Você está na página 1de 29

Anatomia clínica

ANATOMIA CLÍNICA
Aula 02: Medula espinal e nervos espinais

Profa. Dra. Aline Andrade


Neurociências e Biologia Celular

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Aspectos gerais
• Massa cilindroide de tecido nervoso;

• Significa estar no meio (miolo);

• Mede aproximadamente 42 - 45cm no adulto;

• Forma junto com o encéfalo o neuro-eixo;

• Apresenta um leve achatamento anteroposterior quanto


a sua forma.

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica

Função
Propagação do impulso nervoso (subst. branca) e integração de informações (subst. negra).

Localização
No canal vertebral
Forame magno - estende-se do bulbo até a margem superior da L1-L2

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Características morfológicas gerais

Diâmetro: 6 – 12mm

Comprimento: 42 – 45cm

Porcentagem do SNC: 2%

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Morfologia externa

Intumescência cervical (C4-T1)

Intumescência lombar (T9-T12)

Cone medular (L1 e L2)

Filamento terminal

Cauda equina

Saco dural

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Emergência dos nervos espinais através dos forames intervertebrais

Ligada ao ritmo de crescimento diferentes a partir do quarto mês de


vida intrauterina.

De acordo com o crescimento, ocorre um afastamento dos


segmentos medulares das vértebras correspondentes.

No adulto temos uma regra simples:

A. Até T10, adiciona-se 2 ao número do processo


espinhoso. Será o segmento medular correspondente;

B. T11 e T12 correspondem aos 5 segmentos lombares;

C. L1 corresponde aos 5 segmentos sacrais.

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Morfologia externa

Sulcos e Fissuras

Sulco mediano posterior

Sulco mediano anterior

Sulco lateral anterior

Sulco lateral posterior

Sulco intermédio posterior em


segmento cervical (septo)

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Morfologia interna – corte transversal

Substância cinzenta

• Tecido nervoso constituído por neuroglia, corpos de neurônios e fibras predominantemente amielínicas;
• A substância cinzenta tem a forma de um H;
- Coluna anterior: neurônios motores;
- Coluna posterior: substância gelatinosa= impulsos dolorosos;
- Coluna Lateral: T1 e L2;
- Substância Intermédia: S. C. I Central e S.C.I Lateral (neurônios de associação/reflexos medulares);
- Lâminas de Rexed: I à X.

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Morfologia interna

H medular Comissura cinzenta

Corno posterior

Corno lateral

Corno anterior

Canal central

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Morfologia interna – lâminas de rexed e núcleos

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Morfologia interna - corte transversal

Substância branca
• Substância branca: tecido nervoso formado de axônios dos neurônios e fibras
predominantemente mielínicas;
• As fibras da substância branca da medula, agrupam-se em tractos ou funículos, que forma
verdadeiros caminhos ou vias, por onde passam os impulsos nervosos nas vias aferentes e
eferentes;
• Funículo anterior;
• Funículo lateral;
• Funículo posterior.

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Morfologia interna - corte transversal

Sulco mediano
Funículo posterior posterior

Funículo lateral

Fissura
mediana
Funículo anterior anterior

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Morfologia interna - corte transversal

Tratos Ascendentes ou Sensoriais


Tracto Espinotalâmico Anterior e Lateral – Dor, Temperatura, Pressão e Tato;

Tracto Espinocerebelar Anterior e Posterior – Tronco e membros Inferiores;

Tracto Lemnisco Medial e Lateral – Tato Discriminativo, Cinestesia, Peso e Vibração.

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Morfologia interna - corte transversal

Tratos Descendentes ou Motores


Tracto Corticoespinal Lateral e Anterior – Movimentos voluntários precisos de mãos e pés
e do esqueleto axial;

Tracto Corticobulbar – Movimentos da cabeça e pescoço;

Tracto Rubrospinal – Movimentos precisos de mãos, pés e membros;

Tracto Vestibuloespinal – Regulação do tônus muscular e balanço do andar;

Tracto Reticuloespinal -Lateral e Medial – Facilitadores dos reflexos flexores e extensores


respectivamente;

Tracto Tetospinal – Movimentos da cabeça e dos olhos em resposta a estímulos visuais.

