Você está na página 1de 40

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Departamento de Enfermagem
Disciplina Bases da Assistência de Enfermagem

Preparo e administração de medicamentos


por via endovenosa

Prof.ª. Drª. Renata Fonseca


Março de 2021
Preparo e administração de medicamentos por via endovenosa:
definições

 Preparo de medicamentos: Consiste na técnica de manipulação dos


medicamentos para administrar ao paciente, de acordo com a prescrição e a
dispensação.

 Administração de medicamentos: consiste na aplicação do medicamento ao


paciente.

Sistema de medicação é complexo, envolve diferentes


profissionais e podem ocorrer em qualquer etapa da
cadeia medicamentosa (prescrição, dispensação,
preparo e administração).
Preparo e administração de medicamentos por via endovenosa: erro de
medicação
Preparo e administração de medicamentos por via endovenosa:
analise da prescrição

Fonte: Anvisa,2013
 Proibido prescrições verbais;

 Art. 78 Administrar medicamentos sem conhecer indicação, ação da droga, via de administração e
potenciais riscos, respeitados os graus de formação do profissional.
 Art. 79 Prescrever medicamentos que não estejam estabelecidos em programas de saúde pública
e/ou em rotina aprovada em instituição de saúde, exceto em situações de emergência.
(COFEN, 2017)
Preparo e administração de medicamentos por via endovenosa:
analise da prescrição
Preparo e administração de medicamentos por via endovenosa:
RECONHECENDO OS MATERIAS

ampolas

Bolsa de sistema
fechado
Bolsa de sistema
aberto

Diluente: ABD
Frasco-ampola
Preparo e administração de medicamentos por via endovenosa:
RECONHECENDO OS MATERIAS
Preparo e administração de medicamentos por via
endovenosa: RECONHECENDO OS MATERIAS

Equipo para bomba de infusão

Equipo tipo bureta


Injetor lateral
Preparo e administração de medicamentos por via endovenosa:
RECONHECENDO OS MATERIAS

Algodão embebido
em álcool

Bandeja desinfetada Caixa


Etiqueta de identificação
perfurocortantes

Luvas de procedimento na
administração
Quais materiais vou utilizar? Vai depender do tipo de infusão....

Bólus: tempo de Infusão lenta: tempo de


infusão menor que 1 infusão entre 30 e 60
minuto minutos
Infusão contínua:
tempo de infusão > 60
Infusão intermitente:
Infusão rápida: minutos
infusão não contínua.
tempo de infusão de Ex: 6/6 hrs, 8/8 hrs,
1 a 30 minutos 12/12 hrs
Preparando o medicamento...
Para o preparo de medicamento endovenoso, todas as etapas a seguir devem ser
adotadas para se garantir administração segura:

• Leia atentamente a prescrição médica e verifique os medicamentos que devem ser


administrados via intravenosa;
• Verifique se há informações sobre alergias do paciente aos medicamentos prescritos;
• Faça a etiqueta de identificação contendo as informações do medicamento (nome, dosagem,
horário e via de administração - EV) e do paciente (nome completo e leito);
• Faça a desinfecção da bandeja com álcool a 70%;
• Higienize as mãos;
• Separe o medicamento e confira o nome, a apresentação, a dose necessária (contidos na
prescrição médica) e o prazo de validade;
• Cole a etiqueta de identificação no medicamento correspondente;
• Faça um ponto com caneta ao lado do horário aprazado correspondente (na prescrição médica),
para indicar a realização do preparo do medicamento;
• Reúna todo o material em uma bandeja.
• Prepare o medicamento
Preparando a partir de frascos e ampolas
Preparação da ampola

