Você está na página 1de 31

MÓDOLO

Custo Conjunto

Prof. Maristela Maria Moura


PROGRAMA DO MODULO
• 6. Custeio Conjunto

• 6.1 Introdução

• 6.2 Conceito

• 6.3 Distinção Entre Co-produtos, Subprodutos E Sucatas

• 6.4 Apropriação do Custo Conjunto

• 6.5 Método de Mercado

• 6.6 Método de produção

• 6.7 Exemplo de Aplicação


CUSTO CONJUNTO INTRODUÇÂO
• Com o desenvolvimento das atividades empresariais, é cada vez mais comum a existência de companhias que utilizam o mesmo

complexo industrial para a produção de diversos co-produtos ou subprodutos, muitas vezes com a utilização das mesmas matérias-

primas, máquinas e mão-de-obra.

•  Esse fenômeno ocorre principalmente nos seguintes setores industriais: químico e petroquímico, refinarias de petróleo,

farmacêutico, usinas de processamento de produtos agrícolas, setor alimentício, metalúrgico, mineração, fertilizantes etc.

•  A utilização da mesma planta industrial – ou parte dela – tem representado um grande desafio para os gestores das organizações,

para os profissionais da contabilidade de custos gerencial e fiscal, bem como para os fiscais e auditores.

•  Sem dúvida, nos modernos ambientes industriais verticalizados, tornam-se significativamente mais complexas e desafiadoras as

atividades envolvendo a apuração dos custos de produção de cada produto – ou linha de produto – para fins de avaliação de estoque,

auxílio na determinação dos preços de vendas, análise das margens de lucratividade, do ponto de equilíbrio, fixação dos preços de

transferências internas para análise do desempenho divisional etc.


CUSTEIO CONJUNTO CONCEITO

• Ocorre Quando a mesma


matéria-prima gera diversos
produtos no mesmo processo
produtivo.

• Ex: Abate do Boi, Refino de


petróleo e o Leite.
CUSTEIO CONJUNTO
DISTINÇÃO ENTRE CO-PRODUTOS, SUBPRODUTOS E SUCATAS

• Todos os três elementos têm comum o fato de

serem obtidos da mesma matéria-prima durante

o mesmo processo produtivo.


CUSTEIO CONJUNTO
DISTINÇÃO ENTRE CO-PRODUTOS, SUBPRODUTOS E SUCATAS

• C0 – Produtos – Todos são produtos, possuindo

mercado especifico. Preços similares e estoques

próprios; Exemplo; De um mesmo lote de

resinas de PVC, uma indústria de plásticos pode

gerar canos, tubos, conexões, caixas etc.


CUSTEIO CONJUNTO
DISTINÇÃO ENTRE CO-PRODUTOS, SUBPRODUTOS E SUCATAS

• Subprodutos – Possuem mercado regular mas preços


irrisório. Não possuem estoques próprios e sua receita liquida
é tratada como redução dos custos de produção; exemplo, o
vinhoto resultante do processamento da cana-de-açúcar nas
usinas, era, até recentemente, considerado como um lixo
poluente dos rios e lagos. Atualmente, as usinas já estão
reaproveitando comercialmente tais resíduos para a
fabricação de fertilizantes.
CUSTEIO CONJUNTO
DISTINÇÃO ENTRE CO-PRODUTOS, SUBPRODUTOS E SUCATAS

• Sucata – Possuem mercado regular mas preço irrisório. Não


possuem estoque próprio. Quando vendidos, o produto
obtido é tratado como receita eventual. xemplo de aparas:
uma indústria metalúrgica utiliza, em seu processo produtivo,
chapas de aço de 0,60 cm por 1,0 m, da qual aproveita apenas
0,50 cm por 0,90 no corte e prensagem das peças.
Evidentemente, em cada chapa ocorrerá uma perda
inevitável, que será controlada como aparas de metal.
APROPRIAÇÃO DOS CUSTOS CONJUNTOS
AOS CO-PRODUTOS

• No caso dos co-produtos os custos diretos devem ser


realçados aos diversos produtos. Em virtude de serem
gerados simultaneamente, não havendo, em virtude
disso, meios de se distinguir os custos diretos de cada
produto.
• Em vista disso, os custos diretos devem ser
apropriados aos diversos co-produtos atráves e um dos
seguintes critérios.
APROPRIAÇÃO DOS CUSTOS CONJUNTOS
AOS CO-PRODUTOS

• No caso dos co-produtos os custos diretos


devem ser realçados aos diversos produtos.
Em virtude de serem gerados
simultaneamente, não havendo, em virtude
disso, meios de se distinguir os custos diretos
de cada produto.
APROPRIAÇÃO DOS CUSTOS
CONJUNTOS AOS CO-PRODUTOS
• Em vista disso, os custos diretos devem ser apropriados aos
diversos co-produtos através e um dos seguintes critérios.

A) Método do valor de mercado: Este é o método mais utilizado pelo


mercado. Caracteriza-se por utilizar por utilizar como base para o
rateio a receita potencial de cada co-produto.

B) Método dos volumes produzidos: Este método utiliza como base


para o volume produzido de cada co-produto.
APROPRIAÇÃO DOS CUSTOS CONJUNTOS
AOS CO-PRODUTOS
C) Método da igualdade do lucro Bruto: Este método utilizar como
base para o rateio o valor o lucro bruto por unidade considerando
melhor lucro bruto será o mesmo para cada produto.