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Nervos espinais

31 pares – São nervos mistos


Segmentos da Medula:

• 8 cervicais
• 12 torácicos
• 5 lombares
• 5 sacrais
• 1 coccígeo

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Formação dos nervos espinais

Radículas
Raiz dorsal: pele, tecidos profundos e subcutâneos e
vísceras
Gânglio da raiz dorsal
Raízes ventrais: músculos esqueléticos e fibras
autonômicas pré-ganglionares

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Revestimento do nervo espinal

Fascículo – grupo de axônios envolvidos pelos endoneuros

• Endoneuro (cada axônio)


• Perineuro (fascículo)
• Epineuro (sobre o nervo)

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Distribuição dos nervos espinais
Ramos

• Posterior – músculos profundos e s pele da face


posterior do tronco;
• Anterior – músculos e ss estruturas dos
membros, e a pele das faces lateral
E anterior do tronco; Ramo posterior
• Meníngeo – inerva as vértebras (medula,
ligamentos, vasos sanguíneos e Ramo anterior
meninges); Ramo meníngeo
• Comunicante – divisão autônoma. Ramo comunicante
Gânglio simpático

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Plexos

Cervical (C1 – C5 – cabeça, pescoço, parte superior


do ombro e do tórax)
N. occipital menor (Sensitivo)
N. auricular magno
N. cervical transverso
N. supraclavicular
Alça cervical (Motor)
N. frênico (m. diafragma)
Ramos segmentares

Braquial (C5 – T1 – ombro e membro superior)


N. Musculocutâneo
N. axilar
N. mediano
N. radial
N. ulnar

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Plexos

Lombar (L1 – L4 – parede abdominal


anterolateral, genitália externa e membros
inferiores)
Sacral (L4 – S4 – nádegas, períneo e membros
inferiores)
N. glúteo superior
N. glúteo inferior
N. isquiático (fibular comum e tibial)
N. cutâneo femoral posterior
N. pudendo

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Dermátomos

São áreas específicas do corpo responsáveis em


captar os estímulos e transportá-los para as raízes
dorsais, que são sensoriais.

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Reflexos

Definição: É uma sequência rápida, involuntária


previsível, de ações que ocorrem em resposta a um
estímulo específico (TORTORA, 2007).

Reflexo espinal - centro de integração na medula;


Reflexo craniano – centro de integração no tronco
encefálico;
Reflexo somático – músculos esqueléticos;
Reflexo autônomos – viscerais.

Vias do arco reflexo


1º - Receptor sensitivo;
2º - Neurônio sensitivo;
3º - Centro de integração;
4º - Neurônio motor;
5º - Efetor.

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Testes

Reflexo Patelar: Percussão com o martelo no tendão do músculo quadríceps. Corresponde


ao centro medular L2 - L4. Originário no tendão rotulado. Esse estímulo tem como
nervo responsável o ciático e a resposta à extensão da perna.

Reflexo Aquileu: Percussão com o martelo no tendão do músculo tríceps sural.


Corresponde ao centro medular de L5 e S1. Originário do tendão de aquiles. Este
estímulo tem como nervo responsável o isquiático (ciático) e resposta à flexão do pé.

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Testes

Sinal de Babinski: Indicativo de doenças do SNC, que afeta trato corticoespinhal. Quando a
face lateral da planta do pé de uma pessoa é percutida, o reflexo normal é a contração dos
dedos do pé e de forma agrupada. Quando na presença de lesão do sistema motor, no
entanto, os dedos se abrem e estendem-se. Esse movimento só é normal em neonatos.
Em adultos, representa anormalidade grave.

Reflexos Abdominais: Estímulo da parede abdominal no sentido da linha mediana em 3


níveis: superior, médio e inferior. A resposta normal é a contração dos músculos
abdominais, que determina um leve deslocamento da cicatriz umbilical para o lado
estimulado. Pode estar abolido quando houver a interrupção do arco reflexo, na lesão da
via piramidal e, às vezes, mesmo na ausência de alterações do sistema nervoso
(obesidade, pessoa idosas, multíparas).

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Interesses clínicos

Punção Lombar: Na parte mais inferior do canal


vertebral não contém medula espinal.
Consequentemente, pode-se introduzir agulhas ocas
no espaço subaracnóideo com finalidade de retirar
líquido cerebrospinal para análise. Assim, como
injeção de contrastes para a mielografia.

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Interesses clínicos

Punção Lombar

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica
Raciocínio crítico

Um paciente é agendado para fazer uma


punção lombar (espinal) e diz que está com
medo de ficar paralítico em consequência do
procedimento.

Com base no seu conhecimento da


neuroanatomia, como você estruturaria sua
explicação para tranquilizar e dispersar seus
temores?

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA


Anatomia clínica

AULA 01: INTRODUÇÃO À NEUROANATOMIA

Você também pode gostar