• Percuta o ápice da ampola de maneira suave e rápida até que o líquido saia do colo da
ampola;
• Realize a desinfecção do colo da ampola com algodão ou gaze embebida em álcool a 70%;
• Quebre o colo da ampola com rapidez e firmeza no sentido para longe das mãos;
• Abra a embalagem da seringa (teste-a) e remova a capa da agulha;
• Segure a ampola de cabeça para baixo. Não permita que a extremidade ou da agulha
toquem na borda da ampola;
• Aspire rapidamente o medicamento, usando agulha de tamanho suficiente para atingir o
fundo da ampola;
• Mantenha a extremidade da agulha (bisel) sob a superfície do líquido. A medida que ocorre
a aspiração, incline a ampola para deixar todo o líquido ao alcance da agulha; Controverso na
• Retire o ar com a agulha apontando para cima (não retire dentro da ampola); literatura
• Retire qualquer ar remanescente puxando o êmbolo ligeiramente para trás, empurre-o
delicadamente para retirada do ar
Preparando a partir de frascos e ampolas
Preparação da ampola

• Desconecte a agulha e descarte-a em recipiente adequado para perfurocortantes;


• Conecte a agulha de 25 mm × 0,8 mm na seringa;
• Transfira a etiqueta de identificação para a seringa que contém o medicamento
correspondente;
• Proteja a seringa na embalagem original até o momento da administração;
• Coloque o medicamento preparado na bandeja;
Leve a prescrição médica e a bandeja para o quarto do paciente e coloque-a na mesa
auxiliar previamente limpa.
Se solução em frasco ampola com necessidade de diluição:
• Aspire o conteúdo do frasco ampola (o volume correspondente
à dose prescrita)
• Faça a diluição do medicamento, utilizando o diluente e o
volume adequados (conforme prescrição médica e/ou indicação
do fabricante e/ou manual institucional)
https://www.youtube.com/watch?v=y0OsOhpSPHc

Atenção na aula anterior, já discutimos os “erros” de cada


vídeo utilizado pois não encontrei vídeos perfeitos.
Preparando a partir de frascos e ampolas
Preparação do frasco ampola

• Remova a cobertura da capa do frasco do medicamento para expor a vedação de


borracha estéril, mantendo a esterilização desta vedação. Atenção frasco de multidose:
realize a desinfecção com algodão embebido em álcool a 70% e deixe secar;
• Pegue a seringa, remova a capa da agulha e puxe o embolo para trás para aspirar a
quantidade de ar para dentro da seringa, igual ao volume do medicamento a ser
aspirado do frasco;
• Com o frasco sobre uma superfície plana, introduza a extremidade da agulha (bisel) no
centro da vedação de borracha e, posteriormente, insira o corpo da agulha.
• Injetar o ar dentro do espaço aéreo do frasco segurando o êmbolo. Segure o êmbolo
com pressão firme, pois a pressão do ar dentro do frasco por vezes força o êmbolo para
trás;
• Inverta o frasco enquanto mantém a pegada firme na seringa e no êmbolo;
Preparando a partir de frascos e ampolas
Preparação do frasco ampola

• Segure o frasco entre o polegar e o indicador da mão não dominante. Segure a


extremidade da seringa e o êmbolo com o polegar e o indicador da mão dominante para
contrapor à pressão no frasco;
• Mantenha o bisel abaixo do nível do líquido;
• Permita que a pressão do ar a partir do frasco encha a seringa gradualmente com o
medicamento. Quando necessário (pressão fraca), puxe ligeiramente para trás o êmbolo
para obter a quantidade correta da solução.
• Retire o ar, posicionando a agulha dentro do espaço aéreo do frasco, percuta
cuidadosamente a parte lateral do cilindro da seringa para desalojar qualquer bolha de
ar. Ejete qualquer ar remanescente no ápice da seringa para dentro do frasco;
• Remova a agulha do frasco;
• Segue a seringa a nível do olho em um ângulo de 90º para garantir o volume correto;
• Retire qualquer ar remanescente puxando o êmbolo ligeiramente para trás, empurre-o
delicadamente para retirada do ar;
Preparando a partir de frascos e ampolas
Preparando a partir de frascos e ampolas

