Você está na página 1de 48

SAÚDE, MEIO AMBIENTE E

SEGURANÇA
AULA 4 – GESTÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE
RESÍDUOS

PROF. BRUNO BOM

10/22/21
Atividades – Aula 3
1. Quais são os EPI’s e EPC’s que, para
a proteção do trabalhador, devem ser compradas por ele?
Justifique.
2. Quais são os princípios de Higiene e Saúde Pessoal?
3. Cite exemplos de EPC.
4. Qual a função do CRF e do CA para os EPI’s?
5. Quais são os itens obrigatórios que devem aparecer no
EPI?
6. Quais são as responsabilidade do empregador e do
empregado em relação ao controle e conservação do EPI?
PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 2
SISTEMAS DE GESTÃO

GESTÃO AMBIENTAL

3
Definição de Qualidade
• A excelência é característica que distingue algo
pela superioridade em relação aos semelhantes;

• O termo “Qualidade” é usado como sinônimo de


regularidade ou confiabilidade.

4
Definição de Qualidade
• Qualidade significa a aplicação dos melhores
talentos e esforços para produzir os resultados
mais elevados.
• Fazer as coisas bem feitas.
• Qualidade é alcançar, ou procurar alcançar, o
padrão mais alto, em lugar de contentar-se com o
que é frágil.
• A qualidade não admite compromisso com a
segunda classe.
5
Conformidade com Especificações
• Segundo a perspectiva da engenharia, qualidade
significa o conjunto das características de um
produto ou serviço.
• Descrevem o produto ou serviço em termos de
sua utilidade, desempenho ou de seus atributos.
• Qualidade planejada.

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 6


Custos da Qualidade
• Requer investimentos compõem os custos da
qualidade;
• Evita os custos de não-qualidade.

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 7


Custos da Qualidade
CUSTOS DE PREVENÇÃO CUSTO DE AVALIAÇÃO
• Planejamento do processo de • Mensuração e teste de matérias-
controle da qualidade primas e insumos da produção
• Treinamento para a qualidade • Aquisição de equipamentos especiais
• Desenvolvimento de fornecedores para avaliação de produtos
• Desenvolvimento de produtos com • Realização de atividades de controle
qualidade estatístico de processo
• Desenvolvimento do sistema de • Inspeção
produção • Elaboração de relatórios
• Manutenção preventiva
• Implantação e manutenção de
outros componentes do sistema de
qualidade
Custos da Não-Qualidade
CUSTOS INTERNOS DOS CUSTOS EXTERNOS DOS
DEFEITOS DEFEITOS
• Matérias-primas e produtos • Cumprimento das garantias
refugados oferecidas ao cliente
• Produtos que precisam ser • Perda de encomendas
retrabalhados
• Modificações nos processos
• Processamento de devoluções
produtivos • Custos de processos nos
• Perda de receita organismos de defesa dos
• Tempo de espera dos equipamentos consumidores
parados para correções • Comprometimento da imagem
• Pressa e tensão para entrega dos
• Perda de clientes no mercado
produtos corrigidos ou consertados

“Mais qualidade custa


menos” .
Sistemas de Gestão da Qualidade
• ISO 9001;
• ISO 14001;
• OHSAS 18001;
• ABNT;
• ASTM;

