Você está na página 1de 71

DIREÇÃO DEFENSIVA

É o modo de dirigir de forma a evitar acidente, mesmo diante do erro do


outros usuários das vias e das condições adversas.

CONDUTOR DEFENSIVO: altera conscientemente


o encadeamento dos fatos que resultariam em
acidente.

Pratica constantemente as técnicas da direção


defensiva
DIREÇÃO DEFENSIVA

PREVENTIVA: TRAFEGAR DENTRO DAS MARGENS DE SEGURANÇA. ANTES DE


VIAJAR AVALIAR AS CONDIÇÕES:
FÍSICA;
MENTAL;
VEÍCULO.

CORRETIVA: COMO REAGIR AO SE DEFRONTAR COM SITUAÇÕES DE


EMERGÊNCIA E PERIGO:
PREVISÃO;
AÇÃO;
HABILIDADE.
DIREÇÃO DEFENSIVA
As estatísticas mostram que a cada ano no Brasil milhares de pessoas perdem a vida
vítima de acidentes de trânsito.

90% Falhas humana

06% Defeito na via

04% Defeito mecânico


DIREÇÃO DEFENSIVA

NEGLIGÊNCIA

IMPRUDÊNCIA
IMPERICIA
NEGLIGÊNCIA
 A negligência consiste na inércia, no descaso.
IMPRUDÊNCIA
 A imprudência consiste na ação incorreta, precipitada,
caracterizada pelos atos inseguros.
ATOS INSEGUROS

SÃO AQUELES QUE CONTRARIAM O BOM SENSO E A LEI.


IMPERÍCIA
 A imperícia consiste na falta de técnica, ou seja, não tem
habilidade.
AUTOMATISMOS (CORRETOS)
 COLOCAR O CINTO ANTES DA SAÍDA NO VEÍCULO;
 USAR SEMPRE CAPACETE (MOTO);
 TROCAR DE MARCHAS NO TEMPO CERTO;
 AGUARDAR O SINAL ABRIR NO PONTO NEUTRO;
 SEGURAR O VOLANTE COM AS DUAS MÃOS E NA POSIÇÃO CORRETA;
AUTOMATISMOS (INCORRETOS)
 NÃO SINALIZAR AO REALIZAR PARADAS E MUDANÇA DE DIREÇÃO;
 DIRIGIR COM O PÉ NO PEDAL DA EMBREAGEM;
 COLOCAR O CARRO NO NEUTRO PARA FREAR;
 PISAR NO PEDAL DE EMBREAGEM ANTES DO FREIO.
 NÃO MANTER O CORPO EQUILIBRADO NAS CURVAS.
ELEMENTOS DA DIREÇÃO DEFENSIVA
Conhecimento

Atenção

Previsão Decisão

Habilidade
CONHECIMENTO
LEIS E NORMAS (CTB), normas de circulação e conduta e sinalização.
DE TRÂNSITO
Das técnicas da direção defensiva

Funções e comandos
VEÍCULO
(CARRO/ MOTO)
Manuais e equipamentos

CONDIÇÕES ADVERSAS
Fatores ou combinações de fatores que aumentam as situações
de risco no trânsito.
ATENÇÃO
A ATENÇÃO É O SEGUNDO ELEMENTO DA DIREÇÃO DEFENSIVA. DIRIGIR É UMA ATIVIDADE
COMPLEXA E DE MUITA RESPONSABILIDADE.

ATENÇÃO CONSTANTE AOS MÚLTIPLOS


FATORES SINALIZAÇÃO:
 COMPORTAMENTO DOS DEMAIS
CONDUTORES;
 COMPORTAMENTO DE PEDESTRES,
CICLISTAS E OUTROS;
 AS POSSÍVEIS E PROVÁVEIS CONDIÇÕES
ADVERSAS.

PEQUENAS DISTRAÇÕES PODEM SER FATAIS:


• Atender ao celular
• Trocar o cd ou dvd
• Colocar os óculos
PREVISÃO
NA DIREÇÃO DEFENSIVA A PREVISÃO OCORRE EM DECORRÊNCIA DA ATENÇÃO.

ANTECIPAR AOS POSSÍVEIS


ACONTECIMENTOS:
 AO VER CRIANÇAS BRICANDO NA CALÇADA;
 ANIMAIS NO ACOSTAMENTO;
 VEÍCULO DA FRENTE EM ¨ZIGUE-ZAGUE¨.

CONDUTOR DEVE PREVER:


 TIPO DE VEÍCULO E CARGA;
 TODAS AS PARADAS PARA VERIFICAÇÃO DO
VEÍCULO;
 CUIDADOS DISPENSADOS AO PRODUTO QUE
TRANSPORTA E OUTROS.
DECISÃO
 Após ver e entender o que está acontecendo, o condutor decidirá
qual manobra se adéqua melhor naquela situação
HABILIDADE

 CONHECER O VEÍCULO E SEUS


EQUIPAMENTOS;
 COMO AGIR CORRETAMENTE NAS
SITUAÇÕES QUE O TRÂNSITO PODE
APRESENTAR;
 TREINAMENTO SOBRE O VEÍCULO,
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS.