Preparação do frasco ampola medicamentos liofilizados

• Remova a cobertura da capa do frasco do medicamento em pó (liofilizado) e a cobertura


da capa do diluente apropriado (o diluente também pode ser em ampola). Realize a
desinfecção de ambos com algodão embebido em álcool a 70% e deixe secar. (atenção
frasco de multidose!);
• Aspire o diluente pra a seringa e introduza a agulha no frasco, conforme passos
descritos anteriormente;
• Injete o diluente no frasco. Remova a agulha e seringa e a proteja;
• Misture o medicamento por completo. Role entre as palmas das mãos ou em
movimentos circulares. Nunca agite!
• O medicamento totalmente reconstituído no frasco está pronto para aspirado para
seringa. Leia cuidadosamente o rótulo para determinar a dose após reconstituição.
• Aspire o medicamento para dentro da seringa, seguindo os passos anteriores.
Preparando a partir de frascos e ampolas
Preparando a partir de frascos e ampolas
Preparação do frasco ampola

• Desconecte a agulha e descarte-a em recipiente adequado para perfurocortantes;


• Conecte a agulha de 25 mm × 0,8 mm na seringa;
• Transfira a etiqueta de identificação para a seringa que contém o medicamento
correspondente;
• Proteja a seringa na embalagem original até o momento da administração;
• Coloque o medicamento preparado na bandeja;
Leve a prescrição médica e a bandeja para o quarto do paciente e coloque-a na mesa
auxiliar previamente limpa.
Se solução em frasco ampola com necessidade de diluição:
• Aspire o conteúdo do frasco ampola (o volume correspondente
à dose prescrita)
• Faça a diluição do medicamento, utilizando o diluente e o
volume adequados (conforme prescrição médica e/ou indicação
do fabricante e/ou manual institucional)
Administrando medicamentos em bólus ou infusão
rápida

Conector de sistema fechado

Discofix ou treeway
Extensor

https://www.youtube.com/watch?v=9DJkzvmvmMQ
Administrando medicamentos em bólus ou infusão
rápida
Para a administração de medicamento endovenoso, todas as etapas a seguir devem
ser adotadas para se garantir administração segura:
• Higienize as mãos;
• Confira o nome do paciente (comparado a prescrição médica, a etiqueta de identificação do
medicamento e a pulseira de identificação do paciente);
• Apresente-se ao paciente, pergunte seu nome completo e oriente-o sobre o medicamento que
será administrado (nome do medicamento, indicação, via de administração e possíveis reações
adversas);
• Verifique se o paciente está portando a pulseira de alerta de alergia (se positivo, verifique se a
alergia corresponde ao medicamento a ser administrado e, nesse caso, não administre-o e
comunique ao enfermeiro e ao médico);
• Coloque o paciente na posição mais adequada ao procedimento;
• Exponha a região de aplicação (com o dispositivo venoso ou injetor lateral);
• Observe a integridade da pele e as condições do dispositivo venoso;
• Realize a fricção antisséptica das mãos com álcool a 70%;
• Calce as luvas de procedimento;
• Realiza, no mínimo, as 5 certezas da segurança medicamentosa;
Administrando medicamentos em bólus ou infusão
rápida
Para a administração de medicamento endovenoso, todas as etapas a seguir devem
ser adotadas para se garantir administração segura:

1. Paciente certo
2. Medicamento certo
3. Via certa
4. Hora certa
5. Dose certa
6. Registro certo da administração 
7. Orientação correta
8. Forma certa
9. Resposta certa
Administrando medicamentos em bólus ou infusão
rápida
Bólus em tree way ou extensor

• Selecione a porta de injeção do medicamento mais próxima do paciente (dar preferência para
porta de injeção sem agulha);
• Remova a tampa da torneira de três vias ou do cateter e descarte-a (via fechada);
• Limpe a conexão do dispositivo de acesso venoso com gaze estéril embebida em álcool a 70%.
Permita que seque;
• Prepare a seringa com SF 0,9% para flushing (volume mínimo equivalente a duas vezes o lúmen
interno do cateter mais a extensão) (realidade: já está preparada);
• Abre a via, realize aspiração e o flushing para verificar o retorno de sangue antes de cada infusão
para garantir o funcionamento do cateter e prevenir complicações, feche a via;
• Remova a seringa de solução fisiológica;
• Limpe a conexão do dispositivo de acesso venoso com gaze estéril embebida em álcool a 70%.
Permita que seque;
• Introduza a seringa contendo o medicamento preparado e abra a via;
• Injete o medicamento no intervalo de tempo recomendado (use o relógio!)
Administrando medicamentos em bólus ou infusão
rápida
Bólus em tree way ou extensor

