Você está na página 1de 48

Tipologia dos utentes/clientes

na prestação de cuidados
pessoais e à comunidade
Ufcd: 8852
Formadora: Mariana Alves
Março 2017
• Identificar e caraterizar os diferentes
tipos de utentes e/ou clientes, no
âmbito da prestação de cuidados
pessoais e à comunidade.
Objetivos
• Reconhecer e diferenciar os vários graus
de dependência.
Conteúdos
• Psicologia do desenvolvimento
• Fases do processo de desenvolvimento humano (Ciclo vital)
• Caraterísticas da Infância
• Caraterísticas da Juventude
• Caraterísticas da Maturidade
• Caraterísticas da Velhice
• Utente e/ou cliente portador de deficiência
• Deficiência física e/ou motora
• - Tipos de deficiência física e/ou motora
• - Caraterísticas
• Deficiência intelectual
• - Tipos de deficiência intelectual
• - Caraterísticas
Conteúdos
• Utente e/ou cliente portador de doença degenerativa
• Tipos de doença degenerativa
• Caraterísticas
• Velhice
• Atitudes mitos e estereótipos
• Processo de envelhecimento
• Representações sociais da morte
• Graus de dependência
• Dependente
• Semi-dependente
• Independente
1. Psicologia do Desenvolvimento
Desenvolvimento: conjunto de transformações/modificações do ser
humano ao longo de toda a sua vida.

Estas
modificações
Estruturais podem ser: Comportamentais

• O desenvolvimento do ser humano é ininterrupto e gradativo,


obedecendo a uma certa ordem e regularidade.
1. Psicologia do Desenvolvimento
Isto significa que:

 O processo se processa por etapas


(fases/estágios);
 As etapas do desenvolvimento
seguem uma sequência;
 Essa sequência é invariável (o
individuo não pode “saltar” etapas,
embora possa passar por certas
etapas mais depressa, ou mais
devagar que os outros);
 O processo de desenvolvimento
ocorre ao longo de toda a vida do
indivíduo.
Desde a concepção até à maturidade há um paralelo no
desenvolvimento do organismo, do cérebro e do comportamento.

O Individuo é uma unidade BIOPSICOSSOCIAL

ISTO É:
• As capacidades mentais e comportamentais só surgem com base na maturação
do sistema nervoso (em que inclui o cérebro) e de todo o organismo.
• EX: Uma criança só começa a andar quando as suas pernas têm uma maturação
óssea e muscular adequada à marcha, mas o seu sistema nervoso e ouvido
interno têm de ser capazes de manter e regular o equilíbrio corporal e motor.
• As aquisições necessárias à transição de um estádio de desenvolvimento para
outro não são feitas instantaneamente, ocorrem ao longo do tempo.
Devido à continuidade do desenvolvimento é que uma fase da vida influência
as outras fases posteriores.

Isto significa que:

O que ocorre em cada fase do desenvolvimento, influência as outras.


Um trauma na infância pode levar a que um adulto exiba determinados
comportamentos resultantes desse trauma.
A não aquisição de competências das fases do desenvolvimento que lhes são
propícias pode comprometer seriamente as fases seguintes (como no caso do
menino selvagem).
A velocidade e a intensidade do processo de
desenvolvimento não são as mesmas ao longo de
todo o processo.
O Processo de desenvolvimento é rápido na
primeira infância, depois lento, torna-se rápido
outra vez durante o surto de crescimento pré-
pubertário, lento na adolescência e tem um
nivelamento final aos 18 e 19 anos até aos 20 e
pouco.
•O desenvolvimento é o processo pelo qual
o ser humano se forma enquanto ser ,
desde o momento da conceção, até à sua
morte.
•Este processo dá-se como uma interação
constante entre o indivíduo (as suas
estruturas biológicas e mentais) e o meio
em que se encontra inserido.
Desenvolvimento ao longo do ciclo vital

