sigla inglesa para light amplification by


stimulated emission of radiation, ou seja,
amplificação de luz por emissão estimulada de
radiação), em português láser ou lêiser, é um
dispositivo que produz radiação eletromagnética
com características muito especiais: ela é
monocromática (possui comprimento de onda
muito bem definido), coerente (todos os fótons
que compõem o feixe emitido estão em fase) e
colimada (propaga-se como um feixe de ondas
praticamente paralelas).
Istoria
• Para explicar o efeito fotoelétrico, Albert Einstein
postulou em 1905 que a luz é constituída por pacotes
discretos e bem determinados de energia denominados
quanta de luz que, posteriormente, passaram a ser
chamados de fótons, termo cunhado por Gilbert Lewis
em 1926.
• Em 1913 o dinamarquês Niels Bohr apresentou seu
modelo de átomo, no qual os elétrons orbitam o núcleo
em níveis de energia bem determinados e somente
podem "saltar" de um nível para outro se receberem ou
emitirem fótons com a quantidade de energia (que pode
ser calculada a partir de seu comprimento de onda)
exata, exigida para o salto completo.
Istoria
• Em 1925, Erwin Schrödinger e Werner Heisenberg modificaram a forma de
se interpretar o modelo de átomo de Bohr, postulando que os elétrons são
partículas que apresentam propriedades de ondas, cujo comportamento
pode ser explicado por suas funções de onda. Tais funções foram
desenvolvidas por Schrödinger e preveem os diferentes níveis que o
elétron pode assumir no átomo e as exatas energias associadas. Isso
significa que cada tipo determinado de átomo pode ser excitado sempre
em quantidades bem definidas através da absorção de um tipo
determinado de fóton de comprimento de onda específico.
• Em 1953, Charles Hard Townes, James P. Gordon e Herbert J. Zeiger
produziram o primeiro maser (microwave amplification through stimulated
emission of radiation), um dispositivo similar ao laser, que produz
micro-ondas, em vez de luz visível. O maser de Townes não tinha
capacidade de emitir as ondas de forma contínua. Nikolai Basov e
Aleksander Prokhorov, da União Soviética, laureados com o
Prêmio Nobel de Física em 1964, trabalharam de forma independente em
um oscilador e resolveram o problema da emissão continua, utilizando
duas fontes de energia, com níveis diferentes.
Istoria

• Em 1959, Gordon Gould usou pela primeira vez o acrônimo


LASER no artigo The LASER, Light Amplification by Stimulated
Emission of Radiation[5][6]. A intenção linguística de Gould era
usar a palavra "-aser" como um sufixo para denotar com
precisão o espectro da luz emitida pelo aparelho de laser,
deste modo: raios-X, Xaser, ultravioleta: uvaser.
• No ano seguinte, Theodore Harold Maiman produziu o
primeiro laser, um laser de três níveis, que utilizava um
cristal de rubi como meio ativo. O rubi a laser produz luz
pulsada na ordem de milissegundos com comprimento de
onda de 694.3 nm, que corresponde à cor vermelha.
• Em 2018, receberam o Nobel de Física por invenções
inovadoras no campo do laser os físicos Donna Strickland,
Gérard Mourou e Arthur Ashkin.
laser de rubi
laser de rubi
laser de rubi
Princípio de funcionamento

Figura 1: obtençao
do laser de rubí

• É necessário criar a inversão da população entre níveis E1 e E2


através da iluminação do cristal de rubí pela lâmpada de
grande potência.
Princípio de funcionamento

• Recebendo a intensa luz de lâmpada fulgor, os


átomos de crómio que se encontram no nível
principal E1 ficam excitados, e como consequência
disto estes átomos sofrem a transição para os níveis
E3 e E4 ( figura 1 ) tendo no entanto tempo de vida
muito curto (~10-8s).
• Após este tempo de permanência nestes níveis, os
átomos transitam para o nível E2. Nesta transição os
átomos não emitem a radiação e gastam sua energia
de excitação realizando oscilações da rede cristalina.
Princípio de funcionamento

• Nota-se, no entanto, que a probabilidade de transição dos


níveis E4 e E3 para o E1 (fundamental ) é desprezível em
comparação com a probabilidade de transição para os níveis
metaestáveis E2. Os átomos nos níveis E2 possuem o tempo
de permanência muito grande (~10-3s).
• Isto permite acumular os átomos provenientes dos níveis
excitados (com menor tempo de vida) E4 e E3. Se a transição
entre os níveis E1→E4, E3 é rápida, os níveis E2 conseguem
acumular mais que metade dos átomos de crómio, E2 vai
possuir um número maior de átomos em relação ao nível E 1,
ou seja surge deste modo o fenómeno chamado população
invertida dos níveis E1 e E2. Este fenómeno tem melhores
resultados. quando a bombagem óptica é máxima.
Princípio de funcionamento

• Tal processo ocorre quando os átomos transitam do


nível principal (O) para o excitado 3. Se os átomos de
3 passam rapidamente para 2, entre 1 e 2 haverá
inversão da população.
• A luz laser é obtida na transição de 2 para 1, desta
maneira para o funcionamento do laser os átomos de
1 devem passar rapidamente para o nível principal
(para dar lugar a outros átomos que vem do nível 2).
Aparato experimental ( fisíco )

