Você está na página 1de 36

Iluminação pública

 Objetivo geral:
Estudo na NORMA EUROPEIA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA EN 13201;

 Objetivo específico:
Implementação da norma EN 13201 no sitema de iluminação pública da Smart City.
Índice:

 Custo da iluminação pública em Cabo-Verde ;


 Norma EN 13201:
- Classe de iluminação pública;
- Tipos de lâmpadas
-Características da Iluminação Pública quanto à Distribuição das Luminárias;
Custo da iluminação pública em Cabo-Verde

 O Objeto do presente diploma institui a Contribuição para Custeio do Serviço de


Iluminação Pública (CIP), integrada no sistema tributário municipal, com o propósito de
custear os serviços de iluminação pública na nossa cidade, sujeitas a jurisdição municipal.
A CIP incide sobre o fornecimento de energia elétrica, sendo atribuído a título mensal por
cada consumidor de energia elétrica fornecida pela Concessionária.

 Entende-se ainda por Iluminação pública como sendo o fornecimento de energia elétrica
destinada não só nas vias públicas, também a ruas, praças, avenidas, túneis, passagens
subterrâneas, jardins, estradas ou seja domínio público, de uso comum e livre acesso das
populações
Custo da iluminação pública em Cabo-
Verde
O valor da CIP a ser paga por cada consumidor de energia elétrica é proporcional ao seu consumo mensal,
sendo calculada de acordo com a seguinte fórmula:

 CIP = ECONS. * KIP * TARIP

 CIP – Valor mensal da Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública, em escudos cabo-
verdianos;
 ECONS. – Energia ativa consumida pelo consumidor durante o mês, em KWh;
 KIP – Constante de iluminação pública (relação percentual entre o consumo total de energia na
iluminação pública e o total de energia distribuída pela concessionária, a ser atualizada anualmente e
em percentagem;
 TARIP – Tarifa da iluminação pública fixada pela entidade reguladora, em escudos cabo-verdianos por
kWh.
Custo da iluminação pública em Cabo-
Verde
Para os clientes com consumos superiores a 20.000 kWh/mês, o cálculo da CIP será feito através da
seguinte fórmula:
 
 CIP = 20,000 * KIP* TARIP.
 

A CIP é pago pela concessionaria responsável pela distribuição de energia e conjuntamente paga com
o preço relativo ao seu fornecimento em que esse valor é fixada na fatura correspondente ao
fornecimento de energia elétrica. Sendo a iluminação pública sujeita a jurisdição municipal
,anualmente ou sempre que as partes acharem conveniente, é feito um ajuste de contas apresentado no
regulamento ou no contrato de fornecimento de energia efeituado entre o Município e concessionaria.
o pagamento da CIP aplica-se e auxiliada na Lei Geral Tributária e no Código de Processo Tributário.
Custo da iluminação pública em Cabo-
Verde
 Em que o controlo de Tarifas e fiscalização é
feita pela Agencia reguladora multissetorial da
economia (ARME),previsto que anualmente
devera fazer um ajuste necessário no K IP em
função dos níveis de faturação de iluminação
publica verificados e atribuído pela
concessionaria. Conselho de administração
publicou a deliberação Nº 09/CA/2021 que
estabelece o valor anual de constante de
iluminação publica (KIP) para a contribuição
para o custeio do serviço de iluminação
publica(CIP),em que a ARME delibera o valor
de KIP de 2021 em 5.49%. para a tarifa de
eletricidade temo s seguinte figura:
Custo da iluminação pública em Cabo-
Verde
Iluminação publica em Cabo-Verde

 Altura de montagem: varia entre 8 a 10 m, consoante localidade e condições do ambiente


a redor;

 Distanciamento entre ponto Luminoso: varia entre 30 a 40 m, mas com padrão e utlizado
normalmente 30m;

