Você está na página 1de 50

Faculdade Baixo Parnaíba - FAP

BREVE HISTÓRICO
DA EVOLUÇÃO DA
ENFERMAGEM

Prof. Rodrigo Carvalho


BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM
Uma das atividades mais antigas do mundo

Instinto de cuidar do próximo

Nos primórdios da civilização já garantia a manutenção da


sobrevivência

Relacionada ao trabalho feminino: Costumes, religião, condição


social.

Não havia ciência, apenas dedicação.

Entre guerras e epidemias, ao longo da nossa história, essa atividade


se aperfeiçoou e hoje, como sempre, continua sendo essencial.
BREVE HISTÓRICO DA
EVOLUÇÃO DA ENFERMAGEM

Período antes de Cristo


Doenças eram consideradas castigos de Deus ou possessão
diabólica. A assistência era realizada por sacerdotes e
feiticeiras.

O objetivo do tratamento era aplacar as divindades, muitas


vezes através de sacrifícios.
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM
PERÍODO PRÉ-CRISTÃO: Tratamento ligado às divindades

Massagens, banho de água fria ou quente, purgatigos,


substâncias provocadoras de náuseas e vômitos.
Sacerdotes conhecimentos sobre plantas medicinais

Ensinaram pessoas, delegaram funções


de enfermeiros e farmacêuticos
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM
• EGITO

Hipnotismo
Interpretação de sonhos
Influência de pessoas na saúde das
outras
Através de ambulatórios auxiliavam
desamparados
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM
• INDIA (SÉCULO VI a.C): conheciam ligamentos, músculos, nervos,
vasos linfáticos, antídotos para alguns tipos de venenos e o processo
digestivo.
Suturas,
Suturas, amputações,
amputações,
corrigiam
corrigiam fraturas,
fraturas,
trepanações.
trepanações.

Budismo
Desenvolvimento
Enfermagem e medicina Proibido a
Exagerado
Exigiam qualidades morais e
Conhecimentos Dissecação
Respeito ao corpo
Científicos
De cadáveres
humano E derramamento de
sangue
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM

• PALESTINA: povo hebreu.

Preceitos de Moisés:
higiene, exame do doente
Diagnóstico, desinfecção, afastamento
dos objetos contaminados.
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM

• ASSÍRIA E BABILÔNIA:

Sete demômios(causadores e doenças)

Sacerdotes médicos (vendiam talismãs


c/ orações)

Não mencionaram enfermeiros, nem


hospitais.

Conheciam a lepra e diziam que sua cura


Dependia de milagres de Deus.
BREVE HISTÓRICO DA
EVOLUÇÃO DA ENFERMAGEM

• CHINA:
•Classificação das doenças: benígnas, médias e graves
•Plantas medicinais
•Conheciam varíola e sífilis
•Procedimentos: operações de lábio,
• Tratamento de anemias(ferro e fígado), verminoses(raízes),
doenças de pele(arsênico), anestesia(ópio)
•Hospitais de isolamento e casas de repouso
•Proibição de cadáveres
•Doentes cuidados por sacerdotes
BREVE HISTÓRICO DA
EVOLUÇÃO DA ENFERMAGEM

JAPÃO:
Terapêutica

Águas termais
Eutanásia
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM

• GRÉCIA: Sacerdotes-médicos

• Mitologia – Apolo deus do sol = deus da saúde.


• Uso de sedativos, fortificantes, hemostáticos, retiravam
corpos estranhos e faziam ataduras
• Tratamentos: banhos, massagens, sangrias, dietas,
Sol, ar puro e água pura.
• Valores: beleza física, cultural e hospitalidade.
• Surgimento de Hipócrates: pai da medicina

•Hipócrates
Observação do doente, diagnóstico, prognóstico e terapêutica
Reconheceu a tuberculose, malária, histeria, neurose, luxações e fraturas
Princípio fundamental: “não contrariar a natureza, porém auxiliá-la a reagir”
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM

• ROMA:

• medicina sem prestígio, influência dos gregos

• CRISTIANISMO (revolução social que marcou


modificação na assistência aos doentes)
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM

