Você está na página 1de 24

c ccc

c 

  

   
   
Sumário
‡ Introdução: um pouco de teoria do conhecimento
‡ Emergência e desenvolvimento da ciência
moderna - classificação das ciências
‡ Crise das ciências e transição paradigmática
‡ Interdisciplinaridade e transdisciplinaridade

‡ O debate na UFBA no contexto de criação dos curso de


Bacharelado Interdisciplinar
± As três culturas
± MIT ±Multi, Inter e transdisciplinaridade
± Modelos de formação: Geral - Profissional
Introdução: um pouco de teoria do conhecimento

‡ Doxa: conjunto de crenças, conhecimento


absolutamente estruturado sobre o qual não se
admitiam críticas. Senso comum decorrente da
experiência cotidiana.
‡ Dogma: a Verdade. Não apenas acreditado como
verdade mas a Verdade. Conhecimento imposto por
uma autoridade religiosa, política, etc...
‡ Episteme: conhecimento produzido a partir de uma
interrogação sobre os fatos e acontecimentos.
Conhecimento sistematizado, justificável, crítico,
questionável, relativo

Atitude científica: do espanto (Grécia) à dúvida (Descartes)


Um pouco de história da ciência
‡ Emergência da ciência moderna (século XVI):
Renascimento
‡ Desenvolvimento da(s) ciências naturais: do
observatório (distanciamento) ao laboratório
(experimentação) ± a busca de objetividade
‡ Emergência e desenvolvimento das ciências
humanas e/ou sociais: a imersão no campo ± o
reconhecimento da subjetividade
‡ m 
      
Classificação das ciências
‡ Ciências matemáticas ou lógico-matemáticas):
aritmética, geometria, álgebra, trigonometria, lógica,
física pura, astronomia pura, etc.
‡ Ciências ³naturais´: física,química, biologia, geologia,
astronomia, geografia física, paleontologia, etc...
‡ Ciências humanas e sociais:psicologia, sociologia,
antropologia, geografia humana, economia, linguística,
psicanálise, arqueologia, história, etc..
‡ Ciências aplicadas (todas as ciências que conduzem à
invenção de tecnologias para intervir na natureza, na
vida humana e nas sociedades, como p. ex.: direito,
engenharia, medicina, arquitetura, informática, etc...
    ! 

‡  !   
Física " Biologia " Astronomia " Zoologia " Química " Geografia
física " Geologia " Paleontologia " Outras disciplinas

‡  !    
Administração " Antropologia " Ciência da informação " Ciência
política " Comunicações " Direito " Economia " Educação " Gerontologia " Geografia
humana " História " Linguística " Psicologia " Sociologia " Outras disciplinas

‡  !   #
Biomedicina " Ciências do Esporte " Educação Física "
Enfermagem " Farmácia " Fisioterapia " Fonoaudiologia " Medicina " Medicina
Veterinária " Nutrição " Odontologia " Psicologia " Terapia Ocupacional " Serviço
Social " Outras disciplinas

‡  !  $ 
Lógica " Matemática " Teoria dos sistemas " Outras disciplinas

‡  !  
Matemática " Computação " Física " Lógica " Engenharia "
Arquitetura " Outras disciplinas

‡ Obtida de http://pt.wikipedia.org/wiki/Ci%C3%AAncia Categoria: Ciência


Estudos sobre as ciências na
contemporaneidade
‡ Paradigmas em ciências e comunidade
científica (Thomas Kuhn)
‡ A prática científica (Bruno Latour)
‡ O conceito de ³campo cientifico´ (Pierre Bordieu)
‡ A ³arena transepistêmica´ (Karen Knorr-Cetina)
‡ O ³pensamento complexo´ (Edgar Morin)
‡ A análise da crise das ciências e da transição
paradigmática contemporânea (Boaventura
Santos)
O paradigma dominante
‡ Conceito de  % (Kuhn, 1978): ³ realizações
científicas universalmente reconhecidas que, durante
algum tempo, fornecem problemas e soluções modelares
para uma comunidade de praticantes de uma ciência´.