• INFÂNCIA
Infânci
A infância é o período que vai a
desde o nascimento até
aproximadamente o 12º ano de
vida de uma pessoa.
É um período de grande
desenvolvimento físico, marcado
pelo gradual crescimento da
altura e do peso da criança -
especialmente nos primeiros três
anos de vida e durante a
puberdade.
Infânci
a
É um período onde o ser
humano desenvolve-se
psicologicamente,
envolvendo graduais
mudanças no
comportamento da pessoa e
na adquisição das bases de
sua personalidade.
Divide-se geralmente a
infância em 3 períodos:
do nascimento aos 2
anos, dos 2 anos aos 6
(período pré- escolar) e
dos 6 aos 11/12 anos
(período escolar)
Até aos 2 anos há
um acelerado
desenvolvimento
psicomotor que vai
permitir à criança
adquirir várias
competências como,
sentar-se, gatinhar e
andar…
DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR
Dos 2 aos 6 anos as
transformações
físicas
permitem- lhe
concretizar
um conjunto
como pegar denum
tarefasdesenhar
lápis,
recortar
, se….
No último período
da infância as
várias competências
aperfeiçoam-se o
que lhe permite
responder às
exigências davida
escolar como , por
exemplo, ler
e escrever…
Desde o nascimento a criança comunica com os adultos
de forma activa para poder satisfazer as suas
necessidades (choro, vocalizações, expressões e gestos).
É o que se designa por fase pré-linguística.
Com o aparecimento da função simbólica que ocorre
entre os 18 e os 24 meses, a criança vai
progressivamente conquistando a capacidade de
comunicar através da linguagem.

O desenvolvimento posterior da linguagem


manifestar-se-á por um enriquecimento progressivo
do vocabulário e da construção de um discurso
cada vez mais elaborado.
Juventude
Ciclo Vital
• falar de juventude é referir-se a uma categoria
socialmente produzida, isto é, a relação entre ciclos
vitais e faixas etárias definidas culturalmente e não
naturalmente;
• do ponto de vista antropológico cada contexto
sócio-cultural constrói as suas representações
sobre a juventude, define a posição social dos
jovens e o tratamento decorrente desta posição;
• em sociedades complexas (heterogêneas) tais
representações, posições e tratamentos são
plurais;
• universalmente, juventude está associada a um
período de vida, marcado pela complementação do
desenvolvimento físico, mudanças psicológicas e
sociais e a passagem da condição infantil para a
adulta, mas…
• segundo Helena Abramo, a duração, os conteúdos
e significados sociais da juventude variam de
cultura para cultura;
• em sociedades mais simples e homogêneas essa
passagem é mais delimitada e ritualizada, sendo
portanto, mais facil (porque mais impositiva)
• em sociedades complexas como a nossa, a
pluralidade de sentidos e instituições, complicam o
processo
CARACTERÍSTICAS DA JUVENTUDE:
• TRANSITORIEDADE: passagem de uma condição
de dependência (infância) para a autonomia
(adulto)
• IMPRECISÃO E AMBIGUIDADE: limites são
imprecisos e contraditórios
• NEGATIVIDADE : o que já não se é mais e ainda
não se chegou a ser
• SUSPENSÃO DA VIDA SOCIAL: marginalidade e
moratória. O jovem está fora do sistema produtivo
e condenado a experimentar para aprender
• INDEPENDÊNCIA: processo de individuação
• CRISE POTENCIAL: a turbulência e tensão
trazidas pela puberdade e as tensões trazidas
pela ambiguidade geram um estado de revolta
latente
• Aos 40 anos a expectativa média de vida é de 35 a
40 anos adicionais.
• A maior parte dos adultos acredita que o declínio
físico e mental tem inicio na meia idade ainda que
as mudanças sejam pequenas e graduais.
• Os níveis de saúde mental são mais baixos no
inicio da vida adulta: os jovens adultos são mais
propensos a depressão ansiedade e solidão que os
adultos de meia idade.
Maturidade

