Você está na página 1de 22

Técnicas Radiológicas.

Professora: Tecnóloga em Radiologia Havilla Santos


• Incidência ou Projeção
• È o conjunto de meios para a obtenção de
uma radiografia.
• O principais meios que condicionam a
obtenção de uma radiografia são:
• • Fatores radiográficos;
• • Posicionamento;
• • Raio central;
• FATORES RÁDIOLÓGICOS
• Os fatores radiológicos básicos são:
• • mA (miliamperes) 1/1000 A
• • kV (quilovolt) 1 x 1000 volts
• • e (espessura) em cm e suas frações
• • d (distancia) em m e suas frações
• Os fatores mA (miliampère) e s (tempo) são aplicados em
conjunto, ou seja alterando um destes fatores o outro também
deverá ser alterado para se obter o valor final que é o MAs.

• MAs => É responsável pela quantidade de radiação produzida


e o tempo de exposição do paciente a radiação.

• MAS = MA x s onde MA = Miliamperagem e s = Tempo

• O ajuste de MAs é fator primário de controle de densidade


óptica ou grau de enegrecimento.

• Quanto maior o MA, mais elétrons estarão disponíveis e maior


será a produção de raios X.
• O número de elétrons pode ser alterado modificando o tempo
de exposição ou o MA ou até mesmo ambos os fatores(fator
MAs).
• Quanto menor o tempo(S), menor será o tempo
de exposição do paciente.

• Exemplo:
• Se eu quiser realizar um exame de um recém
nascido, que muitas vezes são bastante agitados,
o ideal é usar um MA maior possível e um
tempo(s) menor possível. O tempo de exposição
sendo curto, corremos menos riscos da imagem
ficar tremida.
• Exemplo:

• Se tiver de aplicar uma dosagem de 10 MAS, em muitos


aparelhos terei as seguintes opções:

• a) Tempo de 0.10 s e MA de 100 ou


• b) Tempo de 0.05 s e MA de 200 ou até mesmo
• c) Tempo de 0.02 s e MA de 500

• Sendo assim a melhor opção para uma criança ou outra situação


que exija menor tempo seria a opção c.
• 1 – mA (miliampere)
• O mA que penetra na ampola pelo aquecimento do filamento
catódico, que libera os elétrons
• para chocarem-se no anódio, produzindo os raios – X.
• A miliamperagem utilizada numa determinada radiografia, associada
ao tempo (segundos e
• suas frações), no dá o mAs (miliampere segundo), que representa a
quantidade de raios – X.
• A – tempo (t) o tempo a ser utilizado numa radiografia é
proporcional a incidência, aplicada
• no exame radiológico. O tempo de exposição dos raios – X coincidem
com o tempo de aquecimento do
• catódico (pólo negativo).
• B – mAs (miliamperes segundo) representa a quantidade de raios X
emitida durante a
• exposição. O mAs é o responsável pelos contrastes fortes, isto é, o
preto e o branco.
• Obtemos o mAs multiplicando o mA
(miliampere) pelo t (tempo).

mAs = mA x t
Exemplos:
mAs = ?
mA = 300 mAs = 300 x 0,5 mAs = 150
t = 0,5
mAs = ?
mA = 200 mAs = 200 x 1,0 mAs = 200
t = 1,0s

mAs = ?
mA = 100 mAs = 100 x 2,0 mAs = 200
t = 2s
• Podemos concluir:
• • Numa mesma unidade de tempo, quanto
maior o mA, maior a quantidade de raios X.
• • Com alta miliamperagem, podemos
conseguir grande quantidade de raios X, com
tempo curto.
• O kV é o responsável pelos contrastes
intermediários entre o preto e o branco.
• Podemos obter a quilovoltagem multiplicando
a espessura (e) da região a ser examinada por
2.
• (dois) e somando uma contraste (k), para um
mesmo exame a constante pode variar de
acordo com o tipo de aparelho.
• kV = 2 e + k
• Exemplos:
• kV = ?
• e = 20cm kV = 2 x 20 + 30 kV = 70
• k = 30

• kV = ?
• e = 15cm kV = 2 x 15 + 60 kV = 90
• k = 60
3 – e (Espessura)
De acordo com a espessura da região a ser examinada o kV e o mAs terão que ser
ajustados
de maneira precisa para obtermos uma radiografia de bom padrão.
A espessura entre na formula para a obtenção do kV:
kV = 2 e + k
Há uma certa padronização do mAs para cada região do corpo humano a ser
examinada,
proporcional, alem da espessura, a densidade da região.
4 – d (distancia)
A distância foco-filme para a maioria dos exames radiológicos é de 1 m,
excetuando-se as
telerradiografias (TELE, do grego: a distância), que são efetuadas a maiores
distancias, que variam entre,
1,50 e 2,00 m.
De acordo com a Lei de Kepler, se dobrarmos a distancia foco-filme, teremos que
quadruplicarmos a intensidade da radiação. Para termos uma radiografia de
padrão semelhante.
• Posicionamento.
• É a posição em que o operador coloca o paciente para a
obtenção de uma determinada.
• incidência.

• RAIO CENTRAL
• É o feixe de raios X uniforme, o único que não é obliquo, sai
perpendicular em relação ao
• maior eixo da ampola. O que especifica uma incidência é a
penetração do raio central, pois num mesmo
• posicionamento, com os mesmos fatores, pode haver varias
entradas de raios central diferentes.
• TIPOS DE INCIDÊNCIAS BASICAS

• Incidências que representam como ponto de referencia a


penetração do raio central
• AP – Antero posterior – RC, penetra na região anterior, saindo
na região posterior mais próxima do filme.
• PA – Postero anterior – RC, penetra na região posterior
saindo na região anterior. Região anterior mais
• próxima do filme.
• Incidências que apresentam como pondo de referencia a
região do paciente mais próximo do filme.
• Atividade Extra.
a) Diferencie mAs, mA, kV, kVp.
b) Cite as incidências de Rotina.
c) Cite os posicionamentos de Rotina e a
importância dos mesmos.
d) Para um determinado Exame de tórax, vai
precisar de um mA de 450, T de 0,4 . qual
será o mAs?

Você também pode gostar