‡ Distinção entre acepção sociológica do termo paradigma


(constelação de crenças, valores, técnicas, etc. ...
partilhadas pelos membros de uma comunidade
determinada) e a acepção epistemológica (soluções
concretas de quebra-cabeças que, empregadas como
modelos e exemplos, podem substituir regras explícitas
como base para a solução dos restantes quebra-cabeças
da ciência normal´. (Kuhn, Posfácio, p. 218).
Características do paradigma dominante

Pressupostos epistemológicos:

± Distinção entre  &    '$     :

± Distinção entre (   & 

- Predomínio de regras metodológicas construídas pelo avanço


das ciências naturais até o século XIX (observação, quantificação,
experimentação. Ou seja:
- O rigor científico afere-se pela qualidade das medições.
‡ O método científico assenta na redução da complexidade. Conhecer
significa dividir e classificar, para depois poder determinar relações
matemáticas entre o que se separou.
A crise do paradigma dominante

‡ A crise de paradigma dominante é o


resultado interativo de uma pluralidade
de condições teóricas e sociais
‡ Estamos vivendo um período de
revolução científica que se iniciou com
Einstein e a mecânica quântica e não se
sabe quando acabará;

Boaventura Santos,1989.
     $

‡ O conceito de lei e do conceito de causalidade que lhe


está associado. Ex. na biologia, a noção de lei
(simplificação arbitrária da realidade) vem sendo
substituída pelas noções de sistema, de estrutura, de
modelo e, por último, da noção de processo.

‡ O segundo grande tema versa mais sobre o conteúdo do


conhecimento científico do que sobre sua forma: ³Sendo
um conhecimento mínimo que fecha as portas a muitos
outros saberes sobre o mundo, o conhecimento científico
moderno é um conhecimento desencantado e
triste´(Boaventura Santos, 1989).
  )         %   

1. O que a ciência ganhou em rigor perdeu em


capacidade de auto-regulação;
2. Industrialização da ciência e conseqüências
funestas da subordinação a interesses militares
e econômicos;
3. Alto custo dos investimentos para a produção
científica;
4. Proletarização da maioria dos cientistas,
estabelecimento de relações autoritárias e
desiguais entre pesquisadores;
5. Aprofundamento do fosso entre países centrais
e periféricos.
O paradigma emergente
‡ Todo conhecimento cientifico natural é
científico social
‡ Todo o conhecimento é local e total
‡ Todo o conhecimento é auto-
conhecimento
‡ Todo o conhecimento científico visa
constituir-se em senso comum
  &     $  
*  '$   
‡ O conhecimento do paradigma emergente
tende a ser um  &   
 + um conhecimento que se funda
na superação das distinções tão familiares
e óbvias que até há pouco
considerávamos insubstituíveis, como
natureza/cultura, natural/artificial,
vivo/inanimado, mente/matéria,
observador/observado, subjetivo/objetivo,
coletivo/ individual, animal /pessoa.
   &   *    

‡ No paradigma emergente, o conhecimento é


total, tem como horizonte a totalidade universal
mas é também local. Constitui-se ao redor de
temas que em dado momento são adotados por
grupos sociais concretos como projetos de vida
locais.
‡ ,   &       ) 
      & + - 
          
   &   * .
 &  
‡ !    +  +      /
% (       
   '$     -  
   &       0
 &  0     &   1
Os pressupostos metafísicos, os sistemas de
crenças, os juízos de valor não estão antes nem
depois da explicação científica da natureza ou
da sociedade. São parte integrante dessa
mesma explicação.
   &    '$  / 
   .    

