Você está na página 1de 16

TOMADA DE DECISÃO

CLÍNICA
Professora Ana Flávia
TOMADA DE DECISÃO CLÍNICA

 Refere-se ao processo
complexo e dinâmico
de raciocínio e
pensamento crítico
que envolve fazer
julgamentos e
determinações no
contexto de Para tomar decisões efetivas é
atendimento do necessário juntar esclarecimento
cliente. e compreensão com um
pensamento crítico criativo.
REQUISITOS PARA TOMADA DE DECISÃO
CLÍNICA

 Conhecimento de informações pertinentes sobre os


problemas do paciente.
 Experiência clínica anterior com o mesmo problema ou
problemas semelhantes.
 Habilidade de recordar informações relevantes.
 Habilidades cognitivas e psicomotoras para obter o
conhecimento necessário sobre um problema não
familiar.
 Habilidade para integrar conhecimentos novos e prévios.
REQUISITOS PARA TOMADA DE
DECISÃO CLÍNICA
 Habilidade de obter, analisar e aplicar evidências da
literatura.
 Habilidade de organizar, classificar, priorizar e sintetizar
de maneira crítica as informações.
 Habilidade de identificar padrões clínicos.
 Habilidade de formar hipóteses de trabalho sobre os
problemas que se apresentam e sobre como podem ser
solucionados.
 Uma compreensão dos valores e metas do paciente.
 Habilidade de determinar opções e fazer planos
estratégicos.
PRÁTICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS

 É o uso consciente,
explícito e criterioso das
melhores evidências
existentes atualmente na
tomada de decisão sobre
o tratamento de um
paciente individual.
Envolve a combinação do
conhecimento de evidências de
pesquisas bem conduzidas com a
experiência do profissional e os
valores, metas e circunstâncias do
paciente
PROCESSO DE PRÁTICA BASEADA EM
EVIDÊNCIAS

 Identificar o problema do  Analisar de modo crítico as


evidências pertinentes
paciente e convertê-lo em encontradas durante a pesquisa
uma pergunta específica. na literatura e fazer julgamentos
com reflexão com foco no
problema identificado no
paciente.
 Pesquisar a literatura e
colher estudos científicos
de relevância clínica que
contenham evidências
relacionadas à pergunta.
PROCESSO DE PRÁTICA BASEADA
EM EVIDÊNCIAS
 Integrar a estimativa de Avaliar os resultados das
evidências com a intervenções e fazer outras
perguntas necessárias.
habilidade e
experiência clínica e as
circunstancias e valores
únicos do paciente para
tomar decisões.
 Incorporar os achados
e decisões no
tratamento do paciente.
PROCESSO DE PRÁTICA BASEADA
EM EVIDÊNCIAS
 Esse processo possibilita ao
profissional selecionar e interpretar os
achados a partir de instrumentos de
avaliação usados durante o exame do
paciente e a implementar
procedimentos de tratamento efetivos
baseados em uma teoria adequada e em
evidências científicas (e não em
opiniões ou tradições clínicas) para
favorecer os melhores resultados
possíveis para o paciente.
PROCESSO DE TRATAMENTO
EXAME
 Processo sistemático por meio do qual o
fisioterapeuta obtém informações sobre
o problema e a razão pela qual o
paciente busca o auxílio da fisioterapia.

 É o meio pelo qual são estabelecidas as


medidas basais dos comprometimentos,
limitações funcionais e habilidades
atuais para servirem de ponto de
referência a partir do qual poderão ser
medidos e documentados os resultados
das intervenções terapêuticas.
EXAME- História de saúde do paciente

 História da doença atual;


 História patológica pregressa;
 História familiar e social;
 História médico/cirúrgica/psicológica.
EXAME-Revisão de órgãos e sistemas relevantes.

 Sistema cardiovascular e
pulmonar (FC, FR, PA, dor,
tontura, edema).
 Musculoesquelético (ADM geral,
força, trofismo)
 Neuromuscular (equilíbrio,
locomoção, coordenação).
 Tegumentar (temperatura, cor,
textura, integridade, cicatrizes).
EXAME- Testes e medidas específicos

 Proporcionam informação
aprofundada sobre os
comprometimentos, limitações
funcionais e incapacidades.
 Ex: goniometria, teste de
mobilidade, estabilidade e
integridade articular; teste de
desempenho muscular, análise
da marcha, entre outros.
AVALIAÇÃO

 É um processo caracterizado
pela interpretação das
informações coletadas. Envolve
a análise e integração de
informações para formar
opiniões por meio de uma série
de decisões clínicas adequadas.
AVALIAÇÃO
DETERMINA:
 O estado geral de saúde do paciente.
 Condições atuais: agudas ou crônicas; gravidade.
 Extensão do comprometimento dos sistemas corporais e o
impacto nas habilidades funcionais.
 Nível de função física geral atual do paciente.
 Impacto da disfunção física na função social/emocional.
 Impacto do ambiente físico na função do paciente.
DIAGNÓSTICO

 Elemento essencial do
tratamento do paciente pois
direciona o prognóstico
fisioterapêutico e as
intervenções.
 Conduz ao prognóstico e é
pré-requisito para o
tratamento.

Você também pode gostar