 OBS. É MUITO MAIS FÁCIL APRENDER A


FAZER O CERTO, DO QUE CORRIGIR UM
APRENDIZADO INCORRETO.
DIREÇÃO DEFENSIVA
A AÇÃO CORRETA É A PRINCIPAL FERRAMENTA DA DIREÇÃO DEFENSIVA.
AÇÃO

DECISÃO HABILIDADE

“COM OS CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS, DEDICANDO TODA ATENÇÃO POSSÍVEL AO


ATO DE DIRIGIR, O CONDUTOR PODERÁ PREVÊ CORRETAMENTE, TOMANDO DECISÕES
ACERTADAS E PROCEDENDO DE MANEIRA HABILIDOSA PARA AGIR DEFENSIVAMENTE, DE
MODO A EVITAR ACIDENTES”.
CONDIÇÕES ADVERSAS (ILUMINAÇÃO)
 

LUZ – é um fator de segurança, pois é essencial para vermos e sermos vistos.


Cegueira momentânea

OFUSCAMENTO Cerca de 7seg para recuperar

80Km/h percorre até 150m

Incidência dos raios solares

Luz alta no sentido contrario

Luz alta no retrovisor


CONDIÇÕES ADVERSAS (ILUMINAÇÃO)

Pouca luminosidade
O amanhecer e o anoitecer
PENUMBRA No interior dos túneis
Em Tempestades

PROCEDIMENTOS PARA SE DIRIGIR NA PENUMBRA:


 Manter acesa a LUZ BAIXA;
 Reduzir a VELOCIDADE;
 Redobrar a ATENÇÃO.

NOITE:
 Manter as luzes do veículo em perfeito funcionamento;
 Manter os faróis regulados;
 Velocidade inferior a praticada durante o dia se possível, evitar trafegar a noite.
CONDIÇÕES ADVERSAS (TEMPO)

Formação de camada de água entre o pneu e o solo

AQUAPLANAGEM Fatores agravantes?

Chuva acompanhada de pequenas


Pedras de gelo.
GRANIZO Visibilidade ainda menor.
Em motociclistas causa ferimentos

QUEBRA Laminado: ocorrerá apenas rachaduras.


DE
Temperado: trincará em milhares de pedaços.
PÁRA-BRISAS
CONDIÇÕES ADVERSAS (TEMPO)

CONDIÇÕES CLIMÁTICAS: Fenômenos climáticos podem interferir na segurança do transito,


alteram as condições da via.
Reduz a visibilidade
Diminui a aderência dos pneus
CHUVA Aumenta o espaço de frenagem

NEBLINA Acidentes gravíssimos


OU CERRAÇÃO
Envolve muitas vezes vários
veículos

Não é uma situação climática


FUMAÇA
Diminui a visibilidade de forma localizada
CONDIÇÕES ADVERSAS (VIAS)

As vias variam de uma para outra e da mesma forma, o seu modo de dirigir deve variar.

Problemas freqüentes: Curvas, largura da pista, acostamento, tipo de pavimento, vegetação nas margens,
buracos, desníveis, lombadas e etc.

O IDEAL: BEM PROJETADAS, CONSTRUÍDAS E CONSERVADAS, ALÉM DE SINALIZADAS ADEQUADAMENTE.

PLANEJAR O INTINERÁRIO: TELEVISÃO, JORNAIS, RÁDIOS, AGENTE DE TRÂNSITO E OUTROS MOTORISTAS.


CONDIÇÕES ADVERSAS (TRÂNSITO)

É FUNDAMENTAL AVALIAR E AGIR DE ACORDO COM


AS CONDIÇÕES DO TRÂNSITO.

FATORES ADVERSOS MAIS COMUNS:


 TRÂNSITO LENTO OU CONGESTIONADO;
 HORÁRIOS E LOCAIS DE MAIOR MOVIMENTO;
 LOCAIS DE AGLOMERAÇÃO OU GRANDE CIRCULAÇÃO DE
PEDESTRES;
 PRESENÇA DE MOTOCICLISTAS, CICLISTAS E OUTROS
VEÍCULOS NÃO MOTORIZADOS;
 COMPORTAMENTO IMPRUDENTE OU AGRESSIVO DOS
DEMAIS MOTORISTAS.

O BOM MOTORISTA DEFENSIVO:


PLANEJA SEU ITINERÁRIO, SAI COM ANTECEDÊNCIA E LEMBRA QUE NEM SEMPRE O TRAJETO MAIS CURTO É O
MAIS ECONÔMICO.
CONDIÇÕES ADVERSAS (VEÍCULO)

É OBRIGATÓRIO MANTER O VEÍCULO EM BOM


ESTADO E EM PERFEITAS CONDIÇÕES DE
FUNCIONAMENTO.

ECONOMIZAR NA MANUTENÇÃO PODE CUSTAR CARO:

DEVE-SE RECUSAR DIRIGIR VEÍCULOS DEFICIENTES OU EM


MAU ESTADO DE CONSERVAÇÃO.

ATENÇÃO REDOBRADA:

 LÂMPADAS QUEIMADAS, FAROL DESRERGULADO OU APAGADO (MOTOCICLETAS);


 LIMPADORES DE PÁRA-BRISAS;
 ESPELHOS RETROVISORES;
 FALTA DE BUZINA;
 QUANTIDADE INSUFICIENTE DE COMBUSTÍVEL;
 FREIOS DEFICIENTES E PNEUS GASTOS.
CONDIÇÕES ADVERSAS (VEÍCULO)

CAMINHÃO, CARRO E MOTOCICLETA:


 EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DEVEM SER MANTIDOS;
 NÃO PERMITIR QUE O VEÍCULO SEJA MODIFICADO “GAMBIARRA”.

