Você está na página 1de 21

Alterações do Sistema

Vestibular
Jackeline Silva do Nascimento RA:D089714 Campus: Vergueiro
Jéssica Araújo Nóbrega RA: D368FD3 Campus: Anchieta
Clínica: Anchieta
Ciclo I: Saúde Coletiva
Professora: Silvana
08/03/2021
 O aparelho vestibular é o conjunto de órgãos que detecta as sensações de
equilíbrio. É composto por um sistema de tubos e câmaras ósseas o labirinto
ósseo e, dentro deste, há um sistema de tubos e câmaras membranosas
chamado de labirinto membranoso. É composto pela cóclea, três canais
semicirculares e duas câmaras conhecidas como sáculo e utrículo. Os canais
semicirculares, bem como o sáculo e utrículo são partes integrantes do
mecanismo do equilíbrio.
Anatomia
 Orelha Externa é formada pelo pavilhao auditivo e pelo canal auditivo externo.
Todo o pavilhão auditivo (exceto o lobo ou lóbulo) é constituído por tecido
cartilaginoso recoberto por pele, tendo como função captar e canalizar os sons
para a orelha média.
O canal auditivo externo ou meato acústico externo estabelece a comunicação
entre a orelha média e o meio externo, tem cerca de três centímetros de
comprimento e está escavado no osso temporal.
O canal auditivo externo termina numa delicada membrana  firmemente fixada ao
canal auditivo externo por um anel de tecido fibroso, chamado anel timpânico.
 Orelha média começa na membrana timpânica e consiste, em sua totalidade,
de um espaço aéreo (cavidade timpânica) no osso temporal. Dentro dela estão
três ossículos articulados entre si, cujos nomes descrevem sua forma: martelo,
bigorna e estribo.  Esses ossículos encontram-se suspensos na orelha média,
através de ligamentos.
A orelha média comunica-se também com a faringe, através de um canal
denominado tuba auditiva . Esse canal permite que o ar penetre no ouvido
médio. Dessa forma, de um lado e de outro do tímpano, a pressão do ar
atmosférico é igual Quando essas pressões ficam diferentes, não ouvimos bem,
até que o equilíbrio seja reestabelecido.
 A orelha interna esta situada profundamente ao nosso osso temporal e contem
um espaço conhecido como vestíbulo. O ouvido interno é dividido em labirinto
anterior e posterior. O labirinto posterior é composto por dois sistemas de
cavidades ósseas: os canais semicirculares e o vestíbulo. Localiza-se no osso
temporal e contém em seu interior o labirinto membranoso.
Sáculo e utrículo : Nestas duas estruturas, espécie de bolsas membranosas cheias de líquido
endolinfático, encontram-se grandes máculas otolíticas que contêm células sensoriais
específicas, uma disposta no plano horizontal, situada no utrículo, e outra no plano vertical,
localizada no sáculo. Estas células sensoriais, cujos prolongamentos formam as fibras do nervo
vestibular, possuem na sua face superficial cílios muito reduzidos imersas numa massa
gelatinosa, que contém minúsculos cristais de carbonato de cálcio. O peso destes grânulos
curva os cílios das células sensoriais e, dependendo do grau de distorção, gera os estímulos
nervosos que, através dos nervos vestibular e auditivo, informam o encéfalo sobre a posição da
cabeça no espaço, mesmo com os olhos fechados. Além disso, quando se produz um
movimento linear e progressivo da cabeça, os grânulos atrasam o seu movimento e torcem os
cílios das células sensoriais na direção contrária, gerando assim uma informação sobre as
acelerações lineares da cabeça.
canais semicirculares: Os três canais semicirculares nascem e desembocam no utrículo,
têm forma de arco e cada um está disposto num dos três planos do espaço. Cada canal situa-
se num extremo de uma pequena dilatação, denominada ampola, onde existe uma crista
ampolar que contém células sensoriais. Os pequenos cílios superficiais dessas células estão
englobados numa massa gelatinosa que forma uma cúpula e que, com os movimentos da
cabeça, se desloca pela endolinfa, a qual ocupa todas estas estruturas. Desta forma, ao
efetuar um movimento angular ou de rotação da cabeça, as células sensoriais geram
estímulos nervosos, dependendo do grau de torção dos seus cílios, e enviam a informação ao
encéfalo. Visto que cada canal semicircular está situado num plano do espaço, com a
informação que recebe de todos eles, o cérebro é capaz de distinguir o sentido e a
intensidade quer dos movimentos rotativos, quer das acelerações angulares em qualquer
plano do espaço.
Principais sinais e sintomas decorrentes
das alterações do Sistema Vestibular


Tontura

Desequilíbrio

Náusea e Vomito

Ataxia

Causas:

Infecção de orelha interna

Tumores

Insuficiência Vascular

Trauma
Principais Alterações do Sistema
Vestibular
As principais alterações são:
Micro alterações estruturais que se iniciam-se por volta dos 40 e são mais
evidente após os 60 anos.
Perda seletiva da densidade de fibras de mielina, reduzem velocidade do estimulo.
Diminuição de células ciliadas nas principais estruturas do SV ( os 3 canais
semicirculares, o sáculo e utrículo)
A redução do tempo de reação e fraqueza muscular são maiores preditores de
quedas em idosos.
Quadro Clínico do Sistema Vestibular

 Principais quadro clinico: vertigem e outras tonturas, zumbido, distúrbios de


equilíbrios, perda auditiva, manifestações neurogenerativas, ansiedade,
depressão e medo( náuseas, vômitos, palidez).
 Nos pacientes idosos a diminuição dos reflexos vestíbulo ocular e vestíbulo
espinhal ocasionam dificuldade em manter a postura
 Quanto mais sintomas associados maior o comprometimento do sistema
vestibular.
Patologias do Sistema Vestibular

