Você está na página 1de 19

A B C D E F G H I J K

1
2
3
4
5
6
ECTOTERMIA
7
8
Universidade Católica de Pernambuco
9 Disciplina: Fisiologia e Anatomia Evolutiva
10 Docente: Roberta Richard Pinto
11
Discentes: Giulia Andrade, Luanna Júlia, Maria Gabriella e Vitória Régia
12
13
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 TERMORREGULAÇÃO
4
5
6
● Produção de calor;
7
● Regulação e manutenção da temperatura
8 corporal;
9 ● Homeostase (estabilidade fisiológica);
10 ● Calor produzido + calor conservado + calor
11 perdido.
12
13
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3
4
5 Ectotermia;
6
7
8
Endotermia;
9 OS TIPOS
10
11
12
Mesotermia.
13
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 ECTOTERMIA
4
5 DEFINIÇÃO:
6
● Mecanismo de regulação de
7
temperatura;
8 ● Calor metabólico;
9 ● Forma ancestral da termorregulação;
10 ● Seleção natural;
● Exposição direta ao sol ou contato
11
com algum objeto quente.
12
13
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 ECTOTERMIA
4
5
6 ● Temperatura interna do animal;
7 ● Constância da temperatura; ➔ condução;
● A energia solar -> ganho de energia ➔ convecção;
8
térmica; ➔
9 irradiação;
● Produção de calor metabólico = fonte
➔ ação combinada de convecção e
10 de energia.
11
irradiação;
➔ evaporação.
12
13
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 ECTOTERMIA
4
5
6
7 ● Mecanismos comportamentais de ● Estes mecanismos, o tempo de
8 regulação = faixa de temperaturas atividade diária e estacional, os
9 corporais maior; ajustes posturais e, a seleção de
10 microhabitat = temperatura
11
corporal.
12
13
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 EXEMPLO: RÉPTEIS
4
5
● Por meio do ambiente;
6
7 BANHO DE SOL NAS PRIMEIRAS
HORAS DA MANHÃ
8
9
10
11
12
FUNCIONAMENTO DO
13
METABOLISMO
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 EXEMPLO: RÉPTEIS
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 EXEMPLO: RÉPTEIS
4
5 S
6
E
7
R
8
P
9
10
E
11
N
12
T Utilizam-se de folhiços devido ao
E calor, principalmente após a
13
alimentação.
14 S
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 EXEMPLO: INSETOS
4
5
● São considerados ectotermos;
6 ● Podem obter energia térmica de fontes externas ou
7 internas;
8 ● Capacidade de aumentar de temperatura corporal em
9 valores superiores aos 30°C = capacidade
10 endotérmica;
11 ● Em quase todas as atividades, exceto no voo, eles se
12 comportam como ectotermos.
13
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 EXEMPLO: INSETOS
4
5
6
7
8
9
10
11 ODONATA = LIBÉLULA
12 DIPTERA = MOSCA-
DAS-FLORES
13
LEPIDOPTERA =
14 BORBOLETA
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 VANTAGENS X DESVANTAGENS
4
5 DESVANTAGEM: dependência da temperatura externa.
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 VANTAGENS X DESVANTAGENS
4
5
6
VANTAGEM:
● Acesso de baixo custo a
7
vida;
8 ● Demandam de menos
9 alimento = animais podem
10 viver em ambientes pobres
em alimentos;
11
● Economia energética.
12
13
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 VANTAGENS X DESVANTAGENS
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3
4
RÉPTEIS E ANFÍBIOS
5
Devido a sua alta exposição, em função da
6
ectotermia, estes animais são mais fáceis de
7
encontrar em ações de resgate e manejo dos
8
mesmos. Além disso, grande número deles
9
10
possuem baixa mobilidade, justamente pela
ectotermia.
CURIOSID
11
12
ADE
13
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 REFERÊNCIAS
4 BIOLOGIA NET. Animais Endotérmicos e Ectotérmicos. Disponível em:
https://www.biologianet.com/zoologia/animais-endotermicos-ectotermicos.htm. Acesso em: 23 out.
5
2021.
6
7 Bennett, A.; Ruben, J. (9 de novembro de 1979). «Endothermy and activity in vertebrates». Science. 206
(4419): 649–654. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.493968
8
9
Grady J.M., Enquist B.J., Dettweiler-Robinson E., Wright N.A., Smith F.M. (2014). «Evidence for
10 mesothermy in dinosaurs». Science (en inglés) 344 (6189): 1268-1272. doi:10.1126/science.1253143.
11
12 INFO ESCOLA. Ectotermia. Disponível em: https://www.infoescola.com/biologia/ectotermia/. Acesso
em: 20 out. 2021.
13
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 REFERÊNCIAS
4
KHAN ACADEMY. Endotérmicos e ectotérmicos. Disponível em:
5 https://pt.khanacademy.org/science/biology/principles-of-physiology/metabolism-and-
6 thermoregulation/a/endotherms-ectotherms. Acesso em: 23 out. 2021.

7 MOREIRA, Catarina. Termorregulação. Revista de Ciência Elementar, v. 3, n. 3, 2015.


8 PINTO, Marcelo Bittencourt Ramos. Resgate e manejo de fauna: estudo de caso sobre obra de linha de
9 transmissão de energia.

10 ROCHA, N.C.; MORAES, I.A. Termorregulação nos animais. Homepage da Disciplina Fisiologia
11 Veterinária da UFF. 2017.

12
13
14
15
16
A B C D E F G H I J K

1
2
3 REFERÊNCIAS
4
SALA BIOQUÍMICA. Endotérmicos versus Ectotérmicos: vantagens e desvantagens. Disponível
5 em: http://salabioquimica.blogspot.com/2011/06/endotermicos-versus-ectotermicos.html?m=1. Acesso
6 em: 21 out. 2021.

7 YOUTUBE. Termorregulação em Répteis. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?


8 v=2U4I1guI7gk. Acesso em: 25 out. 2021.

9 YOUTUBE. Termorregulação (Endotermia, Ectotermia e Mesotermia). Disponível em:


10 https://www.youtube.com/watch?v=9nVDgvWQ3aA. Acesso em: 23 out. 2021.

11
12
13
14
15
16
OBRIGADA!

Você também pode gostar