MANUTENÇÃO (PREVENTIVA E CORRETIVA):


 PNEUS;
 FREIOS;
 LUBRIFICAÇÃO;
 ABASTECER;
 LÂMPADAS;
 SINALIZAÇÃO.
CONDIÇÕES ADVERSAS (CARGAS)

 CARGAS PERIGOSAS;

 MAL DISTRIBUÍDA;

 FALHA NA IMOBILIZAÇÃO;

 MAU ESTADO DA CARROCERIA;

 TIPO DE CARGA (DESCONHECIDA).

SEMPRE QUE TRANSPORTAR CARGAS, OBSERVAR:

 VOLUME E PESO DEVEM SER COMPATÍVEIS;

 CERTIFICAR-SE DE QUE A CARGA ESTÁ IMOBILIZADA E BEM ACONDICIONADA;

 NÃO TRANSPORTAR PASSAGEIROS NO COMPARTIMENTO DE CARGA OU VICE-VERSA.


CONDIÇÕES ADVERSAS (PASSAGEIRO)
 DESORDEM OU BRIGAS DENTRO DO VEÍCULO;

 AGITAÇÃO DE CRIANÇAS;

 EXCESSO DE PASSAGEIROS;

 PESSOAS PASSANDO MAL OU MACHUCADAS

OBS: CONTORNE ESTAS SITUAÇÕES NÃO PERMITINDO QUE OS PASSAGEIROS DESVIEM SUA
ATENÇÃO
CONDIÇÕES ADVERSAS (PASSAGEIRO)
SÓ TRANSPORTE CRIANÇAS TOMANDO AS DEVIDAS
PRECAUÇÕES

MENORES DE 10 anos NO BANCO DE


TRÁS,CRIANÇAS DE COLO EM ASSENTOS
ESPECIAIS, UTILIZE O CINTO DE SEGURANÇA
ASSENTOS ADEQUADOS PARA CRIANÇAS
CONDIÇÕES ADVERSAS (CONDUTOR)
ALTERAÇÕES NO ESTADO FÍSICO E MENTAL DO CONDUTOR
AFETAM DIRETAMENTE A CAPACIDADE DE DIRIGIR COM
SEGURANÇA.

DEFICIÊNCIAS FÍSICAS: ALGUMAS NÃO IMPEDEM O INDIVÍDUO DE


DIRIGIR, MAS O ATO DE CONDUZIR É CONDICIONADO:
 PRÓTESES CORRETIVAS;
 ADAPTAÇÕES NO VEÍCULO;
 LENTES.

ALTERAÇÕES MENTAIS PSICOLÓGICAS E PSÍQUICAS:


EMOCIONAIS:
 EPILEPSIA;
 RAIVA;  NEUROSE;
 IRRITAÇÃO;  PSICOSE.
 ESTRESSE;
 DEPRESSÃO.
CONDIÇÕES ADVERSAS (CONDUTOR)

CAPACIDADE INTELECTUAL DO HOMEM:


 COMUNICAÇÃO;
 AUTOCONHECIMENTO e COMPREENSÃO;
 RELACIONAMENTO;
 SITUAR NO MEIO AMBIENTE;
 NOÇÃO DE ESPAÇO;
 COORDENAÇÃO MOTORA;
 DISTINÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS SONS;
 RACIOCÍNIO LÓGICO.
CONDIÇÕES ADVERSAS (CONDUTOR)
NO BRASIL MAIS DE 50% DOS ACIDENTES ENVOLVEM ALGUÉM ALCOOLIZADO.

PESSOAS ALCOOLIZADAS ACREDITAM ESTAR BEM:


 DIMINUIÇÃO DA COORDENAÇÃO MOTORA;
 VISÃO DISTORCIDA (DUPLA);
 RACIOCÍNIO E REAÇÕES LENTAS;
 FALTA DE CONCENTRAÇÃO;
 BAIXA QUALIDADE DE JULGAMENTO.

COMPORTAMENTOS NOCIVOS (ÁLCOOL):


 EXCESSO DE VELOCIDADE;
 MANOBRAS ARRISCADAS;
 AVALIAÇÃO INCORRETA DE DISTÂNCIAS;
 ERROS VISUAIS, COM DESVIO DE DIREÇÃO.
CONDIÇÕES ADVERSAS (CONDUTOR)

ELIMINAÇÃO DO ÁLCOOL DA CORRENTE SANGUINA (6 a 8 horas):


90% - FIGADO 08% - RESPIRAÇÃO 02% - TRANSPIRAÇÃO

COMO EVITAR ACIDENTES:


 QUANDO POSSÍVEL NÃO ESPERAR, CHAMAR UM TÁXI;
 DECIDIR QUE IRÁ DIRIGIR ANTES DE BEBER;
 MÁXIMO CUIDADO COM OUTROS MOTORISTAS ALCOOLIZADOS.
ÁLCOOL NO SANGUE (LEI SECA)
COMO FICA A VISÃO DE ALGUÉM QUE FEZ USO DE ÁLCOOL
CONDIÇÕES ADVERSAS (CONDUTOR)
MEDICAMENTOS: SÃO CAUSADORES DE ACIDENTES GRAVÍSSIMOS (INGESTÃO INDEVIDA,
EXCESSO OU COMBINADO).

