Você está na página 1de 19

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

TECNOLÓGICA DO PARÁ – IFPA


DISCIPLINA: QUÍMICA ORGÂNICA II/BIOQUÍMICA

REAÇÕES ORGÂNICAS
(REAÇÕES DE ADIÇÃO)

PROFESSOR: MILTON PEREIRA


 REAÇÕES ORGÂNICAS
 A maioria dos compostos orgânicos é de natureza molecular. De modo geral, as
transformações químicas que envolvem substâncias moleculares são mais lentas e difíceis do
que as que envolvem íons. Isso porque devem ser rompidas ligações para que os átomos
possam se rearranjar e originar novas moléculas.

 Apesar de existirem milhões de reações orgânicas podemos classificá-las em algumas classes


gerais. São elas, reações de: ADIÇÃO, SUBSTITUIÇÃO, ELIMINAÇÃO, OXIDAÇÃO E REDUÇÃO.
1. CISÕES DAS LIGAÇÕES COVALENTES
 Para que uma transformação química ocorra é necessário que as ligações entre os átomos dos
reagentes sejam rompidas e que se estabeleçam outras ligações formando um novo arranjo
entre os átomos, originando novas substâncias, os produtos.
 O tipo de cisão que irá ocorrer na ligação entre dois átomos é resultado da combinação de
fatores, tais como diferença de eletronegatividade, tipo de solvente e condições físicas.
1.1. CISÃO HOMOLÍTICA OU HOMÓLISE
 Quebra simétrica da ligação covalente;
 Ocorre por ação de luz (𝜆), calor (∆) ou peróxido orgânico (R-O-O-R);
 Originam grupos eletricamente neutros, os radicais livres;
 Ocorrem preferencialmente nas ligações apolares;
 Quanto mais ramificado for o carbono que está ligado o hidrogênio, mais facilmente ocorrerá
a homólise;

 Estabilidade dos radicais livres.


 Aplicação da homólise
1. Quais os possíveis radicais livres monovalentes formados a partir da saída de um hidrogênio da
substância metil butano?

2. Qual a ordem decrescente de estabilidade dos radicais livres formados acima?


Resposta: (III) > (II) > (I) > (IV)
1.2. Cisão Heterolítica ou Heterólise
 Quebra assimétrica da ligação covalente;
 Ocorre por ação de catalisadores (BF3, AlCl3, ZnCl2, FeCl3, SnCl4, etc.);
 Origina íons;
 Ocorre com maior facilidade nas ligações polares.

2. REAGENTES (ATACANTES) QUE ATUAM NAS REAÇÕES ORGÂNICAS


2.1. RADICAIS LIVRES
 Originados da cisão homolítica, apresentam na sua estrutura elétron desemparelhado.
RADICAIS LIVRES QUE SERÃO FORMADOS
Provenientes do Proveniente do
substrato orgânico reagente

Substrato Atacante e
orgânico
2.2.ELETRÓFILOS (+)
 Originados de cisão heterolítica, são espécies deficientes de elétrons e apresentam afinidade
pelo centro de carga negativa do substrato orgânico.

2.3. NUCLEÓFILOS (-)


 Originados de cisão heterolítica, são espécies que apresentam par eletrônico não
compartilhado e possuem afinidade pelo centro de carga positiva do substrato orgânico.
3. INTERMEDIÁRIOS ORGÂNICOS
 Estruturas instáveis e reativas entre reagentes e produtos originados a partir do substrato
orgânico.
3.1.RADICAIS LIVRES (citados nos reagentes).
 Geometria: trigonal plana. Hibridação: sp2
3.2. CARBOCÁTION ou ÍON CARBÔNIO (C+)
 Originam-se através de cisão heterolítica, quando o carbono perde elétrons.
 Geometria: trigonal plana
 Hibridação: sp2

 São eletrófilos.

