Você está na página 1de 42

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Departamento de Enfermagem
Disciplina Bases da Assistência de Enfermagem

Diluição e cálculo de gotejamento

Prof.ª. Drª. Renata Fonseca


Março de 2021
Administração de medicamento
• A terapêutica medicamentosa tem sido exercida em ambientes cada vez
mais dinâmicos e muitas vezes sob condições que contribuem para a
ocorrência de erros (subdimensionamento, local inadequado, barulho).

• Estudos realizados ao longo dos últimos anos têm evidenciado a presença


de erros durante o tratamento medicamentoso.

• Os erros relacionados à utilização de medicamentos podem resultar em


sérias consequências para o individuo e sua família, gerar incapacidades,
expor o individuo a um maior número de procedimentos e medidas
terapêuticas, atrasar ou impedir que reassuma suas funções sociais, e até
mesmo a morte.
Potter, 2017
Administração de medicamento
Para preparar e administrar medicamentos, é preciso considerar 11 saberes, segundo
Figueiredo et al (2003, p.173):
1. Saber quem é o cliente;
2. Saber quais são suas condições clínicas;
3. Saber seu diagnóstico;
4. Saber qual é o medicamento;
5. Saber as vias;
6. Saber as doses;
7. Saber calcular;
8. Saber as incompatibilidades;
9. Saber sobre interações medicamentosas, ambientais, pessoais e alimentares;
10. Saber identificar sinais e sintomas de reações adversas;
11. Saber cuidar.
Administração de medicamento
• As informações sobre diluição de medicamentos no dia a dia não estão
disponíveis de forma simples e prática, é necessário protocolos de diluição
de medicamentos ou prescrições com informações adequadas.
Administração de medicamento
• Conhecer e aplicar adequadamente os fundamentos da aritmética e da matemática auxilia o
profissional de saúde na prevenção de erros relacionados ao preparo, à dosagem e ou à
administração de medicamentos.

• A dose adequada é uma das partes mais delicadas da administração de medicamentos e


envolve responsabilidade, perícia e competência técnico-­científica. Logo, é necessário
entender alguns conceitos:
­Dose:​quantidade de medicamento introduzido no organismo a fim de produzir efeito
terapêutico.
Dose máxima​: maior quantidade de medicamento capaz de produzir ação terapêutica sem ser
acompanhada de sintomas tóxicos.
Dose tóxica​: quantidade que ultrapassa a dose máxima e pode causar consequências graves; a
morte é evitada se a pessoa for socorrida a tempo.
­​Dose letal​: quantidade de medicamento que causa morte.
­Dose de manutenção:​quantidade que mantém o nível de concentração do medicamento no
sangue.
Administração de medicamento
SOLUÇÕES COM PROPRIEDADES OSMÓTICAS

• Osmolaridade = concentração de uma substância/1 litro de solução;


São definidas a partir da osmolaridade do sangue que é de 280 a 295 mOsm/l.

• Podem ser:
Soluções Isotônicas: possuem osmolaridade muito semelhante a do sangue. Ex: SG
5%, SF 0,9% e Ringer Lactato.
Soluções Hipertônicas: possui osmolaridade maior que a do sangue, promovem
retirada do líquido das células para dentro das veias; Ex: SG 10% ou 20%, glicose 50%
e albumina 25%.
Soluções Hipotônicas: possui osmolaridade menor que a do sangue, deslocam líquido
para fora do compartimento intravascular. Ex: água destilada, glicose a 2,5% e cloreto
de sódio a 0,45%
Conhecendo as medidas...

• O sistema métrico decimal é de muita importância para cálculo e preparo de drogas e


soluções.

• A unidade de medida prescrita deve ser equivalente à unidade de medida à disposição


no mercado. Caso não seja equivalente, é obrigatório efetuar a equivalência antes
mesmo do cálculo de dosagem para preparo.

• Exemplo: tudo deve estar em grama ou em miligrama, pois não se trabalha com duas
grandezas deferentes.
Conhecendo as medidas...
A apresentação​de determinadas medicações são expressas em
unidades de medidas, como:
Apresentação:

=> PORCENTAGEM ( % )
=> MILILITROS ( ML )
=> MILIGRAMA ( MG )
=> GRAMA ( G );

Existe outros parâmetros, porém estes são os mais comuns


empregados no exercício de enfermagem.
Conhecendo as medidas...
Equivalências mais utilizadas na enfermagem

Unidade BÁSICA de Peso


=> KG ( QUILOGRAMA )
=> G ( GRAMA )
=> MG ( MILIGRAMA )
=> MCG ( MICROGRAMA)

Equivalência de peso
1 KG = 1.000 g (um quilo é igual a mil gramas)
1 kg = 1.000.000 mg (um quilo é igual a um milhão de miligramas)
1G = 1000 mg (um grama é igual a mil miligramas)
1MG = 1000 mcg (um miligrama é igual 1000 microgramas)
Conhecendo as medidas...
Equivalências mais utilizadas na enfermagem

Unidade BÁSICA de Volume:


=> L ( LITRO )
=> ML ( MILILITRO)

Equivalência de volume:
1 LITRO = 1.000 ML (um litro é igual a mil mililitros (ml))

Exemplos:
A) 5g = 5.000 mg
B) 1,5L = 1.500 ml
c) 1.500mg = 1,5g
d) 200 ml = 0,2 l
E) 5.000 ml = 5 l
Conhecendo as medidas...
Fórmulas mais utilizadas pela enfermagem no cálculo de medicamentos

PORCENTAGEM​
É outra forma de expressar concentração. O termo por cento (%) significa centésimo. Um
percentual é uma fração cujo numerador é expresso e o denominador que não aparece é sempre
100, ou seja, o numero que vem antes do % indica quantas partes de soluto existe em 100 partes
da solução.
Exemplo: 5% indica que temos 5g de soluto em 100 ml de solvente, se temos um soro glicosado a
5% então temos 5 gramas de glicose em cada 100 ml desse soro.
Conhecendo as medidas...
REGRA DE TRÊS
​Relação entre grandezas proporcionais em que são conhecidos três termos e quer se determinar
o quarto termo. É o cálculo mais usado para transformação de soro e diluição de medicamento.
Realizando os cálculos: transformando soluções
Exemplo 1: O hospital possui na farmácia o medicamento Stone na apresentação uma
ampola do medicamento com 10ml a 50%. Está prescrito 1 grama de Stone EV, quantos ml
deveremos fazer?

100 ml ------- 50 g
x ml ------- 01 g
ml= 100 x 1 / 50
ml = 2 ml

Devo administrar 2ml do Stone


Realizando os cálculos: transformando soluções
Exemplo 2: Temos na farmácia 500 ml de soro glicosado 5 % e a prescrição foi de 500 ml
de soro glicosado a 10% . Como fazer?

Primeiro passo – ​Verifica ­se quanto de glicose há no frasco a 5 %.


100 ml – 5 g
500 ml – x
x = 500 x 5 / 100 = 25g de glicose

Segundo passo – ​Verifica­r o quanto foi prescrito, isto é, quanto contem um frasco a 10%
100ml – 10g
500 ml – x
X = 500 x 10 / 100 = 50g de glicose

Temos 25g e a prescrição foi de 50g; portanto, faltam 25g.


Realizando os cálculos: transformando soluções
Exemplo 2: Temos na farmácia 500 ml de soro glicosado 5 % e a prescrição foi de 500 ml
de soro glicosado a 10% . Como fazer?

Terceiro passo – ​​Encontra­- se a diferença procurando supri- ­la usando ampolas de


glicose hipertônica. No hospital temos ampola de glicose de 20 ml a 50%
100 ml – 50g
20 ml – x
X = 20 x 50 / 100 = 10g

Cada ampola de 20 ml a 50 % contem 10g de glicose.

Será colocado então, 50 ml de glicose a 50%, ou seja, 2 + ½ ampolas de 20 ml no frasco de


500ml a 5%. Ficaremos com 550 ml de soro glicosado
Realizando os cálculos: transformando soluções
Exemplo 3:
Realizando os cálculos: transformando soluções
2 g ------- 10 ml
0,9 g ------- 100 ml
1,5g ------- xml
X g ------- 165 ml
X ml= 1,5 x 10 / 2
Xg= 165 x 0,9 / 100
ml = 7,5 ml
g = 1,48 arredondei para 1,5 g
Realizando os cálculos: cálculo de medicamentos
Exemplo 1: Temos na farmácia Gentamicina 80 mg em ampolas de 2 ml. Foi prescrito 60
mg, quanto administrar?

2 ml – 80 mg Devo administrar 1,5 ml de gentamicina


X – 60 mg
X = 1,5 ml

Exemplo 2: Determinar quantos mg há por ml na medicação


• Frasco-ampola de Keflin de 1g ( Cefalotina Sódica). Pelo protocolo, deve-se diluir em 5
ml de água bidestilada (ABD).
Realizando os cálculos: cálculo de medicamentos/determinando nº de
comprimidos
Exemplo 3: Determinar quantos mg há por ml na medicação
• Frasco-ampola de Ampicilina de 500 mg. Pelo protocolo, deve-se diluir em 5 ml de água
bidestilada (ABD).

Exemplo 4: Determinar quantidade de comprimidos VO


• Foi prescrito 1g de cloranfenicol VO. Quantos comprimidos de 250mg devo administrar?
Realizando os cálculos: diluindo medicamentos específicos
PENICILINA CRISTALINA
• Antibiótico de largo espectro largamente utilizado em unidades hospitalares tem frasco-ampola
em apresentações mais comuns com 5.000.000 UI e 10.000.000 UI.
• Diferente da maioria das medicações, no solvente da penicilina cristalina, deve-se considerar o
volume do soluto, que no frasco-ampola de 5.000.000 UI equivale a 2 ml e no frasco de
10.000.000 UI equivale a 4 ml.
• Quando coloca-se 8ml de Água Destilada em 1 Frasco-Ampola de 5.000.000 UI, obtém se como
resultado uma solução contendo 10ml.
Quando coloca-se 6 ml de Água Destilada em 1 Frasco-Ampola de 10.000.000 UI, obtém se como
resultado uma solução contendo 10ml.
Realizando os cálculos: diluindo medicamentos específicos

PENICILINA CRISTALINA
Realizando os cálculos: diluindo medicamentos específicos
INSULINA
Temos insulina, frasco de 05 ml que
contem 5000 UI. Quantos ml vou
administrar se a prescrição é de 80U ?