Adultos
• Existem mudanças físicas pequenas aos 40, 50, 60
anos, somente algumas evidenciam mudanças
significativas.
• A massa óssea reduz-se bastante na meia idade
especialmente nas mulheres começando logo
antes da menopausa.
• A taxa de doença e mortalidade eleva-se bastante
na meia idade, jovens adultos apresentam mais
doenças agudas enquanto meia idade doenças
crónicas.
• As mulheres evidenciam mais doenças, mesmo
que venham a falecer mais tarde.
• As duas principais causas de morte na meia idade
são o cancro e as doenças cardíacas e são mais
frequentes no homem.

• Doenças cardíacas coronárias:


• Tabagismo.
• Hipertensão.
• Taxa elevada de colesterol.
• Obesidade.
• Estilo de vida sedentário.
• Cancro:
• Tabagismo.
• Dieta com alto teor de gordura.
• Obesidade.
• Estilo de vida sedentário.
• As habilidades cognitivas são geralmente mantidas
em bom estado.
• O QI costuma elevar-se assim como o vocabulário.
• Os adultos que praticam exercício físico continuam
com as suas habilidades em melhor estado do que
os que levam uma vida sedentária.
• Membros de grupos minoritários ou classes sociais
mais baixas têm uma saúde mais insatisfatória, por
exemplo, indivíduos e raça negra apresentam taxas
mais elevadas de cancro e hipertensão.
Idosos Ciclo Vital
• A percentagem de população acima de 65 anos
tem aumentado rapidamente nas últimas décadas
e continuará a aumentar no próximo século.
• Mudanças associadas ao envelhecimento incluem
principalmente uma perda da densidade dos
neurónios, que acarreta um retardar no tempo de
reacção de quase todas as tarefas.
• Hipertensão e doenças cardíacas são as mais
prováveis doenças a ocasionar incapacitação.
• Perda de audição é mais comum a partir dos 65
anos.
• A causa mais comum de demência é a doença de
Alzheimer.
• Factores de risco incluem:
• História familiar de demência na família
• Síndroma de Down
• Doença de Parkinson
• Maternidade depois dos 40
• Traumatismo craniano.
• A depressão constitui a perturbação emocional
mais frequente a partir dos 75 anos embora não
seja válida entre aqueles que gozam de boa saúde
ou aqueles com apoio adequado.
• O efeito mais perceptível no envelhecimento é
uma desaceleração generalizada de todas as
reacções.
• Mesmo na fase final da vida os idosos possuem
capacidade de reserva- capacidade de melhorar a
performance em qualquer tarefa cognitiva.
Utente e/ou
cliente
portador de
deficiência 
Deficiência física e/ou
motora 
• Deficiência física ou deficiência motora é
uma limitação do funcionamento físico-
motor de um ser humano ou animal[1].
Normalmente, os problemas ocorrem no
cérebro ou sistema locomotor, levando a
um mau funcionamento ou paralisia dos
membros inferiores e/ou superiores.