• DESENVOLVIMENTO DAS
PRÁTICAS DE SAÚDE DURANTE
NOS PERÍODOS HISTÓRICOS.
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM

Práticas INSTINTIVAS/

HOMEM PRIMITIVO

SOBRENATURAL NATUREZA

PRÁTICAS OCULTAS
E EMPÍRICAS
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM
Mágico-Sacerdotais

SABEDORIA MÁGICA

CURANDEIROS
FEITICEIRAS SACERDOTES
BRUXAS
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM
PODERES
misticismo

CURANDEIROS
FEITICEIRAS
BRUXAS
(RITUAIS)

PRESTÍGIO

SACERDOTES
Auxiliados pelas mulheres CURANDEIROS
c/ boa posição social
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM

• Práticas de Saúde no Alvorecer da


Ciência:

Surgimento da filosofia
Observação do doente, diagnóstico,
prognóstico e terapêutica.
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM

MONÁSTICO-MEDIEVAIS
Séc. V a XIII

•Saúde recebe influência de fatores sócio-econômicos


e políticos
•Enfermagem é considerada prática leiga (religiosas) por isso
Caracterizada como sacerdócio
(valores inerentes: abnegação, espírito de serviço, obediência
outros).
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM

Práticas PÓS MONÁSTICAS


Finas do séc. XIII até início séc XVI

•Os ricos eram tratados em casa e os pobres amontoados em hospitais e


tratados por religiosos (sendo objeto de experiência para maior
conhecimento das doenças o que poderia levar a uma evolução das práticas
de saúde, porém elas eram pouco atrativas para mulheres de classe
social elevada.

•Movimentos renascentistas e reforma protestante(influenciada pela


inquisição) – época de grandes conflitos religiosos – igreja em queda.

•Expansão da ciência
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM
Mundo Moderno:

• Analisa as práticas de saúde e, em especial, a de


Enfermagem sob a óptica do sistema político-econômico da
sociedade capitalista e ressalta o surgimento da Enfermagem
como prática profissional institucionalizada. Esta análise
inicia-se com a Revolução Industrial no século XVI e
culmina com o surgimento da Enfermagem moderna na
Inglaterra, no século (XIX).
BREVE HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO
DA ENFERMAGEM

• Surgimento da Enfermagem Moderna

1. Avanço da medicina

2. Reorganização dos hospitais

3. Período de Florence Nightingale


FLORENCE NIGHTINGALE

História de Florence Nightingale

Nascida em 12 de maio de 1820, segunda filha


de uma família rica, foi batizada em
homenagem à cidade em que nasceu, Florença,
Itália. Devido à alta posição econômica e social
de sua família, ela era culta, muito viajada, e
educada.
FLORENCE NIGHTINGALE

Aos 17 anos já dominava vários idiomas e matemática e era


extremamente bem informada. Por meio das pessoas influentes
que conhecia, esperava-se que ela escolhesse um parceiro
agradável, se casasse, e assumisse o seu papel na sociedade. Mas
Florence Nightingale tinha outras ideias.

Queria se tornar enfermeira. Para sua família isto era impensável.


Ela continuava a viajar com sua família e seus amigos. Em suas
viagens, conheceu o Sr. e Sra. Sidney Herbert, que estavam
interessados na reforma dos hospitais naquela época.
Florence Nightingale
FLORENCE NIGHTINGALE

A Srta. Nightingale começou a coletar informações sobre a saúde


pública e sobre os hospitais e logo se tornou uma importante
autoridade no assunto.

Por intermédio de amigos ela aprendeu a respeito do Instituto do


Pastor Fliedner em Kaiserswerth. Como era uma instituição
religiosa sob o auspício da igreja, ela poderia ir lá, embora fosse
considerado inadequado ir aos hospitais ingleses. Em 1851 ela
passou três meses estudando em Kaiserswerth.
FLORENCE NIGHTINGALE

À medida que o seu


conhecimento sobre os hospitais
e sobre a reforma da
enfermagem crescia, ela era
consultada por reformuladores
e médicos, que estavam
começando a ver a necessidade
de enfermeiras “treinadas”. Sua
família ainda tinha objeções às
suas atividades.
GUERRA DA CRIMÉIA
Quando a Guerra da Criméia explodiu, os
correspondentes de guerra escreveram a respeito da
maneira abominável pela qual os soldados doentes e
feridos eram cuidados pelo Exército Inglês.
GUERRA DA CRIMÉIA

