Você está na página 1de 12

EDUCAÇÃO PARA A

SAÚDE

Professora: Tecnóloga em
Radiologia Havilla Santos
HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO
PARA A SAÚDE

 Em 1986: I Conferência Internacional sobre Promoção da


Saúde que resulta na CARTA DE OTTAWA.

 Nessa Conferência a OMS e demais órgãos internacionais


decidiram que a educação para a saúde não é da
responsabilidade exclusiva dos serviços de saúde; todos os
setores são responsáveis pela construção de um bem-estar
global. 

(Ruiz-Moreno et al., 2005)


A CARTA DE OTTAWA DEFINE PROMOÇÃO DA
SAÚDE COMO SENDO :

  Um processo de capacitação da comunidade para atuar na


melhoria da sua qualidade de vida e saúde, incluindo uma
maior participação no controle deste processo. 

(WHO, 1986)
Binômio Educação x Saúde

 Ruiz-Moreno et al. (2005, p. 195), “o binômio educação e


saúde constitui práticas socialmente produzidas em
tempos e espaços históricos definidos”.

 Para Mendes e Viana, citados por Ruiz-Moreno et al.


(2005), a “educação influencia e é influenciada pelas
condições de saúde, estabelecendo um estreito contato
com todos os movimentos de inserção nas situações
cotidianas em seus complexos aspectos sociais, políticos,
econômicos, culturais, dentre outros”.
RELAÇÃO DIALÉTICA
EDUCAÇÃO X SAÚDE

 Nãoexiste dicotomia entre educação e saúde


e que ambas estão em uma relação dialética
contribuindo para a integralidade do ser
humano.

(VASCONCELOS et al., 2009)


A PRÁTICA EDUCATIVA EM
SAÚDE :
 Atua no desenvolvimento de capacidades individuais e
coletivas;
 Visa a melhoria da qualidade de vida e da saúde da
comunidade assistida;
 Tem como princípio norteador a Política Nacional de
Promoção da Saúde;
 Reforça que a educação e a saúde são práticas sociais
inseparáveis e interdependentes que sempre estiveram
articuladas;
 São elementos fundamentais no processo de trabalho dos
profissionais da saúde.

(BUSS, 1999)
A Educação em Saúde
No contexto dos serviços de Saúde Pública tem dimensões
importantes a serem tratadas :
 A) Educação permanente em saúde como política
norteadora dos processos educativos contínuos nos
diferentes arranjos assistenciais do SUS, com suas
diversas denominações (capacitações, treinamentos,
cursos, atualizações, aperfeiçoamento entre outros);
 B) Educação popular em saúde, que reconhece que os
saberes são construídos diferentemente e, por meio da
interação entre sujeitos, esses saberes se tornam comuns
ao serem compartilhados;
(GONÇALVES et al., 2008)
O Contexto Atual

 A Saúde e a educação buscam caminhos para


construir um sujeito em estado de permanente
aprendizagem, aprendendo a aprender,
aprendendo a ensinar e ensinando a aprender,
conspirando para o contexto da qualificação
das práticas de saúde do SUS.

(ANASTASIOU, 2007; VASCONCELOS et al., 2009)


SAIBA MAIS ...

 Lei 8.080 - Dispõe sobre a criação e as funções das


Comissões Permanentes de Integração entre Ensino e
Serviços de Saúde.

Link:
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/progestores/leg_s
us.pdf
CONSIDERAÇÕES FINAIS

Desse modo, através de Ações de Educação para a


Saúde que o indivíduo pode tomar decisões
conscientes sobre o que são as suas escolhas mais
saudáveis, promovendo assim ações para uma vida
saudável e participando de forma ativa e responsável
no processo educativo.
Referências Bibliográficas
 ANASTASIOU, L. G. C. Ensinar, aprender, apreender e processos de
ensinagem. In: ______ (Org.); ALVES, L. P. Processos de ensinagem na
universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 7. ed.
Joinville: Univille, 2007.
 BUSS, P. M. Promoção e educação em saúde no âmbito da Escola de
Governo em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública. Cad. Saúde
Pública, Rio de Janeiro, v. 15, sup. 2, p. 177-185, 1999.
 GONÇALVES, M. C. et al. Educação permanente em saúde: dispositivo
para a qualificação da Estratégia Saúde da Família. Belém: UFPA, 2008.
 RUIZ-MORENO et al. Jornal Vivo: relato de uma experiência de ensino-
aprendizagem na área da saúde. Interface, v. 9, n.16, p. 195-204, 2005.
 VASCONCELOS, M. et al. Módulo 4: práticas pedagógicas em atenção
básica a saúde. Tecnologias para abordagem ao indivíduo, família e
comunidade. Belo Horizonte: Editora UFMG – Nescon UFMG, 2009. 70 p.

Você também pode gostar