ARREBITES:

• CAFÉ;
• REFRIGERANTES E ÁLCOOL.

ALGUNS EFEITOS COLATERAIS:

ALTERAÇÕES SENSORIAIS, TONTURAS, SONOLÊNCIA

DROGAS ILEGAIS: OCASIONANDO ALTERAÇÕES MARCANTES NO FUNCIONAMENTO CEREBRAL.


 ALGUMAS TÊM EFEITO RELAXANTE (FALSO BEM-ESTAR);
 OUTRAS SÃO EXCITANTES (SENSAÇÃO DE EUFORIA);
 ÁLCOOL E DROGAS (ALTERAM O NOSSO PADRÃO DE PERCEPÇÃO E CONSCIÊNCIA DA
REALIDADE).
CONDIÇÕES ADVERSAS (CONDUTOR)
SONO: RESPONSÁVEL POR MAIS DE 10% DOS ACIDENTES AUTOMOBILÍSTICOS, DIMINUI A
CAPACIDADE DE DIRIGIR. PESSOAS ACREDITAM QUE PODEM CONTROLAR O SONO (CAFÉ, MÚSICA
E OUTRAS).

SINAIS:
 VISÃO PERDE O FOCO;
 FORÇA PARA SE CONCENTRAR E MANTER
OS OLHOS ABERTOS.

FADIGA:
 MÁ DISTRIBUIÇÃO ENTRE HORAS DE TRABALHO E DESCANSO;
 CERTAS DOENÇAS COMO ESTRESSE E ESGOTAMENTO.
DIREÇÃO DEFENSIVA
ACIDENTES

EVITÁVEIS: INEVITÁVEIS:
· SUPOSTAMENTE O
· AÇÃO INCORRETA DOS CONDUTOR TOMOU AS
CONDUTORES. MEDIDAS DE SEGURANÇA
CABÍVEIS.

ACIDENTES COM CARGAS PERIGOSAS :

• 35% DOS ACIDENTES AMBIENTAIS (PRODUTOS PERIGOSOS);


• 77% ACONTECEM EM RODOVIAS;
• 23% EM VIAS URBANAS.
COMO EVITAR ACIDENTES
VER, PENSAR E AGIR COM CONHECIMENTO, RAPIDEZ E RESPONSABILIDADE SÃO PRICIPIOS BÁSICOS
DE QUALQUER MÉTODO DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

CINTO DE SEGURANÇA: EU com CINTO, VOCÊ com CINTO, TODO MUNDO com CINTO. USO
CORRETO DO CINTO PODE AUMENTAR EM ATÉ 25 VEZES A CHANCE DE SOBREVIVÊNCIA.
COLISÃO (SEM CINTO):
 DO VEÍCULO;
 DOS OCUPANTES CONTRA AS PARTES INTERNAS DO VEÍCULO;
 DOS ÓRGÃOS INTERNOS DO OCUPANTE.
COMO EVITAR ACIDENTES
VELOCIDADE COMPATÍVEL: NEM SEMPRE A MÁXIMA PERMITIDA É UMA VELOCIDADE SEGURA,
ATENTAR A TODOS OS ELEMENTOS DO TRÂNSITO E AS CONDIÇÕES ADVERSAS.

FRENAGENS E REDUÇÕES:
 FRENAGENS E REDUÇÕES GRADUAIS E
PROGRESSIVAS;
 QUANTO MAIS PESADO O VEÍCULO, MAIOR SERÁ A
DISTÂNCIA PERCORRIDA DURANTE A FRENAGEM;
 TRAVAMENTO DEVE SER EVITADO;
 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS.
COLISÕES COM VEÍCULO DA FRENTE
DISTÂNCIA DE SEGURANÇA: ESPAÇO QUE O CONDUTOR DEVE MANTER ENTRE O SEU VEÍCULO E O
VEÍCULO DA FRENTE.

DEPENDE:
• DA VELOCIDADE;
• DAS CONDIÇÕES DA PISTA;
• DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS;
• DAS CONDIÇÕES DO VEÍCULO (PNEUS E FREIOS);
• FREIO DIANTEIRO DAS MOTOS (70% DE EFICIÊNCIA NA FRENAGEM).

CÁLCULO DA DISTÂNCIA SEGURA: A REGRA DOS DOIS SEGUNDOS É BOA, MAS NÃO COMPLETAMENTE
EFICIENTE. O BOM SENSO AINDA É O MELHOR MÉTODO.
COLISÕES COM O VEÍCULO DE TRÁS
REPRESENTA O SEGUNDO MAIOR FATOR DE RISCO, POIS SE O CONDUTOR TIVER QUE FREAR
ESTANDO O DE TRÁS DESTRAÍDO, PROVAVELMENTE CAUSARÁ UM ACIDENTE.

O VEÍCULO DE TRÁS:

 USAR OS RETROVISORES COM FREQÜÊNCIA;


 QUANDO ALGUÉM “COLAR” NÃO TENTAR FUGIR;
 TIRÁ O PÉ DO ACELERADOR E APLICAR NO FREIO
PARA ALERTÁ-LO;
 SE CONTINUAR COLADO, FACILITAR A
ULTRAPASSAGEM.