 Estabilidade dos carbocátions:


3.2.1. Propriedades dos Carbocátions
1. REARRANJO
 São transposições de H ou radical orgânico e carga positiva, entre carbonos vizinhos, com a
finalidade de aumentar a estabilidade do carbocátions.
 É necessário que a carga positiva localize-se em carbono primário ou secundário e o carbono
vizinho seja terciário, alílico ou benzílico.
Ex:
2. ELIMINAÇÃO
 Quando em presença de bases fortes, o carbocátion pode perder um próton (H+) do carbono
vizinho ao da carga, originando alcenos.
 Numa eliminação o alceno formado em maior percentual será o mais estável possível. (Regra
de Saytzevv)
3.3. CARBÂNIONS (C-)
 Originam-se através de cisão heterolítica, quando o carbono ganha elétrons.

Carbânion

 Geometria: piramidal
 Hibridação: sp3

3.4. COMPARAÇÃO ENTRE AS GEOMETRIAS DOS INTERMEDIÁRIOS ORGÂNICOS


 Aplicação
1. Classifique as espécies químicas a seguir em eletrófilas, nucleófilas ou radicais livres.

a) OH-: NUCLEÓFILA

b) : RADICAL LIVRE

c) NO2+ : ELETRÓFILA

d) :
NUCLEÓFILA

e) : RADICAL LIVRE

f) BF3 : ELETRÓFILA
ELETRÓFILA
g) SO3𝛅+ :
h) AℓCℓ3 :
ELETRÓFILA
i)
RADICAL LIVRE
:
4. MECANISMOS DAS REAÇÕES ORGÂNICAS
 Chama-se de mecanismo de uma reação a explicação detalhada das várias etapas que ocorrem
do início até o final do processo.
4.1. CARACTERÍSTICAS DAS REAÇÕES ORGÂNICAS
 Relativamente lentas;
 Muitas são reversíveis;
 A maioria é acompanhada de reações sucessivas;
 Frequentemente o rendimento prático não se
aproxima do valor teórico.
4.2. CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES ORGÂNICAS
1. REAÇÕES DE ADIÇÃO
2. REAÇÕES DE SUBSTITUIÇÃO
3. REAÇÕES DE ELIMINAÇÃO
4. REAÇÕES DE OXIDAÇÃO
5. REAÇÕES DE REDUÇÃO
5. REAÇÕES DE ADIÇÃO
 Duas ou mais substâncias reagem entre si, originando um único produto.

 Características das substâncias que apresentam insaturação ou tensão angular.

5.1. HIDROGENAÇÃO (H2)


 Realizada com aquecimento em presença de catalisador de adsorção (Ni, Pd ou
Pt).
Hidrogenação
 A adição ocorre de maneira syn.
 Mecanismo:

 A hidrogenação pode ser parcial ou total:

 Aplicação: Produção de margarina - Processo de Sabatier-Senderens (catalisador – Ni)


5.2. HALOGENAÇÃO (X2)
 Reatividade dos Halogênios: F2 > Cℓ2 > Br2 > I2
 Em presença de luz ocorre uma adição via radical livre.
 Em presença de catalisador ocorre uma adição eletrofílica.
5.2.1. HALOGENAÇÃO VIA RADICAL LIVRE
5.2.2. HALOGENAÇÃO ELETRÓFILA
 A adição trans de halogênios é explicada pela formação de um intermediário cíclico (íon
halônio) no qual o halogênio se liga simultaneamente a ambos os átomos de carbono da
insaturação.
5.3. HALOGENIDRETAÇÃO (HX)
 Reatividade dos halogenidretos: HI > HBr > HCℓ > HF
MECANISMO:

Ataque eletrófilo – Etapa Lenta

Ataque nucleófilo – Etapa Rápida

 Regra de Markovnikov (1869): O atacante nucleofílico (-) se ligará


preferencialmente ao carbono menos hidrogenado, mais ramificado
e mais central da insaturação.
 Para a adição de HX, o hidrogênio(+) se ligará ao carbono mais hidrogenado.
5.3.1. Aplicação da Regra de Markovnikov
Referências Bibliográficas
 SOLOMONS, T.W.G. Química Orgânica, Vols. 1 e 2, 12ª ed.LTC. São Paulo, 2018.
 REIS, M. Completamente Química: Química Orgânica, 1ª ed. FTD, São Paulo, 2001
 https://pt.wikipedia.org/wiki/Vladimir_Vasilevich_Markovnikov

Você também pode gostar