Você está na página 1de 14

FARMÁCIA

HOSPITALAR

Alana Brito
Farmacêutica
Especialista em Farmácia Hospitalar pela Sbrafh
Especialista em Gestão pela Qualidade e Gerenciamento de Riscos à
Saúde
FARMÁCIA HOSPITALAR
• Perfil da unidade;
• Número de farmácias satélites;
• Número de leitos totais;
• Unidade possui centro cirúrgico – haverá farmácia satélite?
• Quantidade de profissionais
• Farmacêutico (s);
• Auxiliares ou técnicos de farmácia;
• Funcionamento da farmácia
• Fluxo de atendimento;
• Possui sistema de gestão de estoque?
• Escala dos profissionais
FARMÁCIA HOSPITALAR
• Comissão de Farmácia e Terapêutica;
• Padronização:
• Base - medicamentos pertencentes a RENAME;
• Perfil de atendimento;
• Avaliar eficácia, efetividade e farmacoeconomia.

• Promover o uso seguro e racional de medicamentos;

• Realizar educação permanente – treinamentos;


FARMÁCIA HOSPITALAR
• Comissão de Farmácia e Terapêutica
• Guia farmacoterapêutico
• Princípio ativo;
• Forma farmacêutica;
• Via de administração;
• Soluções compatíveis;
• Reconstituição;
• Concentração máxima de uso;
• Diluição;
• Tempo de administração;
• Ph;
• Estabilidade;
• Interações medicamentosas;
• Observações.
FARMÁCIA HOSPITALAR
• Solicitação de compras
• Baseado no quantitativo de leitos ativos;
• Consumo médio mensal;
• Estoque de segurança;
• Curva ABC de consumo;
• Periodicidade de consumo.

• Realizado por meio de licitação ou cotação de preço.

• Consignação de materiais ou medicamentos – OPME.

• Planejamento de entregas e recebimento de produtos.

• Entrada de produtos no sistema.

• Qualificação de fornecedor.
FARMÁCIA HOSPITALAR
• Setor de Compras

• Recebe a solicitação de produtos;


• Realiza a cotação;
• Barganha preço e forma de pagamento com o fornecedor
• Gera ordem de compra;
• Programa a entrega dentro do prazo estipulado na
solicitação de compra;
• Realiza acompanhamento do processo de entrega do
fornecedor.
FARMÁCIA HOSPITALAR
• CAF – Central de Abastecimento Farmacêutico

• Guarda de materiais, medicamentos e insumos da


higienização, laboratório, BioImagem e CME;
• Recebimento de produtos;
• Entrada de notas fiscais;
• Abastecimento das farmácias;
• Liberação de produtos para as unidades do hospital;
• Auditoria interna;
• Fracionamento de sólidos e ampolas.
FARMÁCIA HOSPITALAR
• Farmácias satélites como controlar o estoque

• Auditoria interna diária de produtos com maior


rotatividade;
• Conferência e sinalização das prescrições dos setores;
• Controle e conferência do carros de parada cardio-
respiratória dos setores;
• Dispensação de medicamentos e materiais (em algumas
unidades) – melhor controle de estoque;
• Farmacovigilância de medicamentos e tecnovigilância de
insumos;
• Gestão da equipe e controle de escala;
FARMÁCIA HOSPITALAR
• Farmácias satélites como controlar o estoque
• Farmácia ONCOLOGIA
• O estoque costuma ser pequeno, mas com alto custo;
• Análise das prescrições de quimioterápicos;
• Manipulação dos quimioterápicos;
• Cuidado Farmacoterapêutico, principalmente a adesão dos
comprimidos orais.
• Farmácia clínica (quando possível);
• Auditoria interna diária de produtos com maior rotatividade;
• Farmacovigilância de medicamentos e tecnovigilância de
insumos;
• Gestão da equipe e controle de escala;
.

SISTEMA DE
GERENCIAMENTO
DE ESTOQUE

Você também pode gostar