Você está na página 1de 62

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

Faculdade de Odontologia de Piracicaba


Departamento de Diagnóstico Oral – Mestrado em Radiologia
Odontológica

Filmes e Processamento
Radiográfico

Taruska Ventorini
2010
Radiografias
Radiografias
Filmes Radiográficos
 Constituição:

ØCapa protetora
ØEmulsão
ØBase
ØEmbalagem
Base
qRígida
qMaterial: Poliéster
qFina (até 0,2mm)
qTransparente
qCombustão Lenta
Emulsão
qGelatina Colóide
qCristais de sais halogenados de prata
qNão dissolve
qContração
qDesgarramento
q
Capa Protetora e
Embalagem
qCapa protetora:
Gelatina
Proteger a emulsão

qEmbalagem:
Papel preto
Lâmina de chumbo

Envelope à prova de luz

Lingüeta
Lâmina de Chumbo
Filmes Radiográficos
qClassificação:
Utilização

Sensibilidade

Tamanho

Quantidade
Utilização
qIntrabucais
q
q
qExtrabucais
q
q
qDosimétricos
Utilização
qIntrabucais
q
Periapical

Interproximal

Oclusal


Utilização
qExtrabucais
Ø Necessitam de chassi
q
No Screen

Ø Não tem necessidade de placa intensificadora


Ø Sensibilidade direta aos fótons de raios x
Ø Pouco utilizado atualmente

Screen

Ø Placa intensificadora
Ø Sensibilidade a fótons de luz

Chassi
 Protege o filme da luz

 Rígido e flexível

 Rígido -Metálico (anterior: alumínio/ posterior: chumbo)


 Tamanhos variados
Extrabucais
qScreen
Indireto
Cristal de prata é sensível a luz

Écrans efeito fotográfico dos raios x


Utilizam menor dose de radiação


Placas Intensificadoras
ØConsistem em fósforo fluorescente sobre uma matriz
plástica, que emitem luz quando sensibilizados pelos raios
X.

C a m a d a p ro te to ra

Fó sfo ro

0,25mm B a se

Camada de fósforo - materiais fluorescentes


Tungstato de cálcio: emite luz azul
Fósforo de terras raras
Térbio: emite luz verde
Túlio: emite luz azul


Fósforo de terras não-raras
Ítrio: emite
luz
ultravioleta
Placas Intensificadoras

 10 a 60 vezes mais sensível aos raios X do que


o filme sozinho;

 De acordo com o tamanho dos cristais de


fósforo as placas intensificadoras podem ser
classificadas como:
 Rápidas (ultra-speed, high-speed);
 Médias (par-speed);
 Lentas (detail).

 Quanto maior o cristal, menor a quantidade de
raios X necessária para produzir a imagem
radiográfica e menor será o detalhe.
17
Utilização
qDosimétricos
Medir a exposição dos operadores de raios x
Laboratório – leitura da densidade
Filmes Radiográficos
qClassificação:
Utilização

Sensibilidade

Tamanho

Quantidade
Sensibilidade
Velocidade
Eficácia com que o filme responde à exposição

Imagens Radiação

 Rápido Cristais Maiores Qualidade da imagem


Tamanho
 Intrabucais
 Periapicais Interproximal
1 .0 ,1 .1 , 1 .2 2 .0 , 2 .1 , 2 .2 ,
2 .3
2 .2
1 .0
2 .1
22,20 x 34,90 mm
23,80 x 39,70 mm 31,00 x 40,90 mm

1 .2 Oclusal

31,00 x 40,90 mm

3. 5 7 ,2 0 x 7 6 ,2 0 m m
4
Tamanho
 Extrabucais

24 x 30 cm

15 x 30 cm

18 x 24 cm

13 x 18 cm

13 x 30 cm

20 x 25 cm

30 x 40 cm
Filmes Radiográficos
qClassificação:
Utilização

Sensibilidade

Tamanho

Quantidade
Quantidade
Simples
Duplos

Simples
Duplo
Ektaspeedplus
Propriedades dos filmes
Propriedades
Sensitométricas
Contraste

Latitude

Sensibilidade
Propriedades Sensitométricas
 Densidade
q É o grau de escurecimento obtido por um filme após seu
processamento

Te m p o

E xp o sto m A D e n sid a d e
kV p

B a ixa M é d ia
A lta
Propriedades Sensitométricas
 Densidade
q Quantidade de luz que a radiografia deixa passar

D e n si
indte
a dn esid=a dloeg d a lu z in cid e n te ( I)
( 10 ) In te n sid a d e d a tra n sm itid a
(T )
C u rva C a ra cte rística
Propriedades Sensitométricas
 Contraste
q Graduação das diferentes densidades nas áreas de um filme

E sca la cu rta o u a lto co n tra ste

Po d e r d e
kV p p e n e tra çã
o

E sca la lo n g a o u b a ixo co n tra ste

kV p Po d e r d e
p e n e tra çã
o
Propriedades Sensitométricas
 Contraste radiográfico

 Contraste do objeto + Contraste do filme


Propriedades Sensitométricas
 Latitude
q Intervalo de exposições onde se pode produzir
densidade útil em um filme
Propriedades Sensitométricas
 Sensibilidade
q Capacidade de produzir imagens com maior ou
menor quantidade de radiação

* Depende da
g ra n u la çã o d o
film e
Detalhe ou Definição
qCapacidade de um filme de registrar
detalhes finos
q
Fatores que influenciam no detalhe são:

a) granulação do filme


b) soluções de processamento
c) quilovoltagem (kVp)
d) placas intensificadoras
e) tempo de exposição
Detalhe ou Definição

