Você está na página 1de 9

ENTREVISTA DA EJA!

Dicentes: Nayara Daniela Victor & Maria Eduarda Galina Aquila.


RA’S: 100588 | 107911.
PROFESSORA: MARLI DA
SILVA PEREIRA. Pergunta: Qual é o perfil dos alunos da EJA?
IDADE: 55 ANOS
NASCIMENT0: 16/06/1966. Resposta: O aspecto do aluno trabalhador que chega às
PROFESSORA DO EJA DE vezes tarde na escola, cansado e com sono e querem sair
ARARAQUARA. mais cedo, isso quando eles vêm para a aula. Eles acham que
não são capazes de acompanhar os programas ou que o
programa não traz a realidade para o seu cotidiano, são
vários os motivos para evadirem. O aluno trabalhar defende
o prazer de aprender, e lamento faltarem, eles desistem
porque precisam trabalhar. É preciso buscar a reflexão sobre
o papel da escola, do professor, dos educando de frente as
suas práticas o qual a finalidade real que este pretende
atingir, posto que o professor precise antes de qualquer coisa
entender sua tarefa social dentro da sala de aula, para poder
trabalhar um modelo educacional comprometido de fato com
as transformações sociais, que a escola assume seu papel, e
necessário ter a realidade deste aluno, é impossível continuar
a caminhada sem rever a prática Curricular.
PROFESSORA: MARLI DA
SILVA PEREIRA. Pergunta: Quais são as maiores dificuldades de ser o
IDADE: 55 ANOS. professor da EJA?!
NASCIMENT0: 16/06/1966.  
PROFESSORA DO EJA DE Resposta: Referindo-se aos desafios do processo de ensino
ARARAQUARA. na EJA, aponta o alto índice de evasão dos alunos e a
dificuldade de contextualizar o conteúdo sistematizado com
a vivência desses, relacionando o que estão estudando dentro
da sala de aula com o que vivem em seu dia a dia.
 
As dificuldades que enfrenta no desenvolvimento do
trabalho, a baixa autoestima dos educandos, que não
acreditam na própria possibilidade de aprender a falta de
espaço para discussão de uma proposta pedagógica própria
para esse público, que tem especificidades, necessitando
tratamento diferenciado.
 
E o detalhe mais importante a ausência de um coordenador
pedagógico com formação na área de EJA, para discutir
dúvidas, dificuldades e ao mesmo tempo auxiliar
pedagogicamente.
PROFESSORA: MARLI DA
SILVA PEREIRA. Pergunta: Por que você escolheu ser professora da EJA?!
IDADE: 55 ANOS.  
NASCIMENT0: 16/06/1966. Resposta: A educação sempre esteve presente na minha,
PROFESSORA DO EJA DE desde de quando eu nasci... Os meus pais eram professores
ARARAQUARA. das escolas públicas\privadas. Deste modo, eu cresci com
livros e a vontade de fazer o mundo um lugar melhor para as
futuras gerações... Infelizmente não consegui agradar
algumas pessoas com a minha forma de pensamento. Pois, o
modo tradicional continua sendo o foco da educação
brasileira... Entretanto, se a mudança não acontecer... O
nosso amado país ficará perdido no passado. Em 2017 eu fiz
uma viagem para o Japão para conhecer o modo de
ensinamento... Foram três meses observando e aprendendo
como a evolução é o melhor caminho para a humanidade.

ESTUDE MUDE O FUTURO


ALUNA: MARIA ALZIRA DA
SILVA. Pergunta: Por qual motivo você precisou parar de estudar?
IDADE: 66 ANOS.
NASCIMENT0: 17/10/1955. Resposta: Meus pais trabalhavam na roça, e passavam a
ALUNA DO EJA DE maioria do tempo trabalhando, e por esse motivo as
ARARAQUARA. responsabilidades de cuidar da casa e dos meus irmãos
pequenos eram totalmente minha. Lembro-me também que a
gente mudava muito de casa naquela época, então ficava
difícil conciliar os estudos, sem contar que a escola muitas
das vezes ficava longe de casa. Depois eu me casei, e logo
engravidei, e meu marido sempre me falava que mulher tinha
que cuidar dos filhos, e do marido. Sendo assim acabei me
acostumando com aquela vida.