• Depois de administrar o medicamento em bólus, feche a via e retire a seringa;


• Limpe a conexão do dispositivo de acesso venoso com gaze estéril embebida em álcool a
70%. Permita que seque;
• Introduza a seringa com SF 0,9%, abra a via e realize o flushing;
• Feche a via. Conecte nova tampa estéril;
• Descarte os resíduos em recipientes corretos de acordo com o PGRSS;
• Remova e descarte as luvas. Higienize as mãos;
• Checar o medicamento administrado e realizar a anotação de enfermagem;
• Acompanhar ação e possíveis reações ao medicamento.
Administrando medicamentos em bólus ou infusão
rápida
Administrando medicamentos em bólus ou infusão
rápida
Bólus no injetor lateral do equipo

• Selecione o injetor lateral do equipo que contenha líquido compatível com o


medicamento;
• Limpe a conexão do dispositivo de acesso venoso com gaze estéril embebida em álcool a
70%. Permita que seque;
• Introduza a agulha da seringa contendo o medicamento preparado;
• Oclua o tubo flexível do equipo ao pinça-lo exatamente acima da porta de injeção. Puxe
gentilmente para trás o êmbolo da seringa para aspirar o retorno venoso do sangue;
• Libere o equipo e injete o medicamento dentro do intervalo de tempo prescrito. Você
também pode pinçar o tubo flexível do equipo enquanto injeta o medicamento e liberar
quando não está injetando.
• Após injetar todo o medicamento, retire a seringa e torne a verificar a velocidade de
infusão.
Administrando medicamentos em bólus ou infusão
rápida
Administrando medicamentos em bolsas de sistema
fechado (infusão lenta, intermitente ou contínua)
Administrando medicamentos em bolsas de sistema
fechado (infusão lenta, intermitente ou contínua)
Medicamento pronto do fabricante/medicamento diluído/esquema de soro

• Conecte o equipo de infusão à bolsa do medicamento. Faça o nível apertando de duas a três
vezes a câmara flexível do equipo (não enche-a completamente);
• Afrouxe ou retire a tampa do equipe (cuidado com a contaminação do sistema!)
• Abra cuidadosamente o “clamp” (pinça rolete), regulando a velocidade e permita que a solução
preencha todo o equipe (retirando todo o ar);
• Quando o tubo estiver completamente preenchido, feche o “clamp” e coloque a tampa na
extremidade do equipo;
• Pendure a bola de infusão no suporte de medicamentos;
• Siga os passos anteriores para realizar a aspiração e flushing do cateter;
• Retire a tampa do equipo e introduza a extremidade do equipo de infusão na porta do acesso
escolhido;
• Regule a velocidade do fluxo da solução medicamentosa ajustando o “clamp” ou a velocidade da
bomba de infusão.
• Após a infusão do medicamento, siga os passos anteriores para o flushing do cateter.
Administrando medicamentos em bolsas de sistema
fechado (infusão lenta, intermitente ou contínua)