• O bastao de rubí (cavidade de laser) tem uma das


suas extremidades fechadas por um espelho de
elevadissimo coeficiente de reflexão, isto é, toda luz
que incide sobre ele é refletida de volta para o
interior do bastão. Já a outra extremidade também é
fechada por um espelho, mas semi-transparente que
reflecte de volta para a cavidade de laser a maior
parte de luz que incide sobre ele. Caso essa luz seja
suficientemente intensa, ela consegue atravessar o
espelho e pronto. Isso é tudo necessário para gerar
um raio laser.
Aparato experimental ( fisíco )

• Aqui a bomba de energia emite permanentemente


disparos de luz de grande intensidade ( flashes ) que
penetra a cavidade de laser. Os fotons gerados por
esses disparos, ao atravessar o cristal de coríndo
( rubí ), chocam-se com alguns dos eléctrons das
coroas de seus átomos, fazendo-os saltar para uma
órbita mais externa. Com isso rompe o equlíbrio
energético do átomo, esses electrons voltam para
suas órbitas originais, e ao faze-lo emitem novos
fotons.
Proprieties dos laseres
• Comprimento de onda:
• Depende do material que emite luz, do sistema
óptico e da forma de energizá-lo. A luz emitida pelo
laser é sempre monocromática.
• A luz laser provem predominantemente de uma
transição determinada entre níveis de energia e é
portante quase monocromática. (a vibração térmica
dos átomos e a presença de impurezas faz com que
estejam presentes outros comprimentos de onda);
• Exemplos:
Proprieties dos laseres
• Potência de Saída
– Gás Hélio-Neônio (dezenas de "mW")
– Dióxido de carbono (centenas de "kW" em feixe contínuo)
• Os lasers de operação continua podem ter potências de saída
entre 0.5 mW a 100W ou mais. os lasers pulsados têm níveis
de potencia até terawatts, mas apenas para impulsos de muito
pouca duração - de microssegundos ou mesmo nanosegundos.
• Coerência
– Feixe coerente / Estão em fase.
– Devem ter o mesmo sinal.
– A coerência é necessária para algumas aplicações.
• A luz laser é coerente quando emerge do espelho de saída e
continua até uma certa distância do laser que se chama a
distancia de coerência.
Proprieties dos laseres
Elemento Comprimento de onda
Fluoreto de argônio (UV) 193 nm;
Fluoreto de criptônio (UV) 248 nm;
Cloreto de xenônio (UV) 308 nm;
Nitrogênio (UV) 337 nm;
Argônio (azul) 488 nm;
Argônio (verde) 514 nm;
Hélio-neônio (verde) 543 nm;
Hélio-neônio (vermelho) 633 nm;
Corante Rodamina 6G (ajustável) 570-650 nm;
Rubi (Al2O3 + Cr2O3) (vermelho) 694 nm;
Nd:YAG (NIR) 1.064 nm;
Dióxido de carbono (FIR) 10.600 nm.
Aplicações
• Por suas propriedades especiais, o laser é hoje utilizado nas
mais diversas aplicações: médicas (cirurgias), na enfermagem
como auxilio no tratamento de lesões na pele, na Fisioterapia
como anti-inflamatório, regenerador e analgésico, industriais
(cortar metais, medir distâncias), pesquisa científica (pinças
ópticas, hidráulica, física atômica, óptica quântica,
resfriamento de nuvens atômicas, informação quântica),
comerciais (comunicação por fibras ópticas,
leitores de códigos de barras), produção de peças
termoplásticas (corte a laser[17]), no campo bélico (miras lasers,
armas de energia dirigida, eletrolasers) e mesmo todos os dias
em nossas casas (aparelhos leitores de CD, DVD e Blu-Ray,
laser pointer usado em apresentações com projetores). A
propulsão a laser vem sendo estudada para o
uso em espaçonaves.
Aplicasões

• É produzido por materiais como o Al2O3 monocristalino


(chamado de safira quando relativamente puro e rubi
quando contém Cr2O3 que lhe confere a cor vermelha
característica devido aos íons de Cr3+), mistura de gases
no caso do hélio e neônio, dispositivos de estado
sólido como Laser Díodo, moléculas orgânicas como os
lasers de corante.
• No uso industrial, o laser de CO2 (dióxido de carbono)
vem cada dia mais sendo utilizado, sendo hoje
essencial. Muito competitivo por ser um processo
rápido para o corte e solda de diversos materiais com
muita agilidade devido às maquinas que utilizam o
laser serem CNC.
Aplicasões

• Usando um laser sintonizado para interagir com o


vapor de água no ar, os sons podem ser criados em
um local localizado que seja alto o suficiente para ser
captado pela audição humana, se direcionado para
perto do ouvido de um ouvinte.
• Em 26 de Setembro de 2006, a mídia noticiou que
satélites espiões dos EUA foram "cegados" por lasers,
enquanto sobrevoavam a China. Maiores detalhes
sobre o momento do incidente, intenções e
consequências da manobra não foram divulgados
Aplicações
• A soldagem a laser possui uma forte energia e
altamente concentrada, produzindo uma solda
estreita e profunda
• A alta concentração do feixe permite uma radiação
de excelente qualidade
• A penetração é facilmente controlada pelo ajuste da
potência e taxa de pulso, permitindo executar uma
solda interna ou externa aos painéis do automóvel,
sem distorções ou descoloração da parte externa do
painel do mesmo.

Você também pode gostar