ATENTE: QUEM NÃO É VISTO NÃO É LEMBRADO!


COLISÕES COM VEÍCULOS FRENTE A FRENTE

PRINCIPAIS CAUSAS NAS COLISÕES: ULTRAPASSAGENS MAL FEITAS, IMPERÍCIA NAS CURVAS,
FALTA DE HABILIDADE NAS SITUAÇÕES CRÍTICAS, REAÇÕES INADEQUADAS NAS CONDIÇÕES
ADVERSAS E CONVERSÕES MAL REALIZADAS.

VEÍCULO EM DIREÇÃO CONTRÁRIA:


• DIMINUIR A VELOCIDADE;
• SINALIZAR E DESALOCAR-SE PARA A DIREITA O MÁXIMO POSSÍVEL.
NÃO:
• MANTER LUZ ALTAR P/ OFUSCAR O OUTRO;
• TOMAR ATITUDES AGRESSIVAS OU OFENSIVAS.
COLISÕES EM ULTRAPASSAGENS

ULTRAPASSAGEM, SITUAÇÃO CRÍTICA:


 NA DÚVIDA NÃO ULTRAPASSAR;
 CERTIFICAR-SE DE QUE HÁ ESPAÇO SUFICIENTE;
 SOMENTE NOS LOCAIS ONDE SEJA PERMITIDO;
 SOMENTE PELA ESQUERDA;
 JAMAIS EM CURVAS, ACLIVES, TÚNEIS, CRUZAMENTOS.
VEÍCULO EM SENTIDO CONTRÁRIO:
 ABORTAR A ULTRAPASSAGEM;
 NÃO FOR POSSÍVEL, DESLOCAR-SE PARA A DIREITA;
 NÃO AUMENTAR A VELOCIDADE.
CUIDADOS NAS CURVAS
FORÇA
TRANSFERÊNCIA DE MASSA

CENTRÍPETA CENTRÍFUGA
COMPORTAMENTO COMPORTAMENTO
SOBRE-ESTERÇANTE: SOB-ESTERÇANTE:
 EIXO TRASEIRO MENOS  EIXO DIANTEIRO MENOS
CARREGADO CARREGADO (ACELERAÇÃO);
(DESACELERAÇÃO);  VEÍCULO DO CENTRO PARA
FORA DA CURVA.
 VEÍCULO PARA DENTRO DA
CURVA.

ADERÊNCIA: CAPACIDADE DE ADESÃO AO SOLO. DIMINUI À MEDIDA QUE AUMENTA A


VELOCIDADE.
EVITANDO COLISÕES EM CURVAS

ACIDENTES EM CURVAS (FREQÜENTES): MAL PROJETADAS (JOGAM O VEÍCULO PARA


FORA), CARGA INSTÁVEL, FALTA DE VISIBILIDADE, VELOCIDADE INCOMPATÍVEL E FALTA DE
SINALIZAÇÃO.

COMO EVITAR ACIDENTES NAS CURVAS:


 DIMINUIR VELOCIDADE;
 VELOCIDADE COMPATÍVEL ANTES DE ENTRAR NA CURVA;
 EVITAR FREAR DURANTE A CURVA;
 AUMENTAR A DISTÂNCIA DOS DEMAIS VEÍCULOS.
EVITANDO COLISÕES NOS CRUZAMENTOS
PERÍMETRO URBANO:

 OBEDECER A SINALIZAÇÃO, APROXIMAR-SE COM CUIDADO (NA DÚVIDA, PARAR);


 RESPEITAR A PREFERÊNCIA (RODOVIAS E ROTATÓRIAS);
 SEM SINALIZAÇÃO (PREFERÊNCIA É O DA DIREITA);
 CRUZAMENTOS COM VIA FÉRREA (PARADA OBRIGATÓRIA);
 DAR PREFERÊNCIA PARA PEDESTRES E VEÍCULOS NÃO MOTORIZADOS.

EVITANDO COLISÕES EM MARCHA À RÉ:

 ANTES DE MANOBRAR, VERIFICAR O ESPAÇO;


 SE NECESSÁRIO, PEDIR AUXÍLIO;
 NÃO ENTRAR DE RÉ NAS ESQUINAS OU LUGARES DE POUCA VISIBILIDADE;
 EVITAR SAIR DE RÉ DE GARAGENS E ESTACIONAMENTOS;
 CUIDADOS COM OBJETOS, ANIMAIS E CRIANÇAS DE BAIXA ESTATURA.
EVITANDO COLISÕES COM MOTOCICLETAS
CONDUTORES DE MOTOS TÊM OS MESMOS DEVERES
QUE OS DEMAIS VEÍCULOS MOTORIZADOS. PORÉM,
GOZAM DE PREFERÊNCIA PREVISTAS EM LEI SOBRE OS DE
MAIOR PORTE.

PRINCIPAIS CAUSAS DE ACIDENTES:


 AGILIDADE;
 IMPERÍCIA;
 IMPRUDÊNCIA.
PRINCIPAIS CUIDADOS:
 MANTER UMA DISTÂNCIA DE SEGURANÇA (NÃO DISPUTAR ESPAÇO);
 TOMAR CUIDADO EM CONVERSÕES À ESQUERDA E À DIREITA (MOTOCICLISTAS NOS PONTOS CEGOS);
 CUIDADO AO ABRIR AS PORTAS;
 ULTRAPASSAGEM (MOTOCICLETAS, NUNCA EM CRUZAMENTOS);
 CONDUTOR SEM CAPACETE (REDOBRAR CUIDADO).
EVITANDO COLISÕES COM PEDESTRES
O CTB RESPONSABILIZA OS CONDUTORES PELA SEGURANÇA DOS PEDESTRES.