 As vestibulopatias com ou sem acometimento do sistema auditivo


 Neuroma e outros tumores do VIII nervo
 Doença de meniere
 Vertigem postural paroxística benigma (VPPB)
 Labirintopatias
 Trauma labiríntico ( tce por exemplo).
Principais Doenças

 Labirintite
 É uma infecção em uma estrutura delicada (o labirinto), localizada na parte mais
interna do ouvido e que controla a audição e o equilíbrio. A maior parte dos casos
são decorrentes de uma infecção viral, que faz com que o labirinto fique inflamado.
 Quando o labirinto está inflamado, a informação que ele manda ao cérebro fica
alterada, provocando tonturas ou dando uma impressão de que a pessoa está em
movimento quando está parada. Muitas vezes estas sensações causam náuseas
e vômitos. Se a parte do labirinto que comanda a audição está afetada, a audição
pode ficar transitoriamente comprometida.
Labirintopatias de origem vascular

 A causa mais comum de tontura associada à disfunção vascular é a insuficiência


vertebrobasilar, que se define por uma isquemia transitória da circulação do
território vertebrobasilar, induzida pela extensão ou rotação da cabeça,
diminuindo o fluxo nessas artérias e levando à diminuição de perfusão no
cerebelo, tronco cerebral, lobo occipital e tálamo. Clinicamente, essas
alterações se manifestam como vertigem ou tontura, nistagmo, sensorioneural,
síncope e declínio da qualidade de vida. A vertigem associada à insuficiência
vertebrobasilar é frequentemente encontrada em conjunto com outros distúrbios
neurológicos
Vertigem

O que causa uma vertigem ?


Na maioria das vezes, a vertigem é causada por doenças
relacionadas ao ouvido, chamadas de síndromes vestibulares
periféricas, ou popularmente labirintites, que incluem doenças
como veetigem posicional paroxística benigna (VPPB), neurite
vestibular, doença de Ménière e intoxicação por remédios, por
exemplo.
Vertigem postural paroxística benigma

 A VPPB é uma doença do Sistema Vestibular periférico, especificadamente, do


Labirinto e nervo vestibular, é uma vertigem posicional que ocorre quando o
indivíduo assume determinadas posições da cabeça, como hiperextensão
cervical, rotação lateral do segmento cefálico e quando o paciente se levanta
e/ou se deita na cama. Esta tontura costuma ser intensa e rápida, com duração
menor que um minuto, podendo provocar desequilíbrio e quedas4.
 Causas mais comuns: tontura, vertigem, instabilidade corporal e sintomas
neurovegetativos( vômitos, náuseas, hipersudorese).
Doença de Miniere

 A DM é caracterizada por crises vertiginosas recorrentes, com duração que


varia de 4 a 72 horas, perda auditiva, zumbido e plenitude aural6. A perturbação
da orientação espacial pode ser intensa e, geralmente, é acompanhada de
instabilidade corporal, desvio da marcha e perda do equilíbrio, além de sintomas
neurovegetativos que incluem mal-estar, sudorese, taquicardia, palidez, micção
e/ou defecação espontâneas
 
Neurite Vestibular

 Neurite vestibular é um distúrbio do sistema vestibular, a parte da orelha interna


que ajuda a controlar o equilíbrio do nosso corpo. É causada frequentemente
por um vírus que danifica o nervo vestibular, o qual envia mensagens sobre o
movimento e o equilíbrio entre a orelha interna e o cérebro. A origem do vírus
pode ser de uma infecção do sistema respiratório ou gastrointestinal.
 Neurite vestibular também pode ser causada por diminuição do fluxo sanguíneo
na orelha interna, exposição a agentes tóxicos ou substâncias alérgicas que
podem danificar o nervo vestibular.
O que acontece com o envelhecimento?

 O envelhecimento pode comprometer a habilidade do sistema nervoso central


em processar os sinais vestibulares, visuais e proprioceptivos responsáveis pela
manutenção do equilíbrio corporal, diminuindo a capacidade de modificações
dos reflexos adaptativos. Tal processo degenerativo é responsável pela
ocorrência de vertigem e/ou tontura e de desequilíbrio na população geriátrica,
sendo este um dos principais fatores que limitam a vida do indivíduo idoso.
Referências Bibliográficas

 http://www.hu.usp.br/wp-content/uploads/sites/389/2019/01/2018-21-Atua%C3%A7%C3%A3o-multidisciplinar-nas-altera%C3%A7%C3%B5es-do-
sistema-vestibular.pdf
 Meireles, A. E., Pereira, L. M. de S., Oliveira, T. G. de, Christofoletti, G., & Fonseca, A. L. (2010). Alterações neurológicas fisiológicas ao
envelhecimento afetam o sistema mantenedor do equilíbrio . Revista Neurociências, 18(1), 103-108.
 http://oldfiles.bjorl.org/conteudo/acervo/acervo.asp?id=2901
 https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4461711/mod_resource/content/1/ANA%CC%81TOMOFISIOLOGIA%20VESTIBULAR%201%20ANO
%20FONO.pdf
 https://www.metodista.br/revistas/revistas-ipa/index.php/RS/article/viewFile/96/60
  https://www.metodista.br/revistas/revistas-ipa/index.php/RS/article/viewFile/96/60
 :
https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-98232011000400008#:~:text=O%20envelhecimento%20pode%20comprometer%20
a,de%20modifica%C3%A7%C3%B5es%20dos%20reflexos%20adaptativos
.
Obrigado!!!

Você também pode gostar