Pergunta: Naquela época você estudou até que série?

Resposta: Acho que até a 3° ou 4° série.


ALUNA: MARIA ALZIRA DA
SILVA. Pergunta: Você tinha algum sonho naquela época (o quê queria
ser quando se tornasse adulta)?
IDADE: 66 ANOS.
NASCIMENT0: 17/10/1955. Resposta: Eu sempre gostei de cuidar das pessoas, gostava de
ALUNA DO EJA DE ficar com meus irmãos pequenos e cuidar deles. Uma vez
ARARAQUARA. quando era criança, minha mãe me levou ao hospital, e eu
achava um máximo as enfermeiras, e falava que queria ser
igual.

Pergunta: Ao longo da sua vida você se sentiu discriminada por


não ter os estudos?

Resposta: Sim. Porque tudo que eu precisava, tinha que pedir


para meu marido, ele tinha os estudos, era o "chefe da casa", e
muitas das vezes, eu dependia dele para ler as coisas, ou para
comprar algo pois era totalmente dependente dele. No começo,
ele até era um bom marido, mas depois começou a beber, e por
eu não saber ler, me humilhava muito, me xingava de burra.
Foi uma época difícil.
ALUNA: MARIA ALZIRA DA
SILVA. Pergunta: O que fez você retornar a escola?
IDADE: 66 ANOS. Resposta: Bom, depois que meu marido faleceu e meus filhos
NASCIMENT0: 17/10/1955. estavam adultos, e casados… pensei que não era tarde para
ALUNA DO EJA DE voltar a estudar, sem contar que meus filhos sempre me
ARARAQUARA. incentivaram, então pensei que já estava na hora de fazer algo
por mim, aliás quase minha vida toda vivi para servir e cuidar
das outras pessoas.

Pergunta: Já pensou em desistir, em parar. Por quê?

Resposta: Sim, por causa da minha idade, e por se sentir


desanimada, mas graças a Deus meus filhos me incentivam a
continuar, então não posso desistir. Sem contar que fiz muitos
amigos na escola, me distraio nas aulas, e gosto muito da
professora.
Ao realizar essa entrevista podemos observar que, Maria
sofreu muito por não ter concluído os estudos, mas que
apesar de muita luta se esforçou para estudar, apesar do
CONCLUSÃO DA cansaço, da dificuldade em aprender, da idade, não deixou
ENTREVISTA! que sejam negados seus direitos e sabe que precisa da escola.
Podemos citar também que o apoio da família foi
importantíssimo nessa nova etapa da Maria, pois ela se sentiu
acolhida, e segura para continuar.

Outro aspecto importante é o professor, pois ele tem um


papel importante nesta trajetória, pois o aluno deve ter o
sentimento de pertencimento, formando em seus alunos uma
consciência crítica, mostrando a eles quem é o verdadeiro
culpado pelo seu fracasso escolar, levando esses alunos a
transformar a sua realidade.

O professor que enfrentará essa realidade deve preparar-se


bastante. Estudar essa realidade, informar-se, atualizar-se em
estratégias de ensino, em procedimentos diversificados para
atuar com mais consciência e eficiência. Mas deve,
sobretudo, respeitar muito o aluno pois eles já trazem
consigo uma "bagagem de vida".
ENCERRAME Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas.

NTO! Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros


desaprendam a arte do voo. Pássaros engaiolados são
pássaros sob controle. Engaiolados, o seu dono pode levá-
los para onde quiser. Pássaros engaiolados sempre têm um
dono. Deixaram de ser pássaros. Porque a essência dos
pássaros é o voo.

Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que


elas amam são pássaros em voo. Existem para dar aos
pássaros coragem para voar. Ensinar o voo, isso elas não
podem fazer, porque o voo já nasce dentro dos pássaros. O
voo não pode ser ensinado. Só pode ser encorajado.

Rubem Alves.