DIREITOS E DEVERES:
 NÃO HAVENDO SINALIZAÇÃO, O PEDESTRE DEVERÁ
ESPERAR QUE OS VEÍCULOS PASSEM;
 QUANDO HOUVER SINAL LUMINOSO, ESTE DETERMINA
QUEM DEVERÁ PASSAR;
 QUANDO HOUVER FAIXA DE PEDESTRE SEM SINAL, A
PREFERÊNCIA É DO PEDESTRE (50 METROS).
O CONDUTOR DEVE TOMAR OS SEGUINTES
CUIDADOS:
 DAR OPORTUNIDADE REAL PARA O PEDESTRE UTILIZAR
AS VIAS;
 NA PROXIMIDADE DE PEDESTRES, REDUZIR A VELOCIDADE
E REDOBRAR A ATENÇÃO;
 TENTAR PREVER A REAÇÃO DO PEDESTRE;
 CUIDADO COM PEDESTRES EMBRIAGADOS;
 LEMBRAR QUE VOCÊ CONDUTOR TAMBÉM É PEDESTRE.
EVITANDO COLISÕES COM CICLISTAS
CICLISTAS TÊM PREFERÊNCIA SOBRE VEÍCULOS
AUTOMOTORES:

 BICICLETAS;
 PATINETES;
 QUAISQUER VEÍCULOS NÃO MOTORIZADOS.

O MOTORISTA DEVE:
 DAR PREFERÊNCIA E FACILITAR A PASSAGEM DE CICLISTAS E
USUÁRIOS DE OUTROS VEÍCULOS NÃO MOTORIZADOS;
 MANTER A DISTÂNCIA LATERAL, 1,5 METROS;
 CONFERIR CONSTANTEMENTE PELOS RETROVISORES E OS
PONTOS CEGOS;
 CUIDADO AO ABRIR PORTAS DO VEÍCULO;
 CUIDADO AINDA MAIOR À NOITE (ANUNCIAR A PRESENÇA COM
LEVES TOQUES DE BUZINA).
EVITANDO COLISÕES COM ANIMAIS
CHOQUES COM ANIMAIS, MESMO OS DE PEQUENO PORTE SEMPRE TRAZEM CONSEQÜÊNCIAS
GRAVES.

PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA

 DIMINUIR A VELOCIDADE ASSIM QUE AVISTA O ANIMAL;


 EVITAR BUZINAR, PARA NÃO ASSUSTÁ-LO;
 FICAR ATENTO AO PASSAR POR FAZENDAS OU LOCAIS ABERTOS;
 FECHAR OS VIDROS.
COLISÕES COM OBJETOS FIXOS
SÃO GRAVES OS ACIDENTES EM QUE VEÍCULOS BATEM EM ELEMENTOS FIXO (PONTES,
VIADUTOS, BARRANCOS, MUROS, ETC.).

CAUSAS MAIS COMUM: PERDA DE CONTROLE DO VEÍCULO POR DEFEITO NA PISTA, DEFICIÊNCIA NA
SUSPENSÃO, FALTA DE VISIBILIDADE, DISTRAÇÃO, SONO.
 BEBIDAS ALCÓOLICAS, DROGAS, MEDICAMENTOS,
 TENTATIVA DE DESVIAR OUTRO VEÍCULO, PEDESTRE, ANIMAL, ETC.
PARA EVITAR:
 SUSPENSÃO E O SISTEMA DE DIREÇÃO SEMPRE REVISADO;
 VERIFICAR OS PNEUS (VIDA ÚTIL, CORRETA CALIBRAGEM);
 INVESTIGAR E CORRIGIR QUALQUER INSTABILIDADE;
 NÃO DIRIGIR QUANDO ESTIVER APRESENTANDO SINAIS DE CANSAÇO;
 REDOBRAR A ATENÇÃO E REDUZIR A VELOCIDADE SOB CONDIÇÕES ADVERSAS.
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
MOTOCICLETA, MOTONETA E CICLOMOTOR SÃO VEÍCULOS DE DUAS RODAS SEM ESTABILIDADE
PRÓPRIA, IMPULSIONADOS POR UM MOTOR, CUJA CONDUÇÃO REQUER TREINAMENTO E ATENÇÃO
ESPECIAL.

 EQUILIBRADA QUANDO EM MOVIMENTO (EQUILÍBRIO


DINÂMICO);
 NAS CURVAS, SOFRE A AÇÃO DA FORÇA
CENTRÍFUGA;
 A MOTO NÃO TEM CARROCERIA. POR ISSO, A
EMOÇÃO E O PRAZER DE PILOTAR SUPERAM A DE
QUALQUER VEÍCULO;
 USE SEMPRE CAPACETE, ELE GARANTE CONFORTO E
PROTEÇÃO;
 A MOTO TEM COMANDOS INDEPENDENTES PARA OS
FREIOS DIANTEIROS E TRASEIROS.
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
EMERGÊNCIAS MENORES
HÁ ALGUMAS EMERGÊNCIAS PARA QUAIS OS MOTOCICLISTAS DEVEM ESTAR
PREPARADOS.

