Você está na página 1de 20

O Novo Padrão Agrícola Brasileiro:

do complexo rural aos complexos


agroindustriais.

Autor: Angela Kageyama et. Al.


Disciplina: Tópicos Especiais em Sociedade e Desenvolvimento.
Professor: Dr. Jefferson Andronio R. Staduto
Mestrado: Antonio Kaminski Alves
INTODUÇÃO - CONCEITOS
 Modernização da agricultura – É uma mudança na base
técnica da produção que transforma a produção artesanal,
numa agricultura moderna, intensiva, mecanizada. Uma
nova maneira de produzir. Mudança de ferramentas –
mudança de culturas – novas variedades.

 Industrialização da agricultura – Observa-se uma


transformação dos moldes de produção, a agricultura passa
a ser vista como uma fábrica de produzir de matéria prima
para outros ramos de produção. Deste novo contexto,
surge a Agricultura industrializada conectada com outros
ramos da produção, é um processo qualitativo que exige
modernização para suprir a demanda de matéria prima dos
outros setores.
INTODUÇÃO - CONCEITOS

 Complexos agroindustriais - São vários


complexos que se constituem, com a
especialização da atividade agrícola. “Conjuntos
de atividades fortemente relacionadas entre si
(compra e venda) e fracamente relacionadas com
o resto das atividades”.
 Três transformações básicas que diferenciam a
modernização da agricultura do processo de
industrialização:

1. Não se trata apenas de usar insumos


modernos, mas mudar as relações de trabalho
2. Mudança qualitativa modernização e
mecanização da agricultura
3. Transformação qualitativa a internalização do
D1 - no Brasil isto correu com a instalação da
indústria de base que passou a produzir
máquinas e insumos ao campo
Objetivo

 Contribuir na linha conceitual exposta para a


melhor compreensão da nova agricultura.
O Novo Padrão Agrícola Brasileiro

 A Crise do Complexo Rural ( 1850 – 1945 )

 A lei de terras de 1850


 A proibição do tráfico em 1955,
 A implantação do D1 em bases industriais
modernas
 O período de 1850/1890 ocorre a redução do
trabalho escravo e a introdução do trabalho livre
na fazendas de café do oeste paulista – resultam
em um novo complexo – o cafeeiro.
O Novo Padrão Agrícola Brasileiro

 Quebra-se a estrutura rígida autárquica do


complexo rural:
 Cria-se um setor independente de formadores de
fazendas de café, pequenos produtores de
alimentos e de pequenas industrias rurais
(principalmente aguardente)
 Desenvolve-se a produção de algodão em
parceria com industria têxtil
 Criam-se atividades manufatureiras nas cidades.
O Novo Padrão Agrícola Brasileiro

 O período de 1890/1930 constitui-se a fase do


auge do complexo cafeeiro até a grande crise.

 Ampliam-se atividades tipicamente urbanas e


outros setores começam a emergir

 Cria-se um segmento de produção artesanal de


máquinas e equipamentos agrícolas fora das
fazendas, (produção de enxadas, arados etc.)
aumenta as oficinas de reparo e manutenção.
“estabelecendo-se as primeiras agroindústrias”.
O Novo Padrão Agrícola Brasileiro

 A indústria têxtil consolida-se como a primeira


grande indústria nacional.

 Inicia-se a substituição da importação de uma


ampla gama de bens de consumo “leves”.
O Novo Padrão Agrícola Brasileiro

 O período de 1930/1960 Nesta fase ocorre a


integração dos mercados nacionais ( de
alimentos, de trabalho e de matéria prima).

 Ocorre a implantação do D1 a partir de 1955, na


chamada fase da industrialização pesada.
O Novo Padrão Agrícola Brasileiro

 O processo de industrialização ganha dinamismo


próprio com a substituição de importações,
deslocando o setor agrícola como pólo dinâmico
da economia.

 A consolidação d industria nacional se deu com


constituição da industria de base , a agricultura
brasileira iniciou sua própria industrialização.
A Transição no Pós-Guerra:
A Modernização da Agricultura
 Embora do lado da produção os determinantes
da dinâmica da agricultura estivessem sendo
deslocados para o mercado interno, do ponto de
vista das transformações de sua base técnica ela
ainda permanecia atrelada ao setor externo.

 Portanto dependia das exportações da


capacidade de endividamento externo e das
políticas comerciais e cambiais para importar
maquinas e insumos.
A Transição no Pós-Guerra:
A Modernização da Agricultura

 O processo de modernização pode ser visualizado


pela elevação do consumo intermediário na
agricultura, que indica a crescente dependência
da agricultura de compras industriais para a
produção de suas mercadorias.

 O processo de produzir torna-se cada vez mais


dependente da produção de outros setores da
economia.
Consumo Intermediário na agricultura.
Como % do valor bruto da produção
Brasil, 1939 - 1980
ANO Consumo Interno/VP (em%) Taxa anual de variação (% a.a)
1939 10.0
1949 11.1 1.0
1954 13.2 3.5
1959 14.3 1.6
1965 21.5 7.0
1968 25.1 5.3
1970 27.6 4.9
1975 34.4 4.5
Fonte: Ajustamento Linear dos dados de Ribeiro e Chevanter (1983) a partir de estimativas
de1980
Kageyama (1986) com base38.7
nos Censos Agropecuários. 2.4
A Industrialização da Agricultura
( 1965 em diante )
 É um momento de modernização a partir do qual
a indústria passa a comandar a direção, as formas
e o ritmo da mudança na base técnica agrícola.

 Pelo aprofundamento da divisão do trabalho a


agricultura se converte assim num ramo da
produção, que compra insumos e vende matéria
prima para outros ramos industriais.

 A produção agrícola passou então a constituir um


elo de uma cadeia.
A Industrialização da Agricultura
( 1965 em diante )
 O mercado de terra passa a ter papel de destaque
ao permitir ganhos especulativos, tornou-se um
ativo alternativo para o grande capital.
 Na década de 60 havia um conjunto de condições
macroeconômicas e políticas internas que
ensejaram uma grande mudança qualitativa no
padrão geral de acumulação do país.
 Essa mudança qualitativa se concretizou nos
complexos Agroindustriais e no processo de
fusão/integração de capitais intersetorias pelo
capital financeiro.
A Industrialização da Agricultura
( 1965 em diante )
 Essa mudança qualitativa se concretizou nos
complexos Agroindustriais e no processo de
fusão/integração de capitais intersetorias pelo
capital financeiro.

 Os CAIs podem ser entendidos na economia


brasileira a partir da modernização da
agricultura, que rompe os limites e passa a
caminhar pelos próprios pés.
A Industrialização da Agricultura
( 1965 em diante )

 Enfim não há mais uma dinâmica geral da


agricultura, mas agora tem lugar várias
dinâmicas, própria de cada um dos complexos
particulares.
A Industrialização da Agricultura
( 1965 em diante )

 Esta dinâmica apresenta três resultados gerais


mas evidentes.
a) Subordinação da agricultura à dinâmica
industrial.

b) O processo torna-se irreversível tanto no ponto


de vista da reorganização do processo de
trabalho – da base técnica. A industrialização
determina a passagem da subordinação indireta
para a suborninação direta do trabalho ao
capital.
A Industrialização da Agricultura
( 1965 em diante )

c) A inserção do SNCR. Fez com que agricultura e


pecuária estivessem sujeitos às mesmas regras
de outros setores(embora em condições mais
brandas) atados ao capital financeiro.

Você também pode gostar