‡ A ciência moderna constituiu-se contra o senso comum,


que considerou superficial, ilusório e falso. A ciência
pós-moderna procura reabilitar o senso comum por
reconhecer nesta forma de conhecimento algumas
virtualidades para enriquecer a nossa relação com o
mundo.
‡ A ciência pós-moderna ao sensocomunizar-se, não
despreza o conhecimento que produz tecnologia, mas
entende que, tal como o conhecimento se deve traduzir
em auto-conhecimento, o desenvolvimento tecnológico
deve traduzir-se em sabedoria de vida. É esta que
assinala os marcos da prudência à nossa aventura
científica. !  *  %    
 1
O debate na UFBA no contexto de criação
dos cursos de Bacharelado Interdisciplinar
‡ Marco referencial
± As três culturas (Humanidades, Artes e
Ciências)
± _c . _ + c        

‡ Modelos de formação
± Formação geral + Formação profissional
± Eixos estruturantes do projeto pedagógico dos
curso de Bacharelado Interdisciplinar
O debate na UFBA sobre as 3 culturas
± Antecedentes (criação da Universidade)
‡ Idade Média: m        
±       (proto ± humanidades)
±   : geometria, aritmética, astronomia e música (proto ciência)
‡ A partir do Século XVII: progressiva (e conflitiva) reivindicação da autonomia e
diferenciação das Humanidades diante da Ciência

± !" #$ %&'& m   


± (  ) %&*'  +       ,

± -   .  /01 #  2 3445


± m 6  7 3448  + 9   
:;   <  m      

    /0  =  3445
O debate na UFBA sobre MIT

‡ Antecedentes:
‡ Inter-poli-transdisciplinaridade (Morin (1990;
2001)
± Virtude da especialização/risco da
hiperespecialização
± O olhar extradisciplinar
± Invasões e migrações interdisciplinares
± ³     
  0
>0  ?      

 ?       @A 
 +    ´ (Morin, 2001, p.112)
MIT- disciplinaridade
‡    : categoria que organiza o conhecimento
científico (fragmentação dos objetos e divisão e
especialização do trabalho)
‡ _     : articulação de múltiplos olhares
sobre um dado objeto;
‡ c     
diálogo entre campos de
conhecimento (integração de métodos no processo de
produção de conhecimento);
‡      
fusão de perspectivas entre
sujeitos provindos de diversos campos (³tradução´,re-
significação de conceitos e construção de novas teorias)
_ 
  

 
  
 


Inter e transdisciplinaridade no BI

‡ Eixo interdisciplinar:
± Estudos da contemporaneidade I e II
± Culturas (trânsito dos alunos)
‡ Formação específica
± Saúde
‡ Conteúdos:  da saúde/racionalidades/sistemas e
práticas
‡ Práticas: inserção dos estudantes em projetos de pesquisa-
extensão
‡ Valorização de atividades complementares que permitem a
ampliação e diversificação da experiência dos alunos.
Referencias bibliográficas

Almeida Filho, N., !   #. HUCITEC, SP, 2000, 255 p.


Almeida, Filho, N.,         B  9 
   .  + RJ, 34 (6)11-34, nov -dez., 2000.
Almeida Filho, N., Transdisiplinaridade e o paradigma pós-disciplinar na saúde. Saúde e
sociedade, v. ¶14, n. 3, São Paulo, dez, 2005.
Almeida, Filho, N. As três culturas da Universidade Nova. Documentos básicos Projeto de
criação dos Bacharelados Interdisciiplinares. Salvador,2006.
Kuhn, T S.,   /)  '$ , Perspectiva, São Paulo, 2ª ed. 1978,
257 p.
Morin, E.  .$ 
   $+ $    , (Anexo 1:
Inter-poli-transdisciplinaridade), Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 2001, p. 105-116.
Morin, Edgard Educação e complexidade. Os sete saberes e outros ensaios. SP, Cortez,
2007.
Palácios, M, Martins, A, Pegoraro, O, (orgs) , +  !   #
$    * ,
Vozes, 2001, 183 p.
Portocarrero, V (org.) 2 $ + 3 4    %   ! 
% 
 5 1 Editora Fiocruz, RJ, 1994, 268 p.
Samaja, J,  %    1 Lugar Editorial, Buenos Aires, 2004, 245 p.
Santos, B S, 6      ! , 7ª. Edição, Edições Afrontamento, Porto,
1987, 59 p.
Santos B S, c    !  4. , Graal, Rio de Janeiro, 1989, 176 p.