Você está na página 1de 34

Gestão de materiais:

Prof. Fábio André Nass


Senac Santa Catarina
www.sc.senac.br
Administração
As quatro funções principais do administrador

• Planejar
• Organizar
• Dirigir
• Controlar
Administração de Materiais e Patrimônio X
Administração
Das quatro funções básicas da administração podemos dizer que
a administração de materiais e patrimônio interage diretamente
com três, que são Planejamento, Organização e Controle, tendo
também o apoio da Direção, pois envolve diretamente pessoas.
Administração de Materiais e Patrimônio

Um dos principais papeis do


administrador é de administrar os
recursos da organização, esta
administração se deve ao fato de que
os recursos sempre serão escassos e
as necessidades ilimitadas, portanto,
gerir os recursos para o melhor
aproveitamento e consequentemente
obter o melhor resultado é a função
do administrador.
A gerência de materiais é um conceito vital que pode resultar na
redução de custos e no aperfeiçoamento do desempenho de
uma organização de produção, quando é adequadamente
entendida e executada. É um conceito que deve estar contido na
filosofia da empresa e em sua organização.
Os materiais em geral representam a maior parcela de custo de produtos acabados,
mostrando que são responsáveis por aproximadamente 52% do custo do produto numa
média empresa e, em alguns casos, podem chegar a 85%. O investimento em estoque de
materiais é tipicamente de 1/3 do ativo de uma empresa. Administrar materiais é fazer um
exercício de provedor, analista, pesquisador e programador. É, acima de tudo, colocar a
empresa como um organismo viável a todos que dela participam.
Administração de Recursos
Materiais
Engloba a sequência de operações que tem seu início na
identificação do fornecedor, na compra do bem, em seu
recebimento, transporte interno e acondicionamento,
em seu transporte durante o processo produtivo, em sua
armazenagem como produto acabado e finalmente, em
sua distribuição ao consumidor final.
Recursos Patrimoniais

Trata da sequência de operações que, assim como a administração


dos recursos materiais, tem início na identificação do fornecedor,
passando pela compra e recebimento do bem, para depois lidar
com sua conservação, manutenção ou, quando for o caso,
alienação.
Definição de recurso
É tudo aquilo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza, no
sentido econômico do termo.

Ex. Capital, terra e trabalho.


Fatores da Produção - Recursos

Assim, um item de estoque é um recurso, pois, agregado a um produto


em processo, irá constituir-se em um produto acabado, que deverá se
vendido por um preço superior ao somatório de todos os custos
incorridos em sua fabricação .O edifício que abriga as instalações da
empresa é um recurso, já que é essencial a seu funcionamento. As
pessoas que trabalham na empresa também constituem recursos.
O capital, sob forma de numerário, é um
recurso mais facilmente reconhecido, por
sua característica de liquidez, que faz com
que ele possa ser utilizado inclusive na
aquisição de outros recursos. A tecnologia
é um recurso que ganha importância a
cada dia. Assim, tecnologias mais
avançadas produzem um diferencial em
relação às anteriores, normalmente
traduzindo em menores custos, ou um
outro diferencial que possa ser
transformado em algum tipo de vantagem
econômica, como maior lucro.
Conceito geral de patrimônio

Entende-se por patrimônio o conjunto de bens, direitos e


obrigações de uma pessoa ou empresa.

De modo geral, abrange tudo aquilo que a empresa ou pessoa


tem (bens e direitos) e tudo aquilo que a pessoa deve
(obrigações); sendo considerado, do ponto de vista contábil,
apenas o que se tem valor monetário e que pode gerar lucros.
Saber tudo o que compõe o patrimônio empresarial é muito
importante, já que por meio do seu cálculo é que se consegue
determinar de forma detalhada qual o verdadeiro estado
da saúde financeira da empresa.

É importante frisar que o patrimônio de uma empresa não se


confunde com o patrimônio particular de seus sócios.
BENS

BENS São as coisas úteis, capazes de satisfazer às necessidades das pessoas e das empresas.
Dividem-se em:

• BENS TANGÍVEIS - Têm forma física, são palpáveis. Ex.: Veículos, imóveis, estoques de
mercadorias, móveis e utensílios, ferramentas, etc
• BENS INTANGÍVEIS - Não são palpáveis, não constituídos de matéria.
• Ex.: Marcas (Coca-Cola), patentes de invenção (direito exclusivo de explorar uma invenção).
• BENS IMÓVEIS - Vinculados ao solo. Não podem ser retirados sem destruição ou dano:
edifício, árvores, etc..
• BENS MÓVEIS - Podem ser removidos por si próprios ou por outras pessoas: animais
(semoventes), máquinas, equipamentos, estoques de mercadorias.
Direitos Obrigações

É o direito que a empresa tem de As obrigações, por sua vez, são dívidas que a
receber valores de terceiros, empresa assume com terceiros, ou seja, as
decorrentes de suas transações contas a pagar, tais como:
comerciais.
Podemos citar como exemplos: • fornecedores;
• duplicatas a pagar;
• duplicatas a receber; • salários a pagar;
• aluguéis a receber; • aluguéis a pagar;
• notas promissórias a receber; • impostos a pagar;
• juros a receber etc. • empréstimos
• etc.
5w2h
Você já ouviu falar em depreciação financeira de patrimônio?
Linear
É o modelo clássico, em que uma taxa de depreciação constante
é adicionada sobre o bem. A perda de valor é considerada por
ano, de acordo com a vida útil.
Por exemplo: um computador funciona, em média, por cinco
anos.
Então, sua desvalorização é de 20% ao ano (100% / 5).
Por uso

Utilizado para verificar o desgaste de máquinas em linhas de


produção, o cálculo por uso analisa quantas unidades, em
média, são produzidas durante a vida útil do equipamento.
Assim, a desvalorização ocorre de maneira não linear.