 Potencia das lâmpadas: uso de lâmpadas led 30W nas vias de peões e 70w na vias
rodoviárias
classe de iluminação pública
Características da Iluminação Pública quanto à Distribuição das
Luminárias
classe de iluminação pública
classe de iluminação pública
  M C P
para áreas pedestres e áreas onde o tráfego se processe a
velocidade reduzida
classificação de vias para tráfego monitorizado para áreas de conflito
baixa ou muito baixa;
Velocidade Alta ou moderada alta, moderada ou baixa
 
Separação de via Sim ou não sim ou não

fluxo de tráfego, ciclistas, peões


estacionamento:
apenas motorizado, ou misto com elevada
Natureza do tráfego percentagem de não-motorizado;

complexidade do campo visual, luminância muito alta, alta, moderada, baixa ou


Influências ambientais envolvente, condições climatéricas; muito baixa;

Orientação visual fraca bom

controlo de tráfego boa ou muito boa muito bom


muito elevado, elevado, moderado, baixo ou muito baixo;

muito elevado, elevado, moderado,


Volume de tráfego reduzido ou muito reduzido;
peões, ciclistas e tráfego motorizado; peões e tráfego
motorizado; apenas peões e ciclistas; apenas peões; apenas
ciclistas.
apenas motorizado, misto, ou misto com
composição do tráfego elevada percentagem de não-motorizado;
muito alta, alta, moderada, baixa ou muito baixa.
muito alta, alta, moderada, baixa ou
Luminância envolvente: muito baixa
presente ou ausente
Estacionamento de veículos: presente ou ausente;
necessário ou não
Reconhecimento facial: necessário ou não;
classe de iluminação pública
Características da Iluminação Pública
quanto à Distribuição das Luminárias
Características da Iluminação Pública quanto à
Distribuição das Luminárias
Os membros do CEN são obrigados a cumprir o Regulamento Interno do CEN/CENELEC (CENELEC – European Committee for
Electrotechical Stardardization) que estabelece as condições para que o Padrão Europeu seja o de ter uma norma nacional sem qualquer
alteração:
As classes ME aplicam-se a vias onde se verifique a circulação de veículos motorizados, onde seja praticável velocidade média a alta;
 As classes CE têm a mesma aplicação das classes ME, mas para uso em áreas conflituosas, como ruas de comércio, interseção de vias
de alguma complexidade, rotundas e zonas de congestionamento de trânsito. Estas classes têm aplicação em percursos mistos, ou seja,
onde uma dada via permita a circulação simultânea de peões e veículos motorizados;
 As classes S e A são aplicáveis a percursos de peões e ciclovias, faixas de circulação de veículos de emergência e outras vias que se
encontrem separadas da via normal de circulação, bem como áreas de estacionamento, ruas interditas à circulação de veículos, etc;
 As classes ES são classes adicionais e específicas para situações onde haja necessidade de identificação de pessoas e objetos, e em áreas
de circulação com risco de crime agravado
 As classes EV são classes adicionais e específicas para situações em que seja preciso visualizar superfícies verticais, tais como zonas de
portagem, por exemplo.Os requisitos das classes de iluminação refletem a categoria do utilizar ou tipo de via. Deste modo, as classes ME
baseiam-se na luminância da superfície de via, enquanto as classes CE, S e A baseiam-se na iluminação da via. As classes ES baseiam-se
em iluminância semicilíndrica, enquanto as classes EV se baseiam na iluminação do plano vertical.
Características da Iluminação Pública quanto à
Distribuição das Luminárias
Características da Iluminação Pública quanto à
Distribuição das Luminárias

O fator de manutenção é um método utilizado para prever a manutenção a longo prazo do fluxo luminoso e as
propriedades iniciais estabelecidas no projeto luminotécnico para o ambiente. Ele também prevê o melhor momento
para substituição das luminárias, para que seja mantido a luminosidade ideal. Com a aplicação dele, os profissionais
especializados conseguem oferecer garantia de seus serviços em longo prazo. O fator de manutenção, normalmente
utilizado pelos principais fabricantes de luminárias e projetistas, é de 0,80
Tipos de lâmpadas

Frederico-Olavo-Seabra.pdf
O que é IRC?