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 10


ABNT
• Fundada em 1940;
• Membro fundador:
– ISO (International Organization for Standardization);
– COPANT (Comissão Panamericana de Normas Técnicas)
– AMN (Associação Mercosul de Normalização).
• Representante exclusiva das seguintes entidades
internacionais:
– ISO (International Organization for Standardization),
– IEC (International Electrotechnical Comission);
• E das entidades de normalização regional:
– COPANT (Comissão Panamericana de Normas Técnicas)
– AMN (Associação Mercosul de Normalização).
Normas ISO
• Fundada em 1947;
• Sede em Genebra;
• + de 18.000 padrões de conjuntos internacionais;
• 150 países utilizam a norma;
• Missão:
Promover o desenvolvimento da normalização, e
atividades correlatas, no mundo, com os objetivos de
facilitar as trocas internacionais de bens e serviços e
de desenvolver a cooperação nos campos da atividade
intelectual, científica, tecnológica e econômica.
Objetivos
• Objetivos da normatização:
– Proteger a população em aspectos relacionados com a
saúde e segurança;
– Definir os requisitos necessários à obtenção da qualidade
requerida pelo cliente;
– Dar solução para problemas repetitivos, aumentando a
produtividade e reduzindo os desperdícios, colaborando
assim para a conservação de recursos naturais e do meio
ambiente;
– Assegurar a absorção e transferência de tecnologia;
– Facilitar o comércio internacional.
Vantagens
PARA A ORGANIZAÇÃO: PARA OS CLIENTES:
• Maior participação no mercado; • Maior confiança nos produtos da
• Maior satisfação dos clientes; organização;
• Redução de custos; • Redução de custos;
• Melhoria na produção; • Satisfação em relação aos produtos
• Maior competitividade; adquiridos;
• Maior lucro. • Melhor atendimento em caso de
reclamações.
PARA OS COLABORADORES:
 Menor conflitos no trabalho e maior integração entre setores;
 Maior desenvolvimento individual em cada tarefa;

 Maiores oportunidades de treinamento;

 Menores possibilidades de acidentes de trabalho;

 Melhores condições para acompanhar e controlar os processos;

 Melhoria da qualidade e da produtividade.


Normas ISO 9001
• Publicada em1987;
• Preocupação com a qualidade:
– atender aos requisitos de qualidade do consumidor;
– atender aos requisitos regulatórios aplicáveis;
– melhorar a satisfação dos consumidores; e
– conseguir uma contínua melhora no seu desempenho
em busca desses objetivos.
Normas ISO 14001
• Publicada em 1996;
• Preocupação com o ambiente:
– minimizar os efeitos danosos ao meio ambiente causados por
suas atividades; e
– conseguir uma contínua melhora no seu desempenho ambiental.
• Vantagens:
– Credibilidade;
– Reconhecimento;
– Uso Eficiente dos Recursos;
– Melhoria na relação com os fornecedores, funcionários e
clientes.
Gestão Ambiental
• Definição:
– É definido como o conjunto de procedimentos que irão
ajudar a empresa a entender, controlar e diminuir os
impactos ambientais de suas atividades, produtos e/ou
processos.
– Baseia-se no cumprimento da legislação ambiental
vigente e na melhoria contínua do desempenho
ambiental da empresa.

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 17


Gestão Ambiental
• Objetivos:
– Identificar e controlar os aspectos ambientais;
– Estabelecer a política ambiental, objetivos e metas,
incluindo conformidade com a legislação;
– Identificar as oportunidades ambientais;
– Monitorar e melhorar, continuamente, o desempenho
ambiental.

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 18


Gestão Ambiental
• Benefícios do SGA:
– Redução do consumo de matérias-primas;
– Menor custo de energia;
– Menor desperdício;
– Menor custo com tratamento e disposição de resíduos;
– Menor custo de produção;
– Aumento da eficiência;
– Aumento da segurança;

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 19


Gestão Ambiental
• Equipe de Qualidade Ambiental (EQA):
– Ferramenta importante para a efetiva implementação e
manutenção do sistema de qualidade baseados em
programas de prevenção de poluição.
• Objetivo:
– Desenvolver palestras e seminários de conscientização
para o corpo de funcionários;
– Desenvolver planos internos de redução e reciclagem;
– Manter o comprometimento da direção com a política
ambiental da empresa.
PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 20
Certificação Ambiental
• Com a implantação do SGA numa empresa é
possível identificar quais são os indicadores que
melhor representam a evolução do desempenho
ambiental.

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 21


Certificação Ambiental
• ISO 14000:
– É um grupo de normas que fornece ferramentas e
estabelece um padrão de Sistemas de Gestão
Ambiental.
• Objetivo:
– Contribuir para a melhoria da qualidade ambiental,
diminuindo a polução e integrando o setor produtivo
na otimização do uso dos recursos ambientais.