Por exemplo: se o ativo produz, no máximo, 400 mil peças e são


fabricadas 125 mil em um ano, há uma redução de 31% do valor.
Depreciação acelerada
Calcular o desgaste pelos modelos anteriores nem sempre é
eficiente. Em alguns casos, é melhor utilizar a depreciação
acelerada. Nesse caso, entende-se que o equipamento funciona
o dia todo ou por mais de oito horas diárias — padrão adotado
nos modelos de cálculo linear e por uso. Isso é exatamente o
que ocorre com boa parte dos ativos de TI. Nesse caso, é preciso
adotar um dos três coeficientes do cálculo:
• 1 – desvalorização normal: utilizado quando o bem funciona oito horas por dia;
• 1,5 – desvalorização acelerada: utilizado quando o bem funciona 16 horas por
dia;
• 2 – desvalorização máxima: utilizado quando o bem funciona 24 horas por dia.

Perceba que, no método acelerado, há um desgaste maior no primeiro ano,


menor no segundo e assim por diante. Com esses modelos, você consegue fazer
um cálculo correto da depreciação financeira patrimonial da sua área de TI.
Exemplos

A Receita Federal tem uma tabela que detalha a taxa anual de


depreciação de alguns bens. Entre eles estão computadores e periféricos
que têm vida útil considerada de cinco anos, com desvalorização anual de
5%. Além disso, a depender da escolha do método de depreciação, você
fará um cálculo diferente. Entenda!
Linear

A fórmula para cálculo é: depreciação anual = (valor novo – valor residual) / vida útil
em anos. O valor residual é o preço de um ativo depreciado no fim de sua vida útil.
Um computador, por exemplo, dura cinco anos. O que você precisa saber é quanto ele
valerá no momento de uma possível venda ou substituição.

Imagine que você adquiriu uma máquina de R$5.000 com valor residual de R$1.500 e
vida útil de cinco anos.

Colocando os valores na fórmula, temos: depreciação anual = (5.000 – 1.500) / 5 =


3.500 / 5 = R$700 por ano. Isso significa que, se você utilizar esse bem por três anos,
ele valerá R$2.900.
Por uso
Nesse modelo, é preciso primeiro achar a taxa de depreciação. Para isso, faça o
cálculo: taxa de depreciação = número de horas trabalhadas no período / número de
horas estimadas para funcionar durante a vida útil.
No caso de um servidor, por exemplo, a vida útil é de três anos, em média. Isso
representa 26.280 horas de trabalho. Como ele funciona 24 horas por dia, trabalha
por 8.760 em um ano. Na fórmula, temos: taxa de depreciação = 8.760 / 26.280 =
0,3333 x 100 = 33,33% ao ano.

Em seguida, podemos calcular a desvalorização da seguinte maneira: depreciação =


valor do bem x taxa de depreciação. Imagine que o servidor tenha custado R$10.000.
Com esses números, temos: depreciação = 10.000 x 33,33% = R$3.333. Portanto, o
equipamento passa a valer R$6.667.
Depreciação acelerada
A taxa de depreciação varia todos os anos. Por isso, primeiro você deve
colocar os anos de vida útil e somá-los. No caso de um hardware, são
cinco anos. Então, temos: 1 + 2 + 3 + 4 + 5 = 15. Em seguida, distribua um
índice à razão entre os números. Pegue a soma e siga a ordem
decrescente.
Por exemplo: no primeiro ano, a taxa é de 5/15, no segundo de 4/15, no
terceiro de 3/15, no quarto de 2/15 e no quinto de 1/15. Por fim, faça o
cálculo para cada um dos anos.
Agora, imagine novamente que o hardware tem valor inicial de R$5.000.
Nesse caso, calculamos:

5/15 de R$5.000 = R$1.666,66;


4/15 de R$5.000 = R$1.333,33 — o acumulado é de R$2.999,99;
3/15 de R$5.000 = R$1.000 — o acumulado é de R$3.999,99;
2/15 de R$5.000 = R$666,66 — o acumulado é de R$4.666,65;
1/15 de R$5.000 = R$333,33 — o acumulado é de aproximadamente
R$5.000.
Registros de Patrimônio

Bom para que um produto ou item, não perca tanto seu valor com o
tempo precisa ser acompanhado, pois a troca por um novo, pode chegar
um momento em que ele não funcione ou sirva mais e precise de
reposição. Não se pode ignorar esse fato, isso poderá gerar custos não
previstos altíssimos que pode prejudicar seu fluxo de caixa.

Para começar a controlar bem o seu inventário de bens, precisa fazer os


registros dos mesmos, que envolvem basicamente:

• Funcionário responsáveis, setores, Categorias dos bens;


Basta controlar o lançamento de todos os seus bens com o
maior número de informações do mesmo, este tipo de
informação o ajudara a fazer o acompanhamento do inventário.

Ter o controle do responsável pelo bem, área do mesmo, data da


compra, número de controle, tempo de uso, tempo de garantia,
depreciação.
No caso de troca de patrimônio de setor ou funcionário, o responsável
pelo inventario deve ser avisado para que seja efetuado a troca do
mesmo, para que tenha um melhor controle de tudo.

Para que seja feita manutenções em determinados períodos por exemplo,


isso ajuda muito com a vida útil do equipamento.
Atividades
Fazer um levantamento dos itens de patrimônio de um
Centro de distribuição e cadastrar na planilha enviada
no grupo.
Obrigado!
Fábio André Nass
fabio.nass@prof.sc.senac.br

www.sc.senac.br