Você está na página 1de 1

1) Magda Soares (2003) indica que a expansão do significado de alfabetização em direção ao conceito de letramento levou à perda de sua especificidade.

“[...] no
Brasil a discussão do letramento surge enraizada no conceito de alfabetização, o que tem levado, apesar da diferenciação sempre proposta na produção acadêmica,
a uma inadequada e inconveniente fusão dos dois processos, com prevalência do conceito de letramento, [...] o que tem conduzido a um certo apagamento da
alfabetização que, talvez com algum exagero, denomino desinvenção da alfabetização” (SOARES, 2003, p. 8).

Nesta perspectiva, Magda Soares compreende a alfabetização e o letramento como:

Procedimentos que se anulam.


Duas vertentes características dos métodos sintéticos.
Processos antagônicos e que não se concebe o diálogo entre eles.
Processos diferenciados, embora indissociáveis, que se articulam na composição de um leitor competente nas habilidades de leitura e escrita, bem como no
encadeamento das práticas sociais de escrita.
Processos idênticos, diferenciando-se apenas pelo momento histórico em que foram identificados.
Código da questão: 32272

2) Sobre a dimensão individual do letramento podemos dizer que se tratam de:


Competências de leitura e escrita a partir da dinâmica de interação com o professor, de forma individualizada.
Um conjunto de competências linguísticas que se constituem desde o domínio de unidades de som até a capacidade de transmitir ideias.
A capacidade de aprender sozinho as práticas sociais envolvendo a leitura e
escrita.
A busca por contexto individuais de inserção no mundo letrado, a partir da organização familiar e sem a participação da escola.
A passagem dos contextos de alfabetização (de cunho individual) para o letramento (perspectiva coletiva)
Código da questão: 32299

3) Azenha (1993, p. 35) apresenta o construtivismo como, “[...] uma grande revolução conceitual nas referências teóricas com que se tratava a alfabetização até
então, iniciando a instauração de um novo paradigma para a interpretação da forma pela qual a criança aprende a ler e a escrever”.
Nesta perspectiva, podemos considerar o construtivismo como:

Uma concepção sobre os modos de construção da aprendizagem.


Um olhar diferenciando para as práticas vivenciadas nas etapas iniciais.
Um posicionamento político-partidário.
Um método de alfabetização.
Formas de avaliação institucional.
Código da questão: 32333

4) No Brasil, a perspectiva construtivista se apresenta associada a:


Psicogênese da língua escrita.
Contextos de massificação.
Método fônico.
Método global ou analítico.
Alfabetização tradicional.
Código da questão: 32321

5) Os estudos e posicionamentos de Ferreiro e Teberosky vêm intensificar a crítica aos contextos metodológicos de alfabetização, promovendo até uma busca pela:
Extinção de qualquer método de alfabetização.
Desmetodização da alfabetização.
Retomada dos métodos tradicionais.
Concretização da alfabetização.
Manutenção do método.
Código da questão: 32287

6) O desenvolvimento da escrita trata de uma elaboração social, ou seja, se consolida conforme as interações realizadas pelo sujeito com o meio, num processo
continuado e relacional.
Perspectiva construtivista.
Perspectiva tradicional.
Perspectiva educacional.
Perspectiva didática.
Perspectiva sociointeracionista.
Código da questão: 32331

7) A perspectiva de alfabetizar letrando dialoga com contextos de:


Método e Prática pedagógica .
Alfabetização e Letramento.
Letramento e currículo.
Práticas docentes e funcionalidade.
Tradicionalismo e controle.
Código da questão: 32318

8) Sobre o letramento presente nos contextos escolares, marque a afirmativa CORRETA.


No letramento, não é necessário explorar a estrutura e a função social do texto.
Sem valorizar as experiências dos alunos, o letramento só considera as vivências
escolares.
Os gêneros textuais, tais como carta, bilhete, lista, devem ser trabalhados fora do contexto social.
Somente os anos iniciais são passíveis do trabalho com práticas de letramento.
Para a formação de sujeitos letrados, a escola deve prover diversos tipos textuais, refletindo sobre a função social da escrita.
Código da questão: 32328

9) Na composição da prática pedagógica com gêneros textuais, o uso de tirinhas e receitas na fase inicial de alfabetização:
é considerado essencial no ensino da concordância verbal;
promove a ampliação da capacidade leitora do sujeito.
confunde o leitor pois são práticas pouco utilizadas na escola;
é considerado pouco aconselhável no início da alfabetização;
dificulta os processos avaliativos pois são portadores difíceis de construir elementos de avaliação;
Código da questão: 32296

10) Nos processos de alfabetização no Brasil, um importante instrumento foi difundido. Assinale o instrumento sobre o qual o texto se refere.
O jornal.
Pergaminhos.
O computador.
A bíblia.
A cartilha.
Código da questão: 32268

Você também pode gostar