5000 UI ------- 5 ml
X UI --------- 1 ml
ml= 5000 x 1 / 5
ml = 1000 UI

1000 UI ------- 1 ml
80 UI ---------x ml
ml= 80 x 1 / 1000
ml = 0,08 ml
Realizando os cálculos: diluindo medicamentos específicos
INSULINA
Realizando os cálculos: rediluindo
• Se diluir (reconstituir) uma solução significa dissolver (Pasquale, 2009); adiciona-se a ela
solvente não alterando a massa do soluto. Então o que é rediluição ?

• É diluir mais ainda o medicamento, aumentando o volume do solvente (Água Destilada,


SF, SG ou diluente para injeção), com o objetivo de obter dosagens pequenas, ou seja
concentrações menores de soluto, porém com um volume que possa ser trabalhado
(aspirado) com segurança.

• Utiliza-se a rediluição quando se necessita de doses bem pequenas, como as utilizadas


em: neonatologia, pediatria e algumas clínicas especializadas.
Realizando os cálculos: rediluindo
• Foi prescrito Aminofilina 3 mg IV, tem-se na unidade, ampolas de 240mg/10 ml
liofilizada.
Como proceder?
Realizando os cálculos: rediluindo
Cálculo de gotejamento

Outras equivalências utilizadas na enfermagem

• 1 gota = 3 microgotas
• 1 ml = 20 gotas = 60 microgotas
• 1 microgota/minuto = 1 ml/hora
• 1 horas equivale a 60 minutos
cálculo de gotejamento
cálculo de gotejamento
Diluição e cálculo de gotejamento: vamos treinar???
1. Para administrar 2500 ml de soro glicosado (SG) a 5% em 24 horas, o cálculo em gotas por
minuto deverá ser de:
A.) 15 gts/min.
B.) 27 gts/min.
C.) 30 gts/min.
D.) 35 gts/min.
E.) 50 gts/min.

2. Para se administrar 500 ml de soro fisiológico (SF) a 0,9% no período de 8 horas às 20 horas,
deve-se planejar um gotejamento, em gotas/min. Igual a:
A.) 2 gts/min.
B.) 8 gts/min.
C.) 14 gts/min.
D.) 20 gts/min.
E.) 27 gts/min.
Diluição e cálculo de gotejamento: vamos treinar???

3. O médico prescreveu 1500 ml de soro fisiológico (SF) a 0,9%, 500 ml de soro glicosado (SG) a
5% para o cliente, que deverão ser infundidos em 1200 minutos, o número de gotas que
deve fluir por minuto é de:
A.) 25 gts/min.
B.) 28 gts/min.
C.) 31 gts/min.
D.) 33 gts/min.
E.) 35 gts/min.
4. O cálculo em gotejamento necessário para se infundir 1 litro de uma solução parenteral
durante 8 horas, em gotas por minuto e em microgotas por minuto no mesmo volume horário, é:
A.) 21 gts/min. - 105 mgts/min.
B.) 42 gts/min. – 125 mgts/min.
C.) 32 gts/min. – 89 mgts/min.
D.) 40 gts/min. – 155 mgts/min.
E.) NDA
Referências
POTTER, P. A.; PERRY, A. G. Fundamentos de enfermagem. 9 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

BARROS, A. L. B. L.; LOPES, J. L.; MORAIS, S. C. R. V. Procedimentos de Enfermagem para a prática clínica. Porto Alegre:
Artmed, 2019.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Medidas de Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à
Saúde. Brasília: Anvisa, 2017.

Referência complementar

CARVALHO, V.T.; CASSIANI, SHB; CHIERICATO, C. Erros mais comuns e fatores de risco na administração de
medicamentos em unidades básicas de saúde. Rev.latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 7, n. 5, p. 67-75,2009.
FIGUEIREDO, N. M. A. (organizadora). Administração de medicamentos: revisando uma prática de enfermagem. São
Paulo: Yendis, 2006.
FAKIH, F. T. Manual de diluição e administração de medicamentos injetáveis. Rio de Janeiro: Reichamann & Affonso
Ed., 2000.
MOZACHI, N.; SOUZA, V. H. S.; MARTINS, N.; NISHIMURAi, S. E. F.; AMÉRICO, K. C. Administração de medicamentos. In:
SOUZA, V. H. S. e MOZACHI, N. O hospital: manual do ambiente hospitalar. 8 ed. Manual Real: Curitiba,
2007. cap
41

Você também pode gostar