• OBJETOS VOADORES:

VEZ POR OUTRA UM MOTOCICLISTA É


ATINGINDO POR INSETOS, PONTAS DE
CIGARRO, PEDRAS. 
• ANIMAIS:
 
FAÇA TODO O POSSÍVEL PARA EVITAR
ATROPELAR UM ANIMAL. CONTUDO, SE VOCÊ
SE ENCONTRA NO MEIO DO TRÂNSITO, NÃO
DESVIE DA SUA FAIXA DE CIRCULAÇÃO.
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
TRANSPORTE DE PASSAGEIROS E CARGAS

 EQUIPAMENTOS E VESTUÁRIO ADEQUADOS, POSTURA CORRETA E


MANTENHA-SE O MAIS PRÓXIMO POSSÍVEL DO CONDUTOR;
 PERNAS FIXAS FIRMEMENTE NO BANCO;
 PASSAGEIRO TEM PERMANECER COM SEU ÂNGULO DE VISÃO AO LADO DA CABEÇA DO PILOTO;
 NA FRENAGEM DA MOTOCICLETA, O CORPO DO GARUPA É PROJETADO PARA FRENTE, É NECESSÁRIO QUE
ELE PRESSIONE AS PERNAS NO QUADRIL DO PILOTO;
 QUANDO A MOTOCICLETA PARAR, O PASSAGEIRO DEVE MANTER OS PÉS NAS PEDALEIRAS.
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
TRANSPORTE DE PASSAGEIROS E CARGAS

CARGAS:
 PEQUENOS PACOTES PODEM SER TRANSPORTADOS DE FORMA SEGURA SE ESTES
ESTEJAM BEM COLOCADOS E PRESOS.
BAGAGEM COM MAIS SEGURANÇA:
 LEVA-SE ABSOLUTAMENTE O NECESSÁRIO;
 NÃO CONCENTRAR PESO EM UM SÓ PONTO.
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)

EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA
MODELOS ESPORTIVOS (POR SE TRATAR DE VEÍCULO QUE ALCANÇA ALTAS VELOCIDADES,
DEVEM-SE PREVER QUAISQUER POSSIBILIDADES DE SURPRESAS):

 CAPACETE DEVIDAMENTE AJUSTADO;


 MACACÃO DE COURO, COM REFORÇOS ESPECIAIS FEITOS DE MATERIAIS RESISTENTES;
 BOTAS DE COURO CANO ALTO, COM PROTETORES; 
 LUVAS EM COURO COM REFORÇOS ESPECIAIS NAS REGIÕES DE ARTICULAÇÕES DOS DEDOS.
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)

EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA
MODELO PASSEIO “CUSTOM” E “TRICICLO” (NORMALMENTE CONHECIDOS
COMO MOTO TURISTAS). 
01-CAPACETE DEVIDAMENTE AJUSTADO. CAPACETE “ABERTO”,É
OBRIGATÓRIO A UTILIZAÇÃO DE ÓCULOS.
02-CALÇA DE COURO.
03-BLUSÃO DE COURO. 
04-BOTAS COM PELO MENOS MEIO/CANO.
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
DICAS PARA CAPACETES:
1.  USE UM CAPACETE DE TAMANHO APROPRIADO

2.  USE O CAPACETE CORRETAMENTE;

3.  AJUSTE A CINTA JUGULAR DO CAPACETE CORRETAMENTE;


DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
DICAS PARA CAPACETES:
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
NA MOTOCICLETA, UMA POSTURA CORRETA TEM GRANDES INFLUÊNCIAS;

 CABEÇA EM POSIÇÃO VERTICAL;


 OMBROS RELAXADOS;
 PUNHOS ABAIXADOS EM RELAÇÃO À MÃO;
 MÃOS CENTRALIZADAS EM RELAÇÃO A MANOPLA;
 QUADRIL JUNTO AO TANQUE EM POSIÇÃO QUE PERMITA VIRAR O GUIDÃO SEM ESFORÇO DOS
OMBROS;
 BRAÇOS RELAXADOS COM OS COTOVELOS LEVEMENTE PARA DENTRO;
 PÉS PARALELOS AO SOLO, COM SALTOS ENCAIXADOS NAS PEDALEIRAS.
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
OS DOZE MANDAMENTOS DO MOTOCICLISTA
1 – Mantenha a motocicleta sempre em ordem;
2 – Pilote utilizando equipamentos de segurança;
3 – Reduza a velocidade;
4 – Atenção e concentração;
5 – Respeite a sinalização de trânsito;
6 – Cuidado nos cruzamentos;
7 – Cuidado nas ultrapassagens;
8 – Cuidado com pedestres;
9 – Seja visto;
10 – Evite Álcool;
11 – Mantenha distância;
12 – Cuidado com a chuva.
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
CONDUÇÃO A DOIS (GARUPA):

1.Nunca subir ou descer da moto, sem prévio conhecimento do condutor;