• A deficiência física pode ter várias


etiologias, entre as principais estão os:
fatores genéticos, fatores virais ou
bacteriano, fatores neonatal, fatores
traumáticos (especialmente os
medulares).
São vários os motivos que podemos
encontrar na base da deficiência motora,
destacando-se as seguintes:
Quais as causas da • Acidentes de trânsito;
• Acidentes de trabalho;
deficiência • Erros médicos;
Física/Motora • Problemas durante o parto;
• Violência;
• Desnutrição
• Etc.
•monoplegia: paralisia em um membro
do corpo;
• hemiplegia: paralisia na metade do
Quais os vários tipos corpo; 
• paraplegia: paralisia da cintura para
de deficiência baixo; 
motora? • tetraplegia: paralisia do pescoço para
baixo; 
• amputado: falta de um membro do
corpo.
No convívio com o deficiente motor haja com
naturalidade e observe alguns procedimentos:
• Estimule a criança a brincar, estudar e ajudar nos serviços de casa;
• Não proteja demais a criança. Não faça por ela o que ela pode fazer
sozinha;
• Acompanhe o ritmo da sua marcha;
• Para a ajudar, não a trate bruscamente;
• Não se deixe impressionar pelo seu aspeto. Aja de forma natural;
• Não deixe a criança deitada na cama o tempo todo;
• Se você desejar, ofereça ajuda. Mas não insista;
• Não estacione o seu automóvel em lugares reservados às pessoas
portadoras de deficiência física. Respeite os espaços reservados a
essas pessoas;
• Deixe as muletas sempre ao alcance das mãos da pessoa;
• Não tenha receio de usar palavras como "andar" ou "correr";
• Apoiar-se ou encostar-se na cadeira de rodas é como apoiar-se ou
encostar-se na pessoa;
• Ao conversar demoradamente com uma pessoa em cadeira de rodas,
procure ficar no mesmo nível do seu olhar. Para uma pessoa sentada
não é confortável olhar para cima durante um período longo.
Deficiência Inteletual

A principal característica da deficiência mental é a


redução da capacidade intelectual (QI), situada
abaixo dos padrões considerados normais para
idade, se criança, ou inferiores à média da
população, quando adultas. A pessoa com
deficiência na maioria das vezes apresenta
dificuldades ou nítido atraso em seu
desenvolvimento neuropsicomotor, aquisição da fala
e outras habilidades, um deficit no comportamento
adaptativo, seja na comunicação (linguagem),
socialização ou aquisições práticas da vida cotidiana
(higiene, uso de roupas, etc.). 
Tipos de Deficiência Intelectual

Além dos tipos de deficiência intelectual conhecidos,


como é o caso da Paralisia Cerebral, esta deficiência
influencia diretamente outras deficiências, síndromes
e necessidades especiais, são casos como:
• Autismo
• Síndrome de Down
• Síndrome de Asperger
• Síndrome de Rubinstein-Taybi
• Síndrome de Angelman
• Deficiência em X-Frágil
• Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade
Autismo
• O autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento, que afeta 5 a cada 10.000
crianças nascidas dentre elas os mais afetados são do sexo masculino, e segundo estudos
mais recentes houve aumento na quantidade de crianças afetadas pelo distúrbio
chegando a 60 em cada 10.000 crianças, mostrando um aumento considerável no
número de casos.
• No autismo há o comprometimento de funções como habilidades sociais, habilidades
comunicativas e presença de comportamentos, e perda de interesse. Recentemente
houveram mudanças conceituais e essas foram publicadas no Manual Diagnóstico e
Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V), nesse, a síndrome de Asperger passou a ser
considerada uma forma mais leve de Autismo sendo ambos incorporado ao termo
nomeado como Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), a criação deste manual
também auxilia no diagnóstico desses transtornos facilitando a identificação da
severidade destes. Atualmente há diversos protocolos e manuais estabelecidos tanto por
autoridades sanitárias competentes como pela Organização Mundial da Saúde, o ICD-10,
que auxiliam no diagnóstico, onde são relacionados os critérios comportamentais.
Síndrome de Donw
• Também chamada de trissomia do cromossomo 21, é uma anomalia genética no
cromossomo 21. Durante a meiose, na formação dos gametas, pode não ocorrer
a correta disjunção dos cromossomos, formando três cópias do cromossomo 21.
Esta á a principal causa da Síndrome de Down, ocorrendo em 85% dos casos
estudados. O risco de isso acontecer aumenta com a idade materna.
Síndrome de Asperger

• A Síndrome de Asperger é uma perturbação neurocomportamental de base


genética. Pode ser definida como uma perturbação do desenvolvimento que se
manifesta por alterações sobretudo na interação social, na comunicação e no
comportamento. Embora seja uma disfunção com origem num funcionamento
cerebral particular, não existe marcador biológico, pelo que o diagnóstico se baseia
num conjunto de critérios comportamentais.

Você também pode gostar