D) Método da igualdade do lucro bruto: Este método aperfeiçoa o


método do volume produzido atribuido peso aos co-produtos em
função do grau de dificuldade, importância, facilidade de venda, etc.
CRITÉRIOS PARA APROPRIAÇÃO DOS
CUSTOS CONJUNTOS

• Os principais critérios de apropriação dos custos


conjuntos são:
•Método do valor de mercado;
•Método dos volumes produzidos;
•Método da igualdade do lucro bruto;
•Método das ponderações.
MÉTODO DE VALOR DE MERCADO

• Os produtos de maior valor são os que recebem


maior custo.
• Exemplo: sejam os seguintes valores:
Matéria prima processada: R$30.000.000
Mão de obra e custos industriais: R$15.000.000
Custos conjuntos totais R$45.000.000
MÉTODO DE VALOR DE MERCADO
MÉTODO DE VALOR DE MERCADO
MÉTODO DE VALOR DE MERCADO
MÉTODOS DOS VOLUMES PRODUZIDOS
MÉTODO DE IGUALDADE DE LUCRO BRUTO
MÉTODO DE IGUALDADE DE LUCRO BRUTO
MÉTODO DE IGUALDADE DE LUCRO BRUTO
Método das Ponderação
• Pondera-se cada coproduto em termos de grau de dificuldade,
importância, facilidade de venda, etc. de cada um.
• Exemplo: apropria-se o custo de tal forma que cada unidade de A
equivale ao número-índice de 100, cada unidade de B a 40 e cada uma
de C a 65: Peso Q
EXEMPLO DE APLICAÇÃO
• A Cia. Moedas remoendo, em junho de 2000 triturou
125 toneladas de cana adquirida a R$ 0,20 o quilo. A
matéria-prima ao se transformar em álcool, sofre uma
perda de 20% do processo produtivo surgem três co-
produtos; o Álcool A, usado para a produção de
cachaça; o Álcool B usado para fins farmacêuticos e ó
Álcool C usado para combustível.
EXEMPLO DE APLICAÇÃO
• Durante o processo produtivo a empresa incorreu nos seguintes custos, além da matéria-
prima:
• Mão de Obra R$ 20.000,00
• CIF’S Diversos R$ 15.000,00
• Desse Trabalho Resultaram os seguinte co-produtos :

Co-produto Volume Produzidos Preço de venda P.L Peso


Álcool A 25.000 Litros 0,80 2
Álcool B 30.000 Litros 1,00 3
125 t x 0,80 100.000 Litros
• Obs: Os pesos foram atribuídos em relação à importância dos produtos em
termo de mercado.
EXEMPLO DE APLICAÇÃO
• Com Base nesses dados pretende-se determina:
a) O Custo comum rateado a cada produto. O lucro bruto por produto e o
lucro bruto total, pelo método de valor de mercado.
b) O Custo comum rateado a cada produto. O lucro bruto por produto e o
lucro bruto total, pelo método dos Volumes.
c) O Custo comum rateado a cada produto. O lucro bruto por produto e o
lucro bruto total, pelo método de Igualdade do lucro bruto.
d) O Custo comum rateado a cada produto. O lucro bruto por produto e o
lucro bruto total, pelo método das ponderações .
EXEMPLO DE APLICAÇÃO
• A Empresa Industrial de Rações, SA produz, em regime de produção conjunta, as rações tipo A e tipo B que
comercializa no mercado, após operações de embalagem, ao preço de venda unitário de 3,75€/kg e
4,80€/kg, respectivamente. No ponto de separação obtém, para além dos produtos A e B, o subproduto S
que vende a um cliente ao preço de 1.250€/tonelada e o resíduo R que manda destruir pagando
1.500€/tonelada.
• Em certo período N venderam-se 80 toneladas de A e 96 toneladas de B e 12 toneladas de S. Os stocks
iniciais eram nulos e no final do período havia 4 toneladas de B. Obtiveram-se 20 toneladas de R. A
contabilidade apurou €495.000 de custos de matérias e materiais diretos e gastos de conversão
acumulados no ponto de separação e operações específicas de embalagem na fábrica de A e B no
montante de €60.000 e de €80.000, respectivamente.
• A empresa reparte os custos conjuntos em função do valor de venda relativo no ponto de separação e
mensura o subproduto pelo critério do lucro nulo. O custo das vendas da demonstração de resultados por
funções do período N foi de?
Em primeiro lugar temos de identificar todos os valores
essenciais para a resolução deste exercício e listá-los:
O segundo passo será apurar o custo a atribuir ao Subproduto
tendo em conta o critério valorimétrico utilizado pela empresa:
Lucro Nulo:

• Vendas: 12 Ton x 1.250€ = 15.000€

• CIPV: 15.000€ (atribuímos o valor exato das

vendas para que a MC seja nula)

• Margem Contribuição: 0€
Agora estamos em condições de apurar os Custos
Industriais de Produção Acabada:
Notas
• No Valor de Venda temos de considerar a produção do período em análise e não
a quantidade vendida. No caso da Ração A não há diferenças porque a
quantidade vendida é igual à produzida. Para a ração B há stock final em
armazém de 4 TON, logo a quantidade a considerar é 96 + 4 = 100 TON.

• Nos Custos Conjuntos a repartir temos de ter em conta os vários custos


resultantes da produção da ração:
• Custos de matérias e materiais directos e gastos de conversão

• Custos de destruição de Resíduos

• Retirar o custo que atribuímos ao Subproduto

• Custos Conjuntos a repartir: 495.000€ + 20 TON x 1.500€ – 15.000€ = 510.000€


NO CIPA devemos incluir os valores dos custos
conjuntos mais os custos específicos industriais.

• Para terminar e respondermos à questão,


construímos a Demonstração de Resultados por
Funções até à Margem de Contribuição:

Você também pode gostar