2.Ajudar nas entradas e saída de estacionamento;
3.Evitar movimentos bruscos, tipo olhar para trás;
4.No pedágio. Deve ter sempre em mãos o pagamento.
5.O garupa pode ajudar nas curvas.
6.Não adormecer, sobretudo em percursos sinuosos, ou de piso irregular.
9.Nas freadas e arranques, deve apoiar-se nas alças e não no condutor.
10.Quando a moto parar, não pôr os pés no chão.
11.Muito vento juntar-se ao corpo do condutor.
12.NÃO olhar para o velocímetro.
13.A partir dos 70 Km/h, não conversar.
14.A mais de 200 Km/h, não deve acenar aos outros.
15.Evitar: calçar luvas, ajeitar o capacete, os óculos ou o penteado em movimento.
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
SINAIS CARACTERIZADORES DE PERIGO
 
TODOS OS SINAIS SERÃO EFETUADOS COM A MÃO ESQUERDA

 MÃO ESPALMADA PARA CIMA: PERIGO A FRENTE.

 
 
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
DEDO INDICADOR APONTADO PARA CIMA: CHUVA

DEDO INDICADOR APONTADO PARA CIMA FAZENDO CÍRCULOS: POLÍCIA OU RADAR


DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
QUATRO DEDOS APONTADOS PARA BAIXO: ANIMAIS NA PISTA

DEDO INDICADOR E MÉDIO EM FORMA DE “V”: MANTENHA A FILA DUPLA


DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)

CARACTERÍSTICAS DO PILOTO
1. DIREÇÃO AGRESSIVA: O PILOTO QUE UTILIZA
SUA MOTOCICLETA DE FORMA RÍSPIDA E
GRESSIVA.
2. DIREÇÃO ATIVA:O PILOTO UTILIZA SUA
MOTOCICLETA COMO SE ELE FOSSE O “DONO DA
RUA”.
3. DIREÇÃO PASSIVA:NESTE CASO O PILOTO SE
DEIXA ABATER PELO MEDO E RECEIO, E FICA.

4. DIREÇÃO DEFENSIVA: É UM ESTILO DE PILOTAGEM VEICULAR ONDE O MOTORISTA TEM


ESPECIAL PREOCUPAÇÃO COM A SEGURANÇA.
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
SITUAÇÕES PERIGOSAS

 Situar-se de trás de ônibus e caminhões;


 Transitar sobre a faixa continua ou tracejada;
 Ultrapassar pela direita qualquer veículo;
 Colocar-se onde o motorista não o vê;
 Passar perto de veículos;
 Não cruze a linha férrea em forma perpendicular;
 Transitar com a velocidade alta;
 Transportar mais de um passageiro;
 Levar carga que o impeça de manter as mãos no
guidão;
 Transitar com crianças na parte dianteira;
 Fazer piruetas ou manobras esportivas na via.
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)

SITUAÇÕES PERIGOSAS PILOTANDO


FREADA: FREAR DEVE SER SEMPRE UMA ATITUDE DE EXTREMO CUIDADO NÃO IMPORTA SE VOCÊ
ESTÁ LENTO OU RÁPIDO.
SINALIZAR A FREADA: SEMPRE DÊ UMA OU DUAS "BELISCADAS" NO FREIO ANTES DE FREAR
PROPRIAMENTE.  
FAIXA DIVISÓRIA DE PISTA: SEGURE FIRME SEU GUIDOM QUANDO ESTIVER SOBRE ELA. 
FAROL NO ESPELHO: QUANDO VOCÊ ESTIVER POR ULTRAPASSAR UM VEÍCULO, SEMPRE QUE
POSSÍVEL COLOQUE SEU FAROL NO ESPELHO RETROVISOR.  
MANCHAS NO ASFALTO: TENHA SEMPRE ATENÇÃO, NA MAIORIA DAS VEZES PODE SER ÓLEO
OU CONSERTOS.  
CABECEIRA DE PONTES: SEMPRE QUE FOR ENTRAR NA CABECEIRA DE UMA PONTE OU SAIR,
LEVANTE DO BANCO. 
BURACOS: EVITE-OS! QUANDO NÃO FOR POSSÍVEL, FREIE O QUE PUDER ANTES DELE, NUNCA
FREIE NO BURACO.
DIREÇÃO DEFENSIVA (VEÍCULO DUAS RODAS)
OS DEZ MANDAMENTOS PARA UMA BOA VIAGEM

 FAÇA REVISÃO MECÂNICA E ELÉTRICA NA SUA MOTO ANTES DE VIAJAR.


 TENHA SEMPRE CONSCIÊNCIA DE SEUS LIMITES E DA MOTO.
 PROCURE DESCANSAR ANTES DE UMA VIAGEM.
 NÃO EXAGERE NA BAGAGEM.
 NÃO CONSUMA BEBIDAS ALCOÓLICAS ANTES DE VIAJAR E NEM DURANTE A VIAGEM.
 NÃO PROSSIGA SE ESTIVER SE SENTINDO CANSADO.
 FAÇAM PARADAS PARA DESCANSO, RESPEITANDO A SUA RESISTÊNCIA FÍSICA.
 NÃO SE ALIMENTE COM COMIDAS PESADAS DURANTE A VIAGEM.
 SÓ VIAJE A NOITE SE AS CONDIÇÕES DA MOTO E DA ESTRADA PERMITIR.
 EVITE MOSTRAR SER “O MELHOR, O MAIS RÁPIDO, O MAIS TUDO”.

Você também pode gostar