https://www.youtube.com/watch?v=koFjm7Xc2TE

https://www.youtube.com/watch?v=KiRE_hLr48o&t=271s
Recomendação da Anvisa para o tempo de troca dos
equipos
• A troca dos equipos e dispositivos complementares é baseada em alguns fatores, como tipo
de solução utilizada, frequência da infusão (contínuo ou intermitente), suspeita de
contaminação ou quando a integridade do produto ou do sistema estiver comprometida.
• Os equipos e dispositivos complementares devem ser trocados sempre nas trocas dos
cateteres venosos (periférico ou centrais).
• Os equipos e dispositivos complementares devem ser do tipo luer lock, para garantir injeção
segurar e evitar desconexões.
• Proteja a ponta do equipo de forma asséptica com uma capa protetora estéril, de uso único,
caso haja necessidade de desconexão. Não utilize agulhas para proteção.
• Trocar equipos de administração intermitente a cada 24 horas.
• Trocar o equipo e dispositivo complementar de nutrição parenteral e hemocomponente a
cada bolsa.
• Trocar equipos de sistema fechado de monitorização hemodinâmica e pressão arterial
invasiva a cada 96 horas .
• Trocar o equipo e dispositivo complementar de infusões lipídicas e propofol a cada 12
horas.
Infusão subcutânea contínua (hipodermóclise)
• É definida como a infusão de fluidos
no tecido subcutâneo.
• O mecanismo da hipodermóclise
consiste na administração lenta de
soluções no espaço subcutâneo,
sendo o fluido transferido para a
circulação sanguínea por ação
combinada entre difusão de fluidos
e perfusão tecidual.
Infusão subcutânea contínua (hipodermóclise)

• Realizar o procedimento com técnica asséptica.


• Escolher o sítio de inserção para acesso subcutâneo de modo a incluir áreas com pele
intacta que não estão perto de articulações e têm tecido subcutâneo adequado, tais como:
parte superior do braço, parede torácica subclavicular, abdômen (pelo menos 5
centímetros distantes do umbigo), parte superior das costas, coxas e/ou recomendado
pelo fabricante do medicamento. Evitar áreas com crostas, infectadas ou inflamadas.
• Realizar a antissepsia da pele com solução alcóolica de gluconato de clorexidina ou PVPI
ou álcool 70%.
• Utilizar cobertura transparente semipermeável estéril sobre o local do sítio de acesso
subcutâneo para permitir a observação contínua e avaliação. Alterar a cobertura
transparente a cada troca de sítio, mas imediatamente se a integridade do curativo estiver
comprometida.
Infusão subcutânea contínua (hipodermóclise)
• Utilizar um dispositivo de infusão de pequeno calibre (24 a 27) para estabelecer o acesso
subcutâneo.
• Dispositivo com asas e cânula metálica (escalpe) não é recomendado.
• Trocar o local do acesso subcutâneo utilizado para administração de medicamentos a
cada 7 dias e quando clinicamente indicado com base nos resultados da avaliação do sítio
de inserção.
• Trocar o local do acesso subcutâneo utilizado para soluções de hidratação a cada 24-48
horas ou depois da infusão de 1,5 a 2 litros e conforme clinicamente indicado com base
nos resultados da avaliação do sítio de inserção.
• Avaliar o sítio do acesso subcutâneo e trocar o local quando há eritema, edema,
vazamento, sangramento, hematoma, queimadura, abscesso ou dor.

https://www.youtube.com/watch?v=D12ScLD2nxk https://www.youtube.com/watch?v=XOkW4H7kwzM
Referências
POTTER, P. A.; PERRY, A. G. Fundamentos de enfermagem. 9 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

BARROS, A. L. B. L.; LOPES, J. L.; MORAIS, S. C. R. V. Procedimentos de Enfermagem para a prática clínica. Porto Alegre:
Artmed, 2019.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Medidas de Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à
Saúde. Brasília: Anvisa, 2017.

Referência complementar

CARVALHO, V.T.; CASSIANI, SHB; CHIERICATO, C. Erros mais comuns e fatores de risco na administração de
medicamentos em unidades básicas de saúde. Rev.latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 7, n. 5, p. 67-75,2009.
FIGUEIREDO, N. M. A. (organizadora). Administração de medicamentos: revisando uma prática de enfermagem. São
Paulo: Yendis, 2006.
FAKIH, F. T. Manual de diluição e administração de medicamentos injetáveis. Rio de Janeiro: Reichamann & Affonso
Ed., 2000.
MOZACHI, N.; SOUZA, V. H. S.; MARTINS, N.; NISHIMURAi, S. E. F.; AMÉRICO, K. C. Administração de medicamentos. In:
SOUZA, V. H. S. e MOZACHI, N. O hospital: manual do ambiente hospitalar. 8 ed. Manual Real: Curitiba,
2007. cap
39

Você também pode gostar