Florence Nightingale, já então uma autoridade


reconhecida em cuidados hospitalares, escreveu para
seu amigo Sir Sidney Herbert que era então o
Secretário da Guerra e ofereceu-se para levar um
grupo de 38 auxiliares para a Guerra da Criméia. Ao
mesmo tempo ele havia escrito uma carta requisitando
sua assistência para resolver aquela crise nacional.
Suas cartas cruzaram os correios.
GUERRA DA CRIMÉIA

Suas conquistas na Criméia foram impressionantes,


embora tenham afetado seriamente a sua própria
saúde.

38 auxiliares: 10 freiras católicas, 8 irmãs de caridade


da igreja anglicana, 6 enfermeiras do Instituto St John
e 14 voluntárias.
Florence cuidando de enfermos
vítimas da Guerra
MICRORGANISMOS, CONCEITO NÃO
CONHECIDO NA ÉPOCA

Florence não conhecia o conceito de contato por


microrganismos, uma vez que este ainda não tinha
sido descoberto, porém, já acreditava em um
meticuloso cuidado quanto à limpeza do ambiente e
asseio pessoal, ar fresco e boa iluminação, calor
adequado, boa nutrição e repouso, com manutenção
do vigor do paciente para a cura.
MICRORGANISMOS, CONCEITO NÃO
CONHECIDO NA ÉPOCA

Ao longo de toda Guerra da Criméia, Florence


conseguiu reduzir taxas de mortalidade entre os
soldados britânicos por meio de seus esforços como
enfermeira, provando a eficiência das enfermeiras
treinadas para a recuperação da saúde. Até aquele
momento, só homens e mulheres religiosas
poderiam cuidar dos soldados no exército.
MICRORGANISMOS, CONCEITO NÃO
CONHECIDO NA ÉPOCA

Durante sua vida, Florence escreveu intensamente


sobre hospitais, medidas sanitárias, saúde e
estatísticas de saúde, e especialmente sobre a
enfermagem e o ensino em enfermagem. Ela fez uma
cruzada e provocou uma grande reforma no ensino em
enfermagem.
A PRIMEIRA DE MUITAS

Em 1860 dedicou seus esforços para a criação de uma escola de


enfermagem no St. Thomas’ Hospital em Londres, financiado
pelo Nightingale Fund. Os princípios básicos nos quais Florence
fundou a sua escola incluíam:

1 - As enfermeiras deveriam ser treinadas em hospitais


associados com escolas médicas e organizadas para este
propósito.

2 - As enfermeiras deveriam ser cuidadosamente selecionadas e


deveriam residir em casas de enfermeiras que deveriam moldar
e formar a disciplina e o caráter.
A PRIMEIRA DE MUITAS

3 - A matrona da escola deveria ter a autoridade final sobre o


currículo, o dia a dia, e outros aspectos da escola.

4 - O currículo deveria incluir material teórico e experiências


práticas.

5- Os professores seriam pagos pela sua instrução.

6 - Seriam mantidos registros sobre os estudantes que seriam


obrigados a assistir as aulas, submeter-se a provas orais, escrever
artigos e manter diários.
A PRIMEIRA DE MUITAS

Em suas escolas, Florence baseava sua filosofia em quatro ideias-


chave:

1 - O dinheiro público deveria manter o treinamento de


enfermeiras e este deveria ser considerado tão importante quanto
qualquer outra forma de ensino;

2 - Deveria existir uma estreita associação entre hospitais e


escolas de treinamento, sem estas dependerem financeiramente e
administrativamente;
A PRIMEIRA DE MUITAS

3 - O ensino de enfermagem deveria ser feito por enfermeiras


profissionais e não por qualquer pessoa não envolvida com a
enfermagem;