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 22


Certificação Ambiental
• Benefícios:
– Para empresa:
• Criação de uma imagem “verde”;
• Acesso a novos mercados;
• Conservação de energia;
• Racionalização de atividade;
• Maior economia.
– Para clientes:
• Confiabilidade na sustentabilidade do produto;
• Acompanhamento da vida útil do produto;
• Cuidados com a disposição final do produto.
PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 23
Certificação Ambiental
• 5 etapas:
– Política ambiental;
– Planejamento;
– Implantação e Operação;
– Monitoramento e Ações Corretivas; e
– Revisão ou Análise Crítica.

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 24


Certificação Ambiental
NUMERO ISO TÍTULO
14.000 Sistemas de Gestão Ambiental – Diretrizes Gerais
14.001 Sistemas de Gestão Ambiental – Especificação e diretrizes para uso
14.004 Sistemas de Gestão Ambiental – Diretrizes gerais sobre princípios,
sistemas e técnicas de apoio
14.010 Diretrizes para a auditoria ambiental – Princípios Gerais
Diretrizes para a auditoria ambiental – Procedimentos de auditoria –
14.011
Auditoria de sistemas de gestão ambiental
14.012 Diretrizes para a auditoria ambiental – Critérios de qualificação para
auditorias ambientais
Diretrizes para a auditoria ambiental – diretrizes para a realização de
14.014 avaliações iniciais
Diretrizes para a auditoria ambiental – Guia para avaliação de locais
14.015
e instalações

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 25


Certificação Ambiental
• A importância de um certificado ambiental deverá
aumentar muito dentro dos próximos anos.
• Uma empresa que dispõe de um certificado ISO
14000, certamente terá, a prazo médio, vantagens
competitivas em relação aos concorrentes,
especialmente na hora de exportar para a Europa
ou para os Estados Unidos ou atuar como
fornecedora de empresas multinacionais.

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 26


SISTEMAS DE GESTÃO

GESTÃO DE RESÍDUOS

27
Introdução
• Olhar propenso a seguir todas as tendências do
mundo e com uma visão verde, e ainda por se tratar
do país considerado o pulmão do mundo, o Brasil
criou algumas políticas de preservação ao meio
ambiente, visando inclusive o recolhimento de
alguns resíduos que são descartados na natureza.
• Instituída a Política Nacional de Resíduos Sólidos
(PNRS), Lei 12.305, que dispõe sobre a
responsabilidade dos descartes com características
que possam causar poluição ao meio ambiente.
PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 28
Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)

• Reúne uma série de princípios, objetivos, diretrizes, metas


e ações determinadas pelo Gov. Fed., implicando
diretamente os Estados, DF, Municípios ou particulares,
visando ao gerenciamento adequado dos resíduos sólidos.
• Descarte de resíduos sólidos:
– Não geração;
– Redução;
– Reutilização;
– Reciclagem;
– Tratamento dos sólidos; e
– Disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos.
PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 29
Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)

• Responsabilidade para:
– Fabricantes;
– Importadores;
– Distribuidores; e
– Comerciantes.
• São obrigados a estruturar e implementar
sistemas de logística reversa.
– Adequação social; e
– Adequação à lei.
PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 30
Legislação

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 31


Legislação - Pilhas e Baterias
• São compostas de materiais químicos como:
– Mercúrio;
– Cobre;
– Chumbo;
– Zinco;
– Cádmio;
– Manganês;
– Níquel; e
– Lítio.
• São elementos considerados agentes nocivos ao meio
ambiente e ao ser humano (câncer).
PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 32
Legislação - Pilhas e Baterias
• Descarte em lixo comum pode contaminar solo,
lençóis freáticos;
• Quando funcionam não causam mal algum ao ser
humano;
– Oferecem riscos quando são violadas, ou enferrujam
ou vasam.
• Leis que obrigam o fabricante a recolher e dar
destino final adequado.

