Você está na página 1de 31

FILOSOFIA

3º ANO
FÁBIO OLIVEIRA

Thomas Kuhn e Feyerabend


AULA 10
Aula passada...

Karl Popper e critério de


Karl Popper e critério de
refutabilidade
refutabilidade
Karl Raimund Popper

britannica.com
Quais critérios podem ser adotados para que,
uma teoria possa ser considerada ciência?

Círculo de Viena Popper

Lógica e Buscar falhas


experimentação

Refutabilidade
Verificabilidade
Hoje:
Paradigmas e revoluções
Paradigmas e revoluções
científicas
científicas
ThomasKuhn
Thomas Kuhn
Objetivo de hoje:

 Compreender a ideia de
paradigma e Revolução Científica
em Khun.

 Conhecer a posição de Feyerabend


a respeito da ciência.
(1922 – 1996)
Defende que:
Igreja – dogma
Partido – ideologia
Ciência – paradigma
Paradigma – visão de
mundo assumida
pela ciência.
“Com tal termo quero indicar
conquistas científicas
universalmente reconhecidas, as
quais, por certo período, fornecem
um modelo de problemas e soluções
aceitáveis para aqueles que
praticam certo campo de
investigação.”
Exemplo:

O paradigma ptolomaico sustentou


o geocentrismo.
A ciência progride pela tradição.
De tempos em tempos o modelo
paradigmático muda.

Revolução Científica
Kuhn distingue três momentos para
a ciência:
1º Pré-Paradigmático
Problemas originados no cotidiano
pedem explicações que ainda não
apresentaram consenso.
2º A ciência normal
O consenso sobre a solução de
determinado problema é alcançado,
gerando acumulação de
descobertas.
3º O momento de Crise
Quando o paradigma é questionado,
pois já não resolve mais o problema,
processo que pode levar a uma
Revolução Científica.
- Se opõe ao positivismo que
originou uma ciência rígida e
mecânica.
- Sua importância consiste em
identificar em cada momento
histórico dificuldades enfrentadas
por teorias tradicionalmente
aceitas.
Atividade 1: Em seu caderno, responda:
a) O que o filósofo entende por
paradigma?
b) Explique a ideia de Revolução
Científica em Kuhn.
c) É correto afirmar que a ciência
progride com a tradição? Justifique.
Paul Karl Feyerabend (1924 – 1994)
Posições:
- Questionou a racionalidade científica
- Abandonou o empirismo
- Criticou os positivistas
- Denominado “anarquista epistemológico”
- Contra o método
Posições:
- a ciência é uma atividade metodologicamente
anárquica e é apenas um dos modos de vida
possíveis.
- há vários fatores que determinam o
desenvolvimento científico, desde a metafísica
até a política e a economia.
Posições:
• A ciência, assim como a religião, foi imposta pela
cultura ocidental de forma unilateral.

• Basta imaginar, por exemplo, quantos projetos existem


que teoricamente são viáveis, do ponto de vista
científico, como carros à água, hidrogênio, etc., mas
que são engavetados ou não se tornam uma realidade
em razão de interesses de grupos econômicos.
Posições:
• Para o filósofo, a escolha pela ciência é estética,
subjetiva, isto é, depende de uma aceitação que ainda
só é aderida massivamente por ter sido imposta como
modo de vida superior.
• A ciência, enquanto conhecimento, não deveria
distinguir-se da não ciência, ou seja, da metafísica, do
mito, da poesia, etc., já que não há universalidade
metodológica, o que decorre em um pluralismo
teórico, no qual as formas de vida e
pensamento possam coexistir democraticamente.
Atividade 2:
1) O que significa a expressão anar-
quismo epistemológico?
2) Na forma de tópicos, apresente
quais os principais pontos da
Filosofia de Feyerabend.
Resumo:
1Thomas Kuhn – paradigma – Revolução
Científica

2 Feyerabend – anarquismo
epistemológico – contra o método
Obrigado!

Professor Fábio
fabio.oliveira1@escola.pr.gov.br
Referências:

ARANHA, M L; MARTINS, M L. Filosofando:


Introdução à Filosofia. São Paulo: Moderna, 2016.

CABRAL, João Francisco Pereira. "O anarquismo da ciência


segundo Feyerabend"; Brasil Escola. Disponível em:
https://brasilescola.uol.com.br/filosofia/o-anarquismo-ciencia-
segundo-feyerabend.htm. Acesso em 06 de maio de 2020.

Você também pode gostar