Você está na página 1de 13

Modelos familiares e formas de parentalidade

Sessão nº1

Rita Dinis
Objetivos específicos da ufcd:

Em termos de competências específicas a adquirir, pretende-se que no final do


curso os formandos sejam capazes de:

• Identificar os modelos familiares e as diferentes formas de


parentalidade

• Colaborar com a família na defesa do superior interesse da criança

• Conciliar a vida familiar com a vida profissional


Conteúdos programáticos 

• Evolução e perspetivas da dinâmica familiar

• Diversidade de modelos familiares

• Formas de parentalidade: biológica, adoção, apadrinhamento civil,


acolhimento familiar e tutela

• Colaboração com a família

• Estilos educativos parentais

• Adaptação a diferentes contextos familiares


Conteúdos programáticos 

• Estratégias de gestão e prevenção de conflitos 

• Conciliação da vida familiar e vida profissional


Evolução e perspetivas da dinâmica familiar

A família é a matriz da construção da identidade dos indivíduos. A


função da família envolve a promoção do desenvolvimento
biopsicossocial, a perpetuação da espécie e a transmissão da cultura
pertencente, que também variam de acordo com a época e o tempo em
que a família está a viver dentro do próprio contexto familiar. Neste
entendimento, uma família com filhos pequenos requer do casal um tipo
de exigências, diferente do casal que possuem filhos na adolescência, ou
do casal onde os filhos já se tornaram independentes.
Evolução e perspetivas da dinâmica familiar

O Ciclo Vital de uma família, no seio da qual foram gerados filhos, pode ser resumido
nos seguintes estágios ou momentos críticos:

• Formação de um casal para a construção de uma nova família.

• Nascimento dos filhos.

• Adolescência dos filhos.

• Saída dos filhos da casa paterna (ninho vazio).

• Morte dos avós.

• Envelhecimento, doença e morte dos pais.


Evolução e perspetivas da dinâmica familiar

Cabe salientar que, no caso de divórcios, face às inúmeras variáveis que


são introduzidas na estrutura familiar, bem como devido às alterações
significativas que acontecem no ciclo vital da família, o núcleo original
familiar interrompe o seu ciclo vital, e cada um dos cônjuges – sozinhos
ou em novas relações conjugais, com ou sem filhos em sua companhia –
irá constituir novos núcleos familiares.
Evolução e perspetivas da dinâmica familiar

Uma crise é resultado de pequenos conflitos que se repetem


quotidianamente e para os quais não se dá a devida atenção. A crise é
produzida quando uma tensão afeta um sistema, necessitando de uma
mudança que se afasta do repertório usual desse sistema. A identificação
e definição da tensão, isto é, do sintoma, são requisitos para resolver
uma crise familiar. O que causa tensão para uma família pode não
causar noutra.
Evolução e perspetivas da dinâmica familiar

Atualmente, a família passa por novas mudanças: os vários casamentos, os filhos de


relações diferentes, os casais homossexuais; renovaram-se também as crises pelas
quais passam as famílias na contemporaneidade, face às profundas transformações
nos valores morais e na práxis interativa da sociedade atual.

Quanto às relações conjugais, entende-se por aquelas que mantêm homens e


mulheres em relações hetero ou homossexuais, estabelecendo laços de natureza
sexual e afetiva, que os levam a desejar uma vida compartilhada,
independentemente dos fins de procriação da espécie ou da institucionalização
dessa união pelos ritos do casamento civil ou religioso.
Evolução e perspetivas da dinâmica familiar

• Podemos analisar as transformações culturais da família a dois níveis:

- Da estrutura

-Das funções

-Transformações na estrutura das famílias: Quando falamos em


estrutura das famílias, referimo-nos geralmente aos tipos de agregados
domésticos e à sua dimensão. Assim, enquanto na sociedade contemporânea
encontramos uma grande diversidade de estruturas familiares, até meados do
século XX, predominavam duas estruturas de família:
Evolução e perspetivas da dinâmica familiar

A família extensa As famílias extensas caracterizam-se pelo elevado número de


membros, pois num mesmo espaço coabitam o casal e os filhos e parentes que
poderão ser de diferentes gerações - avós, primos, etc. Este tipo de famílias foi-se
transformando e dando origem à família nuclear, a qual é constituída por dois adultos
vivendo juntos, com filhos biológicos ou adotados. Contudo, na sociedade atual, no
mudo rural, continuam a existir famílias extensas, com se verifica na sociedade
portuguesa. Também os espaços físicos de habitação foram-se transformando, sendo
substituídas por espaços físicos funcionais e adequados à dimensão da família (nem
que para isso se tenha de «fechar» a varanda, por exemplo).
Evolução e perspetivas da dinâmica familiar

Transformações nas funções da família: Normalmente, as funções atribuídas à família, em


qualquer contexto social, são as seguintes: sexual; reprodutiva; de socialização das crianças;
económica.

A função de socialização A função de socialização tem por objetivo transmitir à criança as


ideias, os valores e os conceitos fundamentais da sociedade, ou seja, permitir a interiorização
da cultura no seio da qual a criança nasce (socialização primária). Apesar de outras instituições
disputarem com a família um papel na socialização - escola, meios de comunicação social, etc.
- o seu papel continua a ser fundamental. Nem sempre o papel da socialização foi importante.
Por exemplo, na Idade Média as crianças eram encaradas como adultos em miniatura e tratadas
como tal e a sua socialização era realizada pelo grupo social alargado (parentes, vizinhos, etc.)
Evolução e perspetivas da dinâmica familiar

Função económica A função económica foi a que sofreu mais


transformações. Até ao desenvolvimento do capitalismo, no século XIX, a
função económica identificava-se com a função de produção, na medida
em que era no espaço doméstico que se desenrolava a função produtiva:
agrícola ou artesanal.

Você também pode gostar