Você está na página 1de 10

• Pte L.

A de 32 anos, admitida no dia 2/9 as 0h33 min, vinda


transferida do CS de Manga loforte com o diagnostico de Dispneia+
anemia? Chegou no período expulsivo teve parto eutócico Nado
morto sexo M P 600g, actualmente mae sem queixas. EO moderado,
eupneica acianotica apirética anictérica. TA 121/82mmhg Fc 98
bat/min, Abdómen útero contraído abaixo do umbigo lóquios
normais, períneo intacto. Extremidades sem edemas.
• Diagnostico: puerpério imediato
2/9/20 as 8h45min
• Quando passava visita na enfermaria encontrei a paciente em
choque, fria com sudorese não responsiva. Eo grave, letárgica, TA
77/47mmhg, FC 144bat/min ECG 10/15. AP mv mantidos bilat, AC
s1s2 regular normofonetico. Abdómen distendido, com
hipertimpanismo , difícil de palpar o útero , com sangramento vaginal
escasso. Extremidades com edemas e manchas hiperpigmentadas.
• Diag: puérpera imediata, choque misto( sepses e hipotensão) SIDA
OMSIV? SK pulmonar??
• Ecografia:útero com endométrio linear, não evidencia imagem de
sangramento FSD livre
• Decidida enviar a pte para reanimação .
• 10h
• Foi decidido que era oclusão intestinal no qual foi solicitado o
cirurgião . Foi colocada sonda nasogastrica, e rectal, com a saída de
muito liquido de cor verde escuro.
• Medicada com cotrimoxazol, ceftriaxona metronidazol omeprazol ,
oxitocina, neostigmina. Lringer
• Hemograma leuc 8.17 000/ul, HB 9.7 g/dl plaq: 448 000/ul
• As 13h45 min
• Voltamos a reanimação para ver a decisão do cirurgião depois do RX
do abdómen e encontramos que a paciente não tinha Sinais vitais .
Declarada óbito e solicitado autopsia
Causas
• Directa: choque séptico
• Intermedia: tuberculose abdominal
• Básica : sida OMS IV

• Evitabilidade: evitável
• Factores : seguimento inadequado na pré natal.
• Ma avaliação na sala de partos
Resultado da autopsia
• Gastroenterite ulcero-hemorrágica com marcada distensão das alças
intestinais
• Esteatose hepática severa
• Tuberculose peritoneal com envolvimento de gânglios mesentéricos
• Útero contraído e restantes órgãos normais .
• Pte D.A 24anos, GIIP2, admitida no dia 20/9/20 pelas 8h05 min, vinda
transferida sem acompanhante do CS Munhava com o diagnóstico de
complicação pós parto. Segundo a guia refere histórico de queda com
casa antecedido de parto há 1 semana. EO mau estado geral,
dispneica, NC 3/15 sem rigidez da nuca, hidratada mucosas
hipocoradas sem febre. TA 128/63mmhg, FC 88bat/min
• AP mv mantidos bilat com roncos, AC regular. Abdómen mole
depressível útero contraído lóquios hemáticos escassos.
• Diagnostico: puerpério mediato+ coma para o estudo
• Hemograma 10h14min : HB 8.4 g/dl, leuc 19.46 000/ul, Plaquetas 120
000/ul, neut 89.3%
• Solicitado TAC não foi possível e recomendou se repetir devido a
muitos artefactos
• Medicada com ceftriaxona, metronidazol, omeprazol, paracetamol.
21/9
• Pte grave, ECG 10/15, pupilas isocóricas, e fotoreativas, mucosas
secas e com sinais de sangramento pelas fossas nasais e boca.
Respiração espontânea com aumento de secreções na orofaringe
• TA 126/91mmhg, FC 84 FR 18 mov/min, sat02 93% com oxigénio.
• AP com roncos dispersos
• Diag: BPN aspirativa , como para estudo, puerpério tardio
• As 2h45 min, teve paragem cardiorrespiratória no qual foi reanimado
sem sucessos e confirmado óbito as 3h
Causas
• Directa
• Intermedia:
• Básica: indeterminada
• Evitabilidade: inevitável

• Factores: demora na comunidade


• Chegada tardia na US\\

Você também pode gostar