Você está na página 1de 12

Curso de Psicologia - Bacharelado

Turma: D3

Disciplina: Neurofisiologia

Professor: Rosiberton Pereira da Cruz

Estudantes:
Adriana Souza -  RGM 27686744
Alexandre Gonçalves - RGM 27601285
André Gomes - RGM 27601374
Cristiane Assis - RGM 28698037
Lilian Duarte -
Raíza Martins - RMG 28020499
Neuroplasticidade é capacidade do sistema nervoso de mudar, adaptar-se e
moldar-se a nível estrutural e funcional ao longo do desenvolvimento
neuronal e quando sujeito é exposto a novas experiências.

Por muito tempo achou-se que as células do sistema nervoso eram imutáveis.
No decorrer da vida, elas diminuem.

O Cérebro muda ao longo da vida:

1)MUDANÇA ESTRUTURAL- novas conexões, fortalecimento


ou surgimento de novos neurônios.

2) ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL - uma área pode assumir novas


funções após uma área específica ser danificada sem mudar
de estrutura necessariamente.
HABILIDADE SOCIAL

Conjunto de requisitos que podemos desenvolver e adotar como ferramenta


para conectar e interagir com as pessoas ao nosso redor
Competências que temos
para interagir com os outros, expressando nossos
desejos e opiniões, sem causar mal-estar.

percepção do sentimento dos outros.


é inerente ao ser humano estar conectado ao outro.
vínculo afetivo

Capacidade inata de se colocar no lugar do outro


Não se trata de uma habilidade que se aprende
(nascemos com essa capacidade)
EXCEÇÕES

• PSICOPATA
• AUTISTA
• ESQUIZOFRÊNICO

O cérebro ativa mesmo sem você saber que está sendo


ativado é o que damos o nome de contagio emocional.

tristeza
felicidade
vergonha
dor

EXEMPLOS DE SITUAÇÕES EM QUE ISSO OCORRE

correr ao ver uma pessoa correndo.


ao ver dois restaurantes, um cheio e o outro vazio.
Dr. Andrew Meltzof (1977)

estudou as imitações das


Experiência com macacos rhesus expressões faciais
(Rizzolatti et al. 1988) feitas por bebês
recém-nascidos
A influências de filmes, jogos e notícias com relativa
carga de violência nas reações humanas
(Prof. Meraldo Zisman – médico psicoterapeuta)

“O que censuro nos jornais é fazer-nos prestar atenção


todos os dias a coisas insignificantes, ao passo que nós
lemos, apenas três ou quatro vezes na vida, os livros
em que há coisas essenciais.” Marcel Proust (1871-
1922), livro No Caminho de Swann.
Swann

Você também pode gostar