 O Índice de Reprodução de Cores, indicado como IRC, CRI (em inglês) ou Ra na


descrição de lâmpadas, é um valor que mostra o quanto uma determinada luz permite
visualizar cores com precisão. As lâmpadas que reproduzem melhores cores são aquelas
que IRC compreende entre 85 a 100.

https://www.cliquearquitetura.com.br/artigo/o-que-e-indice-de-reproducao-de-cores-(irc)?.html
Características da Iluminação Pública
quanto à Distribuição das Luminárias

https://www.aladiniluminacao.com.br/blog/duvidas-mais-frequentes-sobre-postes-de-iluminacao
Características da Iluminação Pública quanto à
Distribuição das Luminárias

 Em geral a altura livre de montagem da luminária (altura do poste) poderá ser de seis até doze metros,
variando conforme a largura da via e espaçamento de segurança entre os postes (que deverá ser sempre
respeitado). A altura do poste deverá ser menor ou igual à largura da via (considerando o acostamento, se o
mesmo existir).
Características da Iluminação Pública quanto à
Distribuição das Luminárias
Neste tipo de projetos devem ser tidos em conta a classificação de vias, bem como os seguintes critérios para os cálculos
fotométricos, apresentados pela figura
H ≥ L , e ≥ 3.5 H (mínimo) Sendo:
L = largura da pista de rolamento (mais acostamento quando houver);
H = altura de montagem da luminária;
e = espaçamento entre postes.
Tipicamente, nos centros urbanos, há circulação de muitos peões, e, portanto, o espaçamento na via pública tende a ser
reduzido devido à distribuição da iluminação pública. Considerando a largura da via (L), altura de montagem da luminária
(H), e, caso exista, a largura do canteiro central (D), são utilizadas as seguintes alternativas relativamente à distribuição de
postes:
 Posteação unilateral;
 Posteação bilateral alternada;
 Posteação bilateral frente a frente;
 Posteação no canteiro central.
Características da Iluminação Pública
quanto à Distribuição das Luminárias
 Posteação unilateral

Este modelo deve ser utilizado quando a largura da faixa de rodagem for menor ou igual à
altura de montagem da luminária
Características da Iluminação Pública
quanto à Distribuição das Luminárias
 Posteação bilateral alternada

Este modelo é aplicado quando a largura da faixa de rodagem estiver entre 1 e 1,6 vezes a
altura da montagem da luminária
Características da Iluminação Pública
quanto à Distribuição das Luminárias
 Posteação bilateral

frente a frente Este modelo deve ser utilizado quando a largura da faixa de rodagem for 1,6
vezes maior que a altura de montagem da luminária
Características da Iluminação Pública
quanto à Distribuição das Luminárias
 Posteação no canteiro central

Este modelo deve ser implementado com suporte quando a largura da faixa de rodagem for
menor ou igual à altura de montagem e quando a largura do canteiro central (D) não
ultrapassar 3 metros
Características da Iluminação Pública
quanto à Distribuição das Luminárias
 No caso de haver canteiros centrais com largura entre 3 e 6 metros, ou canteiro central com
largura menor que 3 metros e largura de faixa de rodagem maior que 1,6 da altura de
montagem, devem ser utilizadas as alternativas com postes e chicotes de acordo com a
figura
Características da Iluminação Pública
quanto à Distribuição das Luminárias
 Para canteiros centrais com largura igual ou maior que 6 metros, deve ser utilizada uma
das alternativas como mostra a figura
cablagem
Cabeamento elétrico aéreo
• Maior necessidade de manutenção ,
aumentando os custos;
• tem maiores riscos de sofrer rompimentos
por conta de ventos fortes, chuvas, desgaste
do tempo, quedas de árvores, vandalismo,
caminhões e acidentes de trânsito;
• oferece maiores riscos de causar acidentes
quando os fios se rompem;
• são mais vulneráveis a avarias e sua
manutenção é mais trabalhosa, o que às
vezes acaba deixando a população
sem energia por longos períodos;
• até mesmo sua manutenção oferece riscos à
vida dos técnicos que precisam trabalhar em
alturas elevadas.
Cabeamento elétrico subterrâneo
• inimiza os riscos de rompimentos acidentais de
forma exponencial;
• praticamente elimina as chances de conexões
clandestinas (“gatos”);
• elimina a poluição visual;
• possui um índice de manutenção muito mais
baixo
reduzindo custos;
• diminui o risco de queima de equipamentos
eletrônicos,
pois não o modelo não é condutor de
sobretensões;
• quando necessária, sua manutenção é muito
mais rápida,
eficiente e não coloca a vida dos técnicos em
risco.
Proteção

