Você está na página 1de 17

MECÂNICA DOS FLUIDOS II

◆ Matéria:
– Escoamentos laminares e turbulentos: filmes
– Campo médio e flutuação turbulenta
– Difusão molecular e difusão turbulenta;
– Distribuição de tensão de corte num escoamento turbulento
num tubo.
◆ Bibliografia:
– Sabersky – Fluid Flow: 7.1, 7.2;
– White – Fluid Mechanics: 6.1.

2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST


MECÂNICA DOS FLUIDOS II

◆ Filmes: sequências do mfm


– Boundary Layers/Instability, Transition and Trubulence:
» Instability and transition in pipe and duct flows;
» Turbulent mixing and diffusion;
– Kinematics/Timelines/Timelines in turbulent flows

◆ e filme 135

2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST


MECÂNICA DOS FLUIDOS II

◆ Escoamento laminar:
– Estacionário no sentido restrito (não há flutuações de
velocidade ou de pressão, p. ex.);
– Difusão apenas molecular;
– O escoamento desenvolve-se “em lâminas”.

y
u = U max
h

2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST


MECÂNICA DOS FLUIDOS II
◆ Escoamento turbulento:
– Não-estacionário (há flutuações aleatórias de velocidade,
pressão, etc. em torno do valor médio);

u′
velocidade

u u ( t ) = u + u ′( t )

tempo

2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST


MECÂNICA DOS FLUIDOS II
◆ Escoamento turbulento:
– A turbulência é tridimensional e aleatória;
– Origem da turbulência: forças de inércia excessivas geram
instabilidades não amortecidas pela difusão molecular que
crescem e tomam a forma de vórtices turbulentos.
– Ocorre para números de Reynolds elevados:

Re = forças inércias
forças viscosas

2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST


MECÂNICA DOS FLUIDOS II
◆ Escoamento turbulento:
– Vórtices turbulentos sobrepõem-se ao escoamento médio;
– Os períodos de oscilação das flutuações estão relacionados
com a dimensão dos vórtices através de ∆t = l u
– Difusão turbulenta (normalmente dominante) com grande
capacidade de mistura, induzida pelos vórtices de maior
dimensão;
– A dissipação de energia está associada aos vórtices de
menor dimensão.

2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST


MECÂNICA DOS FLUIDOS II
Perfis de velocidade num tubo
Laminar Turbulento
1,2
1

0,8
u(r)/Umax

0,6

0,4
0,2
 ∂u 
  r1    
0 2

u ( rr/R) = U max 1 −     ∂r  r = R
0 0,25 0,5 0,75

  R  

τ 0 lam < τ 0 turb


2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST
MECÂNICA DOS FLUIDOS II
◆ Distribuição da tensão de corte (laminar ou turbulento):
r0 τ
r l
p+∆ p
p
τ

∂u ( r ) ∂p
- Escoamento completamente desenvolvido: =0 =0
∂x ∂r
- Balanço de quantidade de movimento axial:
∆p 2 τ r
∆pπr = −2πrlτ
2
− = τ = const. =
l r τ 0 r0
2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST
Variação linear
MECÂNICA DOS FLUIDOS II
2
◆ Queda de pressão: − ∆p = τ 0l
r0
◆ Factor de atrito: 4τ 0
f =1
2
ρ V 2

◆ Diagrama de Moody: 64
(Laminar)
Redução de f com Re Ln f Re
Aumento de f com a Turbulento
passagem a turbulento
2100 Ln Re
2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST
MECÂNICA DOS FLUIDOS II
◆ Difusão turbulenta transversal de quantidade de
movimento longitudinal:
– Elementos centrais cedem quantidade de movimento
longitudinal aos periféricos
Devido a trocas constantes de massas de fluido que viajam a
velocidades diferentes promovidas por vórtices turbulentos

2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST


MECÂNICA DOS FLUIDOS II
du du
◆ Tensão de corte total: τ =µ + µT
dy dy
Viscosidade turbulenta
Viscosidade molecular (Eddy viscosity)
Depende apenas do fluido Depende do escoamento

Junto à parede:
µT ⇒ 0 Dimensão e intensidade dos vórtices limitadas
pela presença da parede
µ Não é alterado => a amplitude do
movimento das moléculas não é afectada
pela parede
2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST
MECÂNICA DOS FLUIDOS II
du du
◆ Tensão de corte total: τ =µ + µT
dy dy
Viscosidade molecular Viscosidade turbulenta

Junto à parede:
µT ⇒ 0 Dimensão e intensidade dos vórtices limitadas
pela presença da parede
µ Não é alterado => a amplitude do
movimento das moléculas não é afectada
pela parede
Existe sempre uma SUB-CAMADA LAMINAR (viscous layer)
junto à parede: µ não alterado edu dy intenso.
2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST
MECÂNICA DOS FLUIDOS II
◆ Regiões num tubo:
• Sub-camada laminar junto à parede (sem turbulência);
• Região central: turbulência dominante (difusão/tensão
viscosa desprezável), turbulência isotrópica, flutuações
não-correlacionadas;
• Região intermédia (transition region ou buffer layer):
difusão molecular e turbulenta igualmente importantes,
turbulência anisotrópica, flutuações correlacionadas.

Filme 02 e sequência Fully Turbulent Duct Flow

2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST


MECÂNICA DOS FLUIDOS II
◆ Tubos (superfícies) hidraulicamente lisos:
• Rugosidade do tubo inferior à espessura da sub-camada
laminar – o escoamento comporta-se como num tubo liso.

2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST


MECÂNICA DOS FLUIDOS II
Fluid Flow 7.24
1/ 7
u  r0 − r 
Para Re<10 num tubo de secção circular
5
=  
u max  r0 
ρ =1,2 kg/m3, µ = 1,8 x 10-5 Pa.s
tubo hidraulicamente liso
d = 0,15 m de diâmetro, V = 8 m/s.

a) Determine a tensão de corte deste escoamento em r/r0=0,95.


b) Que proporção desta tensão de corte é devida à viscosidade e que
proporção é devida às flutuações turbulentas?
R: a)
Re=8 x 104 f=0,018 τ 0 = 0,1728 Pa τ = 0,1662 Pa
Tubo liso
2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST
MECÂNICA DOS FLUIDOS II
1/ 7
u  r0 − r 
Para Re<105 num tubo de secção circular =  
u max  r0 
R: b) −
6
∂u umax  r 7
τ lam = −µ =µ 1 − 
∂r 7r0  r0 

(τ lam ) r =0,95r
0
−5
= 44,7 × 10 umax = 0,0044 Pa
r0
V
q = πr V = 2π ∫ u rdr
2 u max = = 9,8 m/s
0 7 7 
0 2 − 
τ lam  8 15 
= 2,68%
τT
2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST
MECÂNICA DOS FLUIDOS II
◆ Conceitos:
– Campo médio e flutuação turbulenta
– Difusão laminar e difusão turbulenta
– Viscosidade molecular e Viscosidade turbulenta;
– Sub-camada laminar;
– Região central;
– Região intermédia;
– Tubo hidraulicamente liso
◆ Bibliografia:
– Sabersky – Fluid Flow: 7.1, 7.2;
– White – Fluid Mechanics: 6.1.
2004 Prof. António Sarmento - DEM/IST