Você está na página 1de 28

Capítulo 11: PRODUÇÃO DA

LINGUAGEM

© Taylor & Francis 2015


Fala e escrita

Semelhanças Diferenças
• Há uma tentativa inicial • Os falantes sabem
para decidir o significado habitualmente quem é a sua
global a ser comunicado audiência
• Seguido pela produção • Falantes geralmente recebem
• Procede numa base feedback momento-a-
proposição-a-proposição momento verbal e não verbal
por parte do ouvinte
• Falantes geralmente têm
menos tempo para planificar
• Escritores tipicamente têm
acesso directo ao que
escreveram até aí

2
Produção da fala
• Estratégias para a tornar mais fácil
• Preformulação
• Usar frases utilizadas antes
• Subespecificação
• Utilização de expressões simplificadas nas quais o
significado completo não é explícito
• Quatro estádios
• Nível semântico: o significado do que vai ser dito ou a
mensagem a ser comunicada
• Nível sintáctico: a estrutura grammatical das palavras na
frase planeada
• Nível morfológico: morfemas (unidade base de
significado)
• Nível fonológico: fonemas (unidades básicas de som)
Planeamento da fala
• Nível de planeamento
• Proposição
• Participantes fazem pausa antes de nova proposição
(Holmes, 1988)
• Frase
• Pausa mais longa durante uma frase inicial complexa
(Martin et al., 2004)
• Flexibilidade no planeamento (Ferreira & Swets,
2002)
Erros da fala
• Tipos de erro da fala
• Spoonerisms (“you have hissed all my mistery lectures”)
• Lapsos Freudianos
• Substituição semântica (“where is my tennis bat?”)
• Erros de mudança de morfema (“he has already trunked
two packs”)
• Erros de acordo de número (“the government have
made a mess of things”)
• Detecção do erro
• Sistema de compreensão (Levelt, 1983)
• Abordagem baseada no conflicto (Nozari et al., 2011)
Erros da fala
• Correlação
entre detecção
de erro de fala
e a produção
• From Nozari et
al. (2011).
Reprinted with
permission
from Elsevier.
Teorias de produção da fala
• Teoria de Spreading-activation (Dell, 1986)
• Nós (correspondem a palavras ou conceitos) variam em
activação, que alastra para nós relacionados
• Um léxico (dicionário) que contem nós para conceitos,
palavras, morfemas e fonemas
• Regras categoriais
• Regras de inserção seleccionam os items para inclusão na
representação
• Depois de um item ser seleccionado, a activação reduz-se
imediatamente para zero
• Previsões relativamente a erros
• Efeito de erro misto
• Efeito de vies lexical
Teorias de produção da fala
• Erros podem ser (Dell et al., 1997):
• Anticipatórios (“caff of coffee” em vez de “cup of coffee”)
• Perserveração (“beef needle” em vez de “beef noodle”)
Modelo de Spreading-activation :
avaliação
Pontos fortes Limitações
• Prediz muitos erros de fala
que de facto ocorrem • Não enfatiza os processos
• Efeito de erro misto:
relacionados com a
processamento pode ser
alatamente interactivo semântica
• Não é concebida para
• Noção de spreading
predizer o tempo que
activation fornece ligações
demoramos a produzir
com outros processos
palavras faladas
cognitivos • Processos interactivos mais
• Mecanismos plausíveis para
aparentes nos erros do que
a monitorização dos erros no discurso sem erros
• Foco insuficiente na
extensão dos processos
interactivos
9
Teorias de produção da fala
• WEAVER++ (Levelt et
al., 1999)
• Rede de activation-
spreading feedforward
• Processamento discreto
• Envolve a lexicalização
• Passar do significado
aos sons
Teorias de produção da fala
• Sequência de processos na nomeação de figuras

From Indefrey (2011).


Copyright © 2011
Indefrey.
Modelo WEAVER++ model:
avaliação
Pontos fortes Limitações
• Noção (c/ apoio) de q a • Foco limitado(na produção
produção da fala procede de uma só palavra)
de: • Há muito mais interacção
• Selecção lexical entre os estádios de
• Codificação morfológica processamento do que o
• Codificação fonológica assumido pelo modelo
• Não consegue explicar os
• Altera o foco da
erros da fala que sugerem
investigação dos erros para
processamento em paralelo
a avaliação do tempo • A necessidade do conceito
preciso dos processos de
de lemma é questionável
produção da fala • Algumas descobertas na
• Modelo simples e elegante anomia são inconsistentes
que permite previsões com o modelo
testáveis

12
Neuropsicolgia cognitiva
• Afasia de Broca
• Fala lenta, não fluente
• Fraca capacidade de produzir frases gramaticalmente
correctas
• Compreensão da fala relativamente intacta
• Classicamente associada com lesão no lobo frontal esquerdo
(área de Broca)
• Afasia de Wernicke
• Fala fluente e aparentemente gramatical
• Mas a fala não tem, muitas vezes, significado
• Muitos problemas na compreensão da fala
• Classicamente associada a lesão no lobo temporal posterior
esquerdo (área de Wernicke)