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 33


Legislação - Pneu
• Não possuem uma característica que polua drástica
a prejudicar o solo ou a água, como os agentes
químicos encontrados nas baterias.
• No entanto, ocupa muito espaço e causa poluição
visual.
– Podem armazenar agua parada. Lugar ideal para
procriação do mosquito transmissor da dengue.
• Descarte sem controle pode causar enchentes já
que obstrui vais de esgoto.
– Reciclagem é benéfica e pode ter várias utilizações.
PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 34
Legislação – Óleos e Derivados
• Descarte inapropriado prejudica todo meio
ambiente (água e solo).
– Entope ralos, encanamentos e esgotos.
• Óleo industrial é altamente poluente.
• www.ecoleo.org.br
– Melhor utilização;
– Minimizar efeitos;
– Dicas em geral.

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 35


Legislação – Lâmpadas
• Assim como as baterias e pilhas, as lâmpadas
representam um tipo de lixo tóxico que polui o
meio ambiente.
– Sua destinação não pode ser o lixo comum.
• Existem empresas especializadas em separar os
elementos perigosos das lâmpadas, de forma que
ela deixe de ser um descarte poluente.

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 36


Legislação – Produtos Eletrônicos e seus
Componentes
• Conhecidos como RAEE – Resíduos de Aparelhos
Elétricos e Eletrônicos;
• São sucatas de aparelhagens de informática,
eletrônicos, telecomunicações, eletrodomésticos
ou qualquer outro tipo de tecnologia;
– Maioria desses aparelhos possuem agentes tóxicos,
que podem poluir o ambiente quando descartado de
forma errada;
– Cuidado especial obrigatório para destinação.

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 37


Legislação – Embalagens
• Quando falamos de embalagens, não falamos só
de lixo doméstico, mas também o industrial:
– Embalagens de Agrotóxicos;
– Embalagens de agentes químicos;
– Embalagens de óleos;
– Embalagens de tintas; e
– Outras embalagens.
• Todas essas embalagens devem ter uma
destinação adequada.
PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 38
Legislação – Embalagens

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 39


SISTEMAS DE GESTÃO

LOGÍSTICA REVERSA

40
Introdução
• Quem está preocupado com o mundo que irá
deixar para seu filho?
– A Logística Reversa surge com o principal objetivo de
tratar o fluxo de embalagens ou outro material
descartado do ponto de consumo ao ponto de origem.
– Tem ganhado destaque por causa das ações de
sustentabilidade, conscientização, legislação, política
entre outros.

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 41


Introdução
Matérias-Primas
novas e Matérias-
Primas
reutilizadas

Logística Reversa Suprimento

Clientes Produção

Distribuição

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 42


Objetivos da Logística Reversa
• Implica diretamente na:
– Recuperação de produtos;
– Redução do uso de matérias-primas;
– Reciclagem;
– Substituição e reutilização de materiais;
– Descarte de resíduos; e
– Reparação de produtos que apresentaram defeitos.
• Preocupação direta com:
– Situações de pós-venda;
– Produtos circulando junto aos consumidores.
PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 43
Objetivos da Logística Reversa

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 44


Ciclo da Matéria-Prima

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 45


Reuso
• Processo de transformação diferente:
– Não transforma os resíduos descartados em matéria-
prima novamente;
– Implica em usar os produtos com suas características
para a criação de algo novo, passar por um sistema de
reciclagem, mas sim de tratamento.
• Ex.:
– Pneu  Solado de sapato;
– Madeira de palhetes  Móveis.

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 46


Atividades – Aula 4
1. Comente sobre os cuidados necessários sobre
resíduos, impactos ambientais e poluição.
2. Qual a importância da preservação da água, qual
a capacidade do governo de fiscalizar esse
assunto e como podemos contribuir.
3. O que é Desenvolvimento Sustentável e qual sua
importância?

PROF. ESP. BRUNO BOM ALVES NUNES 47


OBRIGADO

Prof. Bruno Bom Alves Nunes


Engenheiro Químico
brunnoban@hotmail.com
Instagram: brunnobom

48

Você também pode gostar