 EN 61643
 Vias coletoras; vias de tráfego importante; vias radiais e urbanas de interligação entre
bairros, com tráfego de pedestres elevado. (v3) volume de tráfego intenso e médio.
 • Vias de trânsito rápido; vias de alta velocidade de tráfego, com separação de pistas, sem
cruzamentos em nível e com controle de acesso; vias de trânsito rápido em geral; Auto-
estradas. (V1) volume de tráfego intenso e médio
 • Vias arteriais; vias de alta velocidade de tráfego com separação de pistas; vias de mão
dupla, com cruzamentos e travessias de pedestres eventuais em pontos bem definidos; vias
rurais de mão dupla com separação por canteiro ou obstáculo. (V2) volume de tráfego
intenso e médio.
DESCARREGADORES DE SOBRETENSÃO COMPACTOS PARA SISTEMAS DE
ILUMINAÇÃO LED CLASSE I ou I(MLPC)

• ipo 2 (ou 3)
• Para sistemas de iluminação Classe I ou II
• Muito compactos
• Plate mounting
• 2 modos de ligação: bornes de parafuso ou mola
• indicador de estado
• Em conformidade com a EN 61643-11
DESCARREGADOR DE SOBRETENSÃO TIPO 2 (OU 3) PARA SISTEMAS
DE ILUMINAÇÃO LED CLASSE I.(DSLP)

• descarregadores de sobretensão Tipo 2 (ou 3)


• Muito compactos (baixo perfil)
• Montagem em calha DIN
• Ligação com borne de parafuso
• Indicador de estado
• Desconexão AC em fim de vida
• Em conformidade com a EN 61643-11 e IEC 61643-11 
DESCARREGADORES DE SOBRETENSÃO COM INDICADOR DE DESCONEXÃO MECÂNICA PARA SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO LED CLASSE I OU II (MLPM)

• escarregadores tipo 2 (ou 3)


• Para redes monofásicas 230 V
• Muito compactos
• Plate mounting
• Ligação por bornes de mola
• Indicador de estado
• Fim de vida: Desconexão AC
• Em conformidade com a EN 61643-11 e IEC 61643-11
Postes de iluminação publica

 As classificações de IP (ou "Proteção de entrada") são definidas pela diretiva internacional EN


60529 (British BS EN 60529: 1992, European IEC 60509: 1989). É utilizada para definir os
níveis de eficácia de vedação de equipamentos elétricos contra a intrusão de corpos estranhos
(resíduos, pó, etc.) e humidade Os números que seguem as letras IP têm um significado
específico. O primeiro indica o grau de proteção dos equipamentos fechados contra corpos
estranhos. O segundo define o nível de proteção que os equipamentos possuem contra as várias
formas de humidade (gotas, sprays, imersão, etc.).

IP65 = primeiro dígito - sólidos


IP65 = segundo dígito - líquidos

Abaixo está uma tabela muito simples que ajuda a perceber qual o índice de proteção mais
adequado para os seus equipamentos com base nas condições de trabalho que estarão sujeitos.

Você também pode gostar