Você está na página 1de 19

INTRODUÇÃO À

HIGIENE E C

PROFILAXIA
Enfermeira Cassandra Santos
O QUE É SAÚDE ?
O QUE É DOENÇA?
Concepções de saúde
MODELO MÁGICO-RELIGIOSO OU XAMANÍSTICO
• Os povos da época concebiam as causas das doenças como
derivadas tanto de elementos naturais como de espíritos
sobrenaturais.
• O adoecer era concebido como resultante de transgressões de
natureza individual e coletiva, sendo requeridos, para reatar o
enlace com as divindades, processos liderados pelos sacerdotes,
feiticeiros ou xamãs.
• As relações com o mundo natural se baseavam em uma
cosmologia que envolvia deuses e espíritos bons e maus, e a
religião.
Modelo holístico
• A saúde era entendida como o equilíbrio entre os elementos
e humores que compõem o organismo humano. Um
desequilíbrio desses elementos permitiria o aparecimento da
doença.
• A causa do desequilíbrio estava relacionada ao ambiente
físico e aspectos como: os astros, o clima, os insetos etc.
• o cuidado deveria compreender o ajuste necessário para a
obtenção do equilíbrio do corpo com o ambiente, corpo este
tido como uma totalidade.
Modelo empírico-racional (hipocrático)
• Hipócrates (século VI a.C.) estabeleceu a relação homem/meio
com o desenvolvimento de sua Teoria dos Humores, teoria a qual
defendia que os elementos água, terra, fogo e ar estavam
subjacentes à explicação sobre a saúde e a doença.

• Saúde, na concepção hipocrática, é fruto do equilíbrio dos


humores; a doença é resultante do desequilíbrio deles, e o
cuidado depende de uma compreensão desses desequilíbrios para
buscar atingir o equilíbrio.
Modelo de medicina científica ocidental
(biomédico)
• O Método de Descartes: separar cada dificuldade a ser examinada em tantas partes
quanto sejam possíveis e que sejam requeridas para solucioná-las; condução do
pensamento de forma ordenada, partindo do simples ao mais complexo; necessidade de
efetuar uma revisão exaustiva dos diversos componentes de um argumento.
• O modelo biomédico focou-se, cada vez mais, na explicação da doença e passou a tratar
o corpo em partes cada vez menores, reduzindo a saúde a um funcionamento mecânico.
• o homem é visto como corpo-máquina; o médico, como mecânico; e a doença, o defeito
da máquina.
• A explicação para as doenças começou a ser relacionada às situações ambientais; a
causa das doenças passava a estar num fator externo ao organismo, e o homem era o
receptáculo da doença.
Teoria dos miasmas: Os miasmas seriam gases decorrentes da putrefação da
matéria orgânica que produziam doenças quando absorvidos pelos seres vivos.

Com a descoberta dos microrganismos (teoria microbiana) como causa das


doenças, a teoria dos miasmas perdeu força explicativa e abriu espaço para a
primeira revolução sanitária, com o início das pesquisas sobre as relações entre
organização social, pobreza e frequência de doenças. A teoria microbiana
propunha que cada doença teria por agente causal um organismo específico, que
poderia ser identificado, isolado e ter suas características estudadas.
Modelo da História Natural das Doenças
(modelo processual)

• A busca por explicações causais do processo saúde-doença resultou na configuração da


História Natural das Doenças (HND), conhecido como modelo processual dos fenômenos
patológicos.
• O modelo da HND visa ao acompanhamento do processo saúde-doença em sua
regularidade, compreendendo as inter-relações do agente causador da doença, do
hospedeiro da doença e do meio ambiente e o processo de desenvolvimento de uma doença
(Leavell; Clark,
1976)
CONCEITO DE SAÚDE
Salus: inteiro, íntegro (Latin)
Sanus: puro, imaculado, perfeito, certo, correto, verdadeiro (Latin)

“Saúde é o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença”
(OMS, 1948).

A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, entre outros, a alimentação, a moradia, o
saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, o transporte, o lazer, o acesso a
bens e serviços essenciais (Brasil, 1990, Art. 3) Lei Orgânica da Saúde (LOS) 8080/90
Determinantes Sociais da Saúde (DSS)
Saúde na época da colonização
• Não existiam políticas públicas para a saúde
• No início da colonização, os indígenas morreram em virtude das “doenças do homem branco”
trazidas pelos europeus, para as quais os indígenas não tinham resistência.
• O acesso a saúde era determinado pela classe social do individuo.
• Nobres tinham acesso a médicos, pobres, escravos e indígenas dependam da filantropia,
caridade e crenças (santas casas de misericórdia).
Saúde na época da independência do
Brasil
• Após a independência do Brasil, D. Pedro II determinou a criação de órgão
para inspecionar a saúde pública, como forma de evitar epidemias e melhorar a
qualidade de vida da população.
• Limpeza de portos do Rio de Janeiro.
• Revolta da vacina (1904). Varíola
Criação do SUS
• Em 1953 foi criado o Ministério da saúde e se iniciou as conferências de saúde, mas com a ditadura
militar, a saúde sofreu cortes no seu orçamento. Apenas 1% do dinheiro da união era destinado a saúde.
• 1970 começou o movimento da reforma sanitária por profissionais d saúde, intelectuais e partidos
políticos.
• Eles discutiam as mudanças necessárias para a saúde.
• 1986 8ª conferência Nacional da Saúde, o documento final deu início a criação do SUS.
• A constituição de 1988 traz a saúde como direito de todos e dever do estado.
• Lei Federal 8.080/1990 regulamente o SUS.
PROFILAXIA
• É a prevenção de doenças. Em uma forma mais complexa, podemos definir como a aplicação de métodos
e técnicas, de forma individual e coletiva, com a intenção de manter e restaurar a saúde. Um exemplo de
profilaxia é:
• A vacina, que faz com que o sistema imunológico reconheça os elementos externos que podem atingi-lo
e assim desencadeiam uma reação de defesa.
• Uso de preservativo IST’s
• Distanciamento social
• Uso de EPI’s  touca, luva, máscara, gorro.
• Antibiótico profilático
• Aplicação de flúor nos dentes
• Profilaxia Pré-Exposição (PrEP): é o uso preventivo de medicamentos antes da exposição ao vírus do
HIV, reduzindo a probabilidade da pessoa se infectar com vírus
Referências
• VIANA, L. Processo Saúde-Doença. Disponível em: https://www.unasus.unifesp.br/biblioteca_virtual/esf/1/
modulo_politico_gestor/Unidade_6.pdf. Acesso em: 22 de setembro de 2021.

• ABREU, et al. Saúde. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro092.pdf. Acesso em: 22 de


setembro de 2021.

• CRUZ, M. Concepção de saúde-doença e o cuidado em saúde. Qualificação de Gestores do sus. Disponível em:
file:///C:/Users/cassa/OneDrive/Documentos/Higiene%20e%20profilaxia/CONCEP%C3%87%C3%95ES%20DE%20
SA%C3%9ADE.pdf
. Acesso em: 29 de setembro de 2021
OBRIGADA!

Você também pode gostar