4 - Deveria ser oferecido às estudantes, durante todo o período


de treinamento, residência com ambiente confortável e
agradável, próximo ao local.
Com esse dinheiro foi inaugurada em 1860 a Escola de Treinamento
Nightingale e a Casa das Enfermeiras sediadas no Hospital St Thomas
em Londres. O dinheiro do fundo também foi usado para criar uma
escola de parteiras no King's College Hospital, em Londres
A PRIMEIRA DE MUITAS

As primeiras escolas de treinamento ministravam cursos de um


ano, que com o tempo, passaram a ser de dois anos

Florence deu origem às prescrições médicas por escrito e


também exigia que suas enfermeiras acompanhassem os
médicos em suas visitas aos pacientes para prevenirem erros,
diretivas mal compreendidas e instruções esquecidas ou
ignoradas.
A PRIMEIRA DE MUITAS

A seu ver, para a melhoria do estado de saúde do país, o


ensino da enfermagem era uma grande responsabilidade das
enfermeiras. Preconizava a ideia de que a saúde era não
apenas estar bem, mas ser capaz de usar toda a nossa
capacidade. Florence julgava que o propósito da enfermagem
era colocar as pessoas na melhor condição possível para que a
natureza possa restaurar ou preservar a saúde, prevenir ou
curar as doenças.
Ela foi reconhecida em 1907 pela Rainha da Inglaterra com a
condecoração da Ordem ao Mérito. De diversas formas, Florence
Nightingale projetou a enfermagem como profissão.

Ela acreditava que as enfermeiras deveriam gastar seu tempo


cuidando dos pacientes, não limpando; que as enfermeiras deveriam
continuar estudando ao longo de suas vidas e não se tornar
“estagnadas”; que as enfermeiras deveriam ser inteligentes e
utilizar essa inteligência para melhorar as condições do paciente; e
que os líderes de enfermagem deveriam ter um reconhecimento
social.

Ela possuía uma visão de como a enfermagem poderia e deveria ser.


Em 1901, completamente cega, parou de trabalhar. Morreu em
Londres, em 13 de agosto de 1910, durante o sono, aos 90 anos.
A LÂMPADA, SÍMBOLO DE LUZ

Durante a noite, Florence Nightingale visitava os feridos


levando uma lanterna de campanha para iluminar seus
passos nos longos corredores e os próprios soldados a quem
prestava cuidados necessários. O efeito da luz, além de
possibilitar a atenta observação, aplacava a dor e solidão
dos feridos, animando-os na luta contínua pela vida. Por
essas rondas noturnas, Florence ficou conhecida como a
Dama da Lâmpada. Vencida a guerra, em 1856, Florence
Nightingale retornou com suas assistentes para a Inglaterra.
A LÂMPADA, SÍMBOLO DE LUZ

Assim, a lâmpada tornou-se o símbolo da Enfermagem


no mundo e sua representação foi estilizada,
assumindo a forma de uma lamparina grega, tipo
lâmpada de Aladim..
A LÂMPADA, SÍMBOLO DE LUZ
A LÂMPADA, SÍMBOLO DE LUZ
A LÂMPADA, SÍMBOLO DE LUZ
A LÂMPADA, SÍMBOLO DE LUZ

Muitas escolas de enfermagem procuram manter


vivo esse ritual e em todos os momentos
importantes, tais como abertura e encerramento de
eventos, formaturas, colação de grau, a lâmpada é
solenemente acendida no inicio do evento, no
primeiro dia e apagada no último dia, no momento
do encerramento, em que o presidente da mesa
anuncia esse ato e abre espaço para que a lâmpada
seja apagada.
A LÂMPADA, SÍMBOLO DE LUZ

Outras escolas mantêm uma cerimônia chamada "passagem


da lâmpada", na formatura, em que uma graduanda
representando os formandos, entrega a lâmpada acesa para
uma aluna ingressante, do primeiro ano, recomendando que
ela ajude a manter sempre acesa aquela chama do ideal.
Tais simbolismos acompanham ritualisticamente os
momentos marcantes de escola de enfermagem, e
eternizam a profissionalização da assistência de
enfermagem como uma das mais nobres profissões da vida
moderna.
JURAMENTO DE ENFERMAGEM
E-mail: dr.baldez@hotmail.com

WhatsApp: 98 985419627

Você também pode gostar