13
Neuropsicolgia cognitiva

• Regiões do cérebro relacionadas com a linguagem


• From Berwick et al. (2013). Reprinted with permission
from Elsevier.
Neuropsicolgia cognitiva
• Anomia
• Capacidade afectada de nomeação de objectos
• De acordo com WEAVER++, ocorre ao nível da selecção do
lemma
• Erros de nomeação deveriam ser semelhantes em significado à
palavra correcta
• Doente JCU (Howard & Orchard-Lisle, 1984)
• Estádio de selecção da forma fonológica da palavra
• Doente EST (Kay & Ellis, 1987); tip of the tongue
• A extensão da anomia é melhor predicta por lesões
gerais semânticas e fonológicas (Lambon Ralph et al.,
2002)
• Não há evidência para indicar um papel para o nível do
lemma
• No entanto, doente MT (Ingles et al., 2007) apresentava um
défice no mapeamento das representações semânticas para
as fonológicas, embora ambos os sistemas pareçam intactos

15
Neuropsicolgia cognitiva
• Doentes com agramatismo
• Tendem a produzir frases curtas
com palavras de conteúdo, mas:
• Falta de palavras função (e.g., “the”,
“in”, “and”)
• Falta de final das palavras
• Associado com a afasia de
Broca
• De modo genérico apoia a
noção de que a produção
envolve um nível sintáctico
• Há variados sintomas do Reprinted from Grodzinsky
agramatismo que não estão and Friederici (2006). Copyright
© 2006, with permission from
sempre presents em conjunto
Elsevier.
num dado doente (Harley,
2008)

16
Neuropsicolgia cognitiva
• Jargonafasia:
• Parecem falar de forma gramaticalmente correcta
• Não conseguem encontrar a palavra que querem dizer
• Produzem frequentemente neologismos
• Palavras inventadas
• Têm problemas graves de compreensão
• O défice pode ocorrer a um nível de codificação fonológica
imediatamente após o acesso lexical (Olson et al., 2007)
• Monitorização inadequada da própria fala (Eaton et al.,
2011)
• Processamento fonológico perturbado (Harley, 2013)
• Os fonemas que se encontram nos neologismos são
determinados por:
• Fonemas presentes na palavra alvo
• Frequência fonémica
• Recência fonémica

17
Fala como comunicação
• Componentes para uma comunicação eficaz
• Princípio cooperativo
• Falantes e ouvintes devem tentar ser cooperativos
• Máxima de quantidade
• O falante deve ser tão informativo quanto o necessário,
mas não mais do que isso
• Máxima de qualidade
• O falante deve ser verdadeiro
• Máxima de relação
• O falante deve dizer coisas que são relevantes para a
situação
• Máxima de modo
• O falante deve tornar a sua contribuição fácil de
entender

18
Fala como comunicação

From Davies and Katsos (2013).


Reprinted with permission from
Elsevier.
Fala como comunicação
• Design de audiência
• Os falantes devem ter em conta as necessidades
específicas dos seus falantes
• Priming sintáctico
• A fala tende a seguir uma estrutura sintáctica que foi
ouvida recentemente
• Gestos
• Usados para ajudar na compreensão e clarificação
• Índices prosódicos
• Entoação usada para auxiliar o significado
• Marcadores de discurso (palavras extra p ajudar a
clarificar)
Escrita
• Hayes e Flower (1986)
• Processo de planeamento que envolve a produção
de ideias e a sua organização para satisfazer os
objectivos do escritor
• Processo de geração de frase que envolve a
conversão do plano de escrita na produção actual
de frases
• Processo de revisão que envolve a avaliação do
que foi escrito até ao momento e a revisão se for
necessária
Escrita
• Processos chave (Chenoweth & Hayes, 2003)
• Proponente
• Processos de alto nível de planeamento
• Tradutor
• Converte mensagens em palavras
• Transcritor
• Converte as sequências de palavras em texto escrito ou
processado em computador
• Avaliador/revisor
• Monitoriza e avalia a produção
Escrita

• Perícia na escrita
• Efeito de conhecimento
• Pressuposto de que o leitor partilha o seu conhecimento

From Kellogg (2008).


Reprinted
with permission of the
Journal of
Writing Research,
www.jowr.org.
Escrita

• Agrafia desexecutiva
• Incapacidade de escrever devido a lesão no lobo frontal
Soletração
• Áreas cerebrais activadas durante a escrita
manuscrita

From Planton et al. (2013). Reprinted


with permission from Elsevier.
Soletração
• Planton et al. (2013)
Soletração
• Duas vias na soletração
• Lexical
• Disgrafia fonológica
• Não-lexical
• Disgrafia de superfície
• Ambas as vias envolvem
um buffer grafémico
• Vias podem não ser
independents (bouquet
como BOUKET;
knowledge como
KNOLIGE)
From Rapp and Dufor (2011). ©
Massachusetts Institute of Technology,
by permission of The MIT Press.
Soletração
• Áreas do cérebro
activadas pela leitura e
soletração, mostrando
léxicos sobrepostos

From Rapp and Lipka (2011). ©


Massachusetts Institute of Technology, by
permission of The MIT Press.

Você também pode gostar