M a io r se n sib ilid a d e M e n o r se n sib ilid a d e

M e n o r d e ta lh e M a io r d e ta lh e
Mas como se forma a
imagem?
Imagem Latente
Pro p rie d a d e s d o s ra io s x :
S e n sib iliza r sa is h a lo g e n a d o s
d e p ra ta
Pe n e tra r co rp o s o p a co s a lu z
Flu o re sce r ce rta s su b stâ n cia s
Imagem Latente
Definida como uma imagem invisível produzida pela
emulsão de um filme pela luz ou pelos raios x e é
convertida em imagem visível pelo processamento

 Ag


Br -

 Ag+

Raios X
I -

e-
Armazenamento de filmes
Temperatura – 10º a 20º Refrigerador
Evitar:

Umidade
Radiação

Objetos sobre os filmes


Processamento

Radiográfico
Processamento
radiográfico
É a sequênciade eventos requeridos para a alteração química dos
cristais da emulsão do filme Constituindo a imagem
latente em uma imagem radiográfica visível

Realizada com cuidado e atenção!!

Câmara Escura
Etapas do processamento
Soluções de processamento
Métodos de processamento
Tempo Soluções aquecidas
Processamento automático
Soluções enérgicas
Câmara Escura
Local onde se realiza o processamento em que a luz deve ser
filtrada de modo a não influir na emulsão e velar o filme
SECÇÃO SECA:
Balcão, luz de
segurança, caixa
de filmes

SECÇÃO ÚMIDA :
Tanque de revelação,
de lavagem.
Câmara Escura
 Equipamentos
Mesa manipuladora
Colgadura
Equipamentos

Tanques de processamento
Termômetro


Fixadora
Solução
Reveladora


Solução


Equipamentos
 Luz de Segurança

Vidro recoberto com cor e densidade recomendada pelo fabricante
Lâmpada de 15 watts

Situada a 150cm da área de trabalho

Teste de segurança
Equipamentos
Cronômetro
Estufa de Secagem
Tipos de Câmara Escura
Quarto
 Labirinto

Seção húmida

Seção Seca
C o rre d o r circu n d a n te
À p ro va d e lu z S e m p o rta s
Pa re d e s d o la b irin to p re ta s o p a ca s
Tipos de Câmara Escura
 Portátil
Caixa de plástico
4 recipientes

Não deixar perto de luzes


Etapas do Processamento
qRevelação
Imagem latente Imagem Visível
Estabelece a diferença entre as áreas do filme expostas aos
raios x e
as áreas não expostas
Br

R e ve la d o r

C rista is exp o sto s

Pra ta n e g ra M e tá lica
Solução de Processamento
Solução Reveladora pH 10 e 12
- Padrão ou Enérgica

 Substâncias químicas:
 Elon ou Metol

 Hidroquinona Agente redutor/Revelador


Carbonato de sódio Aceleradores/Alcalinizantes


Hidróxido de sódio

 Sulfito de sódio Preservativo/Antioxidante


 Brometo de potássio Restringente


Etapas do Processamento
qLavagem Intermediária
Água corrente

 Finalidades:
Cessa a revelação
Evitar a contaminação

do fixador
Etapas do Processamento
qFixação
Dissolve os sais de prata não expostos aos raios x
Endurece a gelatina

Fixa d o r
Solução de Processamento
 Solução Fixadora pH 4 e 5
 Substâncias Químicas:
Hipossulfitode sódio
 Solvente da prata

Sulfito de sódio
 Antioxidante

Ácido Acético
 Acidificante

Alúmemde Potássio
 Endurecedor

Etapas do Processamento
qLavagem Final e Secagem
Água corrente
5 minutos

 Finalidades:
Remover os compostos
químicos do fixador

 Lavagem insuficiente: Contração


Compostos reagem da emulsão
com oxigênio oxidam

e amarelam


Soluções de
Processamento
Características das soluções:

 Degradação X Exaustão

 D e te rio ra çã o p o r co n ta d o Pe rd a d a Fu n çã o
oxig ê n io , te m p o d e p re p a ro , lu z Q u a n tid a d e d e

film e s
 p ro ce ssa d o s
Ph
R e ve la d o r 1 0
Fixa d o r 5 , 5
Soluções de
Processamento
 Tipos de solução:

Pronta
Concentrada

Pó para preparo


Métodos de Processamento
 Automático

 Vantagens:
Rapidez
Padronização

Pequeno espaço

Densidade e contraste


Métodos de Processamento

R e ve la d o r Fixa d o r
Á gua
2 a 7 m in u to s
S o lu çã o e n é rg ica
Te m p e ra tu ra E le va d a + 3 5 º
N ã o h á la va g e m
in te rm e d iá ria
Métodos de Processamento
 Manual
Métodos:
q Tempo/Temperatura
Controla e estabiliza a temperatura do

revelador

q Visual
Avalia em intervalos o aparecimento da

imagem

q Tempo/Fator
Métodos de Processamento
 Manual

1 2 /4 3

1 2 3 4
R e ve la çã o – te m p o va riá ve l
La va g e m In te rm e d iá ria – 2 0 se g .
Fixa çã o - m á xim o d e 1 0 m in .
La va g e m Fin a l – 5 m in .
Erros de Processamento
Radiografias claras
§Sub-revelação
§Solução do revelador saturado
§Revelador diluído ou contaminado
Erros de Processamento
Radiografias escuras
§Super-revelação
§Concentração do revelador muito alta
§Luz de segurança imprópria
§Exposição acidental à luz
§Fixação inadequada
Erros de Processamento
Radiografias com manchas

§Revelador saturado
§Fixador saturado
§Lavagem insuficiente
§

§Contaminação das
soluções
 “O impossível não é um fato é uma
questão de opinião”

 Fim
 Obrigada!